20.4.19

GOVERNO QUER PRIVATIZAÇÃO DOS CORREIOS

REDAÇÃO -


Vencida a resistência do presidente Jair Bolsonaro à privatização dos Correios, a equipe econômica se debruça agora sobre a venda da estatal, disse à Reuters um integrante do time, em meio à avaliação de que a empresa ganhará mais liberdade para se modernizar e responder às mudanças no mercado promovidas pelo comércio eletrônico sem a União como controladora.

Em entrevista à GloboNews nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que seria “um salto muito grande” apontar que Bolsonaro estaria mais próximo de concordar com a privatização da Petrobras, mas afirmou que o presidente considerou essa possibilidade para uma estatal em particular, sem revelá-la.

Segundo a fonte, que falou com a Reuters nesta sexta-feira, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) é a companhia em questão. (…)

Fonte: Reuters

A PRIVATIZAÇÃO DAS ESTATAIS LEVA FHC E BOLSONARO AO PELOTÃO DE FUZILAMENTO!

EMANUEL CANCELLA -


Bolsonaro, que disse no programa de Jô Soares que FHC tinha que ser fuzilado por privatizar as estatais e entregar nosso petróleo, agora entra na linha de tiro. Isso porque Guedes diz que Bolsonaro pode privatizar a Petrobrás (1, 2).

Bolsonaro vai vender a Cessão Onerosa do pré-sal, que possui mais de 15 BI de barris de petróleo, e diz que em poucos meses vai ainda privatizar metade das refinarias (3,4).

Creio que Bolsonaro corre perigo, pois os militares foram os maiores defensores da Petrobrás: participarem ativamente da campanha do petróleo da década de 40/50 e durante seus governos, de 1964 a 1985, além da Petrobrás fortaleceram várias estatais como Embraer e Eletrobrás etc.

Os petroleiros na década de 90 derrotaram fragorosamente FHC e a Globo que na tentativa de privatização comparavam a Petrobrás a um paquiderme e chamava os petroleiros de marajá.

Nem o desenvolvimento de tecnologia inédita no mundo no governo Lula, que permitiu a descoberta do pré-sal em 2006 aplacou a ira da Globo.

Em dezembro de 2015 a Globo em editorial: “O pré-sal pode ser patrimônio inútil” (5). O pré-sal a maior descoberta de petróleo no mundo contemporâneo e já responde pela metade da produção brasileira.

Por possuir as maiores reservas de petróleo do mundo, a Venezuela sofre ameaça de guerra dos EUA, que querem se apossar desse petróleo. O Brasil de Bolsonaro é aliado potencial dessa armação que Trump denomina de “ajuda humanitária”.

Enquanto, na Venezuela, Maduro resiste bravamente, no Brasil o capitão Bolsonaro entrega todas as nossas riquezas!

Os petroleiros com certeza não vão fuzilar ninguém, mas vão responder a altura ao entreguismo de Bolsonaro!

Fonte:

GOVERNO QUER ACABAR COM A POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO

REDAÇÃO -


O governo Bolsonaro (PSL) ataca a política de valorização do salário mínimo ao por fim ao aumento real nos pisos salariais, que também servem de parâmetro para os pagamentos de aposentadorias, benefícios trabalhistas e assistenciais.

“A medida significa jogar na indigência a população mais pobre e carente do país, aqueles que necessitam de um programa de renda mínima, como foi estabelecido no governo Lula para o salário mínimo, que seja de fato indutor da economia e do consumo”, afirmou o presidente do Sindicato, Wagner Santana, o Wagnão.

O presidente avaliou que isso faz parte de uma estratégia que desfavorece e prejudica diretamente milhões de brasileiros que dependem do salário mínimo para sua subsistência.

“O governo não leva em consideração que 48 milhões de trabalhadores e de aposentados dependem dessa política de reajuste. Para entender o que significa a política de valorização, o salário mínimo seria R$ 573 sem ela. Imagine uma família sobreviver com esse valor”, ressaltou.

“Não podemos de forma alguma admitir que, junto com a reforma da Previdência e reforma Trabalhista, nós trabalhadores estaremos alijados de um processo de crescimento e desenvolvimento em favor da acumulação da riqueza e do aumento da desigualdade no país. Esse governo só prova a que veio com isso”, defendeu.

Desde 2004, o aumento real foi de 74,33%, ao passar de R$ 260 para os atuais R$ 998 (confira tabela). Estudo do Dieese mostra que, se não houvesse a política de valorização, o valor atual do salário mínimo seria de R$ 573.

O diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, divulgou o que representa a conquista do aumento real para o trabalhador que ganha um salário mínimo: a política de valorização adicionou R$ 5,5 mil à renda anual ao elevar de R$ 7.449 (R$ 573 X 13 salários) para R$ 12.974 (R$ 998 X 13 salários).

O projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) foi apresentado pela equipe econômica do governo e estabelece o salário mínimo em 2020 de R$ 1.040, sem aumento real acima da inflação, apenas com a correção da inflação pelo Índice Nacional dos Preços ao Consumidor (INPC). Caso a política de valorização do salário mínimo fosse mantida para 2020, o valor seria de R$ 1.051.

Conquista dos trabalhadores - A política de valorização do salário mínimo foi conquistada pela CUT e demais centrais sindicais em ação conjunta por meio das Marchas a Brasília, sendo a primeira organizada em 2004.

Implantada por Lula (PT) no mesmo ano e aplicada no ano seguinte, a política que levava em conta a inflação mais o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos virou lei no governo Dilma Rousseff (PT), em 2011. Em 2015, a lei foi prorrogada até 2019.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, o fim da valorização do salário mínimo é mais um ataque do governo contra os trabalhadores.

“Todas as medidas anunciadas pelo governo até agora são de arrocho salarial e previdenciário. E mais, todas foram em benefício do patrão e prejuízo para o trabalhador”, avaliou.

A proposta de LDO segue para votação no Congresso Nacional. Se aprovada, deve ser sancionada por Bolsonaro até julho.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos

FESTAS CRISTÃS

LUIZ ANTONIO SIMAS -

Costumo me comover com as festas cristãs: o Círio de Nazaré, em Belém do Pará, pela vitalidade que preserva; a Festa da Penha, no Rio de Janeiro, pelo que representou para o povo da cidade; as festa dos santos de junho e os ciclos da Natividade e da Paixão. Nelas os cantos, louvores, comidas, leilões de prendas, namoros, cheiros, dádivas e bordados, falam de afetos celebrados que permitem a subversão- pelo rito - da miudeza provisória da vida.

Ilustração: A Paixão de Cristo. Do macumbeiro Carybé
O meu Jesus Cristo, afinal, é o jesuscristinho dos presépios mais precários, das bandinhas de pastoris e lapinhas do Nordeste, dos enfeites formosos das moças dos cordões azul e encarnado e das folias que alumbram de brasilidades os fuzuês que, no mês de janeiro, homenageiam - entre cachaças, cafés e bolos de fubá gentilmente servidos pelos donos da casa - os Reis do Oriente.

Ele, o Cristo dos meus delírios, se sentiria mais a vontade em um botequim de esquina do que na Basílica de São Pedro. Se manifesta mais nas mãos calejadas dos devotos do Círio do que nas batinas sacerdotais e nos ternos bem cortados dos condutores do bonde da aleluia. Deve respeito - e é respeitado - a Tupã, Zambiapungo e Olorum. Estaria hoje ao lado dos fodidos que não têm Páscoa.

Meu Cristo, enfim, é pedrinha miudinha. Joga na várzea, bebe nos subúrbios, rala nas fábricas e, quando o sol vai quebrando lá pra fim do mundo pra noite chegar, descansa feito João Valentão e adormece como menino brasileiro.

A vista não pode alcançar a belezura de suas miudezas!

Fonte: Facebook

GOVERNO AMERICANO DEVE R$ 134 MILHÕES PARA PREVIDÊNCIA BRASILEIRA

REDAÇÃO -

Os Estados Unidos têm uma dívida de R$ 134,5 milhões com a Previdência brasileira, segundo dados obtidos pelo Valor por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). O levantamento mostra que os débitos previdenciários de organismos internacionais inscritos na dívida ativa da União somam R$ 141,476 milhões, ou seja, 95% dela é da embaixada americana em Brasília.


Técnicos do governo ouvidos pela reportagem explicaram que dificilmente esse débito será recebido. Isso porque esses organismos internacionais recorrem a imunidade de jurisdição e execução conforme previsto em acordos e convenções internacionais. “Quando são ajuizadas ações de execução fiscal contra eles, usualmente invocam a cláusula da imunidade”, disse o Ministério da Economia por meio de nota.

A embaixada dos EUA informou, por meio de nota, que está trabalhando com o Ministério das Relações Exteriores no assunto. “O pagamento da seguridade social e de outros benefícios de funcionários locais das embaixadas e consulados dos Estados Unidos é baseado em leis e acordos recíprocos de cada país hospedeiro”, explicou. Pelos dados informados pela LAI, a dívida está em situação irregular, ou seja, em cobrança.

O Ministério da Economia destacou ainda que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) acionou o Ministério de Relações Exteriores para viabilizar essa cobrança pela via diplomática. Procurado, o Itamaraty destacou que mantém interlocução com a PGFN a respeito desse assunto.

