13.5.18

DOCUMENTOS DA CIA REVELAM A AÇÃO DE GENERAIS DE PLANTÃO NOS ASSASSINATOS DE OPOSITOR

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


Documentos da CIA, o serviço secreto estadunidense, de 1974 revelam que os ditadores de plantão, Ernesto Geisel e o então chefe do Serviço Nacional de Informação, general João Batista Figueiredo, que veio a se tornar presidente, eram responsáveis pelo assassinato de opositores considerados perniciosos ao então estado ditatorial.

É preciso também lembrar que o regime então vigente tinha apoio da mídia comercial, sobretudo de O Globo, que hoje depois de fazer autocrítica fajuta, seguiu apoiando outras quebras da ordem constitucional, desta vez sem a participação de militares, como aconteceu com a ascensão do presidente Michel Temer em 2016. Resta saber o que se tornará público daqui algumas décadas sobre o que aconteceu por aqui em 2016.

Os documentos da CIA revelam que Geisel ordenava execuções sumárias, executadas por militares, hoje defendidos pelo candidato presidencial Jair Bolsonaro, como Brilhante Ustra, que morreu impune, embora responsável por uma série de violações dos direitos humanos.

É preciso também lembrar que os demais responsáveis por  crimes de lesa humanidade seguiram impunes. Alguns já morreram, mas outros continuam livres e tiveram a benção do Supremo Tribunal Federal (STF), que os considerou impunes com base na lei da anistia, promulgada por nada mais nada menos que o General Figueiredo, o qual, pelos documentos da CIA, formulava, com Geisel, execuções sumárias de oposicionistas.

É realmente lamentável que no Brasil tenha prevalecido a impunidade. Em países como a Argentina, Chile. Uruguai,  os responsáveis pela série de crimes de lesa humanidade foram condenados e cumprem pena. A impunidade brasileira fica como marco negativo na história do país. Quando daqui mais alguns anos a história for contada às novas gerações, ficará a vergonha da impunidade.

A questão da idade não pode ser considerada como atenuante. Até porque, criminosos da II Guerra Mundial com idade avançada, até hoje localizados, são julgados e condenados, obrigados a cumprirem pena pelas atrocidades cometidas.

Uma pergunta que deve ser feita: por que no Brasil tem sido diferente? A impunidade, na prática, acabou sendo responsável pelo surgimento de figuras como Bolsonaro, que chega até a defender o retorno desse tempo sombrio representado pelos 21 anos de ditadura empresarial militar.

A história mundial demonstra também que na prática a impunidade nestes casos é maléfica podendo até  estimular a repetição de crimes. Por estas e outras ainda escondidas,  todo cuidado é pouco, pois o Brasil não suportaria a repetição, como farsa, daqueles tempos sombrios, embora o esquema golpista, desta vez parlamentar, midiático e judicial, tenha se repetido com a ascensão de Michel Temer em 2016.

Como neste momento o Brasil se encontra na antevéspera de eleições marcadas para o próximo dia 7 de outubro, é mais do que necessário redobrar as atenções e convencer a quem tiver dúvidas sobre a necessidade de se defender o verdadeiro processo democrático. É preciso evitar que políticos, na prática remanescentes do período ditatorial, sigam colocando em andamento seus projetos prejudiciais à nação brasileira e a ampla maioria dos que aqui vivem. Ou será que ainda há dúvidas a esse respeito? (via Brasil de Fato)