7.12.18

DELEGAÇÃO DA CUT, JUNTO COM SINDICALISTAS DE 163 PAÍSES, FAZ ATO DE APOIO A TRABALHADORES REFUGIADOS DE TODO O MUNDO

REDAÇÃO -

Durante a manifestação, os sindicatos reafirmaram o seu repúdio ao racismo e a xenofobia e reafirmaram que representam migrantes e refugiados. “Defendemos proteção social universal, salários mínimos e negociação coletiva como ferramentas de prosperidade e inclusão compartilhadas. A solidariedade está no coração do movimento sindical. Estamos unidos contra as forças que levam as pessoas a fugir de suas casas. A marginalização adicional dos mais vulneráveis do mundo não pode ser a resposta. Os refugiados são bem-vindos em nossos locais de trabalho e em nossas comunidades, e exigimos a garantia de tratamento igual, incluindo proteção integral e direitos sob a lei trabalhista”, disse Sharan Burrow, Secretária Geral da Confederação Sindical Internacional CSI.


Para vivenciar uma experiência de convivência, tolerância e integração da diversidade multirracial, os delegados do 4º Congresso Mundial da Confederação Sindical Internacional CSI foram convidados pelos sindicatos suecos a atravessar a ponte Øresund, que liga Copenhague, capital da Dinamarca, à Malmö, cidade multicultural costeira da Suécia.

A cidade conta com pessoas de 182 nacionalidades entre seus 330.000 habitantes. “O que quer que aconteça ao redor do mundo, isso sempre nos afeta. Estamos trabalhando duro para conscientizar a todos sobre o contrário: tudo o que fazemos localmente afeta o mundo ”, explica a jovem prefeita Katrin Stjenrfeldt.

Uma demonstração viva da multiplicidade de culturas foi a apresentação de um bloco de samba sueco formado por moradores da cidade. Suecos e moradores brasileiros da cidade organizaram o bloco e fazem intervenções culturais. Grupos de outras etnias também se apresentaram no ato dos sindicalistas.

A cidade desempenhou um papel central nos esforços da Suécia para fornecer refúgio aos mais necessitados durante a crise de refugiados. “Esta cidade é um símbolo de unidade na diversidade. 40 por cento das pessoas aqui nasceram fora da Suécia, ou seus pais nasceram fora da Suécia ”, disse Sharan Burrow, Secretária Geral da CSI.

“Nos anos 80 e 90, grande parte da indústria da cidade partiu para outros países. O estaleiro, um dos maiores do mundo, fechou e o desemprego disparou. Depois de várias políticas justas de transição, nas quais os sindicatos trabalharam de perto com o governo local, o emprego começou a crescer novamente. Hoje é uma cidade vibrante que proporcionou um novo lar para pessoas de todo o mundo ”, disse Karl-Petter Thorwaldsson, Presidente da LO Sweden - Confederação Nacional de Sindicatos da Suécia – Landsorganisationen.

“A cidade tinha estaleiros, que fecharam e uma indústria que saiu do país. O desemprego foi brutal e muitos trabalhadores também deixaram o país. Os sindicatos organizaram uma resistência propositiva junto a um governo que queria retomar o desenvolvimento sem massacrar os direitos trabalhistas. Mesmo diante de uma conjuntura de poucos empregos, abandonaram o caminho fácil do “farinha pouca, meu pirão primeiro” e passaram a estimular a vinda de pessoas migrantes e refugiadas para ter mão de obra. O capital foi atraído e retomou o crescimento”, disse Roberto von der Osten, Secretário de Relações Internacionais da Contraf-CUT, representante da Confederação na delegação da CUT.

“A Suécia costumava ter altos níveis de pobreza e desigualdade. Fortemente representativos e com mais de 70% de sindicalização no país, os sindicatos foram e continuam sendo fundamentais para a construção de um forte sistema de bem-estar social, que tornou a Suécia uma das sociedades mais igualitárias e prósperas do mundo ”, disse Göran Arrius, presidente da SACO - Organização Central da Academia Sueca, uma organização de 23 sindicatos e que representa mais de 700 mil profissionais independentes acadêmicos.

“Olhando ao redor da sala e ao redor do mundo, estou muito otimista. Tanta energia para mudar as coisas para melhor. Juntos, somos muito mais fortes – disse a prefeita de Stjenrfeldt, pouco antes de a sala parar, quando um banner de “Bem-vindo aos refugiados” foi aberto.

A visita a Malmö foi organizada no contexto do 4º Congresso Mundial da CSI, que decorre de 2 a 7 de dezembro em Copenhagen, Dinamarca.

Fonte: Contraf-CUT