7.8.18

MORO E RAQUEL DODGE VÃO TENTAR ME CALAR!

EMANUEL CANCELLA -


Eu escrevi o livro A Outra Face de Sérgio Moro: Acobertando os Tucanos e Entregando a Petrobrás, cujo lançamento lotou a sede do Sindipetro-RJ e vendeu todos os 100 exemplares inicialmente cedidos pela editora.

No lançamento, faltaram livros para a venda. Depois fiz lançamento em Brasília, MG e fiquei devendo convites de lançamento a outros interessados no Brasil afora. Os pedidos de compras não atendidos foram vários e estão registrados em meu blog.

Vale lembrar que o livro foi totalmente financiado por mim e a renda totalmente revertida para compra de cestas básicas para demitidos da Lava Jato.

Cheguei a entregar três lotes de cestas aos demitidos. A jornalista Fátima Lacerda foi meu anjo da guarda para a elaboração de meu livro e doou toda sua participação financeira também aos demitidos. Sem a jornalista Fátima Lacerda o livro não existiria.

A distribuição do livro sofreu boicote da gigante Amazon que, na época, mostrava, em sua vitrine virtual, pelos menos três livros enaltecendo o juiz Moro. A venda do livro também foi rejeitada pela Livraria Saraiva e Travessa.

Em resumo, grande parte da tiragem do livro está guardada comigo e hoje priorizo escrever uma matéria por dia que coloco no meu canal de YouTube, no Facebook, Twitter, blog e depois vai parar na coluna da Tribuna da Imprensa Sindical.

Com certeza já tenho material suficiente para escrever um outro livro sobre o mesmo tema e estou aceitando convites.

Mas o lançamento do livro foi antecedido pela intimação do MPF que, a pedido do juiz Sergio Moro, acusou-me de possíveis crimes contra o funcionário público, no caso do próprio juiz Moro. Com certeza, tentaram brecar o lançamento do livro, mas o livro saiu.

Cerca de um ano depois, fui intimado outra vez pelo MPF, a pedido de Moro e sob as mesmas acusações.

Além do livro e dos artigos, em novembro de 2016, denunciei a Lava Jato ao MPF, acusando-a de omissão em relação à gestão criminosa dos tucanos FHC e Pedro Parente na Petrobrás. Até hoje nenhuma resposta. Veja a denúncia na íntegra! (1)

Esse mesmo MPF, chefiado por Raquel Dodge, que se cala diante da minha denúncia; atendendo a pedido de Moro, intima-me por duas vezes em um ano, acusando-me de possíveis crimes contra a honra do juiz Sérgio Moro (2,3).

Minha próxima audiência será nesta terça, dia 7/8/18, 13h, 10ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, na Av. Venezuela, 134, BL. 2 – 5º andar, Saúde RJ (4).

Tudo que fiz foi para defender a Petrobrás, nem sequer conheço Moro pessoalmente! e não me arrependo.

Logo que começou a Lava Jato, há cerca de três anos, percebi que o juiz Moro veio para entregar a Empresa e não para combater a corrupção.

Isso porque Moro chefiou, na década de 90, a investigação do Banestado, que segundo o senador Roberto Requião é a mãe de todos os escândalos, maior que o Mensalão e o Petrolão. Um escândalo exclusivamente tucano  e nenhum deles foi preso. O Banestado surrupiou dos cofres públicos meio trilhão de reais.

E na Lava Jato, que investiga a Petrobrás, nenhum tucano foi sequer investigado, repito, fiz denúncia da omissão da lava Jato em relação à picaretagem dos tucanos FHC e Pedro Parente e nada (1).

Lamentavelmente o MPF, chefiado pela PGR, Raquel Dodge, tem sido fiel escudeiro do juiz Sergio Moro, ao invés de fiscal da lei!

Fonte: