19.1.19

QUEIROZ COMPLICA DE VEZ FLAVIO BOLSONARO: 48 DEPÓSITOS SUSPEITOS, NO VALOR DE R$ 98 MIL

REDAÇÃO -

Um trecho do Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) divulgado na noite desta sesta-feira, 18, pelo Jornal Nacional, complica de vez a situação do deputado Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).


O relatório do Coaf traz informações sobre movimentações financeiras de uma conta corrente de Flávio Bolsonaro, entre junho e julho de 2017. Neste período, o Coaf registrou 48 depósitos em espécie na conta do senador eleito, concentrados no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Assembleia Legistativa do Rio (Alerj), e sempre no mesmo valor: R$ 2 mil.

O Coaf diz que não foi possível identificar quem fez os depósitos. O relatório afirma que o fato de terem sido feitos de forma fracionada desperta suspeita de ocultação da origem do dinheiro. O Coaf classifica que tipo de ocorrência pode ter havido com base numa circular do Banco Central que trata da lavagem de dinheiro.

A revelação foi feita um dia depois que Flávio Bolsonaro pediu e o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu a investigação. Ele foi citado no procedimento aberto pelo Ministério Público do Rio contra Fabrício Queiroz. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro é investigado por movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão durante um ano.

Fonte: 247

ERNESTO ARAÚJO O X-9 DA DIPLOMACIA

JOÃO CLAUDIO PITILLO -


Até os cisnes do Palácio do Itamaraty sabem que o diplomata Ernesto Araújo foi escolhido como Ministro das Relações Exteriores pelo presidente Bolsonaro por ser conservador e reacionário e por ser tolo a bastante para proferir sandices sem se constranger. Com uma retórica confusa e um anticomunismo tardio, Araújo reproduz elucubrações sem o menor arcabouço conceitual, como se a pasta das Relações Internacionais do quinto maior pais do mundo em extensão territorial e a oitava economia do mundo, fosse uma reunião do CCC (Comando de Caça aos Comunistas).

Visto como caricata pelos seus pares e tacanho pelos estudiosos da matéria, Araújo tem uma única missão, que vai além de propagar devaneios ideológicos, que é de alinhar de forma subalterna a política internacional do Brasil a ponto de servir aos interesses da Casa Branca na América Latina. As tolices que o novo ministro vem propagando é apenas o pano de fundo de um plano maior, que visa enfraquecer as relações brasileiras com o BRICS e o MERCOSUL. A fim de prejudicar Rússia e China no primeiro plano e Cuba e Venezuela em segundo, tornando o Brasil um párea entre os irmãos latino-americanos.

Ao afirmar que pretende “libertar o Itamaraty de ideologias perversas”, aponta na verdade para a intensão de destruir o paradigma de independência, vivacidade e equilíbrio que são as marcas da diplomacia nacional a mais de 100 anos. Não atoa que a diplomacia brasileira, independente da coloração dos governos brasileiros, tem grande respaldo no meio diplomático e forte influência nos organismos geridos pela ONU. Isso é fruto da participação brasileira em duas Guerras Mundiais, várias Missões de Paz e a constituição de um excelente corpo técnico que representa o Estado brasileiro com muita assertividade em vários fóruns internacionais.

Ao falar que sua missão como Chanceler brasileiro será de combater o “globalismo”, seja lá o que isso significa e o “marxismo cultural”, coisa que só existe na cabeça daqueles que não conhecem as obras de Karl Marx, Araújo se transforma em um texano eleitor de Trump. Ao respaldar a tolice dos neopentecostais que fazem de Israel a Disneylândia de seus fieis, por isso querem levar a embaixada brasileira de Israel para Jerusalém, se transformar em um simples obreiro da Igreja Universal. Ao apoiar a ideia de isentar estadunidenses e canadenses de vistos de entrada no Brasil sem exigir reciprocidade, Araújo se traveste de guia de turismo dos gringos.

A total falta de um projeto de desenvolvimento para a pasta e a vergonhosa submissão aos Estados Unidos, nos leva a questionar como Araújo se tornou diplomata em uma das escolas mais vigorosas do mundo de Relações Internacionais que é o Instituto Rio Branco e o próprio Itamaraty? O que pretende a diplomacia brasileira em se alinhar a xenofobia dos governos poloneses, húngaro e italiano, esses países são exemplo de que na atualidade? Ao refutar os acordos sobre imigração o Brasil se prepara para que onda imigratória? Com o maior desemprego de nossa história e o crescimento acelerado da miséria e da violência, o Itamaraty espera receber quantos milhões de imigrantes? Para além dos ricos, brancos e cristãos do Norte, que pensam em lucrar com o entreguismo do governo Bolsonaro, o Brasil não será atraente para ninguém.

Ao se colocar como voluntário para possíveis ações contra Venezuela, Cuba, Nicarágua e Bolívia, o Itamaraty quebra uma tradição centenária de não intervenção, de respeito a Alto Determinação dos Povos e de solidariedade continental. Nem mesmo durante a Segunda Guerra Mundial, quando Chile e Argentina se negaram a romper relações com o Eixo e tiveram uma postura ambígua, o Itamaraty permitiu que os anglo-estadunidenses se valessem do alinhamento brasileiro para pressionar os seus vizinhos.

