16.9.18

1- “HADDAD TERÁ MATURIDADE PARA DAR LINHA PRÓPRIA À SUA ADMINISTRAÇÃO”; 2- PARTIDO DO GENERAL MOURÃO DESISTE DE PEDIR QUE VICE SUBSTITUA BOLSONARO EM DEBATES

REDAÇÃO -

Na avaliação de Queiroz, analista político e diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), tudo indica que Haddad vai para o 2º turno, por sua qualidade e por ser uma candidatura muito competitiva.

Para Antônio Augusto de Queiroz, estima-se que há uma transferência de votos de Lula para Haddad entre 30% e 40%.
Depois de diversas tentativas jurídicas para assegurar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7 de abril, em Curitiba, a executiva nacional do PT, na última terça-feira (11), formalizou a chapa da coligação “O Povo Feliz de Novo” com Fernando Haddad como candidato a presidente e Manuela D’Ávila (PCdoB), vice. Apesar dos posicionamentos de juristas internacionais e, inclusive, do Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), todos favoráveis à manutenção da candidatura de Lula, a Justiça brasileira não permitiu.

Diante disso, como fica o cenário eleitoral a cerca de 20 dias do pleito? Lula terá capacidade suficiente para transferir os votos que receberia para o ex-prefeito de São Paulo? Na avaliação de Antônio Augusto de Queiroz, analista político e diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), tudo indica que Haddad vai para o 2º turno, por sua qualidade e por ser uma candidatura muito competitiva. Queiroz vai mais além: “Acho que numa disputa entre Haddad e Bolsonaro, o Haddad tende a sair vitorioso, inclusive, porque terá recomendação de apoio de voto do próprio PSDB e das forças mais à direita do espectro político, que não confiam no estilo autoritário, como seria o eventual governo do Bolsonaro”.


***
PARTIDO DO GENERAL MOURÃO DESISTE DE PEDIR QUE VICE SUBSTITUA BOLSONARO EM DEBATES

Reportagem de Gilberto Costa na Agência Brasil.

O PRTB desistiu de formalizar recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o candidato a vice-presidência general Hamilton Mourão substitua o companheiro de chapa Jair Bolsonaro (PSL) em debates eleitorais em emissoras de rádio e televisão.

A informação é do próprio PRTB. Segundo a assessoria de imprensa do partido, não houve encaminhamento de recurso formal à Justiça Eleitoral. O partido fez uma consulta informal à Corte e foi orientado no sentido de que “as tratativas [sobre a possibilidade de Mourão substituir Bolsonaro] sejam feitas diretamente com as emissoras”.

Em contato por telefone com a Agência Brasil, Hamilton Mourão afirmou que não irá “substituir Bolsonaro em nada” e que nesta segunda-feira (17) cumprirá agenda própria em São Paulo, “com a Febraban [Federação Brasileira de Bancos], com o pessoal da construção civil [Secovi – Sindicato da Habitação] e com o [José Levy] Fidelix”.

O general mostrou-se satisfeito com a recuperação de Jair Bolsonaro. “Uma maravilha o trabalho que os médicos fizeram tanto [na Santa Casa de Misericórdia] em Juiz de Fora (MG) quanto no [Albert] Einstein”, disse ao assinalar a “força de vontade e a compleição física de Bolsonaro”.