8.1.19

POESIAS – JEITO DE ESCRITURA; EXPLICAÇÃO

MARCELO MÁRIO DE MELO -

Jeito de escritura.

A minha escritura tem a ver com céu e pedaço de pau.

Coisa de gente que vive fazendo figura com nuvem abrindo e fechando os olhos na luz do sol pra inventar arco-íris descobre personagem em casca de muro bate papo com musa fada bruxa e sinal de pontuação e faz escuta de bicho falando das inconvivências dos humanos.

Coisa de sucateiro e catador de lixo gente que pega resto de comida pra comer e comida podre pra fazer adubo aprende filosofia com livro grosso e tolete cutuca religiosidade de ateu aprende materialismo na bíblia e admira estrelinha de cu.

Coisa simples e sem muita ciência que não rende nem um talo de tese de mestrado.

Escrevo assim porque sou assim e não posso ser diferente de mim.

A minha poesia é a minha cara no espelho da vida e pronto.


EXPLICAÇÃO

Não tenho apreço pela prece
porque já vivo o tempo todo
rezando poesia.

Não me dirijo ao Senhor Deus
porque já vivo o tempo todo
conversejando com a Senhora Vida.

Não faço análise
porque já vivo o tempo todo
com o divã na mente.

Não fico doido
porque tenho de juntar os fios
dessas conversas todas.

Não entro em depressão
porque não tenho tempo
e porque rio muito.