A discussão em torno de uma cobrança mais eficaz da dívida ativa da União ganhou força com as discussões em torno da reforma da Previdência. Isso porque, na avaliação de críticos à reforma, a cobrança contribuiria para o adiamento ou adoção de medidas menos dura nas regras de concessão de aposentadoria e pensão. O problema, no entanto, que boa parte dessa dívida – como é o caso dos débitos das organizações internacionais – é de difícil recebimento ou irrecuperável.

Atualmente, a Dívida Ativa da União total soma R$ 2,1 trilhões, sendo que R$ 1,3 trilhão é classificado como irrecuperável. Dos R$ 800 bilhões que podem ser recuperados, R$ 300 bilhões estão parcelados. Do restante, a cobrança está em andamento ou sendo discutida judicialmente. A recuperação da dívida no ano passado foi de R$ 24 bilhões.

Além disso, na avaliação de técnicos do governo, mesmo se toda a dívida fosse paga, haveria a necessidade de uma reforma para enfrentar o fato de que a população brasileira está vivendo mais, e a taxa de natalidade, caindo. Ou seja, se nada for feito, não haverá jovens suficientes para financiar as aposentadorias e pensões no futuro e o governo terá que destinar, se tiver condições fiscais para isso, uma parcela maior do Orçamento para assegurar o pagamento.

Em dezembro de 2016, quando o ex-presidente Michel Temer encaminhou ao Congresso, uma das principais críticas da oposição era que o governo queria mudar as regras de aposentadoria, penalizando os mais pobres, mas não cobrava os devedores. O entendimento é que antes de mudar a Previdência era necessário receber esses débitos. Para neutralizar a esse tipo de crítica, a equipe do presidente Jair Bolsonaro encaminhou projeto de reforma em conjunto com medidas para dar mais instrumentos de cobrança para a PGFN.

Fonte: Face do Neto

POESIA: IGNORANTAÇÃO; VOEJANDO

MARCELO MÁRIO DE MELO -

Ignorantação.


O mundo tem muita coisa ignorada e a gente não sabe ignorantar.

A gente gosta de resposta pronta para tudo, como prato feito ou à la carte no cardápio. A gente gosta de conhecer pedaço de coisa e guardar na caixinha feito pedra de dominó. Mas há muita coisa na vida que não entra no abecedário nem tem dialeto. Coisa que existe em tique-taque de tripa e fome do que se desconhece.

A ignorantação é um rio de vibrações com matriz de música e se navega nele sem remo de palavra de alfabeto. A gente entra na água mudo e começa a falar com palavras-sons desconhecidas que nascem e se costuram na hora.

Aí a gente fala, fala, e continua sem saber de nada do que falou, mas se dá por satisfeito e pode pôr o ponto final. Assim como se cantarola larari-larará, rum-rum-rum, e não existe coisa larari-larará, nem coisa rum-rum-rum.

A antacalamalúcia
antulou cantarismando.
Vou palavrando nas águas
o que não sei quê e quando.
Palavra-som aguArada
eu falo ignorantando.
É assim que a gente ignoranta.

---
VOEJANDO

O sol faz fogueira nos olhos
e navego rutilâncias
no arco-íris inventado.

Clips e clips desmandam
mergulhando em tobogã
de nuvem na lagoa.

O pássaro roxo se enfolha
em pétalas de pavão
na carcaça do touro.

O norte suleia
esperanças remordidas
singrando verniz e pus.

O amor deposita
juras e juros
na arca dos poréns.

O anjo moleque
vira a mesa
e peida flores
no funeral.

MILITAR CONDENADO PELO ASSASSINATO DA JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI É EXPULSO DA PM

REDAÇÃO -

O tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira, condenado a 36 anos de prisão por ser o mandante do assassinato da juíza Patrícia Acioli, foi expulso da PM. A decisão foi tomada por unanimidade pelos desembargadores da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio no último dia 16. O crime aconteceu em agosto de 2011, e o oficial foi preso pelo crime um mês depois.

Em dezembro de 2013, o oficial foi condenado a 36 anos de prisão por ser o mandante do crime. A sentença foi mantida em segunda instância, três anos depois. Nos últimos seis anos e oito meses, ele cumpriu pena em várias unidades prisionais do país. Hoje está preso na penitenciária federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Tenente-coronel Claudio Luiz de Oliveira
O processo administrativo que determinou a demissão do tenente-coronel Claudio Luiz da PM — chamado de Conselho de Justificação — passou cinco anos parado. Em maio de 2012, ele foi beneficiado por uma decisão da desembargadora Gizelda Leitão, que determinou a interrupção do processo até que houvesse o julgamento em segunda instância. O procedimento só foi retomado em fevereiro de 2017. (…)

