18.4.18

MORO AGORA GANHA ADMIRADORES QUE DESCONHECEM O BRASIL

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -

Não é de hoje que Vargas Llosa tem sido acionado pelo conservadorismo para se posicionar.
Quer dizer que o juiz Sérgio Moro ganhou um admirador estrangeiro, qual seja o escritor Mario Vargas Llosa, que inclusive elogiou Fernando Henrique Cardoso e considerou Lula da Silva não um preso político, mas um prisioneiro comum envolvido em corrupção. Não é de hoje que o escrito peruano que vive na Espanha tem sido acionado pelo conservadorismo para se posicionar a aparecer no Brasil nas páginas do jornal O Estado de S. Paulo, um espaço midiático acostumado a criticar de forma mentirosa o ex-presidente.

Na verdade, Lllosa é um dos poucos intelectuais a cerrar bateria, sempre de forma preconceituosa e na base da mentira, contra Lula. Faz parte do jogo que visa justificar a condenação de um político totalmente sem provas, como no caso do triplex no Guarujá.

Quanto mais o tempo for passando, jornalões como O Estado de S Paulo e outros do gênero serão acionados para iludir os incautos, como fez agora Mário Vargas Llosa. O esquema destinado a esse fim não vai parar e tentará de todas as formas conseguir outros apoios, nacionais e internacionais.

É visível a preocupação com as pesquisas, que continuam apontando Lula como o candidato preferido dos brasileiros nas pesquisas. Enquanto isso acontece, figuras que apoiam o projeto que vem sendo colocado em pauta pelo atual governo ilegítimo, continuam aparecendo de forma medíocre, ou seja, na base de um dígito e assim sucessivamente.

Mas o presidente lesa pátria Michel Temer não está nem aí, como demonstrou agora ao discursar no encontro em Lima, onde falou contra a corrupção, como se não existissem as denúncias que o envolve e seus amigos de longa data como José Yunes e o coronel reformado da PM paulista, Lima. Temer se apresenta no exterior como se fosse um político honesto, mas que é desacreditado no Brasil. Mas sobre ele Vargas Llosa prefere não falar em sua coluna no jornal O Estado de S. Paulo.

O Brasil vai de mal a pior, mas a Justiça demonstra, como sempre, julgar na base de dois pesos e duas medidas. Aguarda-se para as próximas horas uma decisão se o Senador Aécio Neves vai virar ou não réu. Será de alguma forma um teste, mesmo se sabendo que como se trata de um político queimado, não se descarta a possibilidade de ser pego, como já foi dito neste espaço.

O que se espera mesmo é que a Justiça brasileira demonstre que condena ou absolve não por questões políticas, mas por provas. Se fizer de fato isso será mesmo considerada Justiça e não vista como agora, ou seja, injustiça, por condenar como condena, sem provas concretas.

* Fonte: Brasil de Fato