19.3.19

REJEIÇÃO A BOLSONARO SOBE SETE PONTOS PERCENTUAIS, APONTA PESQUISA XP/IPESPE

REDAÇÃO -

A aprovação de Jair Bolsonaro (PSL) caiu sete pontos percentuais em menos de três meses no cargo, aponta pesquisa Ipespe encomendada pela corretora XP e realizada entre os dias 11 e 13 de março em todas as Regiões do País. A avaliação positiva (ótimo e bom) de Bolsonaro caiu de 40% para 37%. É o mais baixo índice de um presidente em começo de mandato.


O que subiu foi o percentual de brasileiros que consideram seu governo ruim ou péssimo - de 17% para 24% no período. A avaliação “regular” manteve-se em 32%.

As expectativas dos mil eleitores ouvidos pelos pesquisadores em relação ao restante do mandato de Bolsonaro também caíram. Em fevereiro, 63% esperavam uma gestão ótima ou boa. Agora, 54% ainda têm essa esperança. Subiu para 20% o percentual de quem projeta uma administração ruim ou péssima, contra 15% do levantamento anterior.

Reforma da Previdência - Apesar da campanha do governo e de aliados, que afirmam que a reforma da Previdência vai combater as desigualdades e os privilégios, o apoio às mudanças nas regras manteve-se estagnado, segundo a pesquisa. A medida é considerada necessária por 64% dos entrevistados, mesmo índice de fevereiro e sete pontos percentuais abaixo dos números de janeiro.

46% dos entrevistados discordam parcial (15%) ou totalmente (31%) da obrigatoriedade da idade mínima para aposentadoria de 62 anos para as mulheres e 65 anos para os homens.

Quanto às propostas de mudança nas aposentadorias dos militares, que ainda não foram encaminhadas pelo governo ao Congresso, apenas 31% dos entrevistados discordam parcial ou totalmente.

Vídeo obsceno - As recentes publicações de Bolsonaro nas redes sociais, caso da divulgação de vídeo obsceno de um bloco de Carnaval em São Paulo, tiveram repercussão negativa entre a maioria dos eleitores ouvidos pela pesquisa.

Segundo o levantamento, 72% tomaram conhecimento da publicação. Desses, 59% consideraram o conteúdo inadequado, ao passo que 27% classificaram a postagem como adequada e 3% disseram ser indiferente.

Fonte: CUT