20.2.18

GOVERNO RASGA A FANTASIA E SUSPENDE PEC DA PREVIDÊNCIA

Por FERNANDO BRITO - Via Tijolaço -


É claro que era encenação.

Porque se fosse mesmo verdadeira a ideia de Michel Temer de “suspender” a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, aprovar a reforma previdenciária e, em seguida, intervir “de novo” eu ia começar a achar que o diploma de advogado de Michel Temer era tão falso quanto suas convicções democráticas.

Hoje a pérola ministerial de Temer, o paquidérmico Carlos Marun, anunciou que  “tramitação da reforma está suspensa em função da decretação da intervenção”.

Tão evidente que este blogueiro aqui, que não foi além do primeiro ano de Direito na UERJ, disse, poucas horas depois do anúncio da intervenção, que para fazer aquele “esqueminha de esperto” seria necessário “um verdadeiro estupro do Estado de Direito e, claro, do próprio parlamento“.

A palavra que usei, aliás, resumia tudo: “mutreta”.

A farsa é tão grande que a intervenção, que só começou nos jornais e nas tevês, em nada perderia se fosse decretada amanhã ou depois, fazendo a votação da Previdência. (A operação recém-iniciada é, disseram os militares, ainda sob o regime da operação de garantia da lei e da ordem, pré intervenção).

Não tinha votos, todos sabem, mas agora tem “desculpa”.

Mas são tão cínicos que o neoGeddel do Ministério tem a caradura de dizer que:

— A PEC sai do Congresso e vai para os palanques!

Vai, Marun, vai junto com a fantasia – a versão original – do Vampirão da Sapucaí.

PS: Será que vão devolver os “milhõezinhos” que gastaram nas capas “fake” das revistas, depois de decretada a intervenção?