18.4.19

PELA TRAIÇÃO AO BRASIL, MORO E BOLSONARO RECEBERAM PRÊMIO DA REVISTA TIME

EMANUEL CANCELLA -


Primeiro foi Moro quem recebeu, em fevereiro de 2016, prêmio por ser considerado uma personalidade pela revista americana Time.

Agora, em abril de 2019, o premiado é Bolsonaro incluído na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Moro, na entrega do prêmio, teve a seguinte recepção:

O responsável pela Operação Lava Jato foi recebido por cerca de 60 manifestantes aos gritos de "golpista", "vergonha", "Moro salafrário", "juiz partidário", com faixas com os dizeres "Lula livre" (2).

Já Bolsonaro, está difícil arrumar local para a homenagem, nos EUA. O prefeito de Nova York critica Bolsonaro: "Um ser humano muito perigoso" (5).

Um museu e um restaurante já negaram ceder local para a premiação, e a própria revista Time  se encarregou de classificá-lo (1,3,4):

“Bolsonaro é um "personagem complexo" e um garoto propaganda da masculinidade tóxica e [representa] uma intenção homofóbica e ultraconservadora de travar uma guerra cultural e, talvez, reverter o avanço do Brasil no combate às mudanças climáticas".

Mesmo assim, com certeza que local para homenagear Moro e Bolsonaro, nos EUA, não vai faltar. Pela vassalagem de ambos, Donald Trump vai ceder até a Casa Branca. Mas, de qualquer forma, ficam aqui nossos agradecimentos àqueles 60 manifestantes que, aos gritos, recepcionaram Moro.

E agradecemos também ao prefeito de Nova York, Bill de Blasio, ao Museu e ao restaurante que rechaçaram homenagem a Bolsonaro.

Aqui, no Brasil o juiz Sérgio Moro passou três anos vazando criminosamente delação premiada para a mídia, principalmente a Globo. Isto num claro intuito de destruir a imagem da Petrobrás para entregá-la mais fácil aos gringos, começando a pilhagem com Temer e agora Bolsonaro.

Tanto que a Lava Jato, que diz investigar a Petrobrás, ficou calada quando o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, mandou pagar R$ 10 BI aos acionistas americanos, mesmo sem a Petrobrás ter sido condenada (6).

A Lava Jato, chefiada por Moro, também ficou calada quando as petroleiras estrangeiras abocanharam R$ 1 trilhão de reais, em isenção de impostos, através de uma lei articulada e sancionada pelo golpista, Michel Temer, (7).

A Lava Jato é responsável pela destruição da economia nacional e a indústria naval, veja o vídeo que mostra isso (8). A quem interessa a destruição do Brasil senão às concorrentes estrangeiras de nossas empresas?

Já Bolsonaro dissera no programa do Jô soares que FHC tinha que ser fuzilado porque estava privatizando as estatais e entregando nosso petróleo (9).

E agora, em seu governo, o de Bolsonaro, vão ser “vendidas” a Cessão Onerosa, uma reserva petrolífera do pré-sal de mais de 15 BI de barris de petróleo,  e metade das refinaria brasileiras (10,11).

Enquanto Moro, nos EUA, é chamado de "golpista", "vergonha", "Moro salafrário", "juiz partidário", no Brasil o Datafolha diz que a maioria dos brasileiros apoia a Lava Jato (12).

O prefeito de Nova York diz que Bolsonaro "Um ser humano muito perigoso", mas no Brasil alguns ainda o chamam de “ mito”.

Fonte:

JORNALISTAS DE JORNAL E REVISTA DO RJ APROVAM ACORDO DE 2019. O DIA IMPEDE PARTICIPAÇÃO DOS TRABALHADORES

REDAÇÃO -


Em assembleia realizada nesta terça-feira, dia 16/04, com urnas itinerantes em diversas redações e no Sindicato, os jornalistas de Jornal e Revista aprovaram o acordo do coletivo da campanha salarial de 2019. O capítulo triste ficou para o jornal O Dia, que proibiu a urna do Sindicato de entrar na redação, impedindo os seus funcionários de votarem. Uma atitude autoritária que a direção do Sindicato repudia.

