6.6.18

É PRECISO ENTENDER QUE É HORA DE BOTAR O CARROÇÃO NA ESTRADA

ANDRÉ MOREAU -


A estrada é pedregosa, mas diante da insatisfação popular com o governo ilegítimo, é possível retomar a caravana de Lula e percorrer o Brasil ao lado da Presidenta Dilma Rousseff, deixando o machismo de lado, dando voz ao preso político através de seu vice escolhido entre os candidatos de esquerda, Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB). O vice seria o Elias de Lula assim como Elias foi porta voz de Moisés.

Caso a “ditadura do judiciário” inviabilize a candidatura de Lula com o artigo 26 C da Lei da Ficha Limpa, o vice sobe e um dos dois apoiadores passa a vice.

É preciso ter visão política, para sair do jogo da vaidade. Lula lidera com 32,4% de acordo com a última pesquisa CNT/MDA. A esquerda não pode cometer o mesmo erro que cometeu em 1964.

É preciso esclarecer que a esquerda tem adversários comuns e as eleições de 2018 podem legitimar o impeachment, sem mérito, da Presidenta Dilma Rousseff ou reverter o desmonte promovido pelo governo ilegítimo que garante o enriquecimento de 1% dos homens mais ricos da rede neoliberal que manipula como fantoches 10% dos brasileiros com renda superior a R$ 26 mil.

É preciso parar e pensar, apontando a estratégia política capaz de romper as barreiras da rede neoliberal que tomou conta dos três poderes. Não podemos admitir a possibilidade de novamente a esquerda cair na esparrela da propaganda midiática inviabilizando uma unidade política da esquerda.

Trata-se de um desrespeito ao raciocínio lógico de qualquer cidadão que entende que a prisão de Lula faz parte da programação do golpe de Estado que não retiraria a Presidenta Dilma Rousseff do Planalto, para perder as rédeas do golpe em outubro de 2018.

É sempre bom reavivar a memória. Voltar os olhos para o passado e ver as brechas que ele nos indica para “não nos deixar cair em tentação” e novamente embarcar no esquema do consórcio de jornais, rádios, canais de televisão e agora da grande rede, que domina todas as ferramentas para satanizar quem ameace a concentração de grandes fortunas, visando jogar uns contra os outros.

Na preparação do golpe empresarial/militar de 1964 o IPÊS com Irineu Marinho de O Globo, na direção do Departamento de Propaganda e Cinema, liderou o consórcio de jornais, cinemas e rádios que satanizou o Presidente João Goulart. Após o golpe, no ano de 1971 o IPÊS transferiu em Ata¹ o capital societário e o compromisso ideológico, para o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e para a Fundação Getúlio Vargas.

---
1. Propaganda e Cinema a Serviço do Golpe - 1962/1964 - de autoria da Jornalista e Escritora Denise Assis - Editora Mauad 2001 em parceria com a FAPERJ 

---
*André Moreau, é Professor, Jornalista, Cineasta, Coordenador-Geral da Pastoral de Inclusão dos "D" Eficientes nas Artes (Pastoral IDEA), Diretor do IDEA, Programa de TV transmitido pela Unitevê – Canal Universitário de Niterói e Coordenador da Chapa Villa-Lobos – ABI – Associação Brasileira de imprensa, jornalabi.blogspot.com arbitrariamente impedida de concorrer à direção nas eleições de 2016/2019.