3.2.18

AINDA É TEMPO DE ARTICULAR UMA CANDIDATURA ALTERNATIVA

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -


A sorte de Lula está lançada. Não há a mais leve indicação por parte de membros do Supremo de que a condenação em segunda instância de Porto Alegre seja revertida. O ex-presidente só tem uma saída racional: investir toda a sua popularidade eleitoral na construção de uma candidatura progressista, fora dos quadros do PT. Uma candidatura para ganhar não pode se prender a questões emocionais de um partido perseguido. Se o PT não entender isso, Lula, que é uma águia política, pode perfeitamente fazê-lo compreender.

A Justiça brasileira estraçalhou o PT durante anos de perseguição. Lembro-me de Gilmar Mendes dizendo que o PT havia feito um caixa eleitoral para ser aplicado até 1935. É um insulto à inteligência. A forma como o partido pode salvar a si mesmo e salvar as forças progressistas é elegendo um sucessor dessa quadrilha que atualmente governa o país de forma ilegítima. Isso seria uma vingança histórica, um recomeço para a política brasileira. Não imagino nada viável e realista que possa acontecer favoravelmente de outro jeito.

Apenas presidentes podem conceder indultos. Um candidato vitorioso apoiado por Lula teria como primeira iniciativa indultá-lo, recolocando-o na disputa presidencial dentro de quatro anos. Ele ainda tem idade para isso. Lembre-se que Ronald Reagan foi candidato a presidente dos Estados Unidos pela primeira vez com 74 anos, e posteriormente reelegeu-se. Sem uma solução desse tipo, que passa necessariamente pela vitória na eleição do fim deste ano, Lula arrisca-se a apodrecer na cadeia sem perspectiva de voltar à política ativa.

Esse caminho é muito difícil, mas seu sucesso depende essencialmente de humildade do PT: ele tem que compreender que não pode jogar Lula na fogueira de uma candidatura que não existirá na prática. O que seria levar a candidatura de Lula até o fim? Significa assistir à coreografia hipócrita de juízes e ministros de má fé, que certamente postergarão a decisão da inelegibilidade até bem próximo do registro de candidaturas, para, então, não havendo mais tempo de uma candidatura alternativa viável, declarar Lula inelegível.

A solução de uma candidatura presidencial alternativa resolveria também outro impasse, já que poderia ajudar na renovação do Congresso Nacional. Mais de dois terços do atual Congresso deram provas concretas de que estão vendidos. Através de cargos, ministérios, emendas parlamentares, publicidade oficial em órgãos de comunicação, o governo ilegítimo conseguiu dominar as consciências da maioria dos parlamentares para aprovar uma sequência inacreditável de medidas anti-povo e anti-nação. Sem renovação do Congresso, e independentemente de quem venha a ser presidente da República, continuará o processo de liquidação dos interesses nacionais e da corrupção privatista.