O acordo aprovado garante o reajuste da inflação do período, de 3,57% para faixa salarial até R$ 11.678,90 – para jornada de 5 horas diárias e mais 2 horas extras. Para faixa acima, valor fixo de R$ 416,93.

A proposta aprovada também garantiu o aumento no piso salarial, que será de R$ 2.000,00.

- Auxílio Alimentação: R$ 19,00 de fevereiro a julho e 19,39 a partir de agosto de 2019 para todas as empresas (inclusive as que estão em recuperação judicial).

- Auxílio Creche/Reembolso Creche ou Babá: R$ 415,00.

- PLR: as empresas, desde que apresentem lucro operacional no exercício fiscal de 2018, deverão proporcionar aos seus empregados participação nos lucros e/ou resultados, nas seguintes condições: 20% - mínimo R$ 602,00 e o valor máximo de R$ 1.093,00.

- Mensalidade Social: 1% - valor mínimo de R$ 45,00 e máximo R$ 100,00.

- Demais cláusulas financeiras: reajuste de 3,57%.

Apesar de um momento de dificuldades, com diminuição dos postos de trabalho e crise no setor, foi possível garantir a inflação e as demais cláusulas sociais já contidas nos acordos passados, além de um reajuste maior no piso salarial.

As urnas itinerantes passaram pelas redações do Globo, Folha Dirigida, Lance e Estadão. Infelizmente, O Dia foi o único jornal a impedir a participação dos jornalistas, apesar de ter sido avisado antecipadamente, assim como ocorreu nas outras redações. De qualquer forma, o Sindicato vai fiscalizar e exigir o cumprimento do acordo para todos os jornalistas da cidade do Rio de Janeiro.

Assim, a atual gestão do Sindicato encerra a campanha salarial de 2019. O acordo coletivo de jornalistas em empresas de rádio e TV já foi registrado no sistema de mediação do MTE, desde 11 de abril. 

Fonte: Sindicato dos Jornalistas Prof. do Município do Rio de Janeiro

CHAPA BARBOSA LIMA SOBRINHO-ABI PROTOCOLA SUBSTITUIÇÃO DOS MEMBROS QUE RENUNCIARAM

ILUSKA LOPES -


Após cassar sumariamente o registro da chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO (que teve homologação expedida em 08/04)  sem direito de defesa (em função da renúncia de alguns membros), a Comissão Eleitoral 2019 da Associação Brasileira de Imprensa-ABI acolheu ontem (17/04) petição com a substituição de todos os nomes que renunciaram.

Segue o documento assinado por todos os membros da Comissão Eleitoral nesta quarta-feira:


Caso a Comissão Eleitoral negue novamente o direito da chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO concorrer ao pleito do próximo dia 26, a chapa irá entrar com liminar no plantão judiciário. Como havia dito nesta terça-feira (16), tudo indica que a ABI terá eleições judicializadas mais uma vez nesse 2019.

Não esqueça, dia 25, quinta-feira, das 14h às 16 horas, coordenadores da chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO estarão no Programa Painel Mundial (Rádio Mundial News) debatendo com os ouvintes e internautas o projeto de revitalização da ABI. Divulgue e participe da Live, precisamos realinhar nossa centenária ferramenta das lutas pela soberania do Brasil!

Links da Rádio Mundial News:

CONTRAF-CUT PRODUZ CARTILHA SOBRE REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REDAÇÃO -


A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) produziu uma cartilha para explicar aos trabalhadores os principais pontos da reforma da Previdência.

A publicação mostra que, com a reforma, o governo federal pretende dificultar o acesso e reduzir os valores da aposentadoria.

material está à disposição no site na área de publicações e em arquivo aberto na área de acesso restrito às entidades filiadas.