Ao todo, 11 policiais foram condenados pelo crime. Nove eram praças: o sargento Charles de Azevedo Tavares; os cabos Alex Ribeiro Pereira, Jeferson de Araújo Miranda, Sammy dos Santos Quintanilha Cardoso, Sergio Costa Júnior, Carlos Adílio Maciel Santos, Jovanis Falcão Junior; e os soldados Junior Cezar de Medeiros e Handerson Lents Henriques da Silva. (…)

Fonte: Globo

19.4.19

ABI: CHAPA BARBOSA LIMA SOBRINHO ESTÁ NOVAMENTE AUTORIZADA DE CONCORRER ÀS ELEIÇÕES NO PRÓXIMO DIA 26

ILUSKA LOPES -

A Comissão Eleitoral da Associação Brasileira de Imprensa havia cassado a chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO nesta segunda-feira (15), ontem quinta-feira (18) a Comissão recuou e assinou um novo termo de homologação. Após análise dos novos membros que substituíram os nomes que renunciaram, todos foram aprovados.

Carlos Augusto Martins de Aguiar, editor do jornal Diário Carioca foi aprovado pela Comissão Eleitoral como candidato da chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO a presidente da Associação Brasileira de Imprensa-ABI (Foto: TIS).
Sem estrelismos, apenas focada na proposta de tirar a Associação Brasileira de Imprensa do desalinho político e melhor preservar o patrimônio, a estabilidade administrativa e a segurança financeira da Instituição a chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO agora apresenta o experiente jornalista Carlos Augusto Martins de Aguiar, editor do jornal Diário Carioca como candidato a presidente da entidade para o triênio 2019-2022. Para o cargo de vice-presidente permanece o jornalista, advogado militante e dirigente do Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, Washington Luiz Pinto Machado.

O grupo propõe “assegurar e ampliar as conquistas sociais do povo brasileiro, (...) e tendo por finalidade maior a defesa da ética, dos direitos humanos e da liberdade de informação e expressão.” (Art. 1º do Estatuto da ABI). Também defende que as prestações de contas da entidade voltem a ser transparentes. "Temos que dar um BASTA na ‘inquisição’ que se transformou a Casa das Liberdades e dos Direitos Humanos", ressalta Helio Fernandes, decano do jornalismo brasileiro que por quase 50 anos foi dono e diretor do jornal Tribuna da Imprensa, candidato como membro do Conselho Consultivo.

A chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO defende os princípios estatutários da entidade. O papel da “(...) Associação Brasileira de Imprensa, na qualidade de fórum da sociedade civil, é promover e articular movimentos em defesa do patrimônio e da soberania nacionais” (Artigo 2º do Estatuto).

Segue o documento assinado nesta quinta-feira por todos os membros da Comissão Eleitoral, o editor desta Tribuna da Imprensa Sindical (ex-presidente da CDLIDH da ABI), Daniel Mazola representou a Chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO:


Não esqueça, dia 25, quinta-feira, das 14h às 16 horas, coordenadores da chapa BARBOSA LIMA SOBRINHO estarão no Programa Painel Mundial (Rádio Mundial News) debatendo com os ouvintes e internautas o projeto de revitalização da ABI. Divulgue e participe da Live, precisamos realinhar nossa centenária ferramenta das lutas pela soberania do Brasil!

Links da Rádio Mundial News:

POR PREVIDÊNCIA, BOLSONARO VAI NEGOCIAR CARGOS COM PARTIDOS

REDAÇÃO -


Em dificuldade para fazer avançar a reforma da Previdência já na primeira etapa de sua tramitação – a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados –, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) recua do discurso da campanha eleitoral e vai partir para o "toma lá, dá cá" para buscar apoio à Proposta de Emenda Constitucional que dificulta o acesso dos brasileiros à aposentadoria.

As informações foram publicadas na coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (18).

"O governo Jair Bolsonaro finalmente cedeu. O ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) fez uma lista de cargos de segundo escalão com grande projeção regional e, na próxima semana, começa a discutir a distribuição dos postos entre os partidos de centro e centro-direita que ele quer aproximar do Planalto. As nomeações se darão dentro dos critérios já estabelecidos. Na lista que foi ditada a deputados entram estatais e autarquias do porte da Codevasf, Sudam e Sudene e Banco do Nordeste", diz o jornal.

"A elaboração da lista de postos foi comunicada aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e também a presidentes e líderes de partidos. A expectativa é a de que as primeiras indicações chanceladas pelas cúpulas das siglas sejam formalizadas na próxima semana."

