10.6.19

O GOVERNO DE BOLSONARO, MORO E GUEDES NÃO TÊM MORAL PARA VENDER A PETROBRÁS, CORREIOS E ELETROBRÁS

EMANUEL CANCELLA -


Numa família, quando um membro, principalmente um dos cônjuges, está desajustado, podendo comprometer o patrimônio, essa pessoa logo é interditada.

No patrimônio público não pode ser diferente. O governo Bolsonaro está envolvido num mar de lama, que inclui até envolvimento do clã com milícias.

O então juiz Sérgio Moro, juiz dito do combate à corrupção, prendeu Lula sem provas na véspera da eleição num claro intuito de beneficiar Bolsonaro, de quem virou ministro da Justiça. Imagine este tipo de pessoa como ministro da Justiça!

Já Guedes é acusado de estar envolvido com um rombo nos fundos de pensão de R$ 1 BI, entre eles o da Petros (2).

Por conta desse rombo na Petros, os petroleiros, ativos e aposentados, estão pagando 13% de seus salários, por 18 anos. A Petrobrás e a Petros propuseram esse pagamento e a nossa justiça está concordando, mesmo que nenhum desses petroleiros tenha participado da gestão da Petros. E pergunta que não quer calar: por que o Paulo Guedes não está preso e nem pagando pelo rombo?

O STF deveria suspender qualquer venda de patrimônio publico até o clã Bolsonaro deixar claro que não tem envolvimento com as milícias; Moro provar que não agiu criminosamente tirando Lula da eleição para favorecer Bolsonaro, de quem hoje é funcionário, como disse o presidente da Câmara dos deputados Rodrigo Maia (1); e Paulo Guedes demonstrar que não deu o rombo de R$ 1 BI nos fundos de pensão!

Fonte: