27.3.19

EM DEFESA DA SAÚDE PÚBLICA, MOVIMENTOS SAEM ÀS RUAS NO DIA 4 DE ABRIL

REDAÇÃO -




Referência mundial de tratamento inclusivo, o Sistema Único de Saúde (SUS) tem sofrido desmontes por meio da falta de investimentos do governo federal, que se agravaram desde a sanção da EC 95/2016 (Emenda Constitucional), congelando os recursos públicos em áreas como saúde e assistência social por 20 anos.

Além disso, o atual governo de Jair Bolsonaro (PSL) não apresentou até o momento nenhuma política para a saúde e foi responsável, antes mesmo de tomar posse, pelo rompimento da parceria do Mais Médicos com Cuba, reduzindo a abrangência do programa.

Contra esse desmonte e por um SUS público, universal e acessível a todos, as organizações farão um ato na quinta, dia 4, às 10h, na Praça da Sé, no centro de São Paulo. A atividade é parte da agenda da semana Mundial da Saúde e conta a participação da CUT-SP.

“Como se não bastasse todo esse sucateamento, Bolsonaro quer aprovar uma reforma da Previdência que irá impactar significativamente na saúde da população, pois, se aprovada, seremos um país com idosos miseráveis, sem aposentadoria, e isso terá reflexos no sistema público de saúde”, afirma o secretário de Saúde do Trabalhador da CUT-SP, Wagner Menezes, o Marrom.

Fonte: CUT