24.1.18

O LINCHAMENTO DE LULA

ADERSON BUSSINGER -


Antes que eu também seja previamente linchado, (sem que ao menos vocês leiam o que penso), quero registrar que não sou petista e gostaria muito que o povo deixasse de se iludir com o discurso de pseudo-esquerda do PT.

Entretanto, não posso também deixar de me manifestar sobre o quanto entendo parcial e mesmo um linchamento moral e político este atual processo sob julgamento, com vistas a dois objetivos bastante evidentes para mim: 1- Impedir que Lula concorra e ganhe as eleições; 2- Desmoralizar uma parcela significativa dos trabalhadores, o povo pobre principalmente, buscando incutir em suas consciências que além de pobres sequer pode ter líderes (que não sejam aqueles da elite branca e burguesa tradicional).

Pois bem, neste julgamento específico do “triplex”, o Juiz que primeiramente o condenou nunca escondeu sua parcialidade, seja em entrevistas nas quais destilava (e segue destilando) sua confessa aversão ao petismo, ao que entende como “imoral” enquanto ao mesmo tempo posava imoralmente em fotos de eventos festivos com os adversários políticos do réu que iria julgar caciques do PSDB e PMDB.

E o episódio da condução coercitiva de Lula, quando já havia protocolado petição se comprometendo a ir espontaneamente a Curitiba depor? E o vazamento de seu áudio com a ex-presidente Dilma, no momento em que se preparava para legitimamente assumir a casa civil do Governo como ministro então nomeado? (Assim como fez Moreira Franco sem a mesma restrição). E as declarações do presidente do TRF-4 elogiando o mérito da sentença de Moro? E depois sua secretária de gabinete no Tribunal promovendo um abaixo-assinado para condenação de Lula? E o fato de não receber uma advertência sequer por tão grave fato? E o cerceamento de documentos para exame da defesa? E o fato de que os principais delatores de Lula são réus?

Enfim, somente vejo uma resposta para tudo isto: Trata-se de um julgamento visceralmente político, sob o “manto formal” do judiciário, mas de fato patrocinado por parte da elite econômica brasileira e também internacional que rompeu a aliança que teve com Lula e o PT, (através da qual lucrou impressionantemente bilhões de dólares), e utiliza agora este processo, (como também utilizou do golpe parlamentar-judicial Contra Dilma), para impedirem que Lula possa concorrer e retornar à presidência pelo voto popular; porque em verdade desejam impor ao país um governo de ainda maior exploração dos trabalhadores, fim da previdência social, diminuição discorríeis trabalhistas, proteção do latifúndio e dos lucros dos bancos, além da entrega de nossas riquezas e corrupção.

Este o objetivo desta perseguição a Lula: Fortalecer a elite econômica e seus políticos de aluguel! Por isto não apoio a condenação de Lula nestes termos e com este Juiz parcial, mas defendo que possa concorrer à presidência, assim como ser submetido a um julgamento insuspeito, o que definitivamente não se trata do presente processo.

Afinal, qual o real nível de confiabilidade do judiciário brasileiro? Finalmente, não confio na propalada independência do judiciário! Evidente, que a maioria esmagadora e absoluta dos juízes e juízas é formada por homens e mulheres honestos, mas não há nada que nos autorize a afirmar que a estrutura e principalmente as cúpulas dos tribunais brasileiros não sejam feitas do mesmo tijolo moral e político das cúpulas das assembleias legislativas, Congresso nacional e Poder Executivo nacional. Por isto suspeito deste julgamento realizado político-juridicamente desta forma e circunstância.

* Aderson Bussinger, advogado, conselheiro da OAB-RJ, integra o MAIS - Movimento Por Uma Alternativa Independente Socialista. Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais/UFF, colaborador do site TRIBUNA DA IMPRENSA Sindical, Diretor do Centro de Documentação e Pesquisa da OAB-RJ, membro Efetivo da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ. Membro Efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros-IAB.