12.12.18

LAVA JATO DESTRUIU A ECONOMIA NACIONAL E PODERÁ PRENDER TODOS OS GOVERNANTES DE OPOSIÇÃO, AGORA FOI O DE NITERÓI!

EMANUEL CANCELLA -


Bolsonaro, em campanha, já indicava o caminho para a oposição na Avenida Paulista: prisão ou exílio (1).

Parece que a perseguição continua valendo. A Lava Jato destruiu a economia nacional em poucos meses, como mostra o vídeo em anexo (16). Agora, com a prisão do prefeito de Niterói, parece que a Lava Jato se volta contra os governantes de oposição.

Ontem, 10/12/18, assistimos à prisão do prefeito de oposição de Niterói, Rodrigo Neves, com base em apenas delação premiada, sem provas.

“A operação é desdobramento da Lava Jato no estado e teve como ponto de partida a delação premiada de Marcelo Traça, ex-diretor da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (3)”.

E Bolsonaro trouxe, para ocupar o ministério da justiça, o juiz Sérgio Moro. Moro, verdade seja dita, foi quem mais se empenhou na eleição de Bolsonaro:

1 – Deu um cartão vermelho para Lula que, segundo pesquisas do Ibope, ganharia eleição no primeiro turno. Lula foi preso pela Lava Jato, chefiada por Moro, num claro intuito de impedir sua candidatura (2).

2 – Depois, a seis dias da eleição, o juiz Sérgio Moro, pessoalmente, de forma criminosa, vazou para toda imprensa, principalmente a Globo, a delação premiada de Antônio Palocci, que estava rejeitada pelo MPF por falta de provas.

Essa delação atacava Lula e Dilma (5). O ardil de Moro foi tão eficaz que derrotou Dilma que, segundo todas as pesquisas, tinha uma cadeira certa como senadora de Minas Gerais. Até o vazamento cada pesquisa a ex-presidenta ampliava sua liderança (4).

Até agora não vi ninguém sair em defesa do prefeito Rodrigo Neves. Para quem não sabe, Niterói tem a melhor qualidade de vida para idosos no estado do Rio (15). E Rodrigo que é do PDT/RJ se elegeu e reelegeu em Niterói.

Não que o prefeito Rodrigo não possa ser preso, pois ninguém está acima da lei. Mas todos têm direito a julgamento justo que inclui a ampla defesa e, se condenado, no processo transitado em julgado, aí sim a prisão. E Rodrigo não teve esse direito. Aliás, quem garante isso é a Carta da Declaração dos Direitos Humanos da ONU, que esta semana fez 70 anos e o Brasil é signatário.

Para se ter ideia da parcialidade de nossa Justiça, vejamos por exemplo São Paulo, onde o PSDB tem governado nas últimas décadas e os escândalos de corrupção se multiplicam:

- Propinoduto do metrô de São Paulo (trem e metrô superfaturado em 30%) (7).

- Dersa (Envolvida na Lava-Jato, Dersa tem R$ 15 bilhões em contratos suspeitos) (8).

-Merenda ("Desvio na merenda escolar: PF desvenda escândalo de R$ 1,6 bilhão)" (9).

- São Paulo teve crise hídrica., Especialistas avaliam que em 2018 São Paulo já sofre nova crise hídrica. Faltou água na capital e o governador Geraldo Alckmim, em plena crise, elegeu-se no primeiro turno, lógico com ajuda total da mídia (10).

- Viaduto da Marginal Pinheiros sobre linha da CPTM cedeu, próximo à Ponte do Jaguaré (6).

E em São Paulo, com essa performance, nenhum prefeito e nem governador tucano foi preso.

Já em Minas Gerais a Polícia Federal foi fazer busca no escritório do ex- governador do PT, Fernando Pimentel, e de sua esposa e nunca foi na casa do ex-governador tucano Aécio Neves, mesmo ele sendo recordista de delação na Lava Jato (11,12).  Só agora a Polícia Federal fez busca na casa de Aécio e, mesmo assim, o STF e PGR já saíram publicamente em sua defesa e contra a sua prisão.

A sociedade já se cansou das denúncias do anterior PGR, Rodrigo Janot, contra a Aécio e depois logo o arquivamento pelo ministro Gilmar Mendes.  Agora a PGR Raquel Dodge assumiu o lugar de Janot (17). Para os ministros do STF e a PGR, prisão só é coisa para a oposição, principalmente o PT.

O que me chama a atenção é a ligação dos três fatos: discurso de Bolsonaro na Avenida Paulista, a ida de Moro para o governo de Bolsonaro a prisão de Lula e do prefeito de Niterói.

O arsenal da Lava Jato é poderosíssimo, constituído com dinheiro público, mas infelizmente é usado indevidamente, de forma política, como demonstro acima.

São 293 acordos de delação premiada homologados; 116 condenados e 27 presos (13,14). Com esses números não vai faltar delação premiada para levar os oposicionistas à cadeia.

Até porque, para atacar a oposição, para a Lava Jato não há necessidade de provas, que os digam Lula e agora Rodrigo Neves.

É sabido que o delator fala o que quer ou o que o mandam dizer, já que ele está desesperado para se livrar do processo e da prisão, entretanto, cabe ao Judiciário provar o que ele está dizendo e não sair prendendo e condenando sem provas!

Fonte: