11.12.16

UM RIO DE DINHEIRO QUE CORRE FORA DO LEITO

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -


Um dos mistérios que cerca a operação Lava Jato é a ausência de banqueiros e financistas nas listas de suspeitos pelas irregularidades de contribuições a partidos e parlamentares. Bilhões de reais, de dólares e de euros irrigaram campanhas eleitorais sem, no entanto, deixarem sinais que pudessem ser rastreados nos bancos. Com os elementos de investigação que estão à mão de procuradores e policiais federais, é estranho que nada tenha sido descoberto dessa montanha de dinheiro que necessariamente terá passado pelos bancos.

De duas, uma: ou os banqueiros são excepcionalmente honestos, ou são excepcionalmente espertos. Posso mencionar também uma terceira alternativa: são os maiores corruptores no Brasil e no mundo. Não compram apenas parlamentares, mas compram a grande mídia que domina os parlamentares e controlam a opinião pública. Por isso não há banqueiro preso. Minto. Parece que um dirigente do Bradesco foi preso em outra operação mas seu nome desapareceu rapidamente da mídia. Deve estar silenciosamente solto.

A operação Lava Jato surgiu no Paraná a partir de uma denúncia do então governador Roberto Requião sobre irregularidades nas operações de câmbio no Banestado. Ninguém importante foi preso. O juiz Sérgio Moro, tão valente para prender empreiteiros, não foi valente o bastante para prender banqueiros. Quando a operação renasceu sob o nome de Lava Jato ele resolveu compensar a frustração anterior e carregar a mão nas prisões irregulares e nas penas. Deve ser louvado, pois está fazendo uma profilaxia política no Brasil.

O problema com ele, porém, é o excesso na interpretação distorcida da lei. A Lava Jato é um centro de atrofia do sistema jurídico nacional, negando o direito de habeas corpus, a presunção de inocência, o devido processo legal e a proteção contra vazamentos de interrogatórios não homologados. Contudo, a ferocidade de Sérgio Moro na condução dos processos de certa forma anulou o sistema recursal no Judiciário, já que as instâncias superiores, inclusive o Supremo, estão intimidados em contrariar o juiz de primeira instância.

A fantástica proteção legal aos banqueiros, os quais certamente são os maiores financiadores de campanhas no Brasil (e no mundo, veja os Clinton e Wall Street), os coloca acima de qualquer suspeita e de qualquer responsabilidade. Um empresário metido a honesto comentou comigo a respeito dos grandes crimes dos empreiteiros, que ele condenava. Está certo, respondi. Cometeram irregularidades e devem ser processados e eventualmente condenados. Contudo, deixam um legado: Itaipu, Tucuruí, Belo Monte, Furnas etc etc. Qual é exatamente o legado dos bancos corruptos e corruptores que foram protegidos por Fernando Henrique com o Proer dos anos 90?

O sistema político brasileiro não estará completamente limpo se, depois dos empreiteiros, não chegar a vez dos banqueiros e financistas. Bastar seguir o rastro das doações legais e ilegais das campanhas eleitorais. Um elemento importante dessa investigação é levá-la aos escaninhos da grande mídia protegidos hipocritamente pela liberdade de imprensa. E um meio de chegar aos manipuladores é investigar, por exemplo, as contas dos parlamentares por ocasião da rejeição do projeto da CPMF no Congresso. Sim, porque mais do que produzir receita, a CPMF é um poderoso instrumento legal de combater a corrupção no sistema financeiro por obrigar ao registro das operações. Por isso os bancos ficaram contra.

SÉRGIO MORO INTIMA O PETROLEIRO

EMANUEL CANCELLA -

O lançamento do livro “A Outra Face do juiz Sérgio Moro” será até o final do corrente ano.


A intimação do MPF de nº 09/2016 (PR-RJ - 00080581/16) datada de 09/11/16, chegou a minha residência por volta 16:00 h do dia 9/12. Liguei para o MP, no mesmo dia, por volta das 17:30 h, para saber quem seria o pseudo-ofendido das “ (...) Possíveis práticas de crime contra a honra de servidor público federal...” Falei com uma atendente, que passou para a outra, que por sua vez mandou que eu ligasse 20 minutos depois. Liguei e fiquei sabendo que o autor da intimação era o juiz Sérgio Moro.

Em primeiro lugar, quero dizer que não conheço o juiz pessoalmente, não tenho nenhum problema pessoal contra ele, entretanto tenho severas críticas à operação Lava Jato que ele comanda.

Quero salientar também que a Lava Jato tornou-se o maior acervo da vida politica brasileira contemporânea, porém, na minha concepção, e de muitos, Moro usa de forma seletiva essas informações.

Aliás, esses questionamentos da seletividade foram feitos não só no Brasil como nos EUA e agora na Alemanha. E tanto nos Estados Unidos como na Alemanha Moro responde de forma cínica. Nos EUA, segundo divulgação da imprensa: “O juiz Sergio Moro disse que não julgou casos relacionados ao PSDB porque investigações sobre o partido não chegaram a ele (1).” Na Alemanha: “Moro chama de “infeliz” foto em que aparece rindo com Aécio Neves, mas ressalta que senador não é investigado. (2)”

Entretanto todos sabem que governo tucano de FHC, na Petrobrás, já foi denunciado várias vezes e ainda, na certeza da impunidade, o próprio FHC reconhece no livro Diários da Presidência que havia corrupção na Petrobrás, em seu governo. Além disso, o filho de FHC já foi citado, em negócios espúrios, pelo ex-diretor da Petrobrás preso, Nestor Cerveró, como também pelo operador do PMDB, Fernando Baiano. Aécio Neves não é investigado na Lava Jato simplesmente porque o juiz Moro não quer, pois já foi delatado mais de 5 vezes.  Moro faz ouvido de mercador (3, 4).

Alguém tem que dizer ao juiz Moro que o mundo e a informação hoje são globalizadas. Com isso a Lava Jato não se restringe à “Republica de Curitiba” e o mundo está acompanhando o golpe que está acontecendo no Brasil.

Moro tem que explicar à sociedade a sua colaboração exacerbada com o governo dos EUA em relação à Petrobrás, já que, além de convocar os procuradores estadunidenses para investigar a Petrobrás, ainda autorizou os corruptos da Empresa a irem testemunhar contra o Brasil nos tribunais americanos(6). Logo os americanos que estão doidos para abocanhar o pré-sal! Assim fica fácil para eles!

Moro autoriza essa “ajudinha” os americanos, em detrimento do Brasil, mesmo sabendo que se trata de uma farsa a principal acusação nessas ações contra a Petrobrás. Os gringos espertamente alegam, e Moro fornece argumentos, que a corrupção seria a motivação da queda das ações da empresa.

Entretanto o mundo sabe que as ações, de todas as petroleiras do mundo, não só da Petrobrás, caíram por conta da desvalorização do barril do petróleo. Na verdade, a queda do valor do barril, e consequentemente das ações, foi artimanha dos EUA, em conluio com a Arábia Saudita, que juntos aumentaram a oferta do petróleo no mercado, derrubando o preço de US$ 140 para US$ 30. Tudo isso faz parte da política internacional americana para usurpar o petróleo alheio, prejudicando assim países produtores como a Rússia, Ira, Venezuela e Brasil.

E a blindagem aos tucanos segue agora na Petrobrás! A Lava Jato, que diz combater a corrupção na Petrobrás, se furta a barrar a gestão do tucano Pedro Parente na empresa. Parente está fazendo uma verdadeira liquidação com os ativos da Petrobrás, num verdadeiro bota-fora com o patrimônio conquistado com o suor do povo brasileiro. Inclusive a venda de ativos está sendo interrompida pelo TCU (5).

Parente está vendendo, sem licitação, o petróleo do pré-sal do campo de Carcará a preço de um refrigerante, quando o preço do barril no mercado internacional está acima de US$ 50.

Fico preocupado porque essa intimação chega no momento em que o meu livro,  A Outra Face do juiz Sérgio Moro, está na fase final de revisão para em seguida ir para a gráfica. O lançamento do livro será com até o final do ano. Aliás, quero agradecer, de público, à brilhante jornalista Fátima Lacerda que, sem ela, essa obra não seria concretizada, como também aos cartunistas Mega e Latuff. Esclareço que toda renda do livro, incluindo o trabalho gratuito da jornalista, será doada para os cerca de dois milhões de trabalhadores demitidos em função da Operação Lava Jato, sendo retirados apenas os custos da edição, financiado pelo autor.

Quero dizer que o livro expressa críticas à atuação do juiz Moro, mas também dá a ele a oportunidade de explicar situações da Lava Jato questionadas no Brasil e no mundo!

Fonte:

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP)

SINPOSPETRO-NITERÓI ANUNCIA COMPRA DA SUBSEDE PRÓPRIA DE PETRÓPOLIS

Via SINPOSPETRO-NITERÓI -


No dia em que comemora sua fundação, o Sinpospetro-Niterói anuncia a compra de sede própria em Petrópolis. O anúncio foi feito pelo presidente do Sindicato, Alexsandro Silva, em nota dirigida a toda a categoria neste sábado (10). “Com três anos de fundação e um ano de trabalho efetivo, após a concessão da carta sindical, nosso Sindicato demonstra que foi criado pelos trabalhadores, para servir aos trabalhadores”, afirma Alex Silva.