Para o presidente da Admap (Associação Democrática dos Aposentados e Pensionistas), Lauro da Silva, só a mobilização do conjunto da classe trabalhadora é que vai barrar esse ataque. "A experiência que temos do passado demonstra que não podemos confiar nesse Congresso e no balcão de negócios que é feito às sombras entre Planalto e Congresso para mexer nos direitos do povo. Defendemos a realização de uma Greve Geral no país para enterrar essa reforma da Previdência", defendeu.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos

ODAIR JOSÉ VAI CANTAR NO LULA-LIVRE PAULISTANO: “EU VOU TIRAR VOCÊ DESSE LUGAR”

EMANUEL CANCELLA -

Em O Grande Ditador, Charles Chaplin foi diretor, roteirista, produtor e protagonista. No filme,  Chaplin critica duramente os regimes totalitários por meio do seu personagem Carlitos (1).


Um dos maiores cantores do estilo brega chique, o qual levou artistas como Caetano Veloso a gravar alguns de seus sucessos, vai se apresentar no Lula- Livre, dia 5 de maio, no Vale do Anhangabaú, em São Paulo.

Assim como Chico Cesar e tantos outros artistas populares.

Chico Buarque, que encanta o mundo da música e do teatro, já manda a mensagem, que foi carro-chefe na derrubada da ditadura militar, para agora no combate aos Bolsaminhos: “Vai passar!”

A sociedade começa a perceber que a prisão de Lula é política e a Justiça está amordaçada, alguns vendidos e outros impotentes.

Todos os artistas estão ameaçados, pois o fascismo representado por Bolsonaro sabe que seu maior inimigo é o artista. Falando em artista,  Padilha, diretor do Tropa de Elite,  diz que projeto de Moro favorece as milícias ligadas a Bolsonaro (2).

Lula Livre representa muito mais que a oposição ao projeto de entrega do país de Bolsonaro, que começou no golpe contra Dilma.

Lula é oposição a Donald Trump e sua política criminosa contra os refugiados e imigrantes, política essa que os Bolsaminhos abraçam e defendem. Ainda tem criança brasileira nos EUA separada do pai e em verdadeiros campos de concentração (4,5).

Lula vai ser uma voz dissonante ao muro do México, que personifica a política de Trump contra os imigrantes. Lula vai trabalhar para unir os países do cone sul, em defesa de politicas pautadas na defesa dos direitos humanos e na diminuição da pobreza.

Ninguém engole a ajuda humanitária na Venezuela e Lula vai ter um papel fundamental na defesa da soberania venezuelana. Os EUA estão de olho é no petróleo do Brasil e da Venezuela.

Lula tem que ocupar o parlamento e as praças públicas do mundo contra o golpe jurídico, denominado “Delação Premiada”, perpetrado por orientação de Trump. Assim ficam ameaçados os dirigentes latino-americanos, populares ou não, que defendem a autonomia de seus países contra o intervencionismo norte-americano.

O ex-presidente Alan Garcia do Peru preferiu a morte. Ele iria ser preso, também fruto de uma delação premiada feita por um bandido preso, que, para diminuir sua pena, denuncia até a mãe (6).

Lula também está preso, vítima de uma delação premiada, sem provas (7).

Odair José irá fortalecer a luta do Lula-Livre, cantando: “Eu vou tirar você deste lugar ”!

Fonte:

CAMINHONEIROS CRITICAM ALTA DO DIESEL E AMEAÇAM GREVE

REDAÇÃO -

Grupo de caminhoneiros critica o aumento de dez centavos de real no valor do diesel anunciado nesta quarta-feira (17), pela Petrobras. Há ameaças de paralisação em todo o país em um prazo de, no máximo, dez dias.


“Esse governo está louco”, afirma o caminhoneiro Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, que foi considerado um dos líderes da greve de 2018. Segundo ele, dez centavos não é pouco para a categoria. Ele exemplifica dizendo que gasta 9.000 mil litros em combustível por mês e, com o aumento de dez centavos, o custo subirá em 900 reais.

“Eu deixei as minhas intenções bem claras para o governo federal. A paralisação estava marcada para o dia 21 de maio, mas, se houvesse aumento no preço do combustível, íamos parar tudo antes”, afirma Dedéco.

Ele acrescenta que, se fosse por ele, a paralisação começaria já na segunda-feira, 22, mas, como o grupo precisa decidir em conjunto, o prazo não passaria de dez dias.

A solução defendida pelo caminhoneiro para o problema seria estagnar o preço do diesel até que haja um piso mínimo para o frete. “O preço do combustível sobe e o frete não. A conta não fecha.”

Ele ainda afirma que a liderança dos caminhoneiros que está em contato com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não representa a classe. “Muitos deles nem têm caminhão. Eles não sabem o que é viver como a gente.”

