11.10.18

CNJ INVESTIGARÁ LIGAÇÃO DE MAGISTRADO QUE PUNIU GAROTINHO COM WILSON WITZEL; MESMO COM CASA NO RIO, EX-JUIZ WITZEL RECEBIA AUXÍLIO-MORADIA

REDAÇÃO -


O Corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou  nessa terça-feira (9) que o Tribunal Regional Federal da 2ª Região apure a conduta do desembargador federal Marcelo Granado após reclamação impetrada pelo ex-governador Anthony Garotinho. Garotinho alega na reclamação que o desembargador Marcelo Granado compartilhou post promovendo o candidato juiz Wilson Witzel durante a eleição do primeiro turno para o governo do Rio.

Após a declaração pública em apoio a Witzel, o desembargador Marcelo Granado aumentou a condenação de Garotinho por suposta formação de quadrilha armada no caso da operação Segurança Pública / SA em julgamento no começo de setembro, a pouco mais de um mês do primeiro turno das eleições para o governo do estado. 

Leia mais no Blog do Rafael Reis e confira a decisão do CNJ.

***
MESMO COM CASA NO RIO, EX-JUIZ WITZEL RECEBIA AUXÍLIO-MORADIA

O candidato do PSC ao governo do Rio de Janeiro, que passou em primeiro no segundo turno, Wilson Witzel recebia R$ 4.317,73 por mês de auxílio-moradia como juiz federal mesmo tendo casa própria na capital, informa reportagem do portal UOL. Witzel, que é apoiador de Jair Bolsonaro, é dono de uma casa na zona norte do Rio avaliada em R$ 400 mil.

Embora não seja ilegal, o auxílio-moradia é tema polêmico e alvo de debate no Supremo Tribunal Federal. O juiz Marcelo Bretas, da Lava Jato do Rio, por exemplo, já chegou a recorrer à Justiça para receber o auxílio-moradia em dobro, uma vez que sua esposa, também juíza, é outra beneficiária. Os dois vivem juntos e possuem uma mansão na cidade.

Por meio de sua assessoria, ele defendeu que o auxílio-moradia tem previsão legal e que os direitos de juízes devem ser discutidos no Congresso. A União gastou R$ 817 milhões com o pagamento do benefício nos três Poderes.

Fonte: Rio247