Definitivamente o ministro Ernesto Araújo não conhece a importância do seu cargo, pois ao invés das loucuras do “Olavinho” e das palhaçadas do Malafaia, Ernesto Araújo deveria estar se debruçar para entender o legado deixado por Rio Branco, Oswaldo Aranha, Ítalo Zappa, Celso Amorim, entre outros para poder entender o papel que deve desempenhar um Chanceler brasileiro. Que não é o de se colocar como instrumento voluntário dos interesses de Washington. O que é bom para os EUA não é bom para o Brasil.

Ao final da Guerra o embaixador estadunidense em Madri procurou o embaixador brasileiro naquela cidade Mário de Pimental Brandão, para solicitar que o mesmo, sendo decano entre os diplomatas, exercesse uma espécie de “fiscalização” entre as representações diplomáticas latino-americanas. Para tanto deveria acompanhar a emissão de passaportes e vistos dos demais países a fim de localizar possíveis nazistas em fuga para o continente Americano. Ao consultar o Itamaraty, o embaixador Brandão recebeu a seguinte resposta do ministro da Relações Exteriores Pedro Leão Veloso:
“O encargo que lhe pede o embaixador dos Estados Unidos oferece inconvenientes vários entre os quais o de suscitar conflitos entre o embaixador do Brasil e seus colegas latino-americanos que não aceitariam de boa mente a espécie de subordinação que se pretende, à sua autoridade. A próxima saída de vossa excelência de Madri seria uma boa razão para esquivar-se daquela incumbência, que o novo embaixador também não poderia aceitar, visto ainda desconhecer o meio e por não ser Z'decano”. Rio de Janeiro, 24 de novembro de 1945.1
Ernesto Araújo não é decano, mas quer ser X-9!

---
1 Arquivo Histórico do Itamaraty.

*João Claudio Platenik Pitillo, Pesquisador do Núcleo de Estudos das Américas da UERJ e Especialista em Segunda Guerra Mundial.

MARCELO YUKA, FUNDADOR D'O RAPPA, MORRE AOS 53 ANOS NO RIO

REDAÇÃO -

O músico Marcelo Yuka, ex-baterista e um dos fundadores do grupo O Rappa, morreu na noite desta sexta-feira (18) aos 53 anos. A informação foi confirmada pela assessoria do hospital Quinta D'Or, do Rio de Janeiro, onde ele estava internado desde dezembro.

Marcelo Yuka e o jornalista Daniel Mazola, Ato na ABI, 2012 (Foto: Iluska Lopes)
Conforme o UOL apurou, Yuka apresentava quadro de infecção generalizada após sofrer um segundo AVC (acidente vascular cerebral). A saúde de Yuka, que ficou paraplégico em 2000 ao ser baleado em um assalto no Rio, vinha se deteriorando desde agosto de 2018, quando ele sofreu um primeiro derrame.

Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana nasceu no Rio de Janeiro em 31 de dezembro de 1965 e trabalhou com música desde 1993, quando fundou O Rappa junto com o baixista Nelson Meirelles, o tecladista Marcelo Lobatto e o guitarrista Alexandre Meneses.

Com Yuka como principal compositor, O Rappa logo virou um dos principais destaques do cenário do rock brasileiro, principalmente pelas letras ácidas e por misturar diversos estilos musicais como rock, reggae, dub, rap e samba rap.

Entre as principais músicas escritas por Yuka n'O Rappa estão "Todo Camburão tem um Pouco de Navio Negreiro", "Me Deixa", "Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero)" e "Pescador de Ilusões".

Em 2000, o baterista ficou paraplégico após levar um tiro durante uma tentativa de assalto no Rio. A saída dele d'O Rappa se deu no ano seguinte, quando, segundo Yuka, os companheiros de banda o expulsaram por diferenças criativas.

Fora do grupo, Yuka montou o F.U.R.T.O. (sigla para Frente Urbana de Trabalhos Organizados), que seguiu com um estilo semelhante ao do Rappa, marcado principalmente pelas letras ácidas.

No âmbito político, Yuka se filiou ao PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) em 2010 e saiu como candidato a vice-prefeito no Rio na chapa de Marcelo Freixo em 2012, mas sempre garantiu que não pretende seguir uma carreira política.

Naquele mesmo ano, foi lançado o documentário "Marcelo Yuka no Caminho das Setas", de Daniela Broitman, premiado no Festival do Rio. Ativista, o baterista lançou em 2014 a autobiografia "Não se Preocupe Comigo", falando de sua trajetória e de suas ideologias.

Seu trabalho mais recente na música é o disco "Canções Para Depois do Ódio" (2017), que traz músicas sobre a sociedade atual em uma visão otimista, com parcerias com Céu, Black Alien, Seu Jorge, Bukassa Kabengele e outros convidados. Ele não conseguiu fazer a turnê do álbum por causa de problemas de saúde, mas realizou alguns shows. Paralelamente, Yuka dava vazão também a um lado menos conhecido: o de artista plástico. Pintor diletante, tem centenas de obras em sua casa.


Fonte: UOL

COMO A LAVA JATO ESTÁ DESTRUINDO A ECONOMIA NACIONAL!

EMANUEL CANCELLA -


Petrobrás e o BNDES foram os principais responsáveis por o país ter chegado à 6ª economia no mundo, passando a Inglaterra (1). O pleno emprego do governo Lula resultou das grandes obras financiadas pelos impostos que a Petrobrás paga e do apoio financeiro do BNDES (2).

Entre elas, a hidrelétrica do Xingu, a terceira maior do mundo (3) e a transposição do Rio São Francisco, que depois de mais de um século saiu do papel.