Conheça a íntegra do comunicado do presidente do Sinpospetro-Niterói:

Nota em comemoração pelo aniversário de fundação do Sinpospetro Niterói e Região:

Companheiras e Companheiros,

Hoje é um dia de grande importância para todos os trabalhadores dos postos de combustíveis e lojas de conveniência de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Tanguá, Saquarema, Araruama, Iguaba Grande, Magé, Guapimirim, Teresópolis, Petrópolis e Cachoeira de Macacu, pois neste dia comemoramos a fundação do Sinpospetro Niterói e Região.

Com três anos de fundação e um ano de trabalho efetivo, após a concessão da carta sindical, o Nosso Sindicato demonstra que foi criado pelos trabalhadores, para servir aos trabalhadores.

Assim, se torna necessário relembrar parte de nossa atuação em prol da nossa categoria. Vejamos:

• Mais de 250 empresas denunciadas por práticas de irregularidades trabalhistas;

• Um referencial na busca de aposentadoria dos trabalhadores expostos a agentes nocivos;

• Inauguração de subsede em Petrópolis para atender aos trabalhadores da Região Serrana;

• Realização de campanha de sindicalização em massa, filiando 30% da categoria;

• Dezenas de reuniões com empresas, que resultaram em adequações e cumprimento dos direitos, antes desrespeitados;

• Conquista de reajuste salarial de 12%;

• Conquista de abono;

• Conquista de tíquete alimentação;

• Inauguração de consultório odontológico, na sede do Sindicato;

• Convênio com 10 clínicas para atendimento aos trabalhadores e seus familiares, em várias especialidades médicas;

• Convênio com consultório odontológico em Petrópolis para atendimento da categoria na Região Serrana;

• Aquisição de veículo próprio;

• Um Departamento Jurídico diferenciado, com conquistas para os trabalhadores, através de liminares, como restabelecimento de plano de saúde, obrigação de concessão do assento para descanso, bebedouro e etc.

Além disso, quero, neste dia tão especial, anunciar para toda a categoria a compra da sede de Petrópolis, numa demonstração de zelo para com os recursos dos trabalhadores, em uma gestão que, com apenas um ano de trabalho efetivo, prova que tem projetos e faz História.

Por fim, em nome da toda a Equipe, quero agradecer a cada trabalhador que acredita no Sinpospetro Niterói e Região e convidar a todos para a luta, que é permanente!

Um forte abraço,

Alex Silva
Presidente

SÓ UM MAREMOTO RESOLVERIA

CARLOS CHAGAS -


Apesar de escandaloso, o primeiro vazamento da lista de delatores da Odebrecht não despertou tempestades de indignação nas ruas. O mais que telejornais e outros meios de comunicação ensejaram foi um comentário generalizado na opinião pública: “eu já sabia”. Realmente, nenhuma surpresa a lista causou. Os nomes divulgados e publicados formam a linha de frente dos acusados de corrupção. Caberá ao Supremo Tribunal Federal provar se houve recebimento de dinheiro podre ou doações legais para candidaturas recentes, assim como quais as compensações promovidas pelos montes de políticos envolvidos nas tramoias.

Do presidente da República a líderes de todos os partidos, ministros, governadores e parlamentares, saem todos enlameados, apesar das negativas.

Muito tempo transcorrerá até que sejam julgados e talvez condenados os integrantes dessa quadrilha variada que em momento algum surpreendeu o país. Para muita gente nem valeria à pena ficar comparando um por um os nomes dos denunciados. Que tal reunir as listas de presença da Câmara e do Senado, mais a relação dos ministros e altos funcionários, para selecionar apenas os que não estão implicados na roubalheira? Muito tempo e fartos recursos seriam poupados.

Para limpar as cavalariças do rei Áugias, Hércules precisou desviar o curso de um rio. Aqui, dada a extensão do território nacional, seria necessário um maremoto.

POR ENQUANTO, ESCAPOU

Até prova em contrário, o nome do Lula não apareceu na primeira versão da lista da Odebrecht. É verdade que já se tornou réu num processo de corrupção, tornando-se candidato a mais três. Mesmo assim, o Ministério Público do Distrito Federal gostaria de ver o ex-presidente arrolado na lista da empreiteira.

SINAIS DE AMEGANHAMENTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DO JUDICIÁRIO

Por EUGÊNIO ARAGÃO - Via Jornal GGN -


A linguagem trai, por vezes, nossas mais íntimas intenções. Adjetivações em excesso, por exemplo, demonstram estado emocional desequilibrado de quem delas abusa em seus escritos argumentativos, seja no plano das asserções políticas, seja em peças processuais em juízo.

