13.3.18

1- REPRESENTANTE DO ACNUR AVALIA QUE OS MIGRANTES VENEZUELANOS NÃO SÃO REFUGIADOS; 2- EMBAIXADA RUSSA NOS EUA REFUTA ENVOLVIMENTO EM ENVENENAMENTO

REDAÇÃO -

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) na Venezuela, Roberto Mier, esclareceu nesta segunda-feira (12) que os migrantes da nação sul-americana não são refugiados, nem a agência os descreveu como tais. A agência reiterou a solidariedade da Venezuela em lidar com migrantes colombianos e pessoas que fogem do conflito interno.


Roberto Mier mostrou sua preocupação com a xenofobia e a discriminação sofrida pelos migrantes venezuelanos em outras nações.| Foto: @madeleintlSUR.
A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), tem a missão de dirigir e coordenar a ação internacional para proteger e ajudar as pessoas deslocadas em todo o mundo e encontrar soluções duradouras para elas.

Confira na integra essa reportagem da TELESUR.

***
Embaixada russa nos EUA refuta envolvimento em envenenamento: 'não há evidências'

Não há provas de que as autoridades russas tenham qualquer envolvimento com o envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal no Reino Unido, de acordo com a declaração divulgada em um comunicado da embaixada russa nos Estados Unidos.

"As acusações infundadas contra a Rússia de todos os pecados continuam a se multiplicar. Hoje, outra notícia falsa foi divulgada sobre a suposta marca russa nos trágicos acontecimentos no Reino Unido. Quando você finalmente aprende aqui primeiro a verificar os fatos e depois a condenar? Até agora, não há evidências de que as autoridades britânicas, e agora as autoridades dos EUA, tenham razão", diz o documento.

A primeira-ministra britânica Theresa May disse na segunda-feira que é altamente provável que a Rússia seja responsável pelo envenenamento de Sergei Skripal e sua filha, e por isso ela deu a Moscou dois dias para apresentar uma explicação oficial sobre a situação. No caso de uma resposta inadequada, ela prometeu "medidas muito mais amplas" contra a Rússia que o pacote de sanções em vigor.

Mais tarde, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, declarou que Washington tem "total confiança" nas conclusões britânicas sobre a provável responsabilidade da Rússia e que os Estados Unidos estavam em contato com o Reino Unido antes da declaração de May na Câmara dos Comuns.

Em 4 de março, a polícia britânica encontrou duas pessoas inconscientes em um centro comercial em Salisbury, no condado britânico de Wiltshire, aparentemente intoxicadas com um agente nervoso.

O ministro britânico de Relações Exteriores, Boris Johnson, confirmou mais tarde que ele era Skripal, de 66 anos, e sua filha de 33.

Skripal foi recrutado pela agência britânica MI6 quando serviu no Exército russo na década de 1990. Em 2006, um tribunal russo condenou-o a 13 anos de prisão por espionar em nome de um Estado estrangeiro.

Quatro anos depois, ele foi trocado junto com outras duas pessoas condenadas por espionagem por 10 pessoas detidas nos Estados Unidos.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que Moscou não viu nenhum fato concreto confirmando o suposto envolvimento do governo russo no envenenamento de Skripal. (via Sputnik)