A mídia golpista, até hoje, quando fala das obras do governo de Lula e Dilma, é para falar mal.

Entretanto, em nome do combate à corrupção, a Lava Jato destruiu a economia nacional em poucos meses, veja o vídeo (2).
Muitas das grandes obras estão paradas. As duas refinarias do Ceará e do Maranhão não saíram do papel. A Lava Jato foi a pivô do cancelamento dessas duas refinarias por conta do superfaturamento nas obras (9). Não seria melhor prender os corruptos e dar continuidade as obras?

Com isso, os EUA assumem 83% das importações brasileiras de óleo. O Brasil importou no acumulado dos últimos seis anos, o equivalente a 37 bilhões de dólares em óleo diesel. Ou seja, só com o que gastamos na importação de óleo diesel poderíamos construir mais de duas refinarias Abreu e Lima (4).

Usando o mesmo engodo do  combate à corrupção na Petrobrás, estão agora agindo para destruir o BNDES. Querem abocanhar também os fundos de pensão, então é outro setor em que o “combate” à corrupção vem com muita força, já que é menina dos olhos dos bancos privados brasileiros.

Os fundos de pensão são donos de um patrimônio de R$ 460 BI e de um mercado dos mais promissores. E mais, com a reforma da Previdência, esses fundos se tornam ainda mais atraentes. Isso porque, com a reforma, vão rebaixar ainda mais o teto da Previdência, atraindo então  a classe média em busca da complementação do salário (5). Lava Jato e Greenfield investigam um rombo nos fundos de pensão. Enganando a sociedade, eles primeiro desmoralizam as empresas, para assim, entregá-las.

Por enquanto quem está pagando as contas do  rombo são os trabalhadores, já que, na Petros, os trabalhadores, ativos e aposentados, estão pagando 13% do salário por 18 anos.

E a direção da Petrobrás e da Petros ameaça com novos descontos para cobrir aquilo que eles chamam de futuro rombos. E, por incrível que pareça, nada está sendo cobrado dos gestores e de figuras como Paulo Guedes, ministro da Economia, que deu um rombo de R$ 1 BI nos fundos de pensão, entre eles o da Petros (6).

Pelos serviços prestados, além de destruir a economia nacional, favorecendo os gringos, Sergio Moro, o ex-chefe da Lava Jato, assumiu o ministério da Justiça do governo Bolsonaro. Também pudera, Moro, com a prisão sem provas de Lula, favoreceu diretamente a candidatura de Bolsonaro. Lula, segundo o Ibope, ganharia a eleição em 1º turno (7).

Moro fez mais por Bolsonaro, já que, a seis dias da eleição, vazou para imprensa uma delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci atacando Lula e Dilma. Sendo que esta delação vazada já havia sido rejeitada pelo Ministério Público por falta de provas (8). E mesmo assim Moro vazou Bolsonaro se elegeu e Moro ganhou o cargo de ministro de Bolsonaro.

Enquanto Lula segue preso, sem provas, em Curitiba, o clã Bolsonaro emprega todos os artifícios possíveis e inimagináveis para se livrar do Queiroz que, no imaginário popular, já se transformou no PC farias de Bolsonaro. PC teria sido o responsável pelo impeachment de Fernando Collor de Mello.

Bolsonaro votou no impeachment irregular de Dilma, apoiou Temer, quer que Lula apodreça na cadeia, e agora quer liderar o golpe na Venezuela, para os EUA roubar o petróleo venezuelano (10,11).

 Como diz o ditado: “Quem o mal deseja a seu vizinho, vem o seu pelo caminho”.

Em tempo: O meu livro A outra face de Sergio Moro está a venda no Mercado Livre, cuja a renda é integralmente para os demitidos da indústria naval: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1163280532-livro-a-outra-face-de-sergio-moro-_JM?quantity=1.

Fonte:

EM MINAS, CENTRAIS E ENTIDADES FAZEM ATO EM DEFESA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

REDAÇÃO -

Contra o desmonte da Justiça do Trabalho, centrais, juristas e magistrados realizam ato público nesta segunda (21), a partir das 8h30, na Avenida Augusto de Lima, 1.234, Barro Preto, Belo Horizonte.


O evento está sendo organizado pela OAB/MG em parceria com a AMATRA, AMAT e SITRAEMG. Também estarão presentes os representantes do Tribunal Regional do Trabalho (TRT3), Ministério Público do Trabalho (MPT), a CTB, CUT e os movimentos sociais.

A OAB/MG orienta que, nas cidades do interior de Minas Gerais, os coordenadores regionais e diretores de base poderão manter contato com a OAB regional para realizar ato em conjunto.

Fonte: CTB

A EXTINÇÃO DA JT É PROVOCADA PELOS JUÍZES

ROBERTO M. PINHO -

(...) “A PEC 300/16 é uma resposta direta a hostilidade dos juízes trabalhistas. Aqueles que se acharem indignados cobrem dos juízes xenófobos e imparciais”.