É razoável que a parte privada num processo, no uso de seu direito de espernear e na exibição de sua inconformação, lance mão de adjetivos e até de agressividade verbal. A defesa, numa ação penal, é, afinal a parte mais fraca e seu protesto verbalmente violento contra abusos de agentes público não é nada mais que o exercício do direito de manifestação política. Às favas com as descompensações emocionais!

Leia mais em POLÍTICA

1 - DELATOR DIZ QUE ODEBRECHT REPASSOU R$ 30 MILHÕES PARA O CAIXA 2 DO PREFEITO EDUARDO PAES; 2 - ALERJ MUDA AGENDA DE VOTAÇÃO DAS PROPOSTAS DO GOVERNO ESTADUAL

REDAÇÃO -


O momento é realmente inédito, sensacional, tantos são os políticos com a bunda na janela... Um dia depois de ter tido os bens bloqueados sob a acusação de ter prejudicado as contas da Prefeitura na construção do campo de golfe para a Olimpíada, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), é atingido pela delação premiada da Odebrecht e suas dezenas de executivos.

Segundo o diretor de Infraestrutura da Odebrecht no Rio, Leandro Andrade Azevedo, a empreiteira desembolsou R$ 11,6 milhões e US$ 5,7 milhões, não declarados, para o caixa 2 da campanha de Paes à reeleição em 2012, informa a coluna Radar Online.

"Parte do dinheiro foi entregue em espécie no endereço da agência Prole, no Rio, e o restante, em contas no exterior indicadas pela mesma empresa de publicidade, que prestava serviços à campanha", detalha a nota.

O mesmo esquema abasteceu o caixa 2 do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Leia também:

A TRAJETÓRIA COERENTE DO PINÓQUIO-CARREIRISTA


***
ALERJ MUDA AGENDA DE VOTAÇÃO DAS PROPOSTAS DO GOVERNO NO RIO

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro transferiu para quarta-feira (14) a votação da proposta enviada pelo governo do estado para aumentar a contribuição previdenciária de servidores e pensionistas.

Outros três projetos também tiveram votação adiada para quarta, e a presidência da casa afirma que a medida pretende dar mais tempo para negociar as propostas. O debate dos projetos na assembleia legislativa têm gerado protestos de servidores de diversas categorias, uma vez que muitos já enfrentam atrasos no pagamento e incertezas em relação aos próximos salários. (informações Brasil 247 e ABr)

AIDS, 35 ANOS DEPOIS

Por RICHARD PARKER - Via Carta Capital -

Chegamos aos 35 anos de epidemia de HIV e AIDS em 2016 diante de vários dilemas. Perdemos o pioneirismo mundial no enfrentamento da doença, estamos na contramão da tendência global de queda do número de infecções pelo HIV (entre os jovens, sobretudo, a tendência no Brasil é de crescimento) e estagnamos nas campanhas de prevenção.

A resposta brasileira à epidemia de AIDS, outrora exemplo para o mundo, tem perdido a luta para a falsa moral e o conservadorismo.

Leia mais em CIÊNCIAS

SALÁRIOS E NÚMERO DE PARLAMENTARES NÃO SÃO A RAZÃO DA CRISE BRASILEIRA

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -


Na Alemanha dos anos 30 o culpado pela crise era o judeu. No Brasil atual o culpado apontado na internet é o parlamentar que ganha dinheiro demais. Não é o parlamentar que vende seu voto à banca privada, que financia suas campanhas milionárias com dinheiro de empreiteiras, que rouba na emenda parlamentar para compra de ambulâncias. A suprema imbecilidade de inspiração fascista de que a crise vai ser resolvida reduzindo o número e o salário dos parlamentares é resultado de uma avaliação superficial do processo político e da estrutura parlamentar por parte de quem não tem a menor noção do que está falando.

O parlamentar brasileiro típico, quando corrupto, não se candidata para ganhar salário. Candidata-se para ter poder e usá-lo para a corrupção passiva. O salário, as mordomias, o gabinete são apenas meios de acesso funcionais comuns a contratos milionários, dentro ou fora da estrutura do Estado, que se traduzem em receitas de milhões de reais. Compare o salário, maior que seja, de um parlamentar com o custo de sua campanha política. É desproporcional. A campanha política custa dez, vinte vezes mais que o valor do salário e das mordomias correspondentes. Por que o candidato gastaria tanto dinheiro para tão pouco?


Essa campanha que graça na internet para a redução do número, do salário e das mordomias dos deputados e senadores, e que junta galhos com bugalhos, é um besteirol de inspiração fascista para desviar a atenção do principal. Parece que as pessoas não estão compreendendo o que a operação Lava Jato revelou: propinas milionárias, centenas de vezes o salário de um deputado ou senador, oferecidas pelas empreiteiras com a retaguarda de empresas públicas, notadamente a Petrobrás. É aí que tem de ser atacado o problema. O vínculo entre parlamentar e financiamento empresarial de campanhas tem que ser rompido.


É claro que pode ser estabelecido um limite para ganhos lícitos dos parlamentares. Tem que levar em conta o tamanho do país, a estrutura de um governo concentrado em Brasília, a necessidade de contatos com as bases nos Estados, e todo um processo de relações com os representados que custa dinheiro num país continental. Em contrapartida, é preciso levar em conta que, sem determinadas mordomias, pobre não pode ser deputado ou senador. Esses cargos teriam que ser reservados exclusivamente aos ricos que poderiam arcar com as respectivas despesas. E os pobres ficariam sem representação no parlamento.


Quando Péricles, o líder democrático grego oriundo de duas famílias aristocráticas, chegou ao poder de Atenas, só aristocratas ricos podiam exercer cargos públicos. Ele acabou com isso, criando salários para cidadãos pobres que concorressem ou fossem indicados por sorteio a magistraturas. Esse princípio subsistiu em todas as democracias criadas na Idade Moderna sob inspiração ateniense. Naturalmente que o sistema pode ser distorcido quando os parlamentares, legislando sobre seus próprios salários, decidem aumentá-los injustificadamente. Mesmo isso, porém, não representa

motivo para crise econômica.


O que está acontecendo, quando se levantam grandes protestos contra salários de parlamentares, é a reprodução do fascismo e do nazismo naquilo que tinham para desviar a opinião pública dos problemas centrais. O inimigo do povo brasileiro, o inimigo da nação, o inimigo do desenvolvimento é a banca privada, infelizmente em conluio com a banca pública e o Banco Central. Sintomaticamente, não há banqueiros ou financistas arrolados nos crimes da Lava Jato. Assim, não temos crise por conta de salários de parlamentares. Temos crise porque se construiu um sistema de dívida pública, alimentada por taxas de juros oficiais escorchantes, que estrangula o sistema produtivo e mantém a economia em depressão.

10.12.16

AÉCIO PEDIU PARA MARCELO ODEBRECHT DAR R$ 1 MILHÃO A AGRIPINO MAIA; OS 7 MAIS NA DELAÇÃO DO EXECUTIVO DA ODEBRECHT; PGR escala 100 procuradores para delação

REDAÇÃO -

Confira essa parte da delação de Claudio Melo Filho, da Odebrecht:

"Tenho relação profissional há cerca de 05 anos com o Senador José Agripino, que sempre se referiu a companhia com muita cordialidade, fazendo questão de mencionar a sua relação pessoal com Emílio Odebrecht.

Em uma ou duas oportunidades, durante o ano de 2014, estive reunido com o Senador para tratar sobre a política na Bahia, especialmente em razão da minha amizade com Geddel Vieira Lima e da relação conflituosa que se estabeleceu em decorrência da retomada da candidatura de Paulo Souto, do partido do Senador José Agripino, ao Governo da Bahia.

Além disso, quando a mídia ventilou que, em eventual vitória de Aécio Neves na campanha presidencial de 2014, o Senador José Agripino poderia ser postulante ao cargo de Ministro de Minas e Energia, estive com o parlamentar. O material foi um estudo sobre a problemática da crise energética no Brasil e eu levei este material ao Senador, pedindo a ele que olhasse com carinho, especialmente no que diz respeito aos impactos da energia sobre o Nordeste.

Por ocasião ainda da campanha de 2014, a pedido de Marcelo Odebrecht, comuniquei ao Senador que a companhia iria fazer um pagamento a ele no valor de R$ 1.000.000,00. Destaco que o Senador José Agripino não era candidato a cargo eletivo nas eleições de 2014. Segundo me foi dito por Marcelo Odebrecht, esse valor teria sido solicitado a ele pelo Senador Aécio Neves como uma forma de apoio ao DEM, que era presidido à época pelo Senador José Agripino".

***
Os 7 nomes mais mencionados na delação do executivo da Odebrecht

Jucá: 105
Geddel: 67
Renan: 60
Padilha: 45
Temer: 43
Cunha: 37
Moreira Franco: 35

***

PGR escala 100 procuradores para delação da Odebrecht

A Procuradoria Geral da República escalou 100 procuradores para ouvir os depoimentos de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht que assinaram acordo de colaboração premiada com a Operação Lava Jato.

Essa é considerada a maior delação premiada já fechada no mundo – sendo que a empresa se comprometeu a pagar em multa e indenização R$6,7 bilhões, desembolsados ao longo de 20 anos.

O acordo ainda é tido com o mais explosivo envolvendo o esquema de corrupção da Petrobras, atingindo em cheio o presidente Michel Temer e seu núcleo duro, além de mais de 10 governadores, 100 deputados e mais de 20 senadores, entre governistas e oposicionistas.

Para a tomada dos depoimentos, os procuradores vão atuar em duplas e as falas ocorrerão em vários Estados. A empresa deve custear a maior parte dos deslocamentos dos delatores, o que deve representar uma economia para os cofres públicos.

Os delatores da Odebrecht começam a ser ouvidos na segunda-feira (12). Ao longo da semana já falarão os principais nomes da empresa, Marcelo Odebrecht e seu pai, Emílio Odebrecht.

Na última semana, a PGR fechou o cronograma de todos os depoimentos. Também foram tomados dois depoimentos pontuais fora da capital federal. A expectativa é de que a fase dos depoimentos possa levar um mês, mas os investigadores correm para acelerar o ritmo. (via Jota)

COMPUTADORES DO PRODERJ ESTÃO AMEAÇADOS DEVIDO AO DESCOMPROMISSO PÚBLICO DE JORGE PICCIANI E PEZÃO

ILUSKA LOPES -

Os computadores valem R$ 200 milhões. Reprodução arquivo Google.
O que parece estar ruim pode ficar ainda pior. A internet e as atividades administrativas de diversas secretarias do governo do Rio de Janeiro serão prejudicadas. DETRAN, Secretaria estadual de Administração Penitenciária (SEAP), Polícia Civil, Polícia Militar, Instituto de Pesos e Medidas (IPEM), Secretaria de Educação e outros órgãos do estado estão ameaçados pela interrupção de energia elétrica e fornecimento de água no edifício Lúcio Costa, antigo ‘Banerjão’, por conta das obras de modernização realizada no prédio, recentemente comprado pela Assembleia Legislativa do Estado (ALERJ).

Este procedimento teria sido comunicado ao PRODERJ por ofício expedido pela ALERJ por decisão do presidente da casa, deputado Jorge Picciani. As informações são do vice-presidente da Associação dos Servidores do Proderj (ASCPDERJ), Júlio César Faustino, e da assessoria de imprensa da entidade.

A ASCPDERJ alerta para os riscos de tais medidas:

1. Parte dos computadores do PRODERJ (Data Center) está localizada no 3º andar do ‘Banerjão’. Servidores do PRODERJ permanecem no local trabalhando para garantir Sistemas como Pré-matrícula, Sistema de Protocolo, Sistema de Roubos e Furtos, Dívida Ativa, PROEIS, Sistema de Pagamento (SIGRH), entre outros, incluindo o tráfego de dados e conexões, mas existe alto risco de todos serem interrompidos. No dia 14 de outubro houve o desligamento da energia elétrica do edifício pela empresa de engenharia, isso danificou alguns dos equipamentos e interrompeu os serviços, demandando grande esforço dos técnicos para regularização.

2. A interrupção no fornecimento de água, além de trazer problemas ao uso humano, interromperá o funcionamento de parte dos equipamentos de ar condicionado do Data Center que utiliza água. A refrigeração do ambiente é importante para o bom funcionamento dos equipamentos. A elevação da temperatura acima do tolerável fará com que os equipamentos se desliguem automaticamente.

A saída do Data Center do PRODERJ no edifício se arrasta. Cabe à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e à direção do PRODERJ apresentarem as soluções que preservem o patrimônio e as informações mantidas pela autarquia. Não é possível que até este momento não tenha havido uma solução técnica para o problema, colocando em risco equipamentos e informações do Estado e dos cidadãos por uma decisão de alguém que não entende a dimensão do problema, mas que detém grande poder.

A ASCPDERJ, Associação dos Servidores do PRODERJ, mais uma vez, alerta que os computadores do PRODERJ e a custódia da informação estão correndo riscos devido à total falta de compromisso público por parte do presidente da Alerj, Jorge Picciani e também do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, SECTI, Gustavo Tutuca, em resolver definitivamente a saída desses equipamentos que valem 200 milhões, sem prejuízo aos cofres do estado e a população. Em função da gravidade dos fatos a ASCPDERJ encaminhou nessa sexta feira (9) documentos ao Ministério Público alertando sobre os riscos.

O sofrido cidadão-contribuinte-eleitor só quer respeito com nosso patrimônio, será pedir demais ou seria o mínimo? Com a palavra o presidente Jorge Picciani, o secretário Gustavo Tutuca e o governador Luiz Fernando Pezão. Pobre Rio...

1 - PRESIDENTE DA UGT PARTICIPA DA 4ª CONFERÊNCIA DA UNI-AMÉRICA; 2 - CURSO DE PAPAI NOEL NO SECSP

Via SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS-SP -


Durante a participação do presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, na 4ª Conferência da UNI-Américas, em Medellín, na Colômbia, nesta sexta-feira, dia 9/12, falou-se sobre a necessidade de mudança e a importância da UNI e dos jovens para esta constante transição. O presidente agradeceu o papel fundamental da secretária regional da UNI-Américas, Adriana Rosenzvaig, e do Secretário Geral da UNI Global Union, Philip Jennings, ambos de saída pelo grande legado de mudanças no papel da UNI.

Sabemos que, independente de governos, a tecnologia avança e desemprega. Portanto, temos que discutir política. Faz parte, mas a tecnologia avança independente da cor de governo.

***
Curso de Papai Noel no Sindicato


Em mais um ano, a Claus Produção Artísticas, em parceria com o Sindicato dos Comerciários de São Paulo, realizou nesta sexta-feira (09), um curso para quem pretende ser papai e mamãe noel ou noelete.

Silvio Ribeiro, o Papai Noel mais antigo do Brasil, além de ensinar a técnica do famoso Ho! Ho! Ho! contou sobre a origem e de como os candidatos a “bom velhinho” devem se comportar diante do público.

“Pra ser um bom Papai Noel precisa necessariamente gostar de crianças, ser bonachão, gostar de rir e ter otimismo e alegria. Além de ser gordinho, carismático e amar o ser humano”, disse Silvio.

O curso é o último do ano e, em tempos de crise, a procura por uma oportunidade nesta época do ano é grande. Segundo Silvio, existe muita procura de interessados a se tornarem Papai Noel, porém as fontes de trabalho estão em restrição devido a crise. Os shoppings e lojas, por exemplo, estão contratando menos. Por isso há mais procura do que oferta. São pessoas de todas as áreas buscando uma oportunidade de trabalho para este Natal.

É o que pretende José Carlos Camilo, de 61 anos. “Ser Papai Noel é um sonho. Os meus netos vão adorar. Sou motorista particular, mas gostaria de ter uma experiência como Papai Noel e ajudar nas despesas financeiras deste mês”, disse o motorista particular.

Silvio Tadeu Mascarenhas também deseja uma oportunidade ainda para este ano. “A festa de Natal me deixa muito animado e o Papai Noel é um personagem muito forte. Vou aproveitar e quem sabe conseguir uma oportunidade, ainda para este ano”.

De bigode e barba branca, João Molnar aproveita o perfil para ser um ‘bom velhinho’. “Ho! Ho! Ho! Sim quero ser papai Noel. Estou achando o curso fantástico. Aqui se tem noção do que é preciso para ser um Papai Noel”, declara o ex-comissário de voo.

Ao final do curso, os candidatos preencheram uma ficha de cadastro, foram fotografados para candidatar-se as vagas. Todo esse material ficará sobre os cuidados da Produtora, que os encaminhará as possíveis oportunidades.

Leia também:

DA MOEDA À PREVIDÊNCIA, BRASIL SEGUE EM MARCHA RÉ

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -


A cada dia que passa o Brasil anda para trás. Um exemplo dessa barbaridade que se acentua com o governo ilegítimo e usurpador de Michel Temer é a Casa da Moeda, que existe há 322 anos.

Por iniciativa do governo golpista, a Câmara dos Deputados aprovou esta semana uma medida provisória que autoriza o Banco Central (BC) a comprar no exterior papel-moeda e moeda metálica de fornecedores estrangeiros para abastecer a circulação de dinheiro no país. Tem mais, em situações de emergência, a compra poderá ser feita sem licitação.

O relator da MP-745, Leonardo Quintão (PMDB-MG), levou mais de 35 minutos para ler o seu parecer e voto, que poderia ser apresentado em 10 minutos ou menos. Quintão demonstrou que a língua portuguesa não é o seu forte.

Qualquer desavisado que assistisse a leitura do relator pensaria que Quintão é um analfabeto funcional, mas não é a intenção neste artigo de submeter Quintão a um teste nos moldes feitos ao deputado Tiririca.

Depois da aprovação pela Câmara dos Deputados - uma Casa Legislativa cuja maioria dos integrantes faz o que o governo golpista quer - o texto da violência contra a Casa da Moeda seguiu para o Senado. Mas o fato é tratado de forma a evitar que os brasileiros tomem conhecimento de mais uma investida contra a nação, o que representa de fato a Medida Provisória que dispõe, vale repetir, que em situações de emergência a compra no exterior pode ser feita sem licitação, o que, convenhamos, é uma temeridade.

