24.12.18

INVESTIGADO, FUTURO CHEFE DA CASA CIVIL DE DORIA NÃO DESCARTA SE LICENCIAR

REDAÇÃO -

Em entrevista publicada no Estado de São Paulo neste domingo (23), o ex-prefeito de São Paulo e ministro Gilberto Kassab (PSD), acusado de receber vantagens indevidas das empresas de Joesley Batista e escolhido para assumir a Casa Civil no governo de João Doria (PSDB), que inicia em janeiro, afirmou não descartar pedir licença por um período para cuidar de sua defesa.


Perguntado se o fato de ser investigado não causaria constrangimento ao futuro governador, João Doria, que chegou a cogitar que Kassab não assumisse a Casa Civil do Palácio dos Bandeirantes, o ministro respondeu: "estou convidado. Ele fez uma manifestação pública de solidariedade. Estou muito tranquilo. Tomo posse agora e essa secretaria que eu vou assumir, a Casa Civil, é eminentemente política. Eu disse ao Doria que a política é muito lenta. Tem recesso (parlamentar) e a relação com deputados. Não pude me afastar do governo federal. A partir de janeiro, não descarto me licenciar por um período para me dedicar... estudar melhor o tema. Comentei com o governador eleito. Doria disse para eu fazer o que fosse da minha conveniência. Foi muito correto. Estarei na posse".

Sobre o fato da denúncia ser um constrangimento para o Doria, Kassab disse que esse incômodo será maior para ele próprio. "Estou com os bens bloqueados há um tempo bastante grande, o que me obriga a ter dinheiro em casa, porque não posso movimentar a minha conta bancária". O repórter perguntou: por isso que o sr. tinha R$ 300 mil em casa? "Sim, é por isso. O primeiro pedido de bloqueio de bens foi no final do ano passado. Eu tinha de me preparar. Tenho os meus gastos, de uma maneira legal. Essa é a razão. Tudo isso traz um incômodo. Estou na vida pública há muito tempo. Quem não tiver humildade para conviver com isso, é melhor não estar na vida pública. Confio no Judiciário", respondeu Kassab. (via 247)