De autoria do deputado Mauro Lopes (MDB-MG), a PEC 300/2016 teve parecer favorável na CCJ da Câmara. O texto altera o artigo 7º da Carta. Entre as alterações: a ampliação da jornada diária de trabalho para 10 horas, respeitando-se o limite já estabelecido de 44 horas semanais, sendo "facultada à compensação de horários e a alteração da jornada, mediante convenção ou acordo coletivo de trabalho". A proposta prevê o reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho prevalecendo sobre as disposições previstas em lei. Ou seja, constitucionalmente o que já foi disposto na "reforma" trabalhista, com o negociado se sobrepondo ao legislado. A PEC 300 também pretende dificultar ainda mais o acesso do empregado à Justiça do Trabalho. De acordo com o texto, o prazo prescricional para se ingressar com uma ação, que hoje é de dois anos para os trabalhadores urbanos e rurais após a extinção do contrato de trabalho, passaria para apenas três meses. O trabalhador também seria obrigado a, antes de impetrar uma ação, ter obrigatoriamente que passar por uma comissão de conciliação prévia.

Custo por processo é de R$ 2,7 mil - As criticas contra o judiciário se tornaram aguçadas. Uma das mais ouvidas é compartilhada pelos magistrados, conforme revelou uma pesquisa da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) feita no distante ano de 2012, com 3.200 juízes brasileiros, onde quase metade deles considerou a Justiça lenta. A pesquisa teve como objetivo traçar um perfil mais fiel possível de seus associados, e acabou revelando que nem os próprios juízes estão satisfeitos com o tempo que os processos passam em suas mãos. Outro dado revelado é de que no Rio de Janeiro, por exemplo: o custo médio por ação, na oportunidade, era de R$ 1.9 mil. Hoje beira a R$ 2,7 mil/ano. Na Justiça do Trabalho, os percalços são maiores, e comprometem o universo social, eis que se trata de ações que postulam verbas salariais. Nessa “queda de braço”, entre o judiciário moroso por culpa das serventias e dos juízes, e os recursos interpostos pelos advogados, um hiato - o ônus sobra para o patrono e ainda atinge frontalmente o autor das ações.

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE). Nos dois primeiros uma diferença preocupante, a solução do conflito na JT leva o triplo do tempo, embora os dois tratem da verba alimentar. Muitos questionam a falta de comprometimento dos juízes, sendo que a maioria, são “TQQ”, só trabalha ”terça, quartas e quintas”, perguntamos, se você tivesse um negócio, e seu empregado faltasse dois dias por semana, o que faria?

Igualdade de direitos - A PEC 300/16 é uma resposta direta a hostilidade dos juízes trabalhistas. Aqueles que se acharem indignados cobrem dos juízes xenófobos e imparciais. A tendência do julgador laboral é entregar direitos ao trabalhador. Ocorre que os recursos compõem o elenco da defesa do cliente, do direito de postular em juízo, e do princípio do contraditório e da ampla defesa assegurado pelo artigo 5º, inciso LV da CF, definido processualmente pela expressão audiatur et altera pars, que é: “ouça-se também a outra parte”. Temos aqui o princípio da igualdade ou isonomia esculpido no art. 5º, caput, da CF, que assim dispõe: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (...).” Por esses fundamentos perguntamos: “a sociedade se tornou refém do interesse corporativo dos juízes, em prejuízo da sua própria garantia constitucional?” Conseqüentemente provocaram o desmanche da JT.

Empregador - Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA) problemas com o empregador são a segunda causa de reclamações na Justiça. Os entrevistados afirmaram ter procurado a Justiça por reclamações trabalhistas. Pela ordem eis as razões para as pessoas terem procurado a Justiça: 1.Questões familiares (24,8%); 2.Reclamações trabalhistas (15,43%); 3.Problemas com a vizinhança (11,71%); 4.Crime e violência (10,74%); 5.Previdência, assistência social ou direitos sociais (8,57%); 6.Empresas com as quais fez negócio (8,11%); 7.Pessoas com as quais fez negócio (6,46%); 8.Trânsito (6,17%); 9.Imóvel ou terra (2,91%); 10.Cobrança de impostos ou outros conflitos com o fisco (2,51 %). Mas é o poder público o maior litigante de má-fé que existe. É preciso que o Congresso Nacional aprove uma legislação que evite que o poder público, sempre recorra das decisões, principalmente quando tem certeza absoluta de que vai perder. Conforme o CNJ, o poder público é responsável por 80% do movimento forense.

TRABALHADORES DA FABRIMAR-TIGRE ENTRAM EM ESTADO DE GREVE

REDAÇÃO -

Os funcionários dizem estar cansados do descaso da empresa para tratar da pauta de negociações, que se arrasta desde o ano passado.


Uma pauta interna aprovada pelos trabalhadores segue paralisada, sem uma resposta concreta da empresa. Os funcionários também querem o pagamento da Participação do Lucro e Resultado (PLR), que até hoje a empresa não cumpriu com a palavra de fazer o pagamento.

Esse impasse vem desde o ano passado, após várias tentativas de negociação por parte do Sindicato, o que tem deixado os trabalhadores insatisfeitos com essa falta de compromisso da Fabrimar-Tigre.

A direção do Sindicato continua cobrando uma solução e que as negociações avancem. Ao mesmo tempo tem reforçado a importância da mobilização dos trabalhadores na luta para garantir um resultado positivo nas negociações que, no momento, seguem paradas.

Fonte: Força Sindical

18.1.19

O FUX [TIRO] DO FLÁVIO BOLSONARO SAIU PELA CULATRA

JEFERSON MIOLA -


Quando da descoberta das falcatruas do Queiroz nos gabinetes dos Bolsonaro, o filho Flávio se esforçou para aparentar tranquilidade e mostrar-se convincente.

