17.3.18

CASO MARIELLE: A INDIGNAÇÃO CONTINUA, A POPULAÇÃO QUER RESPOSTAS [VÍDEO]

ANA CLARA SALLES -


Rio de Janeiro - Nesta sexta-feira, 16 de março de 2018, a população se reuniu novamente na ALERJ pedindo justiça contra o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. O fuzilamento que chocou o mundo ocorreu nesta quarta-feira (14) na Rua Joaquim Palhares no centro do Rio de Janeiro.

Comparado ao ato de ontem (15) quantitativamente foi menor, mas foi uma manifestação mais organizada e engajada, vimos ecoar pelas ruas do centro o sentimento de indignação, percorrendo a Candelária até a Cinelândia. Ocorreu uma forte chuva, grande parte dos manifestantes resistiram clamando justiça pelas vidas negras no contexto do Estado Do Rio de Janeiro e do mundo.

Às cinco horas da tarde na ALERJ a concentração evoluiu, ocorreu o fechamento das vias, e forte caminhada até a Cinelândia com ações como pichamento de bancos privados, bancas e paredes do comercio, com mensagens claras contra a atitude do Estado e pela morte tão representativa como a de Marielle, divulgando mensagens contra a alienação e a Intervenção Militar, carregada de ideais fascistas e custando o sangue dos trabalhadores negros de comunidade.

Durante todo o trajeto, manifestantes clamavam, por diversas vezes gritaram frases com palavras de ordem, tais como: "Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da polícia militar", "Anderson, Presente! Marielle, Presente! Hoje e sempre!", "Por Marielle eu digo não, eu digo não a Intervenção", "A rua é nossa, só a luta vai mudar a nossa História", "Fascistas, não passarão", "Sem hipocrisia, essa polícia mata pobre todo dia", "Quem mexeu com a Marielle atiçou o formigueiro".

A luta continua.


* Vídeo: Ana Clara Salles / Foto: Raysa Lima.