17.9.18

O JN NÃO ENTREVISTA, AGRIDE

HELIO FERNANDES -


Foi o que aconteceu com Haddad. Inicialmente deixaram o Bonner de fora, Renata Vasconcellos usava 2 ou 3 minutos, com vários objetivos. A - Mostrar a mesma arrogância supostamente aristocrática, que irritava os colegas, no tempo do Notre Dame. B - Deixar a impressão que ele é contra as mulheres, ela atacada, apenas se defendia. C - Roubar o tempo destinado a uma conversa democrática.

Haddad mal conseguia abrir espaço para falar. Eles não faziam perguntas. Liam raivosamente o que estava escrito, e que chamavam de "promessas não cumpridas como prefeito", e engatilhavam o refrão: "Se o senhor não cumpre o que prometeu como prefeito, como quer que acreditem no que promete como candidato?". Quando ia responder, cinicamente mudavam de assunto.

Quando Haddad ia começar a falar sobre programas e soluções, montavam na sua frente, uma barragem que eu não chamaria de verbal. Enganaram o telespectador, insistindo em acusações de corrupção. Nesse capitulo. Mais uma derrota incontestável para a dupla da casa. Haddad desmontou o delator e os supostos entrevistadores.

PS- No minuto final, que Haddad aumentou para 2 minutos e meio, não conseguiam silenciá-lo.

PS2- Um verdadeiro libelo. Veemente. Lúcido. Competente. Abandonou Renata e Bonner se dirigiu diretamente para o telespectador. Um grande final.

Está completando 20 anos ocupando cargos e praticando irregularidades gritantes. Começou como prefeito de Ribeirão Preto, quase foi expulso da cidade. A sua cidade. Ha 16 anos, eleito, Lula nomeou-o ministro da Fazenda, surpresa total. Teve que ser demitido no segundo mandato.

Em 2010, escolhida para suceder Lula, Dona Dilma nomeou Palocci Chefe da Casa Civil, com aval de Lula. Só ficou 7 meses, foi demitido por excesso de corrupção. Acusado de ter desviado, inicialmente 122 milhões, tentou se defender melancolicamente. Não podendo negar a propina, alegou "recebimentos como consultor". Consultoria como ministro?

Não demorou a ser preso, e logo se ofereceu como delator. O primeiro alvo, o ex-presidente Lula. Logo trocou por denuncias contra banqueiros e figurões do “mercado". Ninguém acreditava nele. Lutou então, durante meses para sua delação ser feita perante a Policia Federal. Conseguiu, só que o delatado voltou a ser Lula. Não vai conseguir sair da prisão para gastar a fortuna que roubou.

PS- As investigações provam que a propina de 122 milhões foi apenas o inicio.

PS2- Em matéria de corrupção, os números chegam ao dobro ou triplo.

Daí, a ânsia da liberdade a qualquer preço. Veemente. Lúcido.