Ele disse que as explicações do Queiroz, que foram prestadas exclusivamente a ele em algum esconderijo onde o laranja da família continua escondido da polícia, da justiça e da mídia, seriam “bastante plausíveis” [sic].

Por razões que são óbvias, no intervalo entre o 1º e o 2º turno eleitoral, Flávio teve o privilégio de ser protegido pela Lava Jato quando foi executada a Furna da Onça; operação que levou à prisão 10 deputados colegas dele e vários assessores da Assembléia Legislativa do RJ que exerciam funções idênticas à exercida por Queiroz.

O motivo para a prisão dos outros deputados e assessores foram os mesmos daqueles encontrados nos gabinetes dos Bolsonaro: movimentação milionária atípica, funcionários fantasmas, lavagem de dinheiro etc.

Mas o procedimento da Lava Jato, coordenada no país pelo pastor fanático, investidor do Minha Casa Minha Vida e beneficiário de auxílio-moradia Deltan Dallagnol, e presidida no RJ pelo juiz bolsonarista e beneficiário de auxílio-moradia Marcelo Bretas, foi providencial.

Eles safaram Flávio Bolsonaro e Queiroz da investigação, livraram-nos da prisão e, assim, asseguraram o transcurso da eleição sem incidentes prejudiciais ao chefe do clã, o Jair.

O assunto só veio à tona mais tarde, graças ao vazamento não controlado do COAF. Não fosse isso, esse seria mais 1 escândalo seletivamente não-vazadopela Lava Jato, e os Bolsonaro se veriam livres desta encrenca para sempre.

Quando a ilicitude fugiu ao controle do Moro e da Lava Jato e foi descoberta, ato contínuo Curitiba lavou as mãos e transferiu a investigação para o Ministério Público do RJ, numa evidente manobra para proteger os amigos aboletados no poder e deixar tudo por isso mesmo.

Agora, ao pedir ao STF a suspensão da investigação, Flávio reconheceu não só ter conhecimento das ilicitudes nos gabinetes dele e do pai, como se assumiu na condição de réu.

Fossem seus inimigos os implicados no escândalo, Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e os justiceiros da Lava Jato não hesitariam em chamar isso de uma organização criminosa –uma ORCRIM, como costumam dizer.

O vice-presidente do STF Luiz Fux, sempre em dobradinha funcional com o titular Toffoli no servilismo para o bom desenvolvimento do golpe, do Estado de Exceção e do governo militar, “matou no peito” o pedido de suspensão da investigação.

Numa decisão teratológica, bizarra e surreal – considerada por juristas sérios e honestos como uma gambiarra jurídica de 5ª categoria –, e na ânsia de bem servir aos donos do poder, Fux pode ter produzido o efeito contrário ao que desejava com sua bajulação.

Nesses tempos de liberação da posse de armas, é irônico usar a linguagem de que, no afã de safar os Bolsonaro, o Fux [o tiro] pode ter saído pela culatra.

Ainda que, no íntimo, Fux almejasse facilitar a vida dos Bolsonaro, seu despacho errático acabou complicando a situação da família.

Com a decisão dele, o caso Queiroz pode passar a ser investigado pelo STF. Com isso, a PGR será obrigada a ampliar o espectro da investigação e abranger não só Queiroz e todo o laranjal formado por funcionários fantasmas dos Bolsonaro, mas também Flávio, Jair e Michele Bolsonaro, quem foi beneficiada com depósito de pelo menos R$ 24 mil na sua conta bancária.

Este episódio mostra que até é possível se enganar muita gente durante algum tempo, mas ninguém consegue enganar todo mundo o tempo inteiro.

Mais uma máscara que cai.

ENTREGUISMO: ELETROBRAS VAI ABRIR PLANO DE DEMISSÃO CONSENSUAL

REDAÇÃO -

A Eletrobras divulgou um comunicado aos acionistas e ao mercado informando que vai abrir, na segunda-feira (21), o Plano de Demissão Consensual (PDC) de 2019. A meta é o desligamento de 2.187 funcionários, com uma economia estimada em R$ 574 milhões ao ano. O custo das demissões foi calculado em cerca de R$ 731 milhões. As adesões voluntárias ao PDC ocorrerão por um período de 30 dias.


De acordo com a empresa, o plano, que está sendo implantado simultaneamente na holding e nas empresas Eletrobras Cepel, CGTEE, Chesf, Eletronuclear, Eletronorte, Amazonas GT, Eletrosul e Furnas, é uma das iniciativas previstas no Plano Diretor de Negócios e Gestão (PDNG 2019-2023),chamado de Desafio 23: Excelência Sustentável, que foi anunciado ao mercado por meio de Fato Relevante em 27 de dezembro de 2018.

FUX MORADIA AGORA ASSUME A FUNÇÃO DE ENGAVETADOR DO CLÃ BOLSONARO

EMANUEL CANCELLA -


O ministro Luiz Fux, o juiz que impediu Lula de ser candidato e até de dar entrevista, manda que o MP do Rio pare a investigação do Fabrício Queiroz (1,2).

E a pedido de quem? Do deputado Flávio Bolsonaro, chefe de Fabrício Queiroz, principal suspeito no envolvimento das maracutáias do Queiroz.

Nesse caso, justiça seja feita ao MP do Rio, pois tentava fazer seu trabalho:

“o MP sugere que poderá recorrer à quebra dos sigilos bancários e fiscal dos envolvidos, além de levar o caso à Justiça” (3).