Os sindicatos e federações filiados que quiserem a versão impressa devem entrar em contato com a tesouraria da Contraf-CUT para fazer a solicitação até o dia 26/4.

Fonte: CUT

TOFFOLI, GILMAR MENDES, MORAES, LEWANDOWSKI, IMPLANTAM A CENSURA ABERTA E SEM CONSTRANGIMENTO

HELIO FERNANDES -

Os 3 ministros que dominavam o combate á Lava-Jato na Segunda Turma, (Gilmar, Lewandowski, Toffoli) querem transferir a censura para o plenário. Já "ganharam" o apoio de um neo-magistrado, que veio da secretaria de Segurança de SP. Autorizava a violência contra estudantes. Agora, pratica a violência contra a Constituição. Como origem e consequência, contra a democracia e a Liberdade de Imprensa.

Toffoli sabia quem estava escolhendo ao indicar para investigar criticas na Internet, o ultimo ministro nomeado, sem convicção ou tradição democrática ou entusiasmo pela liberdade. Toffoli assinalou o roteiro a ser seguido. Implantou o desrespeito á Constituição, com um discurso que escondia ou mistificava suposta apologia à liberdade de imprensa.

(Toffoli, Moraes e Gilmar, tinham todas as condições de pertencerem ao STF, de 1937 a 1945. Os nefandos 8 anos do ditatorial "Estado Novo". Vargas implantou a ditadura total, fechou Câmara e Senado, deixou o Supremo funcionando, sempre a favor da ditadura. O ditador extraditou para a Alemanha a mulher de Prestes, sabendo que ela iria para a câmera de gás, como aconteceu. O ministro da Justiça, José Carlos de Macedo Soares, incitava os advogados a entrarem com recurso no STF," vocês têm a chance de reverter a extradição". Perderam essa questão,(e todas as outras, por unanimidade) o STF era formado por 11 Toffolis, 11 Gilmar, 11 Moraes).

Agora censuraram (e mandaram retirar da Internet), criticas a ministros. A ordem já foi cumprida. Para esses 3 ministros, democracia e liberdade de imprensa, são apenas FAKE.

SÉRGIO MORO AUTORIZA USO DA FORÇA NACIONAL NA ESPLANADA APÓS PEDIDO DO GSI

REDAÇÃO -

Portaria assinada pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, autorizou o uso da Força Nacional de Segurança Pública, pelo período de 33 dias, na Esplanada dos Ministérios, via de Brasília que concentra os principais prédios públicos da capital federal. A portaria publicada no "Diário Oficial da União" entrou em vigor nesta quarta-feira (17).


Segundo a assessoria do Ministério da Justiça, Moro atendeu a um pedido do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), pasta comandada pelo ministro Augusto Heleno que é responsável pela segurança do presidente e ações de inteligência.

Criada em 2004 pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva, a Força Nacional é formada por policiais militares, bombeiros militares e profissionais de perícia forense indicados pelas secretarias de segurança estaduais. Esse efetivo é acionado em situações de distúrbio público e pode atuar em qualquer unidade da federação mediante autorização do ministro da Justiça.

A assessoria do GSI confirmou que a iniciativa de solicitar o emprego da Força Nacional na Esplanada foi da pasta e informou que a motivação é a previsão de que ocorram manifestações na área central de Brasília nas próximas semanas.

Ainda de acordo com o Gabinete de Segurança Institucional, o pedido de uso da Força Nacional é de "caráter preventivo" para garantir a segurança do patrimônio da União e dos servidores que atuam nos prédios públicos da região.

"Registramos que este procedimento faz parte da definição de atribuições que constam do Protocolo Integrado de Segurança da Esplanada dos Ministérios do Governo do Distrito Federal", ressaltou a assessoria do GSI por meio de nota.

