24.8.18

1- DISPUTA POR VAGA NA CÂMARA FEDERAL É MAIS ACIRRADA NO RIO E EM SÃO PAULO; 2- PRIMEIRO VOTO: “O PT ERROU MUITO, MAS AINDA É O MELHOR PARA VOTAR”

REDAÇÃO -

Câmara dos Deputados. Foto: EBC.
Os eleitores de Rio de Janeiro e São Paulo poderão escolher entre mais de mil candidatos para votar para deputado federal. Os dois estados têm a maior concorrência por uma vaga na Câmara dos Deputados. A relação candidato/vaga é de 23,9 no RJ e 23,6 em SP. Os números são de uma análise do G1 a partir dos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em São Paulo, 1.651 candidatos concorrem a 70 vagas para representar a população do estado na Câmara dos Deputados. São Paulo tem o maior número de cadeiras reservadas na Casa por causa de seu tamanho populacional. A Constituição Federal determina que nenhum estado tenha menos do que 8 ou mais do que 70 deputados federais.

Já o estado do Rio tem 1.100 candidatos a deputado federal para 46 vagas na Câmara. É o terceiro estado com mais cadeiras na Casa, atrás de SP (70 vagas) e MG (53). O Distrito Federal fica em terceiro lugar no ranking sobre a concorrência por uma vaga na Câmara dos Deputados. São 184 candidatos para 8 vagas – ou seja, 23 candidatos por vaga. (…)
(via G1)

***
Primeiro voto | “O PT errou muito, mas ainda é o melhor para votar”

Manuela Martins, 17 anos, destoa da maior parte da elite carioca e pretende votar na chapa petista. Na pesquisa Ibope, Lula tem melhor desempenho na faixa entre 16 e 24 anos, com 45%.

Apesar de ter feito campanha para Marcelo Freixo na eleição para a prefeitura do Rio de Janeiro, Manuela Martins só completou 16 anos um mês depois das eleições municipais de 2016. "Eu queria muito ter votado há dois anos atrás, mas não consegui por causa de um mês. Logo depois já fui tirar meu título de eleitor", conta ao EL PAÍS. Agora, em posse do documento, pretende aos 17 anos votar na chapa do Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições presidenciais de outubro deste ano, esteja ela encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — que deve ser impedido de concorrer, uma vez que foi preso e condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro — ou pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.

Leia a reportagem no site El País