Reajuste do diesel - Após a interferência da semana passada de Jair Bolsonaro na política de preços da Petrobras, que fez a companhia voltar atrás no reajuste divulgado, o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, anunciou nesta quarta-feira, 17, aumento de R$ 0,10 no preço do diesel nas refinarias, para, em média, 2,2470 reais o litro. O novo valor já entra em vigor a partir desta quinta-feira, 18.

O reajuste é de 4,8%, em média, abaixo dos 5,7% que foram anunciados na semana passada e depois cancelados. Naquele dia, o aumento seria de R$ 0,12 –de 2,1432 reais para 2,2662 reais por litro. Segundo Castello Branco, a alta foi menor porque o frete marítimo caiu.

Questionado sobre o reajuste no diesel impactar na decisão dos caminhoneiros de fazer nova greve, Castello Branco afirmou que foi justamente essa preocupação que o fez adiar o ajuste na semana passada.

“Todos nós sofremos com a greve dos caminhoneiros no ano passado. Foi com base nisso que sustei o ajuste”, disse.

Entenda o caso - Na quinta-feira, 12, a Petrobras anunciou um reajuste de 5,7% no preço do óleo diesel, mas mudou de ideia horas depois. A alta no preço do combustível seria a maior desde que os presidentes da República, Jair Bolsonaro, e da petroleira, Roberto Castello Branco, assumiram os cargos, e mediante a tensão com os caminhoneiros, Bolsonaro admitiu ter ligado para Castello Branco para conversar sobre o valor. Um dia após o episódio, as ações da Petrobras despencaram e a estatal perdeu 32 bilhões de reais em valor de mercado em apenas um dia.

No mês passado, a Petrobras, a pedido do governo diante de ameaça de greve dos caminhoneiros, estendeu o prazo de reajuste do combustível. A companhia se comprometeu a não fazer reajustes inferiores a 15 dias. Anteriormente, a empresa adotava uma política de mantê-los estáveis por curtos períodos de tempo de até sete dias.

A Petrobras tem informado que sua política de preços busca a paridade de importação, tendo como referência indicadores internacionais como câmbio e petróleo, em busca de rentabilidade. Eventuais perdas com a manutenção dos preços seriam evitadas com hedge.

Fonte: Face do Neto

BARRABÁS

MIRANDA SÁ -

“Todos os nossos dias e em vários momentos chega-nos a pergunta: “Cristo ou Barrabás? (Daniel Brito)


Ao decidir como relator de um agravo, o ministro Celso de Mello usou a frase latina “nemo auditur propriam turpitudinem allegans” (“Ninguém pode se beneficiar da própria torpeza”), o princípio do Direito Romano que é repetidamente alardeado nos círculos jurídicos.

Somente o termo torpeza é um tanto inusual, e por isso deve ser traduzido como “desonestidade”, “falta de compostura”, “indecência”, expressões diretas que são rejeitadas na Magistratura para esconder do povo os seus segredos. Por isso, usam sentenças no latim.

No caso em pauta, perdoem-me a licença imaginativa, a pomposa frase certamente era usada por Pôncio Pilatos, governador na província romana da Judeia, execrado historicamente por ter sido o juiz que sentenciou Jesus Cristo a morrer na cruz; hoje, comparado com alguns magistrados do STF, readquire o respeito dos cristãos.

Aliás, nas igrejas cristãs Ortodoxa e Copta, Pilatos foi reabilitado, e até canonizado pela Igreja Etíope, junto com a sua mulher Santa Prócula. Os teólogos orientais concluíram que ele nada fez senão cumprir o que estava programado por Deus.

Esta absolvição deve-se ao lado humano, generoso de Pilatos, que tentou salvar Jesus a pedido da esposa Cláudia Prócula. Lembrou-se do indulto, costume judaico de soltar um preso na Páscoa, e então pediu ao povo para escolher entre Barrabás, ladrão e assassino, ou Jesus, chamado Cristo.

A multidão, agitada pelos ministros do Sinédrio liderados por Caifás, e pelos profanadores do Templo expulsos por Jesus, escolheu Barrabás; assim, Cristo foi entregue aos soldados para ser crucificado. O apócrifo “Evangelho de Nicodemos” aponta nos “Atos de Pilatos” que a condenação do Cristo é exclusiva dos fariseus.

Atualmente, no campo das leis, é clara a preocupação dos defensores do direito para que seja coibido qualquer ato de abuso de confiança, mesmo aparentemente legal. Mesmo assim, sob críticas de entidades representativas da magistratura e da advocacia, e a ampla condenação da opinião pública, vêm ocorrendo excessos inconvenientes.

Só se desviam dos princípios consagrados na Constituição com respeito à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa, jornalistas mercenários e profissionais corporativistas, uns ganhando para calar e outros atacando para se defender.

É por isto que me faço presente nesta luta pela Democracia que sofre ataques pontuais de fascistóides. Assim pede a consciência de um patriota que se coloca acima dos partidos e das personalidades políticas.

Aos cristãos de todas as denominações que atravessam esta Semana Santa que não ouçam os caifazes condenando Cristo e libertando Barrabás. É um apelo feito com amor no coração, para que todos engrossem a procissão da Liberdade, cantando o hino da “Censura Nunca Mais! ”

PRESIDENTE DO SENADO PRORROGA VIGÊNCIA DA MP 873/19

REDAÇÃO -


Foi publicado no Diário Oficial da União de ontem (18) um ato do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) que prorroga a vigência da Medida Provisória (MP) 873/19 que traz mudanças relacionados a contribuição sindical.

A MP entra em vigor assim que publicada no Diário Oficial, mas tem 60 dias de vigência e precisa ser votada nesse período ou ela perde a validade, mas com a prorrogação terá mais 60 dias para discussão.


Entenda a MP 873/19 - A MP 873/19 traz mudanças sobre o recolhimento da contribuição sindical, a principal é que o sindicato deve emitir boleto e enviar para o trabalhador, mas isso depois de o trabalhador expressar que quer contribuir com o sindicato.

A MP criou uma enxurrada de ações na justiça do trabalho para barrar o texto. No STF já tem, até o momento, sete Ações Direta de Inconstitucionalidade para serem apreciadas pelos juízes.

Fonte: Mundo Sindical

18.4.19

TOFFOLI, GILMAR MENDES, MORAES, LEWANDOWSKI, IMPLANTAM A CENSURA ABERTA E SEM CONSTRANGIMENTO

HELIO FERNANDES -

Os 3 ministros que dominavam o combate á Lava-Jato na Segunda Turma, (Gilmar, Lewandowski, Toffoli) querem transferir a censura para o plenário. Já "ganharam" o apoio de um neo-magistrado, que veio da secretaria de Segurança de SP. Autorizava a violência contra estudantes. Agora, pratica a violência contra a Constituição. Como origem e consequência, contra a democracia e a Liberdade de Imprensa.

Toffoli sabia quem estava escolhendo ao indicar para investigar criticas na Internet, o ultimo ministro nomeado, sem convicção ou tradição democrática ou entusiasmo pela liberdade. Toffoli assinalou o roteiro a ser seguido. Implantou o desrespeito á Constituição, com um discurso que escondia ou mistificava suposta apologia à liberdade de imprensa.

(Toffoli, Moraes e Gilmar, tinham todas as condições de pertencerem ao STF, de 1937 a 1945. Os nefandos 8 anos do ditatorial "Estado Novo". Vargas implantou a ditadura total, fechou Câmara e Senado, deixou o Supremo funcionando, sempre a favor da ditadura. O ditador extraditou para a Alemanha a mulher de Prestes, sabendo que ela iria para a câmera de gás, como aconteceu. O ministro da Justiça, José Carlos de Macedo Soares, incitava os advogados a entrarem com recurso no STF," vocês têm a chance de reverter a extradição". Perderam essa questão,(e todas as outras, por unanimidade) o STF era formado por 11 Toffolis, 11 Gilmar, 11 Moraes).

Agora censuraram (e mandaram retirar da Internet), criticas a ministros. A ordem já foi cumprida. Para esses 3 ministros, democracia e liberdade de imprensa, são apenas FAKE.

JORNALISTAS DE JORNAL E REVISTA DO RJ APROVAM ACORDO DE 2019. O DIA IMPEDE PARTICIPAÇÃO DOS TRABALHADORES

REDAÇÃO -


Em assembleia realizada nesta terça-feira, dia 16/04, com urnas itinerantes em diversas redações e no Sindicato, os jornalistas de Jornal e Revista aprovaram o acordo do coletivo da campanha salarial de 2019. O capítulo triste ficou para o jornal O Dia, que proibiu a urna do Sindicato de entrar na redação, impedindo os seus funcionários de votarem. Uma atitude autoritária que a direção do Sindicato repudia.

O acordo aprovado garante o reajuste da inflação do período, de 3,57% para faixa salarial até R$ 11.678,90 – para jornada de 5 horas diárias e mais 2 horas extras. Para faixa acima, valor fixo de R$ 416,93.

A proposta aprovada também garantiu o aumento no piso salarial, que será de R$ 2.000,00.

- Auxílio Alimentação: R$ 19,00 de fevereiro a julho e 19,39 a partir de agosto de 2019 para todas as empresas (inclusive as que estão em recuperação judicial).

- Auxílio Creche/Reembolso Creche ou Babá: R$ 415,00.