O ministério destacou ainda no comunicado que o emprego dos policiais da Força Nacional depende de autorização prévia do Ministério da Justiça, conforme prevê a legislação.

portaria publicada nesta quarta-feira no "Diário Oficial" afirma que o contingente que será disponibilizado para atuar na região da Esplanada será definido após planejamento do Ministério da Justiça. Além disso, o ato assinado por Moro destaca que o prazo de 33 dias poderá ser prorrogado, "se necessário".

"Caso a renovação não seja solicitada pelo órgão apoiado, tempestivamente, o efetivo será retirado imediatamente após o vencimento desta portaria", diz um dos artigos do ato oficial.

Fonte: DIAP, G1

SOMOS TODOS INDÍGENAS!

ISA COLLI -

Maneiras de abordar em sala de aula a cultura indígena sem estereótipos e de modo reflexivo.


Nesta sexta-feira, dia 19 de abril, é comemorado no Brasil o Dia do Índio. Como trabalhar essa data com as crianças, contando a história livre dos estereótipos criados durante tantos anos?

Está mais do que na hora de desmistificar o estereótipo de índio e cocar que muitos ainda têm, trazendo atividades que ajudem as crianças a entender como essas comunidades vivem nos dias de hoje. É preciso desmistificar a questão indígena do arco e flecha, cocar, pessoas nuas, sem informação. Pelo contrário, mostrar que evoluíram e podem contribuir conosco dentro de suas possibilidades culturais e nós devemos respeitar o espaço deles, sua cultura, suas crenças e seus trabalhos.

O professor precisa estar atento para não reafirmar impressões que não condizem com a realidade dos povos indígenas, celebrando nossas diferenças e valorizando o respeito. Para isso, é preciso deixar de lado atividades tradicionais e proporcionar uma reflexão por meio de leituras, músicas e filmes que abordam o cotidiano indígena mais profundamente.

A seguir, vamos apresentar algumas maneiras de fugir das abordagens estereotipadas dentro das salas de aula, proporcionando um conhecimento aprofundado e sociocultural para os alunos.

Contos e mitos indígenas

Há diversos livros infantis que abordam as lendas indígenas. Organize rodas de leitura e explique às crianças o modo como os indígenas interagem com o meio ambiente. Trabalhar com lendas em sala de aula é uma forma de valorizar a cultura dos povos nativos. Importante frisar que cada comunidade tem sua própria lenda, é necessário respeitar toda essa diversidade.

Organize uma degustação de comidas típicas

Muitas comunidades indígenas têm a mandioca como base de sua alimentação, apresente às crianças essa raiz e os diferentes e deliciosos modos de consumi-la. Também é possível preparar e oferecer bolo de milho, tapioca, pipoca e frutas nativas.

Promova uma sessão de filmes e documentários

Apresente alguns filmes e documentários que apresentem o cotidiano dos povos indígenas. É, também, importante incentivar a pesquisa na internet e valorizar cada descoberta nova dos alunos.

Sugira pesquisa de tribos indígenas brasileiras

Escolha de uma tribo e peça aos alunos que elaborem pesquisa sobre ela e desenvolvam um texto com as informações coletadas (Guaranis, Ticunas, Caingangues, Macuxis, Terenas, Guajajaras, Ianomâmis, Xavantes e Pataxós, por exemplo).

Vocabulário ilustrado

Elabore um vocabulário ilustrado com as palavras de origem indígena que usamos no nosso dia a dia.

Por fim, saliente aos alunos que a cultura indígena faz parte da essência dos povos, por isso, use diversos recursos para salientar as diferenças e como cada um deles é único. Vale ressaltar, também, que, assim como o restante das pessoas, eles acompanham a evolução do mundo. Por isso, o uso de tecnologia não altera quem são, tampouco a preservação da cultura e dos costumes.

Aguarde novo lançamento da Colli Books – A índia Inaiá. Ótima oportunidade de trabalhar em sala de aula a cultura, os costumes e as lendas do universo indígena durante todo o ano.

METALÚRGICOS LANÇAM CARTILHA SOBRE IMPORTÂNCIA DO SINDICATO

REDAÇÃO -

A Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo lançou uma cartilha para falar da importância do sindicato na vida do trabalhador.


Na cartilha o presidente da entidade, Eliseu Silva Costa, fala das mudanças na legislação trabalhista desde 2016 e do alto índice de desemprego chegando a quase 13 milhões de trabalhadores e ele comenta sobre o objetivo da cartilha: “O objetivo é único e de extrema importância: mostrar que o trabalho das entidades sindicais é o maior instrumento de garantia de direitos para os trabalhadores.”

A cartilha trás vários temas: Como era sem o sindicato; Convenção Coletiva de Trabalho; Aumento Salarial; PLR; entre outros.

A cartilha é uma forma de sensibilizar o trabalhador da importância da entidade sindical e que muitas conquistas que hoje ele tem, só foi possível porque existia um sindicato.


Fonte: Mundo Sindical

JACKSON DO BRASIL (EXU CANTAVA COCO)

LUIZ ANTONIO SIMAS -


Jackson do Pandeiro está para a música brasileira como Mané Garrincha para o nosso futebol. Senhor absoluto na arte do ritmo, o do Pandeiro fazia uns balacobacos com a voz ao cantar seus cocos, xotes, quadrilhas, baiões, sambas, marchas e frevos que só encontram similar na cultura do drible, da ginga, do faz- que-vai-não-vai do anjo torto dos gramados.

Jackson pintava o sete feito o camisa sete, cantava indo e voltando da linha de fundo até, subitamente, bater em gol ou mandar a redonda pro fuzuê da pequena área. Era versado no gogó e em seus atalhos, como o velho Pastinha fazia ao menear o corpo retinto no jogo de angola. Era Seu Zé chegando das Alagoas e baixando na guma, de terno branco, lenço de seda e o escambau.

Cresci ouvindo muito Jackson pintar os cavacos. Criado por avós e mãe pernambucana, os sons e os ritmos do nordeste formaram, ao lado do samba carioca, a trilha sonora sentimental que definiu os meus jeitos de escutar o mundo. Nos fuzuês de família, com a malungada, era nesses arrepiados de sanfona e pandeiro, com o zabumba, que a vida festejava suas alegrias. E eram três, os grandes do Norte.

Luiz Gonzaga, senhor da trindade santíssima da música do nordeste, tinha a majestade de Oxalufã, o pai maior. A sanfona era seu opaxorô; cajado de segredos. O velho Lua vestia o gibão de couro com a fidalguia grande de Babá ao trajar o pano branco.

João do Vale, o segundo da trina, tinha o olhar desconfiado de Odé e o poder caçador de sua flecha certeira. Fez do carcará - o que pega, mata e come - o passáro das feiticeiras do país nagô. Passou a vida pisando na fulô e aprendeu o segredo de subir nos ares e brincar na asa do vento - aquele que muita gente desconhece.

E como Jackson jogava nessa linha de frente divina e infernal? O do Pandeiro cantava como Exu, no riscado, na fresta, malandreando no sincopado, desconversando, rindo feito o capeta no coco. Desconfio mesmo que era o dono do corpo, Laroiê, que chegava junto, fungando no cangote do malandro.

Jackson fará 100 anos em 2019, malandreando no terreiro grande do Orum, Aruanda dos pretos, macaia macaiana dos caboclos. Ouvir Jackson é um ritual.

(texto escrito em 2010 e publicado em 2013, no Pedrinhas Miudinhas)

Fonte: Facebook

17.4.19

SINDICATOS ARGENTINOS ANUNCIAM GREVE GERAL CONTRA POLÍTICA ECONÔMICA DE MACRI

REDAÇÃO -


Trabalhadores e trabalhadoras da Argentina farão mais uma greve geral contra a política econômica do governo do presidente Maurício Macri, na próxima terça-feira (30). A paralisação, convocada pela Central dos Trabalhadores da Argentina (CTA) e pelos principais líderes sindicais do país, Hugo Moyano, Hugo Yasky e Pablo Micheli,  é em protesto contra os ajustes e arrochos que o governo vem impondo à população.

