15.3.18

CHOQUES AGRUPAM ESCRAVOS EM REBANHO

ANDRÉ MOREAU -


A Teoria de choques¹ aplicada no Brasil pelos senhores da casa grande que manipulam diariamente a guerra de classes, contra os mais pobres, parece assustar a Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmem Lúcia, até porque tais distorções transformaram a Corte Máxima de Justiça, em um simulacro do Poder Legislativo.

Agora além dos choques “anti-corrupção”, a narrativa se desdobra nos choques de “ordem”, que ameaçam quem discorde da política vigente, ou que possa por em risco a “operação de mudança do regime de governo”, capitaneada por editores das Organizações Globo.

O JN foi aberto (14), citando a “invasão dos professores” a Câmara dos Vereadores de São Paulo, mas visando diminuir a importância dos protestos, a reportagem só foi exibida, depois do noticiário sobre a morte do físico britânico, Stephen Hawking, que apesar de viver preso ao corpo paralisado, dedicou sua obra para que todos compreendessem como somos pequenos diante do Universo.

Sem dar tempo de reação aos escravos

Diante dos conhecimentos do físico Hawking, tudo fica menor, inclusive a ameaça de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado com base na “Teoria do Domínio do Fato”, a doze anos e um mês de prisão, em regime fechado.

E como nada acontece por coincidência no universo, a leitura sobre a reportagem que tratou da posição da Presidente do STF, que deveria atuar como zeladora da Carta Magna, mas, no entanto, se recusa a votar no pleno a restauração do § 57 do Art 5º - cláusula pétrea da Constituição -, revelou o nervosismo dos apresentadores do JN.

Parece ter virado tabu nas Organizações Globo, defender a Constituição que prevê condenações só após o trânsito em julgado dos processos, ou seja, depois de esgotados todos os recursos da defesa nas três instâncias da justiça e no STF.

Cumpre ressaltar o óbvio: a Constituição só pode ser mudada a partir de uma nova Constituinte. A função do STF é dirimir conflitos relacionados aos princípios constitucionais e não as cláusulas pétreas.

O choque que ameaça a justiça, beneficia a narrativa “anti-corrupção” que vem impondo a mudança de regime de governo, desde o impeachment, sem mérito, da Presidenta Dilma Rousseff, em detrimento dos direitos constitucionais do Povo.

PARLAMENTARES ENTREGAM DOCUMENTO À


Esses saltos, ou choques são semelhantes aos aplicados na ditadura do Chile, objetivando atingir os adversários políticos, sem que eles tenham tempo de pensar em como se defender dos ataques.

Hoje esses choques ocorrem com a velocidade das usurpações da tecnologia informática, para neutralizar a reação popular, como bem orientou o liberal ex-ministro da Nova Zelândia, Roger Douglas, ao criar um partido liberal voltado para ele mesmo e se referir a sociedade de mercado: “Não tentem avançar passo a passo. Definam claramente seus objetivos e se aproximem deles em saltos qualitativos, para que os interesses de classe não tenham tempo de se mobilizar e atrapalhar vocês. A rapidez é essencial e nunca se vai depressa o bastante. Iniciado o programa de reforma, não parem até vê-lo concluído: o fogo do inimigo perde em precisão quando tem de atingir um adversário sempre em movimento.”

---
1. Teoria de Choques foi pensada pelo economista, Milton Friedman e aplicada no Chile pelos Chicago Boys, na ditadura do General Augusto Pinochet.

*André Moreau, é Professor, Jornalista, Cineasta, Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA), Diretor do IDEA, Programa de TV transmitido pela Unitevê – Canal Universitário de Niterói e Coordenador da Chapa Villa-Lobos – ABI – Associação Brasileira de imprensa, arbitrariamente impedida de concorrer à direção nas eleições de 2016/2019.