5.7.18

O EFEITO ESTAFA

MARCELO MÁRIO DE MELO -


Ao contrário do efeito estufa, que atinge primeiro o ambiente e chega às suas vítimas num momento posterior, de modo impessoal e difuso, o efeito estafa se inscreve em primeira instância na rotina individual das pessoas e vai corroendo diretamente as suas energias físicas e mentais.

Ficam estafadas as pessoas que trabalham muito, tentando segurar o emprego, manter as despesas, adquirir bens, saldar dívidas, enfrentar dificuldade e doenças.

Ficam estafados os subempregados, procurando bicos e inventando o que fazer.

Ficam estafados os aposentados, vendo seu dinheiro minguar e se fragmentar entre os desempregados e dependentes da família.

Ficam estafados os sem-trabalho, peregrinando por ocupação.

Ficam estafados os sem-terra, os sem-teto, os sem-transporte, os sem-nada.

Ficam estafados os motoristas de e táxi somando corridas para pagar ao dono da frota.

Ficam estafados os camelôs com um olho no cliente e outro no fiscal.

Ficam estafados os flanelinhas caçando carros e contado moedas para comprar um pão.

Ficam estafadas as prostitutas dando expediente nas calçadas.

Ficam estafados os artistas de rua, fazendo piruetas nos semáforos.

Ficam estafados os meninos de rua, olhando os cachorros bem-tratados das madames.

Ficam estafados os mendigos procurando um canto para dormir. Ficam estafados os doentes nas filas do SUS.

Ficam estafados os passageiros enlatados nos ônibus e presos nos engarrafamentos.

Ficam estafados os moradores da periferia, ante a violência dos bandidos e da polícia.

Ficam estafados os familiares dos mortos depositados nas gavetas do IML, à espera do atestado de óbito e do auxílio funeral.

Ficam estafados os presos amontoados nas celas, ouvindo os gritos dos torturados.

Ficam estafados os que são assaltados na via pública e os que assistem ao assalto.

Ficam estafados os policiais que moram nas favelas, onde também moram os bandidos.

Ficam estafados os namorados que não podem relaxar nos carros, nas praias e nas praças.

Ficam estafados os crentes que investem e reinvestem em promessas, dízimos e obrigações. Ficam estafadas as pessoas com deficiência, enfrentando as barreiras das cidades.

Ficam estafados os que devem dinheiro a bancos e agiotas.

Ficm estafados os barraqueiros que vende a crédito a clientes no vermelho.

Ficam estafados os clientes que não têm mais dinheiro para pagar e começar a dever de novo.

Ficam estafados os pobres e miseráveis vendo os comerciais de televisão. Ficam estafadas as crianças pobres olhando os brinquedos nas vitrines.

Fica estafada a classe média, olhando a pobreza apontar na esquina.

Ficam estafados os ricos, cercados por tanta pobreza.

Ficam estafados os educadores, vendo seus alunos caírem no crime.

Ficam estafados os honestos, ante a ousadia dos corruptos.

Ficam estafados os corruptos, diante da cabeça dura dos honestos.

Ficam estafados os santos e os pecadores, os pretos e os brancos, os velhos e os novos, os homens e as mulheres, os pobres e os ricos.

Assim se manifesta o efeito estafa.

O excesso de trabalho, o desemprego, a desigualdade e a miséria estão para o efeito estafa, assim como o aquecimento global está para o efeito estufa.

O poeta Carlos Drummond de Andrade disse que “o poeta/declina de toda responsabilidade/na marcha do mundo capitalista/e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas/ promete ajudar/a destruí-lo/como uma pedreira,/ uma floresta,/um verme”.

Que ninguém duvide: o efeito estafa é uma expressão genuína da marcha do mundo capitalista.