Em setembro do ano passado, os trabalhadores fizeram uma greve geral contra as negociações do governo argentino com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para renegociar o crédito de mais de US$ 50 bilhões. Na época, os sindicalistas alertaram que o FMI iria impor ajustes que afetariam os argentinos, em especial os mais pobres.

Mas Macri firmou o acordo e, para receber o empréstimo com um adicional – no total  R$ 57,1 bilhões -, que deve ser repassado pelo fundo até 2021, anunciou uma série de medidas impostas pelo FMI, como o fim dos subsídios, metas de inflação e reformas trabalhistas e previdenciária - as duas últimas, orientaram os técnicos, podem ficar para depois da eleição marcada para outubro deste ano.

O resultado do ajuste é um índice de desemprego de mais de 9% em março, inflação de 4,7% no mesmo mês e 54,7% em 12 meses. Com essa conjuntura e o fim dos subsídios, o povo está tendo dificuldade até para pagar contas de itens básicos, como água, energia e gás ou mesmo para usar o transporte público. 

Na avaliação do secretário de Relações Internacionais da CUT, Antonio Lisboa, “de certa forma, Macri fez o que prometeu ao FMI. E os cortes nos programas de desenvolvimento social e de subsídios, somados ao desemprego e à alta na inflação contribuíram para o crescimento da pobreza na Argentina, como alertaram os sindicalistas em 2018”.


Fonte: CUT

BOLSONARO, O POPULISTA

PEDRO AUGUSTO PINHO -




Enfrentando feroz oposição da rede Globo de televisão e da mídia tradicional, o presidente Jair Messias Bolsonaro (JMB) vetou o aumento do óleo diesel, anunciado pela Petrobrás. Um presidente popular?

Anteriormente, pelo veto implícito da indisponibilidade orçamentária, que lhe impusera seu ministro Posto Ipiranga, Paulo Guedes, JMB compensou a ausência do reajuste pela inflação no Bolsa Família, com a criação do 13º salário para este benefício social. Um presidente popular?

Analisemos criteriosamente, sem qualquer partidarismo, o significado destas decisões.

Nem o mais desligado e ingênuo eleitor brasileiro desconhece que o sistema financeiro internacional, a banca, é o principal poder em nosso País.

Denomino Condomínio Governamental Bolsonaro (CGB), a união das quatro principais influências nas decisões nacionais, a partir do início de 2019: a família Bolsonaro, a banca, os neopentecostais e as forças armadas. Sem qualquer ordem nesta enunciação.

Aparentemente, embora com objetivos diferentes, algumas vezes até opostos, o CGB tem em comum a ideologia neoliberal.

Breve sumário da ideologia neoliberal: tudo deve ser feito para agradar o capital financeiro: isenções tributárias, desregulamentações protetoras do bem estar social, da defesa ambiental, do trabalho, prioridade absoluta para pagamento de juros e amortizações sobre quaisquer outras despesas, sejam para a alimentação sejam para defesa nacional, privatizações e juros altos, os mais altos possíveis em face da possibilidade de arcar com eles.

É esta ideologia que, conforme o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado em 10/04 passado, está reduzindo a classe média nos 36 países que participam desta Organização. Para a OCDE, classe média é aquela que cada pessoa recebe 25 mil dólares estadunidenses (USD 25.000) por ano, quase R$100.000,00/pessoa-ano..

No Brasil, de acordo com dados de 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualizados para 2018, 50% da população recebia menos de R$10.880,00/pessoa-ano e somente um milhão (0,47%), dos 210 milhões de brasileiros auferia acima de R$36.000,00/pessoa-ano. Ou seja, a classe média já não existe no Brasil, com significação populacional.

O Brasil já atingiu o estágio terminal do neoliberalismo: uma insignificante classe bilionária e o restante imerso na miséria.

Vê-se, portanto, que não falta ao Presidente a sensibilidade para a população que o elegeu. Falta, isto sim, coragem ou capacidade para modificar esta verdadeira tragédia brasileira: o mais desigual e miserável país do mundo.

*Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado

APÓS 12 HORAS, CCJ ENCERRA DEBATE SOBRE PREVIDÊNCIA

REDAÇÃO -

Deputados reunidos no plenário da CCJ (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Após pouco mais de 12 horas de discussão, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara encerrou às 23h28 desta terça-feira (16) o debate sobre a reforma da Previdência. Cerca de 80 deputados discursaram.

Uma nova sessão foi convocada para as 10h desta quarta (17), e o objetivo dos deputados a favor da reforma é votar a proposta antes mesmo do feriado. Parlamentares contrários ao projeto, contudo, tentarão adiar a votação.

Cabe à CCJ da Câmara analisar se a proposta do governo Jair Bolsonaro está de acordo com a Constituição. Se a chamada admissibilidade for aprovada, o texto seguirá para uma comissão especial, responsável por analisar o mérito (conteúdo), para, então, o plenário da Câmara votar a reforma.

Por se tratar de emenda à Constituição, a PEC da reforma da Previdência precisará do apoio de pelo menos três quintos dos deputados (308 dos 513), em dois turnos de votação para seguir para o Senado. (…)

Fonte: G1

QUEIROZ: CHEFE DE GABINETE DO DEPUTADO FILHO DO PRESIDENTE BOLSONARO, E HOSPEDE DE LUXO DOS PODEROSOS MILICIANOS

HELIO FERNANDES -


Antes da eleição e posse do "capitão" foi acusado de inúmeras irregularidades. Todas no gabinete do deputado Bolsonaro. Denunciadíssimo pela COAF, que queria ouvi-lo inicialmente pela movimentação de 1 milhão e 200 mil reais. Tudo em "dinheiro vivo". Jamais apareceu. De longe deu "explicações" sem a menor veracidade ou credibilidade.

Veio o 28 de outubro, tirou a "sorte grande" com o "capitão" se transformando em presidente. Aí ficou impune e imune. Em determinado momento, sentindo que estava muito pressionado, (apesar do COAF ser subordinado ao protecionista Sergio Moro) foi descansar em Rio das Pedras, reduto miliciano. Ficou na casa luxuosa do líder maior, durante 9 dias.

Já se completaram 100 dias do "capitão" presidente, e o corrupto Queiroz não é incomodado ou chamado para coisa alguma. As milícias aumentaram seu poder e influencia, ganham fortunas com o domínio da construção imobiliária. Os órgãos de comunicação ocupam todos os espaços, com as mortes provocadas por desabamento de prédios construídos com total irregularidade.

PS- O prefeito Crivella, informa que vai derrubar 3 desses prédios construídos criminosamente.

PS2- Tudo errado. Devia desapropriar todos os prédios construídos pelas milícias.

PS3- Devia mobilizar o MP, (Ministério Publico) e pedir a prisão de todos os milicianos.

PS4- Com urgência e sem demora. Incluindo Queiroz.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA ABRE ESPAÇO PARA TAXAR ATÉ VALE-REFEIÇÃO E FÉRIAS

REDAÇÃO -


A reforma não cita explicitamente que itens seriam esses de “qualquer natureza”, mas, para especialistas, isso poderia incluir a taxação de benefícios como vale-refeição, adicional de férias e participação nos lucros. Esses elementos poderiam integrar a base de cálculo da contribuição previdenciária.

O governo fala que a medida se dá para resolver um “intenso debate jurisprudencial”, mas especialistas ouvidos pelo UOL indicam aumento de arrecadação e impacto nos ganhos do trabalhador.


