10.2.18

HISTÓRICA CERIMÔNIA DE ABERTURA DAS OLIMPÍADAS DE INVERNO DA COREIA

LUCAS RUBIO -

Ontem, 9 de fevereiro de 2018, o mundo presenciou cenas históricas ocorridas na cidade de Pyeongchang, na Coreia do Sul, durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018.

A equipe nacional da Coreia desfila gloriosamente no estádio olímpico de Pyeongchang durante a cerimônia de abertura.
Esses Jogos Olímpicos de Inverno estão sendo palco de momentos incríveis de reaproximação entre o Norte e o Sul da Coreia. Tudo começou em 1º de janeiro desse ano quando, em um habitual discurso de ano novo, o Marechal KIM JONG UN, líder da Coreia do Norte, disse que desejava sucesso para a realização dos jogos no país vizinho e que seria interessante se a delegação norte-coreana também pudesse participar. Imediatamente, o governo da Coreia do Sul respondeu positivamente e os ministros da Reunificação de ambos os lados se reuniram para acertar os detalhes, no início do mês passado, em um encontro histórico e raro. Vale ressaltar que as reuniões Norte-Sul ocorreram sem intromissão dos Estados Unidos, que não foram convidados para mediar. Também é interessante lembrar que a Coreia do Norte não participou da última edição das Olimpíadas ocorrida também na Coreia do Sul há 30 anos, em 1988; chegou até a promover um boicote similar ao que aconteceu em 1980 e 1984 no âmbito da Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética.

Na primeira quinzena de janeiro veio a confirmação oficial para o mundo: a delegação da República Popular Democrática da Coreia iria participar dos Jogos Olímpicos na Coreia do Sul. Não só isso: a equipe do Norte e do Sul iriam entrar juntas na cerimônia de abertura sob uma bandeira única e igual - a bandeira peninsular da Coreia - e ambas as equipes seriam fundidas em uma só em algumas modalidades. Para que tudo isso acontecesse, o governo sul-coreano teve que suspender algumas sanções da ONU que o país havia aderido, permitindo a entrada de esportistas norte-coreanos em seu território e a exibição da bandeira da Coreia do Norte (banida pela Lei de Segurança Nacional por ser considerada a bandeira do inimigo). Além disso, o lado Norte enviou equipes de torcida para aquecerem as arquibancadas durante as cerimônias e disputas esportivas, além de também enviar grupos musicais e de dança para se apresentarem no Sul. O pedido de participação da RPDC veio inesperadamente e bem em cima da hora; se fossem competições em outro lugar do mundo ou em outras circunstâncias, provavelmente a delegação do Norte não seria admitida mas, para promover a paz e não perder a oportunidade única de abrir um canal de diálogo com o Norte, as autoridades sul-coreanas e o Comitê Olímpico Internacional se esforçaram e aceitaram de bom grado a equipe nacional da Coreia do Norte.

Há poucos dias antes do início dos Jogos, delegações esportivas, artistas, torcedores e funcionários da Coreia Socialista chegaram de trem e navio à Coreia do Sul, onde foram calorosamente recepcionados. Há muitos anos não se via algo parecido. Foram realizadas cerimônias de recepção e a bandeira da República Popular Democrática da Coreia foi hasteada no pavilhão de bandeiras dos países participantes das Olimpíadas durante uma grande festividade que contou com danças e apresentações musicais tradicionais coreanas realizada por artistas do Norte e do Sul, juntos. O hasteamento do pavilhão nacional da RPDC no território sul-coreano é algo a ser observado com grande atenção. Talvez a última vez que isso tenha acontecido com tamanha repercussão tenha sido durante as diversas vezes que o Exército Popular da Coreia ocupou o território Sul durante a Guerra da Coreia de 1950-1953.

