14.7.18

1- JUSTIÇA BLOQUEOU CONTAS DO VEREADOR QUE FEZ GESTOS HOMOFÓBICOS NO PLENÁRIO DO RIO; 2- ACREDITE SE QUISER: JAIR BOLSONARO QUER ACABAR COM O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

REDAÇÃO -


O vereador e pastor Otoni de Paula (PSC), que fez gestos homofóbicos na direção de um colega do Psol durante sessão na Câmara Municipal do Rio, teve contas bloqueadas por determinação da Justiça em duas ações de cobranças de dívidas. Nos processos – que podem ser consultados no site do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro –, o parlamentar é citado com seu nome de registro, Otoni Moura de Paulo (e não “Paula”) Junior.

Os gestos de Otoni ocorreram durante a sessão de ontem, em que foi derrotada a proposta de abertura de investigação contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB). O alvo foi o vereador David Miranda, que é homossexual. Também do plenário, o representante do PSC mandou uma “banana” para manifestantes que queriam o impeachment do prefeito, acusado de favorecer evangélicos na rede municipal de saúde.

O primeiro processo contra o vereador é movido desde 2011 pelo Colégio Jarita. Em 2012, o juiz da 5ª Vara Cível determinou que a dívida com a escola fosse quitada em três dias, o que não ocorreu. Três anos depois houve o bloqueio de conta bancária, mas o saldo era insuficiente para o pagamento do valor devido. Em julho do ano passado foi expedido um mandado de penhora e, em março de 2018, o juiz Carlos Eduardo Lucas de Magalhães Costa determinou a realização de consultas para a “localização dos executados” (a mulher do vereador, a pastora Silvana, também é ré).

A outra ação, movida desde 2015 por Alexandre José de Rezende, corre no 2º Juizado Especial Cível de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, e tem como objeto a cobrança de uma dívida de R$ 41.735,28. São réus a Igreja Evangélica Centro Evangelístico Missão na Vida na Barra da Tijuca e o vereador, representante da instituição. A movimentação disponível no site do TJ informa que os devedores deixaram de comparecer a diversas audiências – a primeira execução foi determinada em agosto de 2015. (…)
(via Veja)
***
Acredite se quiser: Jair Bolsonaro quer acabar com o Ministério da Educação

De Mauricio Lima na Coluna Radar da Veja.

Uma das ideias do pré-candidato Bolsonaro será acabar, caso seja presidente, com o Ministério da Educação. O objetivo é transferir essa responsabilidade para estados e municípios.