26.8.18

O JÂNIO DA VENEZUELA

SEBASTIÃO NERY -

 Luis Herrera Campins. 
Rio de Janeiro – Mais uma vez desci em Caracas em 1979. Na portaria do Centro Simón Bolivar o homem de radinho de pilha olha para mim irritado. Estava ouvindo seu futebol, como todo porteiro que se preza, seja paraibano ou venezuelano, e aparece um chato perguntando onde era o serviço de telex internacional. Sábado de tarde, fechado. E não podia fazer nada para ajudar-me porque todo mundo havia ido embora.

Leia mais na COLUNA