25.4.18

COMISSÃO ELEITA DOS FRENTISTAS DE SP ENCARA PATRÕES HOJE (25)

Via FENEPOSPETRO -

A 5° rodada de negociação de negociação salarial dos cem mil Frentistas do Estado de São Paulo será realizada às 13h30 desta quarta-feira, dia 25, na sede da patronal (Sincopetro), em Perdizes, SP.


Integram a comissão sete sindicalistas e dois advogados, unidos no objetivo de “dar agilidade ao desafio de conquistar aumento real de salário e de benefícios, assegurar direitos alcançados e combater retrocessos”, segundo afirma Luiz Arraes, presidente da Federação dos Frentistas de São Paulo – Fepospetro, entidade que negocia em nome dos dezesseis sindicatos de São Paulo.

O grupo foi criado ao final da reunião de negociação do dia 18 de abril, após o público presente de mais oitenta trabalhadores ter rejeitado mais uma vez debater com os patrões a pauta que derruba e modifica um total de doze itens na Convenção Coletiva sob as vigências 01/03/2018 a 28/02/2019 (cláusulas econômicas) e 01/03/2018 a 29/02/2020 (cláusulas sociais).

Assim, foram definidos para a formação os seguintes presidentes sindicais: Orivaldo Carvalho (Sinpospetro-São João da Boa Vista), Rivaldo Morais da Silva (Sinpospetro-SP), Sueli Camargo (Sinpospetro-Sorocaba), Venceslau Faustino Filho (Sempospetro-Santos), Antônio Marco dos Santos (Sinpospetro de Rio Preto), Miguel Gama Neto (Sinpospetro- ABC), além de Luiz Arraes (Fepospetro e Sinpospetro/Osasco).

Eles têm como tarefa imediata conseguir barrar os patrões em sua busca incessante de autorizar a jornada 12×36 (doze horas de trabalho seguida de 36 de descanso) sem a exigência da mediação dos sindicatos com as empresas que se decidirem por este tipo de turno. A ação dos sindicatos, nestes casos, cumpriria junto aos trabalhadores a função essencial de resguardá-los de perdas automáticas de 50% dos benefícios vale-refeição e vale-transporte provenientes da rotina de trabalho de quinze dias corridos a que a modalidade estabelece. Na jornada em questão, desaparece ainda o direito ao pagamento do adicional noturno e, também, das horas extras de 100% reservadas aos feriados oficiais trabalhados.

A mudança para pior das regras destinadas a esse tipo de escala de trabalho está vinculada à Reforma Trabalhista, bem como ao vencimento, na segunda feira (23), da medida provisória que deveria regulamentar parte da Lei 13.467/147. Para Luiz Arraes, o cenário colocado confirma que a medida tem como principal efeito complicar ainda mais a vida trabalhador, que para o sustento de si e de seus familiares não dispõe de outras fontes de renda a não ser o próprio salário. O sindicalista, apesar de reconhecer como “bastante difícil” a realidade, se diz confiante de que a reunião deste dia 25 leve a uma proposta ou diretriz que possa ser apresentada aos trabalhadores em reunião a ser agendada na Fepospetro. (fonte: assessoria de Imprensa Fepospetro - Leila de Oliveira).

* Daniel Mazola, assessoria de imprensa FENEPOSPETRO