14.3.18

O MURO

MIRANDA SÁ -

“A ditadura perfeita terá a aparência da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão sequer com a fuga” (George Orwell)


O Muro é um marco para separar ou proteger propriedades sejam públicas ou privadas, como um tipo de parede de estrutura alicerçada e sólida. Há vários tipos de muro, mas os mais usados são os muros de arrimo nos conglomerados urbanos e os muros de pedra solta nas regiões agrárias.

Dicionarizado, o verbete muro é um substantivo masculino significando obras de alvenaria que separa terrenos contíguos; sua etimologia é latina, múrus, e sua vasta sinonímia abrange abrigo, cerca, defesa, muralha, murado, proteção, tapume, etc.

Os muros recordam alegrias, romantismo e tristezas. Lembro-me da minha infância querida quando participando de um bando de crianças subindo nos muros para colher abios, goiabas e mangas; o romantismo leva-me a Cecília Meireles: “Pelos muros do seu peito/ durante inúteis vigílias/ desenhei meus sonhos de hera”.

Da literatura, extraímos a coletânea de contos “O Muro”, do intelectual e filósofo Jean Paul Sartre publicada em 1939, tendo como cenário a guerra civil espanhola. Sartre enfoca individualidades espantadas e hesitantes às vésperas da Segunda Guerra Mundial.

A narrativa d’O Muro precedeu o controverso existencialismo, defendido por Sartre sob forte influência do pensamento de Kierkegaard. Seu livro “O Existencialismo é um Humanismo” estabeleceu uma forte discussão sobre o sentido da vida através da liberdade incondicional e a responsabilidade pessoal.

Hoje, o Existencialismo está esquecido nos círculos acadêmicos brasileiros, que pela sua baixa formação se preocupam mais com o “golpe do impeachment” que derrubou a incompetente e corrupta Dilma Rousseff da presidência da República.

Pouco importa a “Universidade da Pátria Educadora” com a inclusão da realidade concreta dos indivíduos por suas ações e forma de viver a vida… Para que lembrar o pensamento filosófico se a falta de educação, o desapego pela ética e a ideologia superada do stalinismo enchem os balões com o gás da utopia?

O “Muro” e o “Existencialismo” iluminaram o palco internacional quando a Segunda Guerra Mundial terminou e não conquistou a paz. Foi apenas o fim de uma Era e o começo da tensão entre as poderosas potências que derrotaram o III Reich e desnudaram os crimes do nazi-fascismo.

Então nasceu outro “muro”, o “Muro de Berlim”, uma muralha construída pela URSS separando a capital alemã, Berlim, entre a Alemanha Democrática e a Alemanha Comunista. Foi o símbolo da divisão do mundo e mostrou o temor do stalinismo em permitir a livre escolha entre o capitalismo e o comunismo.

O Muro de Berlim foi construído na madrugada de 13 de agosto de 1961, dele faziam parte 66,5 km de gradeamento metálico, 302 torres de observação, 127 redes metálicas eletrificadas com alarme e 255 pistas de corrida para ferozes cães de guarda. Diversas tentativas de fuga para o ocidente provocaram a morte de 80 pessoas, 112 feridos e milhares aprisionados.

Na década de 1980, quando o regime comunista se esgotou, levando a URSS à falência, surgiram dos dois lados de Berlim movimentos pela derrubada do muro; e um dia, populares com marretas e outras ferramentas o derrubaram. Sob seus escombros ficou enterrada a ideologia totalitária soviética, que as viúvas de Stálin insistem em ressuscitar nos países atrasados.

Os herdeiros da implosão natural do centralismo, da indivisão do poder, da destruição do pensamento individual, da extinção da família tradicional e do policialismo inquisitorial, agrupam-se no Brasil em torno do PT e seus puxadinhos, querendo trasladar a ditadura venezuelana dita “socialista” para o Brasil.

Desprezo os que seguem esta ideologia deturpada do bolivarianismo que reina na Venezuela, a “ditadura perfeita terá a aparência da democracia, uma prisão sem muros”.  Fazem-no por má fé ou ignorância e abomino-os lembrando Sartre: “Detesto as vítimas quando elas respeitam os seus carrascos”.