9.2.18

ÍMPAR

MIRANDA SÁ -

“Ninguém é igual a ninguém. Todo ser humano é um estranho ímpar”   (Carlos Drummond de Andrade)


“Cada um é um número ímpar”, era um trocadilho que minha mãe – de inteligência inigualável – repetia sempre. Referia-se às pessoas que embora semelhantes à vista são distintas entre si, como a crueza das palavras de madre Teresa de Calcutá e as “cartas de amor de uma religiosa portuguesa”…

A palavra Ímpar, vem do latim, ímpar,àris com o significado de desigual, desproporcional, e é dicionarizado em português como 1) único, singular;  2) que não apresenta simetria; 3) número não divisível por dois, que não pode ter duas metades inteiras; 4) raro, incomum.

A personalidade humana, por exemplo, é indivisível; cada indivíduo na multidão é um número ímpar, não tem igual; a Sociologia vê, entretanto, que a “consciência individual”, se modifica no seio de qualquer grupo social inorgânico, transformando-se no que Durkheim chamou de “consciência coletiva.”

Dialeticamente, o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, levou ao estudo da psicologia analítica o “inconsciente coletivo”, segundo ele a camada mais profunda da psique, onde aparecem vestígios de heranças ancestrais, comuns a todos os seres humanos.

Entre a Psicologia e a Sociologia vemos claramente como a “consciência individual” é trocada pelo “inconsciente coletivo”, no caso das multidões praticando linchamentos, saques e vandalismo. Embora os indivíduos sejam honestos, não raro a imprensa noticia o tombamento de um caminhão cuja carga é saqueada pela multidão.

É o “efeito manada”, comportamento desusado observado muitas vezes em animais que vivem em grupos. Quando crianças, chamamos a isto “Maria-Vai-Com-As-Outras”, para a participação imitativa de pessoas em determinadas situações.

Temos também o “pensamento de grupo” (groupthink em inglês) inspirado no “duplipensar” do livro 1984 de George Orwell. Aí é o uso político totalitário do “inconsciente coletivo” aproveitado pelo nazismo.

Até hoje se pergunta como os nazistas conseguiram unir e arrastar uma sociedade culta e de certa forma sofisticada como a alemã para aceitar e até aplaudir as barbaridades cometidas pelo regime hitlerista. Que Stálin fizesse isto na Rússia, pela servidão de um povo acostumado com o “knut” dos czares até se entende.

A “comunidade do povo” (Volksgemeinschaft) e a “superioridade biológica da raça ariana” foram impostos por uma maciça propaganda (“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”) e o indesmentível carisma de Hitler.

Isto, a História registra. E se repete como caricatura no Brasil ao assistirmos a paixão política dos lulopetistas, excedendo a capacidade intelectual de artistas e professores no fanatismo inexplicável por Lula da Silva. Sem dúvida astuto e carismático, embora bandido, ele é cultuado por uma fração social, felizmente minoritária.

Lula é um pelego marginal reconhecido pela Justiça. Foi condenado a 12 anos e alguns meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção, e ainda tem quem negue a sua culpa por fanatismo “religioso” ou perfídia oportunista.

Por estes traiçoeiros seguidores do "socialismo bolivariano" – máscara do narcopopulismo –, vamos recuperar na UTI da linguagem a palavra “farândola”, para utiliza-la no lugar de “efeito manada”: Farândola, em português castiço é o coletivo de ladrões, de desordeiros, de assassinos, de maltrapilhos, de vadios.