O MP do Rio com certeza agiu assim com indignação diante da atitude do próprio deputado Flávio Bolsonaro, que faltou à convocação do MP. Não só ele, mas também a família Queiroz não atendeu a convocatória da justiça.

E a gota d’água, que indignou a todos nós  e ao MP do Rio, com certeza, foi a dancinha da família Queiroz dentro do hospital Albert Einstein (4).

Fux alegou, para parar o processo no MP do Rio, que Flavio Bolsonaro em fevereiro terá foro especial. O advogado de Flávio Bolsonaro aproveitou a levantada de bola de Fux e pediu que as provas contra seu cliente fossem consideradas ilegais e que ele seja julgado pelo STF (5).

Para quem não lembra, o ministro Luis Fux foi quem, em 2015, derrubou a decisão do ex-presidente Lula quanto ao auxílio-moradia. Segundo Lula, o auxílio só fazia jus somente àqueles que não tinham residência própria no município em que labutava. Fux, bonzinho, mandou pagar para todos.

E Fux recentemente foi também pivô da decisão resultante de Temer e o STF. Essa decisão consistia em pagar 16% de reajuste para os magistrados, contando que eles abrissem mão do auxilio moradia. Pasmem! Após o acordo, os magistrados, além dos 16%, ganharam também no CNJ um novo auxílio-moradia.

Dizem que os Queiroz estão preparando uma nova dancinha, agora no STF, com a participação especial de Flavio Bolsonaro e do juiz Luiz Fux!

Fonte:

MARCO AURÉLIO SOBRE CASO FLÁVIO E QUEIROZ: ‘SÓ DECIDO QUANDO VOLTAR DE FÉRIAS, NINGUÉM VAI ME CAÇAR’; FLÁVIO BOLSONARO DÁ SUA EXPLICAÇÃO

REDAÇÃO -

Depois de muita gente ter reclamado nas redes sociais, Flávio Bolsonaro resolveu se manifestar no Instagram sobre a suspensão da investigação de Fabrício Queiroz solicitada por sua defesa, que utilizou a prerrogativa do foro privilegiado do futuro senador.


Vamos começar a restabelecer a verdade: “A assessoria de Flávio Bolsonaro informa que sua defesa ajuizou Reclamação no Supremo Tribunal Federal em face do MP/RJ tendo em vista que, ao ter acesso aos autos do procedimento, verificou ser o Senador objeto de investigação, o que atrai a competência ao Supremo Tribunal Federal — única autoridade competente para decidir sobre o foro adequado à continuidade das investigações em curso relativamente a ele.

Ademais, a defesa apontou, na Reclamação, nulidades diversas, como a quebra dos sigilos bancário e fiscal do Senador, para fins de investigação criminal, sem autorização judicial.

Todos os requerimentos feitos limitaram-se à pessoa do Sr. Flávio Bolsonaro e aos procedimentos ilegais que foram tomados em relação a ele pelo MP/RJ, não implicando solicitação relativamente a nenhum terceiro.” (via DCM)

***
MARCO AURÉLIO SOBRE CASO FLÁVIO E QUEIROZ:
‘SÓ DECIDO QUANDO VOLTAR DE FÉRIAS, NINGUÉM VAI ME CAÇAR’

De Andréia Sadi no G1.

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ao blog nesta quinta-feira (17) que vai examinar o caso envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) só no dia 1º de fevereiro, quando voltar de férias. “Estou no Rio, pelo menos desta vez ninguém vai me caçar – só que com c cedilha”, brincou o ministro.

A ironia do ministro refere-se a decisões do ministro Dias Toffoli, presidente da Corte, que cassaram decisões de Marco Aurélio. A primeira, em dezembro, quando foi suspensa decisão que autorizou a liberação de presos condenado em segunda instância. A segunda, no recesso do Judiciário, quando Toffoli estendeu ao Senado a possibilidade para que a eleição da Mesa Diretora, em fevereiro, seja em votação secreta, diferentemente do que tinha decidido Marco Aurélio.

Sobre a decisão de Fux desta quinta, Marco Aurélio disse que não conhece o caso Flávio Bolsonaro, e que vai decidir na volta do recesso se mantém a suspensão ou não. “Quero continuar de férias”.
(…)

PROBLEMAS PARA A MP DAS ARMAS; JÁ DISSE AQUI: "O MINISTRO FUX É CAPAZ DE TUDO"

HELIO FERNANDES -


Bolsonaro estava e está satisfeitíssimo com a ABSURDA, PERIGOSA, e ULTRAJANTE liberação de milhões de autorizações para a POSSE de armas. Enfrentou problemas com o PORTE, teve que recuar. Mas agora está sendo desafiado e intimidado pela "bancada da bala, na própria questão da POSSE, que parecia consolidada".

Não admitem 25 anos para a POSSE. Querem 18 anos. Se não forem atendidos, ameaçam apresentar um projeto na Câmara reduzindo a idade para 21 anos. Garantem que aprovam facilmente. Mas as exigências não param por aí, atingem a área do PORTE, no qual houve recuo do próprio Bolsonaro. Querem a aprovação do PORTE, imediatamente ou incluem no projeto que apresentarão á Câmara.

Inesperadamente, mostrando a divisão do governo, entra em cena o ministro Moro. E como adora TV, afirma; "A aprovação do PORTE de armas vai demorar muito".

E acrescenta: "Pelo menos no meu ministério, essa questão não está tramitando”.

Bolsonaro terá que decidir entre o ministro e a bancada da bola. Mas não agora.

