22.1.19

BOLSONARO: 22 DIAS DE PRESIDENTE ELEITO, 22 DIAS DE DESGASTE, RETROCESSO, DESMORALIZAÇÃO TOTAL


HELIO FERNANDES -


Eleito inesperadamente, começou a demonstrar sua arrogância e incompetência a partir de 28 de outubro, quando foi declarado eleito. A partir dai, não parou mais de exibir erros, equívocos, disparates, negados e desmentidos por aliados e auxiliares de cargos inferiores.

Fui o primeiro a constatar e a denunciar, o "desequilíbrio, desalinho e desconforto" (textual) da equipe civil, cercada e vigiada por generais.

Mas sua atuação foi tão desastrada durante os 63 dias entre a vitória e a posse, que desde o primeiro dia como presidente eleito, só fez agravar a situação coletiva do governo e se desmoralizar individualmente, de forma irreversível. Bolsoraro, que vivia ás "caneladas" com o vice, viajou para Davos, certo que Mourão  resolverá o gravíssimo problema da corrupção.

Em parte, em parte. Basta ver a afirmação publica do vice em Exercício: "O presidente e o governo não têm nada com isso". O resto não é com ele.

Bolsonaro, que acreditava no seu sucesso, em Davos, está lá, preocupadíssimo. Como não tem intimidade ou familiaridade com a língua inglesa, pediu ajuda ao Paulo Guedes que se diplomou em Chicago e morou mais tempo nos EUA do que no Brasil. E só está interessado em se desfazer de 400 estatais, burra e criminosamente deficitárias.

PS- Para terminar por hoje. Só por hoje, o próprio Bolsonaro está impressionado como vem "apanhando" nas redes sociais.

PS2- Quando foi declarado vencedor, confessou: "70% da minha eleição, foi conquistada nas redes sociais".

PS3- Bolsonaro fala (?) hoje em Davos.

MORO ESTÁ EM DAVOS, CONVIDADO ESPECIALMENTE POR BOLSONARO

Muito justo. Ha quase 3 anos formam uma dupla indissolúvel, incontestável, indefensável. Cúmplices e apaniguados, conseguiram o que não conseguiriam separados.

Bolsonaro provavelmente nem seria candidato, se não fosse a conspiração contra Lula. Armada, tramada e executada pelo magistrado, que se fartou de garantir: "Sou magistrado, não farei carreira política". Eleito, o primeiro convidado para 2 ministérios importantíssimos e com poderes extraordinários: Justiça e Segurança Publica. Na primeira entrevista coletiva, garantiu: "Vou combater a violência e destruirei o crime organizado”.

Logo no primeiro dia como ministro foi desafiado pelas facções das penitenciarias do Ceará. Mandou 500 homens da Força Nacional, 300 de PMs dos estados, outros 500 da Rodoviária Federal. Mais de mil homens, e o crime aumentando. Ha 20 dias, fracasso em cima de fracasso.

A outra afirmação antes da posse: "Acabarei com  a corrupção". Tudo que a comunidade queria ouvir. O primeiro grande escândalo do governo, envolveu um filho de Bolsonaro e um dos seus grandes amigos, (a quem emprestava dinheiro) aconteceu na COAF, subordinada a Moro. O que é que o ministro podia fazer, a não ser se omitir desastradamente.

Mourão  já liberou Bolsonaro, por enquanto só ele. Nem ele nem Moro, têm alguma coisa a fazer em Davos, o maior fórum mundial de economia. Só de economia. Moro cuida ou devia cuidar de violência e corrupção.

PS- Quando convidou Paulo Guedes, Bolsonaro afirmou sem Constrangimento: “sou completamente analfabeto em economia". (Não estou aqui para desmentir ninguém).

PS2- Mas Bolsonaro e Moro têm muito a conversar, nas 9 horas de vôo. Na ida e na volta.

ONTEM ACABOU O RECESSO JUDICIÁRIO

Hoje estará em pleno funcionamento. O ministro Marco Aurélio, decidirá sobre o destino de Flavio Bolsonaro. Ele é o relator do caso.  No recesso, afirmou e reafirmou: “reclamações como a do Flavio Bolsonaro tenho jogado no lixo”.

O relator desse processo é o ministro Marco Aurélio, que não pode se manifestar oficialmente, o judiciário está em recesso. Mas falou, com vasta repercussão: "Reclamações como a do Flavio Bolsonaro, TENHO JOGADO NO LIXO". No dia seguinte, apareceram 48 depósitos de 2 mil reais cada, na conta de Flavio Bolsonaro.

PS- É possível que nada aconteça ao presidente. Mas é inexplicável para um personagem que prega a moralidade e baseou a campanha, afirmando: "Vou acabar com a corrupção".

PS2- Assim que terminar o recesso, o relator Marco Aurélio, manda o processo para a primeira instancia.

PS3- Talvez ainda hoje.