11.5.18

PATRÕES INSISTEM NA PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DE TRABALHO DOS FRENTISTAS DA BAHIA

Via FENEPOSPETRO -

A segunda reunião de negociação da Campanha Salarial 2018/2019, entre o Sindicombustíveis (patronal) e o Sindicato dos Frentistas da Bahia - SINPOSBA, aconteceu nesta quinta-feira, 10 de maio. Foram definidas as cláusulas de consenso que serão mantidas na Convenção Coletiva de Trabalho - CCT e as 23 cláusulas não consensuais que serão objeto de discussão.


DESRESPEITO - Os patrões numa atitude desrespeitosa à nossa categoria querem implantar a terceirização, retirar a periculosidade dos trabalhadores e trabalhadoras que trabalham no escritório e lojas de conveniências; não querem que conste na CCT a cláusula do Plano de Saúde, nossa reivindicação há anos e que agora está na Justiça. Não querem reajustar o auxílio alimentação, oferecem reajuste Zero. Insistem em não homologar no SINPOSBA as rescisões das demissões, o que não permitirá a conferência do pagamento de todas as verbas de direitos dos trabalhadores, facilitando erros de cálculos e fraudes trabalhistas, entre outros absurdos.

As negociações acontecem nos dias 22, 24 e 29 de maio, e segundo Antonio do Lago, presidente do SINPOSBA, só a mobilização e unidade da categoria barrará as investidas patronais para implantar os absurdos da famigerada reforma trabalhista de Temer, que retirou direitos e conquistas históricas dos trabalhadores brasileiros.

"Reitero que esta Campanha não será fácil; também afirmo que não facilitaremos a vida dos patrões, que querem implantar a terceirização e o trabalho intermitente - quando o trabalhador fica à disposição sem ter hora ou dia certo para trabalhar e só recebe pelo tempo que trabalhar, se só for chamado umas 4 horas é o que receberá no mês. Querem ainda que grávidas trabalhem nas bombas e mudarem os turnos de trabalho. Os péssimos patrões, fraudadores de direitos, não se importam se os trabalhadores e trabalhadoras estão em um ambiente de trabalho saudável, não se preocupam com sua saúde, e nem querem uma valorização salarial que corresponda às suas responsabilidades diárias ao lidarem com combustíveis; só pensam em seus altos lucros." Concluiu o presidente Antonio do Lago. (informações do SINPOSBA)

* Daniel Mazola, assessoria de imprensa FENEPOSPETRO