17.2.18

CONVULSÃO SOCIAL SERÁ ACIRRADA CASO INTERVENÇÃO MILITAR DO RIO PASSE NO CONGRESSO NACIONAL

ANDRÉ MOREAU -


Só há golpes no Brasil, quando as forças armadas permitem. Quem tinha dúvida a respeito, pode se convencer agora (16), depois do decreto do ilegítimo, Michel Temer - eternizado no Samba da Paraíso do Tuiuti, como vampiro -, aprovando a implantação da intervenção militar no Rio de Janeiro, primeiro passo para aprovar o Ministério da Segurança em substituição ao Ministério dos Direitos Humano, que teoricamente poderá ser dirigido por Luiz Antonio Fleury Filho, filho do delegado Fleury ou, pelo ex-Secretário da Segurança, José Mariano Beltrami.

A idéia do vampiro, pode ser sua única saída de se manter livre, ao contrário do companheiro de partido PMDB/MDB, ex-Governador, hoje interno, Sérgio Cabral, que teve como principal auxiliar, Pezão, o mesmo que apesar de ter aprovado a instalação da sede do CIA - Central de Inteligência dos EUA, no Centro do Rio de Janeiro, em apoio ao golpe de estado de 2016, terminaram respectivamente: preso e; sem poder.

O plano, no entanto, caso siga os ritos constitucionais, terá que ser aprovado no Congresso Nacional, além de se chocar com a idéia dos aristocratas da ditadura de toga que recentemente em Curitiba e no Rio, se desgastaram com os patrões da mídia, na tentativa de justificar os “penduricalhos” chancelados pelo STF de cerca de R$ 100 (cem mil reais), o que soou como deboche diante da realidade vivida por servidores que se encontram em estado de penúria, com salários atrasados ou, sem recebê-los.

A justificativa para implantar com urgência a intervenção, abre caminho para implantar o Ministério da Segurança, idéia não por acaso alinhavada por Temer, o General, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchgoyen e Alexandre de Moraes, antes do advogado ser nomeado como Ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, ocorre justamente um dia antes do desfile de Carnaval das campeãs de 2018, depois do acirramento da convulsão social - reação popular extintiva de autodefesa ‘marginal’ -, no caso decorrente de tantos retrocessos sociais, que serviram de base aos enredos das escolas de Samba Paraíso do Tuiuti, Beija-Flor e Estação Primeira da Mangueira.

A movimentação dos chefes de estado diante das possíveis reações populares chamaram a atenção dos mais atentos: Pezão se mandou para Pirai e; Crivella, retratado pela Mangueira como Judas, foi para a Europa, enquanto o Rio vive um dos maiores carnavais da sua história, assim como a “tempestade perfeita”, levando em conta a do agronegócio, a maior chuva de todos as tempos, o que naturalmente foi aplaudido - apesar das tinturas de tragédia -, pelos “donos” dos veículos de radiodifusão de massas que também são proprietários das maiores fazendas e empresas do ramo agrícola das sementes geneticamente modificadas que financiam a geoengenharia norte-americana visando provocar chuvas ácidas.

É nesse clima de profunda covardia contra o povo, em especial a população fluminense mais pobre, que assistiremos as escolas desfilarem sábado, em meio ao medo por parte da burguesia, que aplaude o aumento da repressão, misturado a tragédia causada pelas águas do agronegócio.

E alguém tem dúvida de que o prefeito evangélico viajou pensando em quanto vai faturar com a venda de bíblias, caso os golpistas consigam implantar o Ministério da Segurança, que transformará os presídios fluminenses em réplicas privadas do Carandiru, impondo a obrigatoriedade dos internos decorarem as pregações de ódio da seita, caso queiram se ressocializar ou, salvar seus próprios corpos de ações genocidas.

* André Moreau, é Professor, Jornalista, Cineasta, Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA), Diretor do IDEA, Programa de TV transmitido pela Unitevê - Canal Universitário de Niterói e Coordenador da Chapa Villa-Lobos - ABI - Associação Brasileira de imprensa, arbitrariamente impedida de concorrer à direção nas eleições de 2016/2019.