- PLR: as empresas, desde que apresentem lucro operacional no exercício fiscal de 2018, deverão proporcionar aos seus empregados participação nos lucros e/ou resultados, nas seguintes condições: 20% - mínimo R$ 602,00 e o valor máximo de R$ 1.093,00.

- Mensalidade Social: 1% - valor mínimo de R$ 45,00 e máximo R$ 100,00.

- Demais cláusulas financeiras: reajuste de 3,57%.

Apesar de um momento de dificuldades, com diminuição dos postos de trabalho e crise no setor, foi possível garantir a inflação e as demais cláusulas sociais já contidas nos acordos passados, além de um reajuste maior no piso salarial.

As urnas itinerantes passaram pelas redações do Globo, Folha Dirigida, Lance e Estadão. Infelizmente, O Dia foi o único jornal a impedir a participação dos jornalistas, apesar de ter sido avisado antecipadamente, assim como ocorreu nas outras redações. De qualquer forma, o Sindicato vai fiscalizar e exigir o cumprimento do acordo para todos os jornalistas da cidade do Rio de Janeiro.

Assim, a atual gestão do Sindicato encerra a campanha salarial de 2019. O acordo coletivo de jornalistas em empresas de rádio e TV já foi registrado no sistema de mediação do MTE, desde 11 de abril. 

Fonte: Sindicato dos Jornalistas Prof. do Município do Rio de Janeiro

SOMOS TODOS INDÍGENAS!

ISA COLLI -

Maneiras de abordar em sala de aula a cultura indígena sem estereótipos e de modo reflexivo.


Nesta sexta-feira, dia 19 de abril, é comemorado no Brasil o Dia do Índio. Como trabalhar essa data com as crianças, contando a história livre dos estereótipos criados durante tantos anos?

Está mais do que na hora de desmistificar o estereótipo de índio e cocar que muitos ainda têm, trazendo atividades que ajudem as crianças a entender como essas comunidades vivem nos dias de hoje. É preciso desmistificar a questão indígena do arco e flecha, cocar, pessoas nuas, sem informação. Pelo contrário, mostrar que evoluíram e podem contribuir conosco dentro de suas possibilidades culturais e nós devemos respeitar o espaço deles, sua cultura, suas crenças e seus trabalhos.

O professor precisa estar atento para não reafirmar impressões que não condizem com a realidade dos povos indígenas, celebrando nossas diferenças e valorizando o respeito. Para isso, é preciso deixar de lado atividades tradicionais e proporcionar uma reflexão por meio de leituras, músicas e filmes que abordam o cotidiano indígena mais profundamente.

A seguir, vamos apresentar algumas maneiras de fugir das abordagens estereotipadas dentro das salas de aula, proporcionando um conhecimento aprofundado e sociocultural para os alunos.

Contos e mitos indígenas

Há diversos livros infantis que abordam as lendas indígenas. Organize rodas de leitura e explique às crianças o modo como os indígenas interagem com o meio ambiente. Trabalhar com lendas em sala de aula é uma forma de valorizar a cultura dos povos nativos. Importante frisar que cada comunidade tem sua própria lenda, é necessário respeitar toda essa diversidade.

Organize uma degustação de comidas típicas

Muitas comunidades indígenas têm a mandioca como base de sua alimentação, apresente às crianças essa raiz e os diferentes e deliciosos modos de consumi-la. Também é possível preparar e oferecer bolo de milho, tapioca, pipoca e frutas nativas.

Promova uma sessão de filmes e documentários

Apresente alguns filmes e documentários que apresentem o cotidiano dos povos indígenas. É, também, importante incentivar a pesquisa na internet e valorizar cada descoberta nova dos alunos.

Sugira pesquisa de tribos indígenas brasileiras

Escolha de uma tribo e peça aos alunos que elaborem pesquisa sobre ela e desenvolvam um texto com as informações coletadas (Guaranis, Ticunas, Caingangues, Macuxis, Terenas, Guajajaras, Ianomâmis, Xavantes e Pataxós, por exemplo).

Vocabulário ilustrado

Elabore um vocabulário ilustrado com as palavras de origem indígena que usamos no nosso dia a dia.

Por fim, saliente aos alunos que a cultura indígena faz parte da essência dos povos, por isso, use diversos recursos para salientar as diferenças e como cada um deles é único. Vale ressaltar, também, que, assim como o restante das pessoas, eles acompanham a evolução do mundo. Por isso, o uso de tecnologia não altera quem são, tampouco a preservação da cultura e dos costumes.

Aguarde novo lançamento da Colli Books – A índia Inaiá. Ótima oportunidade de trabalhar em sala de aula a cultura, os costumes e as lendas do universo indígena durante todo o ano.