27.3.19

FILA DO ANHANGABAÚ REVELA A DESTRUIÇÃO ECONÔMICA PROVOCADA PELO GOLPE

REDAÇÃO -

A Prefeitura de São Paulo informou que mais de 6 mil vagas de emprego estão sendo oferecidas em vários setores, o que reuniu um mutirão do emprego, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho e o Sindicato dos Comerciários, na manhã desta terça-feira (26) no Vale do Anhangabaú, no centro da capital paulista. A fila gigantesca revela destruição econômica do Brasil, que, em dezembro de 2014, vivia o plena geração de postos de trabalho, com taxa de desemprego de 4,3% no governo Dilma Rousseff, conforme dados divulgados em janeiro do ano seguinte pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o menor índice da série histórica, iniciada em março de 2002. Após a Operação Lava Jato e sabotagem ao governo Dilma, que foi golpeada, a taxa foi para 13%, chegando a este percentual pelo menos até o primeiro trimestre de 2018. A taxa ficou em 12% até o trimestre encerrado em janeiro de 2019, informou o IBGE.


Das vagas oferecidas, 1.179 serão para operador de telemarketing, mil para operador de loja, 200 para operador de supermercado e 10 senhas distribuídas. "Essa união tem um único objetivo: oferecer à população uma oportunidade de reconquistar sua posição no mercado de trabalho. Com a diversidade de vagas oferecidas, os interessados podem se candidatar a uma oportunidade em que já têm experiência ou até mesmo para uma nova área de atuação”, disse a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso, segundo relato da Agência Brasil.

O fato é que a agenda do presidente Jair Bolsonaro, assim como a de Michel Temer, prevê cortes de direitos para diminuição de custos por parte dos empresários, mas não elabora proposta concreta para manter o nível de consumo elevado e retomar o crescimento econômico. Quase 2 milhões de jovens perderam vagas formais de trabalho nos últimos anos, apontou um levantamento feito por Cosmo Donato, economista da LCA Consultores, com base nos microdados da Pnad, a pesquisa por amostra de domicílios do IBGE, publicado pela jornalista Flavia Lima, em reportagem publicada na Folha.

Reforma Trabalhista, que prevê o chamado contrato temporário de trabalho (sem jornada regular), mais um número próximo de 40 milhões de trabalhadores na informalidade e o congelamento de investimento público formam um tripé crucial para deixar a economia estagnada. Se não bastassem as estatísticas desanimadoras, Bolsonaro afirmou, durante encontro com empresários chilenos, que no Brasil, deve-se chegar a uma situação que ele definiu como "beirar a informalidade". Sinal amarelo continua aceso.

Fonte: 247