A cerimônia de abertura ocorreu como previsto na noite do dia 9 de fevereiro, em Pyeongchang, Coreia do Sul. Uma das coisas mais notáveis dessa ocasião foi a presença de importantes líderes políticos da República Popular Democrática da Coreia. Na manhã do dia 9, partiu de Pyongyang, capital da RPDC, uma comitiva especial, composta por altos funcionários governamentais, dos quais vale destacar Kim Yong Nam, o chefe de Estado da Coreia e há anos representante diplomático do país no exterior. Porém a pessoa que mais despertou atenções e curiosidade pelo mundo (além de alarde da mídia internacional) foi Kim Yo Jong, membro do Bureau Político do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia, cargo que exerce desde outubro de 2017, quando foi eleita durante o pleito interno do Partido. Porém não é somente seu alto cargo que chamou a atenção: Kim Yo Jong é irmã do Marechal KIM JONG UN e é muito próxima do líder da RPDC.

Poucos momentos depois de partir de Pyongyang, o avião presidencial da RPDC, levando consigo os membros da comitiva diplomática de altíssimo nível, pousou em um aeroporto na Coreia do Sul. Lá, tivemos registros de imagens inéditas, mostrando o desembarque de Kim Yong Nam e Kim Yo Jong. Foi a primeira vez, desde 1953, que um membro da família Kim pisava em território do Sul da Coreia. O que mais atraiu as frenéticas lentes dos jornalistas foi a serenidade, calma e postura confiante de Kim Yo Jong, membro do CC do PTC e irmã de KIM JONG UN. Ela se encontrou com o Ministro da Reunificação da Coreia do Sul e instantes depois partiu de trem para Pyeongchang, demostrando uma postura de bastante credibilidade e tranquilidade digna de uma representante de um Estado tão honrado quando a RPDC.

Kim Yo Jong, irmã do Marechal KIM JONG UN e membro do Politburô do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia chegando ao aeroporto sul-coreano.
Pela noite, teve início a abertura das Olimpíadas. Em um belo estádio, em formato de pentágono, iniciou-se um espetáculo de luzes, coreografia e fogos de artifício que deu início aos Jogos de Inverno. Com muitos efeitos visuais e tecnológicos, porém com pouca cultura e História verdadeiramente coreanas, (afinal estamos falando de um território ocupado pelos EUA há mais de 70 anos) a cerimônia de abertura foi realizada sob um frio de -5°C. Na cerimônia, estavam presentes importantes autoridades de vários países que já são velhos conhecidos da Crise na Coreia: Estados Unidos, Japão e China, sem contar, claro, as autoridades da Coreia do Norte e do Sul. Curioso notar que Kim Yong Nam e Kim Yo Jong, da Coreia do Norte, estavam sentados a menos de 1,5 metro de distância do representante do seu pior inimigo, os Estados Unidos, que estava presente na figura de Mike Pence, vice de Trump. Quando o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae In, chegou na tribuna acompanhado de sua esposa, ocorreu uma cena histórica. Primeiro, Moon Jae In foi cumprimentar Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos da América e Shinzo Abe, Primeiro-Ministro do Japão. Depois de cumprimentá-los, Moon Jae In se dirigiu até a delegação norte-coreana e um aperto de mãos histórico ocorreu. Kim Yo Jong, irmã do Marechal KIM JONG UN, com um belo sorriso no rosto, apertou a mão do Presidente sul-coreano, que foi saudado depois por Kim Yong Nam. As câmeras de agências do mundo todo gravaram o momento com grande louvor.

Abaixo, Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos e Shinzo Abe, Primeiro-Ministro do Japão; acima, Kim Yong Nam, chefe de Estado da Coreia do Norte e Kim Yo Jong, alta funcionária do Partido do Trabalho da Coreia.
No decorrer das festividades, dois momentos merecem destaque. O primeiro foi a entrada das delegações. Após todos os países participantes terem entrado, o estádio ocupado por milhares de pessoas vibrou energicamente com a entrada da delegação da Coreia, unificada. Carregando a bandeira branca com a Península Coreana em azul no centro, estavam dois atletas coreanos - uma do norte e um do sul, seguidos de centenas de atletas com uniformes idênticos. A marcha pelo estádio ocorreu sob acenos de Kim Yong Nam e Kim Yo Jong, que com muita alegria e emoção aplaudiram a deleção coreana, sendo acompanhados na saudação pelo Presidente Moon Jae In. Visivelmente alegre com o momento, o líder sul-coreano se virou e mais uma vez apertou a mão das autoridades do Norte. O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, nem ao menos aplaudiu. Sentado ficou e não fez qualquer movimento. Horas antes, durante um almoço de autoridades promovido pelo anfitrião Moon Jae In, Mike Pence, ao ver as autoridades do Norte, se retirou 5 minutos após ter chegado ao salão. Essas ações demonstram com que o humor os Estados Unidos estão após fracassarem em sua tentativa de afastar ao máximo os dois Estados da Coreia. O segundo instante memorável foi o momento de acender a pira olímpica, o símbolo das Olimpíadas. Mais uma vez, a tocha olímpica que conduziu a chama até a pira foi levada por duas atletas, sendo uma do Norte e outra do Sul. Ambas correram por uma belíssima rampa colorida com muitas luzes que subia até a tocha olímpica. O momento foi celebrado como um momento de união e alegria.

O Presidente sul-coreano Moon Jae In chega à cerimônia. Aperto de mãos histórico: Coreia do Sul e Coreia do Norte se cumprimentam.
No Brasil, a transmissão do evento ficou ao encargo da emissora esportiva SporTV, de propriedade da Rede Globo. Os quatro comentaristas escalados para a cobertura do evento agiram com covardia e mau-caratismo ao insultarem o povo da Coreia Socialista com as mais sórdidas mentiras. Em especial o repórter Marcos Uchôa demonstrou ter em seu repertório de frases prontas uma série de anti-comunismos e racismos, dizendo absurdos e atacando o povo da Coreia. Ao mesmo tempo que dizia estar contente com a participação do Norte e que isso era um sinal de paz, o próprio repórter e seus colegas promoviam uma série de distorções e fantasias contra a honrada Coreia Socialista.

Como de costume, a cerimônia também contou com o discurso do chefe da organização das Olimpíadas na Coreia do Sul e o Presidente do Comitê Olímpico Internacional. Em seus discursos, ambos destacaram como ponto principal a participação do Norte e enalteceram esse momento glorioso.

Hoje, 10 de fevereiro, ocorreu outro encontro entre o Presidente Moon Jae In e os líderes coreanos Kim Yo Jong e Kim Yong Nam, dessa vez um evento formal. A delegação norte-coreana deve partir de volta para casa no domingo após várias reuniões e eventos conjuntos que foram marcados. A mídia está especulando que Kim Yo Jong teria transmitido ao Presidente Moon Jae In um convite pessoal do irmão KIM JONG UN para que o líder sul-coreano visitasse Pyongyang.

A histórica participação da Coreia do Norte nas Olimpíadas na Coreia do Sul, sua fusão em uma só equipe nacional e a visita de autoridades norte-coreanas de alto nível é uma grande vitória para o povo coreano e o símbolo da façanha conduzida por KIM JONG UN durante o ano de 2017. Após intimidar o imperialismo norte-americano, parece que o Marechal KIM JONG UN conseguiu imprimir no governo sul-coreano a visão de que o assunto coreano deve ser resolvido unicamente por coreanos, sem interferência externa. Essa reaproximação rara abre precedentes para futuras interações mais aprofundadas entre os Estados da Coreia e quem sabe floresçam novos tempos de paz e prosperidade para o povo coreano. Isso enfurece os Estados Unidos, que buscaram, mais brutalmente desde o início do governo Trump, destruir totalmente a Coreia Socialista e transformá-la num Estado completamente isolado.

O esporte está furando esse isolamento e o povo da Coreia do Sul está tendo a chance de conhecer melhor os seus irmãos do Norte através do esporte e da arte. Teatros na Coreia do Sul estão esgotando rapidamente os lugares quando bandas da Coreia do Norte anunciam que vão se apresentar lá. Esse é um sinal de que os coreanos não se odeiam e que na verdade anseiam pelo dia que a pátria coreana será novamente uma única e forte potência!

Glórias ao povo coreano! Sucesso aos Jogos Olímpicos de Pyeongchang! Viva a Reunificação!

* Lucas Rubio, presidente do Centro de Estudos da Política Songun - Brasil, colaborador do site TRIBUNA DA IMPRENSA Sindical.