15.7.18

LULA O AMOR PROIBIDO DO POVO BRASILEIRO, ATÉ QUANDO?

EMANUEL CANCELLA -


Todo mundo já viveu ou conheceu a história de um amor proibido.

Como o amor não olha conta bancaria, é comum a princesa se apaixonar por um plebeu.

Com Lula, esse amor agora proibido, viveu uma lua de mel em dois mandatos. A separação se deu com juras eternas. Afinal é muito difícil encontrar um casal que se separa com 87% de aprovação. Isso é um “Até Breve!”. Agora querem separar Lula de sua paixão, o povo brasileiro.

E no amor proibido quanto mais se criam barreiras mais ele cresce. Com Lula não é diferente. Já o proibiram de ser ministro e o amor cresceu. Denunciaram Lula como comandante máximo da corrupção na Petrobrás, mas mesmo assim os brasileiros o querem, pela terceira vez, como comandante máximo do Brasil.

Condenaram Lula e o povo brasileiro disse: “Lula ladrão roubou meu coração!” Prenderam Lula e o amor expandiu com os brasileiros dizendo que uma ideia não se prende, muito menos o amor.

Proibiram a visita a Lula do enviado do Papa Francisco,  e o Brasil, o país mais católico do mundo, poderia ter vindo com a resposta: “E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. Na verdade eles sabem muito bem o que fazem.

Proibiram os advogados de Lula de vistoriarem a reforma do tríplex e também de ter acesso às notas fiscais, o que comprovaria de cara que a reforma era uma farsa. E Lula foi preso por essa reforma que nunca existiu (1,2).

Querem proibir Lula de ser candidato. Proibiram Lula de falar.

Em 1968, na ditadura militar, Gilberto Gil, Caetano Veloso e os Mutantes mandaram uma mensagem através de uma musica tem que ser massificada no golpe de agora:

“É proibido proibir!”.

Fonte: