22.1.19

CRESCEM POR TODO O BRASIL ATOS E MANIFESTAÇÕES EM APOIO À JUSTIÇA DO TRABALHO

REDAÇÃO -

Juízes, advogados, sindicalistas, movimentos sociais e populares participaram nesta segunda (21) de atos por todo o País em defesa da Justiça do Trabalho. As manifestações foram uma resposta às declarações de Jair Bolsonaro, sinalizando com a possibilidade de extinção desse braço do Judiciário. Em São Paulo, cerca de 1,5 mil pessoas se concentraram em frente ao Fórum Ruy Barbosa, na zona oeste.

Operadores do Direito participam de manifestação em defesa da Justiça do Trabalho em SP
O ato foi convocado em parceria entre Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 2ª Região (Amatra-2), Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado (Sintrajud), Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo (AATSP), Federação Nacional dos Advogados (Fenadv) e Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes (Mati).

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, também participou do evento. Para o magistrado, as declarações de Bolsonaro soaram como uma ameaça. “Me perguntaram ‘por que este ato agora?’. Porque, ao que eu me lembre, nunca se havia ouvido de um presidente da República uma palavra que pudesse significar uma ameaça à Justiça do Trabalho”, afirmou.

Segundo a presidente da Associação dos Advogados Trabalhistas de São Paulo (AATSP), Sarah Hakim, a sinalização de Bolsonaro “é mais um passo na direção do desmonte do Estado, que afetará principalmente segmentos mais frágeis da sociedade com os trabalhadores”.

Movimento - “Se conseguirem acabar com a Justiça do Trabalho, ganharão força para avançar sobre outras instituições e colocar em risco o próprio Estado de Direito”, afirma. (...) Sarah Hakim informou que o movimento em defesa da Justiça do Trabalho fará outras manifestações, para rebater as insinuações de Bolsonaro de que o Brasil é um dos únicos países do mundo com uma justiça especializada na resolução de conflitos trabalhistas. Os protestos foram uma prévia do ato que a Anamatra realiza dia 5 de fevereiro, em Brasília. 

Fonte: Agência Sindical