3.3.19

SEMINÁRIO SOBRE A COREIA POPULAR NA CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

LUCAS RUBIO -

A Câmara Municipal da cidade do Rio de Janeiro, o Centro de Estudos da Política Songun - Brasil e o Instituto da Amizade Brasil - Coreia realizaram, no dia 21 de fevereiro de 2019, um seminário intitulado «Relações Norte-Sul na Península da Coreia e a Perspectiva de Reunificação». O evento foi realizado no auditório da Câmara dos Vereadores, Cinelândia, centro do Rio.

Da esquerda para a direita: o conselheiro norte-coreano Myong Chol, o embaixador da Coreia Popular no Brasil Kim Chol-hak, o vereador pelo PSOL Leonel Brizola Neto, a presidente do Instituto da Amizade Brasil e Coreia Rosanita Campos e o presidente do Centro de Estudos da Política Songun – Brasil (CEPS-BR) Lucas Rubio.
Para discutir o tema, participaram do seminário e tomaram parte na mesa as seguintes representações diplomáticas e personalidades: o Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Popular Democrática da Coreia no Brasil, Sr. Kim Chol Hak, o Conselheiro Político da Embaixada da RPD da Coreia, Sr. Myong Chol, a Presidente do Instituto da Amizade Brasil-Coreia e Presidente do Comitê Preparatório Brasileiro de Comemoração aos 77 anos de KIM JONG IL, Sra. Rosanita Campos e o Presidente do Centro de Estudos da Política Songun - Brasil e Porta-Voz do Movimento Juvenil por uma América Latina Independente, Sr. Lucas Rubio. O evento foi apresentado e mediado pelo Sr. vereador Leonel Brizola Neto, do PSOL-RJ.

Antes do início do seminário, o vereador Leonel Brizola Neto apresentou ao público um livro que foi presentado ao seu avô, Leonel de Moura Brizola, pelas autoridades da Coreia Popular na década de 1990. O livro, um tomo das "Obras Escolhidas" do Dirigente KIM JONG IL, foi dado na época ao imortal Leonel Brizola como símbolo da amizade e respeito do povo coreano ao povo brasileiro.

Após uma introdução ao tema, feito pelo vereador Leonel Brizola, Rosanita Campos introduziu sua fala explicando a importância de um novo entendimento sobre a realidade que se passa na Coreia Popular, bem como o entendimento do desenvolvimento histórico desse país, que explica a atual fase de relação da Coreia com outros países do mundo, como os Estados Unidos e a Coreia do Sul, foco de discussão do seminário. Rosanita comentou sobre os volumes do livro "Memórias no Transcurso do Século", a biografia escrita pelo fundador da Coreia Socialista, o Presidente KIM IL SUNG. Rosanita, que é a tradutora brasileira das memórias de KIM IL SUNG, comentou sobre os 5 volumes que já traduziu ao português em um trabalho pioneiro de anos.

Depois dela, Lucas Rubio, Presidente do CEPS-BR, esclareceu o público sobre os dois pilares políticos e filosóficos da Coreia: a Ideia Juche e a Política Songun. Rubio explicou a trajetória histórica do desenvolvimento do socialismo ao estilo coreano, nomeado de Juche, e também analisou o longo histórico de intervenções e ingerências externas na Coreia, o que justificaria a necessidade da Revolução Coreana ter atenções especiais à questão da defesa e do Exército Popular. Também foram elucidadas questões sobre o avanço do programa nuclear e balístico da Coreia, dois fatores que promoveram a troca da retórica estadunidense na Coreia - se antes os EUA imaginavam usar a força para resolver a questão, após as vitórias geoestratégias dos armamentos coreanos, passou a considerar o diálogo como meio de tratar a questão.

Depois, foi a vez do Embaixador da RPD da Coreia no Brasil, Kim Chol Hak, fazer sua intervenção, em coreano. Traduzido simultaneamente pelo Conselheiro Político da Embaixada, Myong Chol, o Embaixador saudou o público presente e a iniciativa dos organizadores do evento. O Embaixador e o Conselheiro falaram sobre as façanhas do Presidente KIM IL SUNG, do Dirigente KIM JONG IL e, mais recentemente, do Marechal KIM JONG UN, sobre a questão nacional da Coreia e as diferentes perspectivas de relações de ambos os lados que visam a Reunificação. Explicaram o ganho de prestígio internacional da Coreia através do seu desenvolvimento militar e diplomático e esclareceram sobre os encontros históricos entre KIM JONG UN e Moon Jae In, presidente da Coreia do Sul, e Donald Trump, presidente dos EUA.


Após isso, o vereador Brizola abriu a mesa para perguntas do público, que lotou o auditório da Câmara, que possui 70 lugares. No pico de presença do evento, quase 90 pessoas estiveram presente. Todas as perguntas foram dirigidas aos diplomatas coreanos e o público teve a chance de perguntar diretamente à máxima autoridade da Coreia fora de lá sobre várias questões. As dúvidas foram em relação à Reunificação da Coreia, sobre como ela seria realizada e suas consequência, além de perguntas sobre economia, relações internacionais, o papel da China no mundo, dentre outras coisas. Todas as perguntas foram respondidas pelos diplomatas coreanos, em um ambiente de debate científico e à luz da razão.

Leonel Brizola finalizou o evento comentando o grande número de presentes, agradecendo à proposta do CEPS-BR e do IABC e também lendo um trecho de um livro de seu avô, tecendo críticas ao atual momento político do Brasil e mostrando o total descaso das classes dominantes brasileiras com a questão patriótica.

O evento foi realizado com sucesso numa noite que ficou marcada para sempre nos anais históricos da Câmara Municipal do Rio. O evento foi gravado e registrado eternamente nos arquivos nacionais como um ato de ouvir um dos lados da História ao qual muitas vezes a palavra é negada - o lado da República Popular Democrática da Coreia e dos brasileiros que a estudam.

Para o público presente, foi uma chance única de conhecer e conversar de perto com representações da nação asiática, muitas vezes tida como distante e fechada, além de ouvirem os frutos de estudos dedicados de anos de especialistas no assunto.

O evento contou com a cobertura da Tribuna da Imprensa Sindical e da Revista InterTelas, cujos representantes também estiveram presentes. Ambos os veículos também ajudaram na divulgação e apoio prévio ao evento. Na plateia também estavam presentes representantes de movimentos sociais e movimentos históricos de resistência à ditadura militar brasileira de 1964-1985.

O Centro de Estudos da Política Songun do Brasil e o Instituto da Amizade Brasil - Coreia, em mais uma parceria, realizaram com sucesso um seminário que condiz com seus objetivos de promover o estudo e debate racional sobre a Coreia do Norte, sua história, filosofia e práxis.

---
Lucas Rubio - presidente do Centro de Estudos da Política Songun-Brasil, coordenador do Núcleo de Política Internacional da Tribuna da Imprensa Sindical