9.3.18

TELMA CARDIA – MULHER ATUANTE, UMA GUERREIRA LUTANDO EM FAVOR DA IGUALDADE DE GÊNERO

Via FENEPOSPETRO -

Dando continuidade às homenagens e comemorações do 'Dia Internacional da Mulher', ocorrido ontem (8), destacamos hoje a vida de uma das mais ativas militantes do Movimento Sindical brasileiro, Telma Maria Cardia. Secretária da Mulher da Federação Nacional dos Frentistas - FENEPOSPETRO, Presidente do Sindicato dos Frentistas de Guarulhos e Região pelo terceiro mandato consecutivo, sendo a primeira mulher a presidir um sindicato no Município, Secretária de Trabalho da Prefeitura de Guarulhos (SP) e participante ativa do Conselho Comunitário de Segurança (CONSEG).


Formada em Direito pela Universidade Guarulhos (UnG), com especialização em Direito do Trabalho, Telma Cardia foi juíza classista na 7ª Junta de Conciliação e Julgamento em Guarulhos. O ingresso no Movimento Sindical ocorreu em 1992, devido à necessidade de manter a empregabilidade das mulheres trabalhadoras em postos de combustíveis, ajudar a categoria na conquista  por mais direitos e dignidade no ambiente laboral.

Telma Cardia defende que a Mulher Frentista precisa participar efetivamente das reuniões do sindicato e de ações sociais para defender seus direitos, e garantir seu papel na sociedade. Segundo ela, as reuniões sociais que acontecem na entidade sindical, na igreja, na escola e nas agremiações associativas ajudam a conscientizar e politizar as mulheres.

Segundo a Secretária da Mulher da Federação Nacional dos Frentistas, a maior das preocupações para mulheres e homens Frentistas, é sem dúvida a reforma trabalhista, elaborado para tirar direitos e precarizar a mão de obra, prejudicando principalmente as mulheres. São muitas as demandas das mulheres frentistas, uma das principais é a que afasta de local insalubre a trabalhadora em gestação ou que esteja amamentando, por incluir exposição ocupacional ao benzeno, classificada desde outubro de 2013 como função insalubre pelo Ministério da Previdência. “As ações de proteção à saúde das trabalhadoras deve se dar em conjunto com a luta pela garantia das condições salariais e de emprego”, explicou.

Outra luta árdua é contra o assédio, que nesse caso passa principalmente pela defesa de um uniforme digno para as trabalhadoras frentistas, para que assim não sejam exploradas por patrões inescrupulosos com roupas de lycra, que além de expor as mulheres também são insalubres. “Existem postos que têm a prática de impor às suas funcionárias a utilização de uniformes com o objetivo expor o corpo", explica Telma Cardia.

A dirigente sindical é responsável pela implementação, na agenda da FENEPOSPETRO, do “Seminário Nacional das Trabalhadoras em Postos de Combustíveis”. Em 2017 o evento chegou a sua 3° edição, com o objetivo de lutar pela conscientização de direitos e por maior participação feminina nos cargos de comando da entidade e nas esferas do poder, seu maior desafio. "O Movimento Sindical, como precursor que é na defesa das causas sociais, precisa ser espelho na questão do combate ao viés machista que ainda impera em nosso meio”, alertou.

“Não há dúvidas de que o ordenamento jurídico, principalmente na Constituição Federal de 1988, consagrou o direito à igualdade, assim como diversos direitos fundamentais. Contudo, a realidade vivida pelas mulheres, é totalmente diferente. Ocorrem inúmeros casos de discriminação em postos de combustíveis e em todo mercado de trabalho, a mulher precisa ter consciência do seu papel dentro da sociedade, somos 53% das eleitoras no país. Precisamos ter garra e tenacidade para que em outubro possamos alterar o dramático quadro político do Brasil”, enfatizou.

8 de março é um marco de luta em todo o planeta. Parabéns as Frentistas e todas as Mulheres Trabalhadoras do Brasil!”, finalizou a valorosa dirigente Telma Cardia, Secretária da Mulher da Federação Nacional dos Frentistas.

* Daniel Mazola, assessoria de imprensa FENEPOSPETRO