15.8.18

1- FUX AMEAÇA, SEM CITAR LULA: “SOFRERÁ AÇÕES DE IMPROBIDADE”; 2- PT CONVOCA, PELO SENADO, DODGE E DIRETOR DA PF NOS ATOS DE DESVIO DE PODER CONTRA LULA

REDAÇÃO -

Fux é juiz, não promotor.
O ministro Luiz Fux, que deixou hoje a presidência do TSE, deu uma declaração hoje que pode ser entendida como uma ameaça ao PT se insistir na candidatura de Lula. Em um evento no Senado, ele disse:

“Candidato inelegível, que já é inelegível, não é candidato sub judice. Sub judice é o candidato que tem a elegibilidade sujeita ainda à apreciação judicial. Quem já foi condenado em segunda instância, que pela lei da ficha limpa é inelegível, se forçar uma situação para ser candidato, vai, não pode gastar dinheiro público, e sofrerá ações de improbidade se assim o fizer”.

Ele não citou Lula, mas o recado é claro e impróprio: quem propõe ação de improbidade não é magistrado, mas o Ministério Público.

Ele também disse que a Justiça Eleitoral deve proibir pesquisas com nome de candidatos inelegíveis.

A declaração de Fux, publicada com destaque pelo Jornal Nacional, soa como intimidação.

Por que temem tanto Lula? (via DCM)

***
PT convoca, pelo Senado, Dodge e diretor da PF nos atos de desvio de poder contra Lula

O DCM recebeu a seguinte nota:

O Partido dos Trabalhadores (PT) protocola oficialmente nesta quarta-feira (15) os requerimentos de convocação, pelo Senado Federal, das autoridades envolvidas nos atos de desvio e abuso de poder contra o ex- presidente Lula, praticados no dia 8 de julho de 2018. Esses abusos foram relatados pelo diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo.

Por meio da Liderança do Partido no Senado, serão protocolados requerimentos para a convocação da Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, do presidente do Tribunal Regional Federal da 9ª Região, desembargador Thompson Flores, e do próprio diretor-geral da PF, Rogério Galloro.

Em entrevista coletiva à imprensa, às 11h, na sala de reuniões da Liderança do PT no Senado, a presidenta nacional do Partido, senadora Gleisi Hoffmann, os líderes das bancadas do PT no Congresso Nacional, senador Lindbergh Farias e deputado federal Paulo Pimenta, e o jurista e deputado federal Wadih Damous vão detalhar as ações que serão movidas concomitantemente no Legislativo.