3.9.18

1- “PESQUISAS VIRARAM PÓ”, DIZ ACADÊMICO SOBRE O MUSEU NACIONAL; 2- BEMVINDO: O MUSEU E O BRASIL CHEGAM AO FIM [VÍDEO]

REDAÇÃO -

 O Repórter fotográfico da Adufrj-Seção Sindical, Fernando Sousa, registrou a tragédia do museu. Essa foto é o retrato da desolação e tristeza de pesquisadores que ali acompanharam o funeral de décadas de seus trabalhos. Na imagem o flagrante do pesquisador tentando salvar equipamentos e peças do gigantesco acervo. (foto: Adufrj/Faceboook)
Nas redes sociais foram muitas as manifestações de repúdio a respeito do incêndio que destruiu o Museu Nacional do Rio neste domingo (2). Um bom exemplo veio do professor de arqueologia Thomas de Toledo. “Uma tragédia sem precedentes”, lamentou no Facebook. O acadêmico também pediu mais compromisso com a cultura e a educação nestas eleições.

Nota:

Uma tragédia sem precedentes é o incêndio no Museu Nacional na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro. Seu presente de 200 anos foram cortes orçamentários que levaram à completa destruição de 20 milhões de peças. O museu mais antigo do país, onde funcionou a sede da Monarquia, foi abaixo pela irresponsabilidade de como as autoridades vêm tratando a memória histórica e o conhecimento. Perdemos um acervo histórico, arqueológico, antropológico, etnográfico e de História Natural respeitável internacionalmente. Tínhamos a maior coleção egípcia da América Latina, com múmias intactas dentro de seus sarcófagos. Acervo africano, americano pré-colombiano, grego, mediterrâneo, do Brasil pré-histórico e fósseis até mesmo da mais antiga brasileira já encontrada: Luzia. Havia ainda animais desde a explosão cambriana, dinossauros, a megafauna do pleistoceno, como a preguiça gigante e até mesmo milhares de borboletas. Perdemos uma biblioteca insubstituível, com obras raríssimas como os livros da expedição de Napoleão no Egito e o diário de viagem de Dom Pedro II às pirâmides e a Luxor. Pesquisas em andamento viraram pó. A memória e a ciência brasileira e mundial estão em luto. Uma dor irreparável! Que nestas eleições, haja um compromisso dos políticos com a memória, a história e a ciência. Minha solidariedade a todos os trabalhadores e pesquisadores.

Prof. Thomas de Toledo, doutorando em Arqueologia pelo MAE/USP

***
O MUSEU E O BRASIL CHEGAM AO FIM
(Por Bemvindo Sequeira)