PS- Terça feira viaja para Davos, está empolgado, vai se apresentar ao mundo de presidentes e Primeiros ministros, realmente importantes. E sabidamente de tendência de centro esquerda, nada a ver com ele.

PS2- Volta, será operado. O vice assumira com pauta suculenta para um interino. Interino mas eleito.

JÁ DISSE AQUI: "O MINISTRO FUX É CAPAZ DE TUDO"

Assumiu como plantonista do STF, imediatamente suspendeu a investigação, sobre o agora famoso Fabrício Queiroz. Não compareceu ás varias intimações para depor, nem ele nem a família. As provas eram tão evidentes, que os responsáveis pela investigação, afirmaram: "Ele pode ser denunciado, mesmo sem depoimento".

Veio Fux, sem o menor constrangimento, suspendeu toda a investigação.

PS- Que Republica!!!

GOVERNO MILITARIZADO

Perdem tempo enorme com a MP das armas e não tratam do que todos consideram o mais importante: a reforma da Previdência. Paulo Guedes tem feito força para que quando a Câmara reabrir, no primeiro dia de fevereiro, possa conversar ou decidir como resolver o problema. Só que encontra resistência dos militares.

Fez apelo ministerial ao presidente: "Convença os militares a colaborarem". Não recebeu nem resposta.

59 DEPUTADOS ESTÃO NA CHINA

Como 2 são do PSL, partido do Bolsonaro, o assunto preocupou o presidente e o Planalto. Os viajantes sofreram fortes criticas. Bolsonaro insistiu: "A China é comunista, isso compromete o Brasil". Foi alertado que é grande parceira comercial, e que China e Brasil pertencem ao grupo chamado de BRICs. Disse que não sabia, mudou de assunto.

Esse é o presidente do Brasil.

NOVO LIVRO DE JOSÉ AUGUSTO RIBEIRO

Um dos maiores biógrafos do Brasil, (3 volumes magistrais sobre Vargas, um sobre Tancredo, outro sobre Janio Quadros) se deteve sobre o conturbado processo de Lula. Ainda não li. Mas as noticias são de "uma radiografia impressionante". Textual.

TRABALHADORES ENTRAM EM GREVE DEVIDO À AMEAÇA DE FECHAMENTO DE METALÚRGICA

REDAÇÃO -

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC realizou na manhã de quarta-feira (16) uma assembleia com os trabalhadores na empresa Dura Automotive, em Rio Grande da Serra, no ABC paulista. Os metalúrgicos decidiram entrar em greve por tempo indeterminado devido ao anúncio de fechamento da fábrica em maio deste ano.


A informação surpreendeu os trabalhadores da planta e o Sindicato, já que em nenhum momento a empresa sequer levantou esta hipótese ou apresentava sinais de crise.

Durante a assembleia o presidente do Sindicato, Wagner Santana, conversou com os trabalhadores e garantiu o início, naquele momento, de um processo de luta constante até que o quadro se reverta ou que se abra um processo de negociação que atinja o interesse dos trabalhadores.

A Dura Automotive, antiga Pollone, é uma das empresas mais antigas da cidade e possui cerca de 300 funcionários. A nova marca foi uma fusão que ocorreu, em 2000, com as empresas Liebau e Adwest Heidemann. De origem norte-americana, a sede no ABC é a única planta no Brasil.

Ao site Repórter Diário, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Rio Grande da Serra, Gilvan Mendonça, disse que a prefeitura estará envolvida nas negociações entre a empresa e o sindicato, de forma a garantir os empregos. “Eu me coloquei a disposição, pois queremos entender melhor essa situação em defesa dos trabalhadores e da economia do município”.

Fonte: CUT

UM STF ACOVARDADO E CÚMPLICE DE CRIMES


Por ALDO FORNAZIERI -


Um STF acovardado e cúmplice de crimes.

O STF 1) está tutelado pelos militares. Faz o que o alto comando do Exército manda. Isto ficou claro quando julgou o habeas corpus de Lula. Se ajoelhou perante as pressões do comandante do Exército. Agora, ao que tudo indica, foi mandado suspender as investigações sobre o Queiroz que envolvem a família Bolsonaro;

2) Está claro que o STF se alinhou ao governo Bolsonaro e que perdeu sua autonomia. Haja acovardamento.

O PT se aliou a Temer e tantos outros crápulas.

Os governos do PT nomearam juízes do STF que não têm caráter.

E o PT ainda acha que não tem culpa pela deplorável situação do Brasil.

*Aldo Fornazieri é professor da FESPSP/Publicado originalmente no perfil de Facebook do autor

HÁ 35 ANOS DIAP ORIENTA SINDICALISMO E TAMBÉM PAUTA GRANDE IMPRENSA

REDAÇÃO -

No último dia 7, um de seus trabalhos deu o conteúdo à reportagem na página A6 da Folha de S.Paulo sobre a composição da base de Bolsonaro. Manchete: “Estudo aponta tendência de apoio consistente a Bolsonaro”. E o olho complementava: “Levantamento do Diap projeta adesão de 255 deputados ao presidente”.


A Folha ouviu Neuriberg Dias, analista político e assessor do DIAP. Seu quadro mais conhecido, Antônio Augusto de Queiroz (Toninho), está em licença do cargo devido a ajustes administrativos na entidade, informa o professor Celso Napolitano, que preside a instituição. Licenciado, mas não afastado.

