9.7.18

1- BANCOS INICIAM CHANTAGEM E TERRORISMO ELEITORAL CONTRA O BRASIL; 2- BANQUEIROS EXPOSTOS [VÍDEO]

REDAÇÃO -

Bancos retomam a estratégia de 2002, quando diante da quase certeza da eleição de Lula os bancos causaram tempestade na economia brasileira, eles voltam a fazer chantagem contra a democracia do país, diante da inviabilidade dos candidatos do golpe e a adesão popular à nova candidatura de Lula. A ameaça parte agora do Bank of America (BofA), o 2º maior dos Estados Unidos (EUA) e, não à toa, o maior gestor de fortunas de milionários do mundo.


Para o banco americano, existe a possibilidade de se concretizar “o pior dos cenários”, com a eleição de candidato progressista. Caso ocorra isso, o bancão ameaça com jeito terrorista: “o país voltaria para recessão em 2019 e a Selic passaria para 2 dígitos”, sem algo concreto que justifique. As informações são do site Brasil 247, ao citar o repórter Rodrigo Tolotti Umpieres do site InfoMoney, porta-voz não oficial do mercado financeiro. Como em 2002, quando a economia do país estava arruinada pela gestão de FHC, a política econômica do golpe arrastou o país para o buraco.

No título do artigo, o tamanho da ameaça: “dólar pode ir a R$ 5,50 se o pior dos cenários se concretizar, aponta Bank of America”. O banco comprou em 2004 o grupo do BankBoston. Henrique Meirelles fez carreira de 28 anos no BankBoston, entre 1974 e 2002 e presidiu a subsidiária brasileira da instituição por 12 anos. Com a aquisição de 2004, a situação hoje beira o escândalo: o banco que abre a temporada de chantagens do sistema financeiro contra a democracia no país é quem paga a aposentadoria dourada do ex-ministro da Fazenda e pré-candidato do MDB: mais de US$ 250 mil por mês.

Em números, o BofA projeta, no cenário de vitória de Lula ou de outro candidato progressista crescimento da economia de 0,8% este ano, sendo que para 2019 o país voltaria para uma recessão, com o Produto Interno Bruto (PIB) caindo 1%. Enquanto isso, a Selic iria voltar para o nível dos 2 dígitos e a inflação chegaria a 7%, levando assim o dólar para o temido R$ 5,50.

“O ruído político associado ao ciclo eleitoral deve se intensificar nos próximos meses, adicionando riscos ao processo de retomada econômica”, afirmam os analistas do banco no relatório. (via DIAP, com Monitor Mercantil)

***
BANQUEIROS EXPOSTOS
(via Verdade Oculta/Youtube)