14.6.19

AUMENTA A VIOLÊNCIA CONTRA LÍDERES SINDICAIS COLOMBIANOS

REDAÇÃO -


O tesoureiro do Conselho Nacional do Sindicato dos Trabalhadores das Minas de Carvão (Sintracarbón, sigla em espanhol), Igor Díaz, foi ameaçado de morte em 6 de junho. Ele recebeu uma mensagem de texto advertindo de que em 24 horas começaria uma “operação de extermínio”.

Três organizações sindicais do setor mineiro-energético da Colômbia, filiadas a IndustriALL, divulgaram um comunicado:

“Este novo atentado é uma advertência a continuidade do trabalho sindical da Sintracarbón, uma organização amplamente conhecida nacional e internacionalmente, tanto por sua postura em defesa dos trabalhadores de Cerrejón e Prodeco, quanto por seu trabalho com as comunidades do departamento.

Igualmente, estas ameaças fazem parte de uma estratégia dos patrões e governo para intimidar e assinar líderes sociais”.

Em 11 de maio passado, Díaz também foi ameaçado de morte mediante um panfleto do grupo criminoso “As Águias Negras”. As ameaças foram encaminhadas a todos os dirigentes sindicais que participaram previamente em uma reunião com parlamentares e altos executivos das multinacionais na Colômbia para discutir o panorama da indústria do carvão naquele país.

Como aconteceu com Díaz, a líder sindical Dibeth Quintana da União Sindical Trabalhadora (USO, sigla em espanhol), foi vítima de uma nova ameaça de morte. Na tarde de 5 junho, ela atendeu uma chamada telefônica de um número desconhecido, onde um homem não identificado a insultou e disse-lhe para não continuar a contactar o Gabinete do Procurador “ou da próxima vez se ele morresse”.

Horas antes da chamada, Quintana participou de uma diligência de conciliação na cidade de Barrancabermeja. A procuradoria nº 3 local a convocou para esta instância a fim de esgotar a exigência processual, dentro de um caso devido à violência que recebeu em 2016.

As ameaças não são isoladas. Eles estão inseridos em um contexto de contínua violência e ameaças contra centenas de líderes sindicais e sociais da Colômbia, que surgem do novo governo de Duque-Uribe.

Por sua parte, o secretário regional da IndustriALL, Marino Vani, disse:

“Nós simpatizamos com nossos colegas e suas organizações. Rejeitamos veementemente essas ameaças e o estado de insegurança e extermínio dos líderes sociais e sindicais na Colômbia.

Exigimos que o Governo e o Estado da Colômbia tomem medidas e investiguem, a fim de identificar os autores dessas ameaças e processá-las. Desta forma, eles podem garantir tanto o estado de direito quanto a vida, o direito ao livre exercício da atividade sindical e o direito à integridade física, mental e moral de seus líderes sociais.”

Fonte: Mundo Sindical com informação da IndustrALL