Empregado pode passar a ganhar menos - Caso aprovado, o artigo pode ter como efeito indireto a diminuição do salário dos trabalhadores, em especial os com menos qualificação. “Na prática, é provável que o empregador comece a dar um valor menor no vale-refeição, por exemplo, ou diminua o salário, especialmente nas empresas menores, que têm maior limitação financeira e às vezes não têm como assumir esses encargos”, afirmou o advogado João Badari, especialista em direito previdenciário.

Juliana Inhasz, professora de economia do Insper, concorda. Para ela, o atual índice de desemprego faz com que os trabalhadores fiquem mais vulneráveis e aceitem condições menos favoráveis.

“No estado atual, o empregador tem muito poder de barganha. Para se manter na lei, ele paga os encargos a mais, mas repassa as perdas nos salários. Quem está fora do mercado não vai recusar um emprego porque o salário ou o VR não era o esperado”, afirmou.

Para ela, isso se dá especialmente nas vagas com menos qualificação. “Há categorias, claro, que têm um poder de barganha alto, mas em trabalhos mais braçais, por exemplo, podemos experimentar uma redução nos pagamentos.”
Medida também pode afetar comércio

Badari disse que a possível diminuição dos salários e vales-refeição pode afetar também o comércio. “Com menos dinheiro, as pessoas buscam por outras opções na hora de se alimentar ou curtir o lazer. Podem mudar de restaurante e começar a trazer comida de casa.”

Juliana afirmou que o impacto será grande, mas disse ser difícil mensurá-lo pontualmente. “A gente sabe que é factível e pode acontecer. Mas, por outro lado, se a economia voltar a engrenar graças a medidas como essa, mais pessoas voltarão a consumir.”

Por exemplo: se o valor do VR cai 10%, a cada dez pessoas você perde o valor equivalente a um trabalhador. Mas, se 11 pessoas estiverem empregadas, este novo entrante acaba compensando a redução de consumo dos outros. É difícil separar”, disse ela.

Para os especialistas, o consenso é que todos os grupos terão de se adaptar. “Vai haver uma perda, mas eu não sei se é certo ou errado, às vezes é preciso dar um passo para trás para fazer as coisas andarem”, afirmou Badari.

Governo não fala em aumento da arrecadação - De acordo com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a mudança no artigo se daria para estabelecer de forma clara quais verbas entram para a base de cálculo e quais não.

Atualmente, o assunto é discutido na Justiça. Segundo Badari, embora haja um grande debate judicial, a jurisprudência atual é contrária à proposição.

Fonte: Face do Neto

AS PETROLEIRAS ESTRANGEIRAS EMBOLSAM O MESMO QUE BOLSONARO “VAI ECONOMIZAR” NA PREVIDÊNCIA

EMANUEL CANCELLA -


Bolsonaro, que votou pela reforma trabalhista de Temer, tirando direitos trabalhistas contidos na CLT (5), agora combate o emprego: “Não haverá concurso público em 2020” (3)!

E ainda quer fazer a reforma previdenciária, o que, na prática vai tornar a aposentadoria uma tarefa quase impossível. Pois com tanto desemprego como o brasileiro vai conseguir contribuir 40 anos, além de ter 62 anos a mulher e 65 anos o homem?

Hoje, o Brasil tem mais de 13 milhões de desempregados, ou seja, não estão contribuindo para a Previdência, então quando essas pessoas vão se aposentar? E tem mais, além do tempo para aposentadoria, inalcançável, os valores das aposentadorias vão cair drasticamente.

Paulo Guedes quer conseguir um trilhão de reais na Previdência, como já foi dito, tirando dos pobres (1).

Aliás, foi um trilhão que ganharam as petroleiras estrangeiras com a lei de MiShell  Temer em isenção de impostos, a mais favorecida foi a Shell (4).

Na ocasião, a Lava Jato não falou nada, o que dá margem de as pessoas acharem  que o contrato que a mulher de Moro, Rosângela Moro, tem com a Shell seria o preço do silêncio (2).

Fonte: