14.6.19

BOLSONARO ENFRENTA A PRIMEIRA GREVE GERAL, REPRESSÃO INTENSA TENTA IMPEDIR MANIFESTAÇÕES

ALCYR CAVALCANTI -

O Governo Bolsonaro em seu sexto mês enfrenta a primeira Greve Geral voltada para os cortes das verbas na educação, embora chamada pelo Ministro da Educação de contingenciamento e principalmente contra a Reforma da Previdência, feita sem um estudo aprofundado e um debate entre os "economistas" oriundos de Chicago e os principais interessados, a totalidade da população. A motivação para a greve cresceu com a publicação no Site Intercept Brasil de conversas comprometedoras entre o atual ministro Sergio Moro, à época juiz da Operação Lava-Jato e procuradores. Moro teria, segundo o site, influenciado os procuradores, que é vetado pelo Código Penal e principalmente pela Constituição. Os principais atingidos pela Reforma como sempre serão os menos favorecidos, aqueles que mais trabalham e que menos ganham, enquanto classes privilegiadas, verdadeiras castas como os ligados ao sistema especulativo ficarão cada vez mais ricos.

Avenida Presidente Vargas - Rio de Janeiro
om um desemprego que atinge mais de quinze milhões de pessoas, acrescido de uma legião de despossuídos pessoas que vivem sem teto, sem trabalho, sem esperança com a saúde em frangalhos, com uma assistência médico-hospitalar que mata muito e cura muito pouco, com uma legião de milhões de analfabetos e outros milhões de semi alfabetizados o país vive uma crise sem precedentes sem nenhuma perspectiva a médio prazo. Os falsos economistas, todos ligados ao sistema bancário tentam influenciar a opinião pública com uma reforma que vai resolver todos os nossos problemas, quase uma chantagem como se fosse um milagroso remédio para resolver a crise que afeta a todas as categorias da sociedade. Com a maioria do Congresso, que só pensa em seus próprios interesses e um ministério dividido entre fanáticos que cultuam as baboseiras do astrólogo Olavo de Carvalho que se auto intitula filósofo,  que nem mora no Brasil há alguns anos que  ataca sem parar  um grupo militar que em realidade não se preocupa muito com os interesses estratégicos da nação, o Brasil caminha aos trancos e barrancos com a economia em frangalhos à espera de dias melhores que dentro dessa política  que está a ser adotada certamente não virão.

*Foto: Alcyr Cavalcanti