4.1.19

A PRIMEIRA FACADA DE BOLSONARO FOI NO SALÁRIO MÍNIMO!

EMANUEL CANCELLA -

TV transmite mensagem “Lula Livre” pintada no asfalto durante a posse de Bolsonaro (12).


A malha social construída pelos governos do PT está sendo destruída desde o golpista Temer, e agora se aprofunda no governo Bolsonaro: Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Fies, Cotas, Ciência Sem Fronteiras, etc.

Em seu primeiro dia, Bolsonaro atacou até a Ação da Cidadania, criada por Herbert de Souza (o “Betinho”), que assessorava o governo nas ações ligadas à alimentação. Essa foi fundamental para tirar o Brasil do Mapa da Fome da ONU e, até agora, não se sabe se continua a existir ou se foi extinta (2).

Uma demonstração do resultado dessa política é que os aeroportos nos governos do PT registraram um aumento de passageiros de 210%, porém agora esse número tem uma forte retração, segundo a Anac (3,4).

Além disso, o Brasil está voltando ao Mapa da Fome da ONU (5).

No governo de Lula, o Brasil chegou ao pleno emprego. Hoje falta trabalho para 27,6 milhões de brasileiros, aponta IBGE (9).

Lula assumiu em 2003, com o desemprego em 11,2%, e fez com que essa taxa caísse pela metade, com o surgimento de 15 milhões de vagas com carteira assinada (6). Bolsonaro nada fala sobre o desemprego e diz que a pesquisa é uma farsa (7).

No combate à corrupção, o juiz Sérgio Moro, agora Ministro da Justiça, assume o Coaf, e baixa decreto que determina: além de levar o órgão para seu ministério, decreta mordaça no Coaf, ao dizer que “Todos os funcionários estão impedidos de se manifestarem” (8).

Queiroz, o assessor do então deputado Flávio Bolsonaro, foi denunciado pelo Coaf por, em um ano, ter movimentado R$ 1.2 milhões, sendo um desses depósitos no valor de R$ 24 mil na conta da primeira dama, Michelle Bolsonaro.

Denúncias como essa que o órgão fez contra Queiroz, nunca mais!

Mas a sociedade continua querendo saber de onde vinha o dinheiro que alimentava a conta de Queiroz (8).

Bolsonaro, no primeiro dia de governo, pessoalmente diminuiu R$ 8 do reajuste do mínimo, contrariando a presidenta Dilma, que assinou uma medida provisória que garantia a fórmula de aumento do salário mínimo, com base na inflação e no crescimento do PIB até 2019.

Os governos do PT tiraram o salário mínimo dos US$ 100 e elevaram-no para US$ 305 (11).

Bolsonaro, no discurso de posse: “Brasil começa a se libertar do socialismo... (10)”.

Será que é no salário mínimo o começo da libertação?

Fonte: