7.2.18

SINPOSPETRO-RJ PROTOCOLOU NA ENTIDADE PATRONAL AS REIVINDICAÇÕES DA CAMPANHA SALARIAL 2018/2019

Via SINPOSPETRO-RJ -

O Sindicato dos Frentistas do Município do RJ protocolou na sede do sindicato patronal (Sindcomb) a pauta de reivindicações aprovada em assembleia geral no ultimo dia 30, para iniciarmos a negociação salarial dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência.


O documento entregue pelo SINPOSPETRO-RJ nessa sexta-feira (2) a entidade patronal, solicita a garantia da Data-base em 1º de março de 2018, por escrito, bem como o agendamento da 1ª Reunião de Negociações o mais breve possível. Com relação às cláusulas econômicas, o sindicato reivindica para os trabalhadores reajuste salarial de 13%, mais o adicional de periculosidade. Além do aumento, o SINPOSPETRO-RJ vai brigar para conquistar tíquete-refeição diário de R$ 19,50 (dezenove e cinquenta), além da cesta básica de alimentos no valor de R$ 396,63.

Para o presidente Eusébio Pinto Neto, “os trabalhadores devem se manter mobilizados, já que várias categorias no país estão encontrando dificuldades para avançar nas conquistas e ainda estão sendo ameaças por perdas de direitos, o sindicato sozinho não tem condições de fazer muita coisa, a força do SINPOSPETRO-RJ está na união da classe trabalhadora, a do capital está no dinheiro”.

Na pauta aprovada dia 30 em assembleia, o sindicato também exige Participação nos Lucros e Resultados (PLR), valor equivalente ao piso da categoria. Para a função de Frentista/caixa reivindicamos percentagem de 50% (sobre o salário base) para aqueles que acumularem em seu poder o recebimento de valores, para o salário do gerente reivindicamos o equivalente a dois pisos e meio (R$3.327,37). O presidente do SINPOSPETRO-RJ, Eusébio Pinto Neto disse que em razão dos prejuízos acarretados pela Lei 13.467 reivindicará também a obrigatoriedade da homologação ser realizada no sindicato, e cobrará das empresas o cumprimento das Normas de Segurança para garantir a saúde dos Frentistas.

NR 20 – O sindicato cobra a obrigatoriedade das empresas em conceder o curso de capacitação aos trabalhadores Frentistas, nos moldes da Norma Regulamentadora n.20 do Ministério do Trabalho e Emprego. Caso o empregado faço o curso após o expediente, acarretará a empresa pagamento em horas excedentes por estar a disposição do patrão.

Juntos somos fortes, nenhum direito a menos!

*Daniel Mazola, assessoria de imprensa SINPOSPETRO-RJ