16.12.18

ENSINO DE TEATRO ENRIQUECE VIDA ESCOLAR

Por TAIS FACCIOLI -

Aprenda dicas para introduzir a atividade no seu colégio.

Você já pensou que o teatro na escola pode ir muito além das encenações que fazemos nas datas comemorativas, como Natal, Dia da Família e o encerramento de fim de ano? Essas atividades são fundamentais porque as crianças têm a memória estimulada, perdem timidez e aprendem o valor do trabalho em grupo. Então, imagina se o teatro for incluído na rotina escolar, na sala de aula, na educação física e em outros momentos, interagindo até mesmo nos conteúdos disciplinares.

Uma aula de história do Egito, por exemplo, pode ficar bem mais interessante se os alunos se envolverem na criação de uma peça teatral sobre o assunto. Pode ter a certeza de que a proposta vai acabar mobilizando o colégio inteiro. E não se preocupe se sua escola não tem um auditório ou espaço adequado para as apresentações. O pátio do recreio pode ser perfeitamente adaptado.

Nina Lopes, no papel de Emília, encena O Sítio do Pica Pau Amarelo com os amigos
Atividades podem começar na infância

O teatro é uma expressão artística milenar, que acompanha o homem desde os períodos mais remotos da nossa história até os dias atuais, fazendo parte do significativo e complexo sistema de vida humana. Por conta do seu caráter lúdico e a propositura do estado de jogo, torna-se um elo fundamental nos processos de ensino-aprendizagem.

A capacidade de teatralidade, de jogo, é algo inerente às crianças desde seus primeiros anos escolares. A escola, como uma instituição formadora do pensamento, precisa estar atenta e sensível a esta prerrogativa, para que possa de forma precisa e eficaz, ofertar aos seus alunos a oportunidade de desenvolver suas potencialidades dramáticas, que são fundamentais não só para a expressão artística, mas também na arte de viver.

Socialização

Mas você sabe todas as vantagens que o teatro oferece? O contato com a linguagem teatral ajuda crianças e adolescentes a perder continuamente a timidez, a desenvolver e priorizar a noção do trabalho em grupo, a se sair bem de situações onde é exigido o improviso e a se interessar mais por textos e autores variados. “O teatro é um exercício de cidadania e um meio de ampliar o repertório cultural de qualquer estudante”, diz Ingrid Dormien Koudela, consultora do Ministério da Educação na elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) na área.

O teatro permite a vivência de experiências sensoriais diversas, onde, a partir dos jogos teatrais e dramáticos, o jogador pode se posicionar em estado de simulação, envolvendo nessa realidade paralela do jogo, suas emoções, conceitos, valores. Japiassu diz que “a finalidade do jogo teatral na educação escolar é o crescimento pessoal e o desenvolvimento cultural dos jogadores por meio do domínio, da comunicação e do uso interativo da linguagem teatral, numa perspectiva improvisacional ou lúdica. O princípio do jogo teatral é o mesmo da improvisação teatral, ou seja, a comunicação que emerge da espontaneidade das interações entre sujeitos engajados na solução cênica de um problema de atuação.” (JAPIASSU, 2001, p.26)

Dicas para levar o teatro para a sala de aula:

– Invista em livros de literatura infanto-juvenil, que abordam temas pertinentes

– Para ajudar na montagem do acervo, conheça a página de Facebook “Desvendando Teatro”. Além de informações técnicas, como montagem de roteiros, é possível solicitar textos e livros teatrais para download. O e-mail do grupo é desvendandoteatro@gmail.com

– Coloque o material em uma estante de madeira

– Inclua fantoches no acervo. Essa técnica é muito boa para a Educação Infantil

– Uma ideia econômica e interessante é criar junto com os alunos personagens feitos com material reciclado

– Peça aos pais doações de fantasias, vestimentas antigas e acessórios para criar um acervo de figurinos

Necessidade de se adequar

Além de todas as vantagens já mencionadas, o teatro caminha para ser exigido nas escolas. É que no dia 3 de maio de 2016, o teatro, as artes visuais e a dança foram incorporados ao currículo da Educação Básica, através da Lei n° 13.278/16. Até então, apenas a música era componente “obrigatório, mas não exclusivo” do ensino de arte na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Pela Lei, Escolas públicas e privadas terão até 2021 para se adequar aos novos padrões.

Reflexão

Alguns profissionais, no entanto, defendem que é preciso se manter na luta, já que a BNCC entra em contradição com a nova legislação pois não considera Artes Visuais, Música, Teatro e Dança como disciplinas, mas apenas como sub-componentes da disciplina de ARTE.

Isto pode permitir a algumas escolas “burlarem” a obrigatoriedade, deixando as ARTES serem mero complemento de outras disciplinas. Fica a reflexão! (fonte: isacolli.com)