Essa violência contra a Casa de Moeda faz parte de todo um contexto em que o governo ilegítimo está levando o Brasil a se transformar numa colônia de baixa categoria.

A informação que circula sobre o fato é quase nenhuma. O governo golpista pretende com isso que a MP, que agora seguiu para o Senado, se torne definitiva. É o jogo (sujo) que o governo está implantando no país, na prática um prolongamento de outras medidas lesa pátria, como, por exemplo, a entrega do petróleo do pré-sal para empresas estrangeiras, como sempre advogou o atual ministro José Serra.

Mas à medida que atinge a Casa da Moeda repete com maior força o que foi feito no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1994, quando da adoção do Plano Real a nova moeda foi impressa no exterior.

Agora, sob a justificativa pouco convincente segundo a qual a Casa da Moeda não deverá conseguir atender à demanda programada de fabricação de cédulas e moedas no exercício financeiro, parte-se para o trabalho de impressão no exterior, liquidando-se na prática com uma instituição que funciona há 322 anos.

Outra barbaridade

As barbaridades que estão sendo cometidas ultimamente não se resumem à Casa da Moeda. O relator da reforma da Previdência, na Comissão de Constituição de Justiça, o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), em poucas horas, menos de 48, deu parecer favorável ao projeto apresentado pelo governo golpista, que se for aprovado atingirá em cheio os setores mais pobres da sociedade brasileira.

Aliás, já se comenta que de tão absurdo é o projeto da reforma da Previdência que pode ser sido colocado em prática pelo governo o tal esquema “bode na sala”, ou seja, de tão absurdo pode estar sujeito a modificações e dar oportunidade a parlamentares como o tal Paulinho da Força Sindical aparecer como contrário a certos pontos.

Mas tudo que está acontecendo é uma demonstração do desprezo do governo golpista para com os trabalhadores. A mídia conservadora justifica diariamente a “necessidade da reforma”, em mais uma lavagem cerebral para fazer a cabeça de incautos.

Não se fala de como é feita a contagem do orçamento da Previdência, cujos fundos em anos passados foram desviados para serem manejados pelo governo para promover obras e não foram repostos.

A mídia conservadora prefere ignorar totalmente o quanto empresários devem ao INSS e também que a ditadura logo em seu início acabou com antigos e bem sucedidos Institutos de Aposentadorias, como dos Bancários (IAPB), Comerciários (IAPC) e outros como o IAPETEC (Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas) etc, superavitários.

Tudo isso aconteceu, mas não se fala sobre, optando a mídia conservadora em martelar diariamente que a Previdência é deficitária e chefões do governo golpista, como o Ministro Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, para não falar de o próprio presidente golpista Temer chantagearem com afirmações segundo as quais se a reforma não for feita chegará o momento que o Estado brasileiro não terá condições de pagar os proventos dos aposentados.

O governo golpista prefere fazer o jogo do capital financeiro em detrimento da maioria da população brasileira. Mas isso também é tabu para a mídia conservadora.

Justiça de olho em poderoso Ministro golpista

Eliseu Padilha, que alguns, como Ciro Gomes, o chamam de Eliseu Quadrilha, é agora acusado de ocupar irregularmente uma área em Palmares do Sul (RS). O ministro se defende alegando ter direito à propriedade por usucapião, ou seja, quando a aquisição ocorre pela posse prolongada da terra, e não pela compra. Mas a família Perdomini, que acusa Padilha, garante que comprou as terras no início dos anos 70, tendo uma matrícula registrada em cartório atestando a posse e a permanência na área. Padilha contesta. Resta saber qual será a decisão da Justiça.

Tem mais: Padilha e seus seis sócios, segundo se noticia nos jornais, tiveram confiscadas 1.900 cabeças de gado no Estado do Mato Grosso. A ação policial nesse sentido foi feita porque Padilha e seus seis sócios são acusados de promoverem degradação ambiental. O poderoso ministro do governo Temer e seus sócios estão recorrendo na Justiça.

Já há quem diga que Eliseu Padilha poderá ter o mesmo destino de Geddel Vieira Lima, atualmente fora de circulação em Salvador.

*Publicado no site Brasil de Fato.

PIOR NÃO FICA ? MAS PARA MICHEL TEMER, FICOU…

CARLOS CHAGAS -


Do jeito que as coisas vão, Michel Temer não completa o seu mandato. Nenhum presidente da República tem sido tão humilhado como ele. Com todo o respeito, mas S. Exa. acaba de perder o próprio, com o recuo da nomeação de Antônio Imbassay para ministro da Articulação Política (ou secretário de Governo). Partidos grandes e pequenos tripudiam sobre sua figura, tanto quanto o Senado humilhou o Supremo Tribunal Federal.

Leia mais na COLUNA