7.4.19

MORO O JUIZ DO CONGE E DA PRISÃO SEM PROVAS!

EMANUEL CANCELLA -


Errar é humano! O jogador de futebol não saber cantar o hino nacional é aceitável. Tudo bem que o médico não saiba as fases da lua, mas o astrólogo tem obrigação de saber.

Um advogado, um juiz e um procurador têm obrigação de conhecer a palavra “cônjuge”,  que é do cotidiano do direito, desde à faculdade.

Moro chamou cônjuge de “conge” por duas vezes, não foi um erro de pronúncia, foi falta de conhecimento (2). E Moro é casado com uma advogada, Rosângela Moro.

Moro, por sua arrogância, quando em audiência, disse para o advogado José Roberto Batoclio “Faça concurso para juiz e assuma então a condução da audiência, mas quem manda na audiência é o juiz” e então o advogado manda Moro passar na prova da OAB (1).

Moro não tem a carteirinha da OAB, ao que parece, não é uma exigência para ser juiz (1).

Sergio Moro recebeu os títulos de mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em um período de três anos, entre 2000 e 2002. Apesar do tempo considerado curto, não há nada de errado em relação a isso (1).

"Moro não cumpriu os três anos de experiência exigidos para virar juiz (1)."

Essa regra, porém, começou a valer a partir de 2004, apenas após a aprovação da Emenda Constitucional nº 45. Moro começou  a carreira como juiz substituto em 1996 (1).

Temos que ficar atentos, pois Moro cogita ser ministro do STF que, entre outros quesitos, exige profundo conhecimento do Direito.

Além disso, Moro mostra desprezo pelas regras do Direito, por exemplo, aplica prisão com base tão somente em delação premiada. Quando se sabe que a delação premiada é um instrumento que, através da colaboração do réu com a Justiça, pode assim diminuir sua pena.  Mas continua sendo a palavra de um criminoso, para ter validade precisa ser acompanhada por prova material.

E Moro não é um juiz seguro quanto à aplicação do direito, pois nos EUA disse que caixa dois é pior que corrupção e, no Brasil, diante de um réu confesso, o ministro Onyx Lorenzoni,  disse:  “Ele já admitiu e pediu desculpas”(4,5).

Estranho como o juiz com esse perfil tenha estado à frente de casos como o escândalo do Banestado que envolveu meio trilhão de reais, a mãe de todos os escândalos, maior que o mensalão e o Petrolão, e com um agravante, um escândalo exclusivamente tucano e nenhum deles foi preso (6).

E Moro também chefiou a Lava Jato que investiga a Petrobrás. A Operação prendeu diretores, gerentes, confiscou bens e dinheiro roubado, mas isso somente na gestão do PT na petrobrás. Pois na gestão do PSDB nem o tucano  Aécio Neves, recordista em denúncias na Lava Jato, foi preso, e como deboche ainda cobra arrependimento de Lula (7).

E o ex-presidente Lula foi preso pela Lava Jato a partir de uma denúncia sem provas, só com a convicção (8).

Fonte: