23.8.18

QUEM FICA NO LUGAR DO ESTADO?

Por PEDRO AUGUSTO PINHO -


O discurso da privatização, do Estado Mínimo ou da internacionalização da economia não estimula o eleitor. Ao contrário, ele vê, de um modo geral e com absoluta razão, que este discurso leva à precariedade de suas principais reivindicações: saúde, educação, segurança e emprego.

Ocorre, no entanto, que esta percepção não é aprofundada. Grande contingente de eleitores não associam, por exemplo, a corrupção à privatização e o desemprego à internacionalização da economia.

Leia mais em OPINIÃO