Logo abaixo de um dos infográficos, na página 6, a Folha registra: “Para o DIAP, o perfil do governo — com uma agenda liberal, fiscal e conservadora — deve atrair esses partidos conservadores, com quem tem afinidade programática, em pautas como a reforma da Previdência. Além do PSL, o PR já anunciou que integrará a base”.

Presidente - Para Napolitano, também presidente da Federação dos Professores no Estado de São Paulo (Fepesp), “a compreensão de que as grandes lutas e decisões se dão e se darão no âmbito do Congresso tem estimulado a imprensa a procurar as informações e análises do DIAP”.

Além da assessoria parlamentar ao sindicalismo, a entidade edita, anualmente, o clássico “Os 100 ‘Cabeças’ do Congresso”. Os 100 parlamentares destacados escolhem, entre eles, os 10 principais influenciadores no Congresso Nacional. O DIAP também produz cartilhas de grande utilidade para a ação sindical-parlamentar e junto a entes governamentais.

Espartano - Com poucos recursos e equipe enxuta, o DIAP tem sobrevivido, com dificuldades, à grave crise financeira que a Reforma Trabalhista pôs no colo das entidades dos trabalhadores.

“Atuamos praticamente sem dinheiro. Somos o lobby dos pobres”, brinca o presidente Napolitano, ao lembrar de ações efetivas do Departamento, como o famoso Projeto Número 1 do DIAP, na Constituinte, que visava à estabilidade no emprego. “Desse Projeto nasceu a negociação que quadruplicou a multa sobre o Fundo de Garantia na dispensa sem justa causa”, ele conta.

LivreSempre presidido por um sindicalista, o DIAP tem reconhecida competência nas áreas de análise política e consultoria às entidades. Sua fonte de financiamento são as mensalidades do sindicalismo. Seu site — www.diap.org.br — é obrigatório para se acompanhar o trâmite de matérias do interesse da classe trabalhadora, a atuação das comissões temáticas e as posições das bancadas. Todo o conteúdo que o DIAP produz é liberado em seu site.

Fonte: Força Sindical

17.1.19

GOLPISTAS PERSEGUIRAM, AFASTARAM, CASSARAM, PRENDERAM E TORTURARAM MILITARES

DANIEL MAZOLA -

O advogado José Bezerra da Silva representa o militar João Martins de Oliveira e exige reparação na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

João Martins de Oliveira e José Bezerra da Silva (fotos: Daniel Mazola)
Centenas de cabos, sargentos, marinheiros e praças que participavam (ou não) de associações profissionais e defendiam as Reformas de Base foram presos nas primeiras horas do golpe de 1964. A repressão aos democratas e legalistas, da base ao topo da hierarquia, fez dos militares o grupo mais numeroso de cidadãos perseguidos pelos golpistas de 1º de abril.

Conversei com um dos perseguidos pelo regime, o Cabo da Aeronáutica (patente S1) João Martins de Oliveira, hoje com 72 anos. Desde 2004 o advogado José Bezerra da Silva representa João Martins exigindo sua reparação na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

Emocionalmente abalado, João Martins foi lembrando-se dos fatos, disse que quando tinha apenas 17 anos de idade, em abril de 1964, seu pai pediu que ele se apresenta-se ao Brigadeiro Hugo da Cunha Machado para ingressar na Aeronáutica, a época o militar era presidente da Sociedade Brasileira de Direito Aeronáutico, local de muitos encontros políticos, Leonel Brizola e Darcy Ribeiro eram vistos com frequência por lá.

Em dezembro de 1964, passei a servir no Ministério da Aeronáutica a serviço do Brigadeiro Hugo da Cunha Machado. Quando certo dia dei falta do Brigadeiro no Ministério, fui até a Sociedade Brasileira de Direito Aeronáutico para procurá-lo. Disseram que havia viajado, mas ninguém sabia para onde, daí em diante minha vida se transformou num inferno. Sem motivo algum me deram 15 dias de cadeia no III Comar, após cumprir passei a tirar serviço lá mesmo. Em 15 de junho fui expulso das forças armadas, sem motivo. Então em 1966 pedi para dar baixa do serviço militar e não deram, e para piorar me deram mais 70 dias de prisão. Tiraram minha farda, rasgaram minha roupa, sofri muitas humilhações”, explicou João Martins de Oliveira.

Ele relatou que esse período foi de muito desespero, além de ser torturado, passava fome e humilhações de todo tipo na prisão do III Comar. “Foram 3 anos de agonia, tortura e sofrimento. Apanhei muito, durante uma ocasião levei 5 tiros de revolver 38 e sobrevivi. Até hoje não tenho nenhum comprovante da minha passagem pela Aeronáutica. Com 21 anos de idade me jogaram na rua, quem assinou minha expulsão foi o tenente-torturador João Borges de Cardoso. Nunca tive coragem de dizer aos meus pais que me expulsaram da Aeronáutica, eles faleceram e nunca souberam, era muita humilhação”, destacou.

As marcas da violência estão por todo o corpo de João Martins de Oliveira
Todas essas tragédias e outras mais podem ser conferidas no relatório da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos (clique aqui para pesquisar você mesmo). Quem de fato conhece a História do Brasil e apoia a ação de torturadores e assassinos que se escondem detrás da falácia de que estavam “salvando o Brasil de uma ditadura comunista” ou é cúmplice ou tão psicopata quanto foi Brilhante Ustra, Fleury e outros capetas.

Justiça para João Martins de Oliveira!