23.8.18

VITÓRIA DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA: POR UNANIMIDADE, ALERJ DERRUBA VETO À REPOSIÇÃO SALARIAL DE 5%

Via SINDJUSTIÇA-RJ -


Na tarde de ontem (22), a categoria finalmente  conquistou uma reivindicação pela qual vem lutando arduamente nos últimos meses. Em votação na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), todos os 36 parlamentares presentes decidiram em favor da reposição salarial de 5% para os servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), do Ministério Público (MP-RJ) e da Defensoria Pública (DP-RJ), derrubando o veto do governador, Luiz Fernando Pezão.

Segundo o diretor-geral do Sindjustiça-RJ Aurélio Lorenz, o resultado positivo é consequência de uma intensa mobilização articulada pelo sindicato desde o primeiro semestre desse ano. “Após o veto do governador, permanecemos na luta desenvolvendo ações estratégicas, como reuniões com deputados e veiculação de matérias sobre o tema em jornais de grande circulação no estado”, explica.

Mobilização foi decisiva

“A pressão dos serventuários foi fundamental para essa vitória. Nas últimas semanas, os servidores contataram os deputados insistentemente, cobrando apoio à derrubada do veto”, conta a diretora de organização político-sindical do sindicato, Ana Paula do Couto Alves.

Durante a sessão de hoje, a categoria compareceu em peso às escadarias da Alerj, mostrando sua força política aos parlamentares. Grupos de várias comarcas do estado atenderam ao chamado para a mobilização e se deslocaram até a capital para acompanhar a votação.

Para o diretor-geral Tony Vieitas, o resultado mostra o valor do engajamento de cada serventuário para a conquista das pautas da categoria. “Foi o comprometimento de todos com nossos atos e campanhas que nos trouxe até aqui. É com esse espírito coletivo de luta que vamos em busca de outras conquistas daqui para frente”, afirmou.

Próximos passos

A partir da derrubada do veto, a lei que assegura a reposição será promulgada pelo presidente em exercício da casa, André Ceciliano (PT). A decisão da Alerj é a palavra final sobre a questão. Os servidores do Judiciário estadual não recebiam nenhum tipo de reposição desde 2014.