19.2.17

GOVERNO QUER ENTREGAR TERRAS DO PAÍS AO AGRONEGÓCIO ESTRANGEIRO

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -


O Governou decidiu, já que tem ampla maioria no Congresso, favorecer a compra de terras brasileiras por indivíduos e empresas estrangeiras interessadas no agronegócio. É o último capítulo de um programa desnacionalizante que tem por objetivo ignorar ou liquidar as empresas industriais brasileiras e fazer o país regredir a uma situação de primário-exportador. Voltaremos aos tempos do Velha República, quando um grupo de magnatas do café dominava a economia brasileira e toda a demanda industrial interna era coberta por importações.

A consequência conhecida do modelo primário-exportador é a total dependência do mercado externo de commodities. Toda a vez que os preços das commodities – seja café, no passado, seja a soja ou minério de ferro, agora – caíam lá fora entrávamos em crise do balanço de pagamentos. O ciclo atual está sendo atenuado pela grande acumulação de reservas cambiais dos governos Lula. Mas isso acaba. Por isso, a aposta no agronegócio é uma falácia desde quando o entreguista Eugênio Gudin pontificava nesse sentido nos anos 50.

A indústria básica, com Getúlio Vargas, e a indústria de transformação, com Juscelino, seguidas de seu aprofundamento nos governos militares, é um legado que está sendo destruído a toque de caixa pelo Governo Temer. Similar ao que está acontecendo com o chamado legado olímpico, em grande parte já destruído, o avanço anterior na industrialização está sendo degenerado por Temer e Meirelles, eles que nada fizeram ou fazem em favor do desenvolvimento do país. Apenas dilapidam o que já existe, da Petrobrás aos serviços de água.

O que ainda resiste da indústria brasileira depois de anos de política cambial catastrófica, que aliás continua, está sendo sucateado. Querem agora eliminar a requisição de conteúdo nacional em investimentos financiados pelo Governo, como os da área do petróleo, o que desnuda a intenção de colocar esse mercado de importância estratégica em mãos dos estrangeiros, levando à quebra empresas médias brasileiras que durante décadas acumularam tecnologia e capacidade de gestão nessas áreas. Querem também eliminar a TJLP, principal base para o financiamento de médio e longo prazo da indústria brasileira.

O fato é que a exigência de conteúdo nacional é fundamental para o desenvolvimento de um mercado de trabalho de média e alta tecnologia, com empregos de qualidade e com alguma distribuição de renda. Querem trocar isso por parcos empregos no agronegócio, grande concentrador de renda, e de limitado desenvolvimento tecnológico. É mais um crime de lesa-pátria do Governo Temer, contra o trabalhador e contra a sociedade. Voltamos aos anos 50 quando se dizia que o Brasil era um país essencialmente agrícola, e por isso não precisava se industrializar.

No ritmo furioso do Governo Temer-Meirelles, a ideia é passar rápido pela goela do Congresso medidas que jamais seriam aceitas num regime normal eleito pelo povo, ou que dependesse do povo para reeleger-se. Aí vale tudo. Da compra de adesão mediante oferta de cargos ministeriais e em empresas públicas, na maior negociada com o patrimônio público já vista na história republicana, à manipulação de uma imprensa também comprada, tudo vale para liquidar os interesses da Republica na forma mais deslavada, sim, de corrupção.

O agronegócio está investindo pesado no Congresso e na mídia. Campanhas milionárias estão sendo levadas ao ar pela televisão, principalmente Globo, para exaltar as qualidades do agro. Nada contra em termos conceituais. Entretanto, é evidente que há um coelho nesse mato. Ninguém gasta tanto dinheiro assim para cantar os valores da soja, uma commoditie basicamente de exportação, por seu conteúdo proteico. O agro, na verdade, está comprando a mídia, assim como está comprando o Governo. Nós pagaremos a conta da desnacionalização extrema, na forma de alienação de nossa soberania sobre a terra.

1 - AÉCIO PAGOU R$ 360 MIL A MORAES E VAI SABATINÁ-LO NO SENADO; 2 - OS 20 MEMBROS MAIS BEM PAGOS DO MINISTÉRIO PÚBICO DE SP; 3 - O DISCURSO DE RADUAN NASSAR CONTRA O GOLPE NO PRÊMIO CAMÕES [VÍDEO]

REDAÇÃO -


A campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) pagou mais de R$ 360 mil ao escritório de advocacia de Alexandre de Moraes (recém-desfiliado do PSDB) durante a disputa pela Presidência da República de 2014. Membro titular da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça do Senado), o tucano participará na terça-feira (21) da sessão de sabatina de Moraes, indicado para ser ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

A Coligação Muda Brasil fez a transferência do valor de R$ 364.652, 98 para a empresa Alexandre de Moraes Sociedade de Advogados por serviços jurídicos, como mostram dados da prestação de contas disponíveis no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Moraes afirmou, por assessoria de imprensa, que “prestou serviços de consultoria jurídica nas áreas de Direito Constitucional e Administrativo, inclusive com a elaboração de argumentos, pareceres  e memoriais”. À época, o advogado não era partidário do PSDB. Moraes se filiou à sigla em dezembro de 2015, quando era secretário de segurança pública de São Paulo na gestão de Geraldo Alckmin, e pediu recentemente sua desfiliação, ao ser indicado pelo presidente Michel Temer (PMDB) para uma cadeira no STF.

Antigo cliente de Moraes, Aécio é um dos senadores que terão a oportunidade de formular questões ao futuro ministro da Suprema Corte, e não há nenhuma objeção legal que o impeça de participar, mesmo tendo relações anteriores com o sabatinado. Como preza a Constituição, o indicado ao STF deve passar por uma sabatina da CCJ composta por 27 parlamentares, entre titulares e suplentes, em que deve ser questionado sobre questões polêmicas, seu passado, opiniões e como pretende desempenhar a função. (via Folha)

***
Os 20 membros mais bem pagos do Ministério Púbico de SP

Conforme apuração da Agência Pública, as informações sobre os rendimentos dos membros do MP estão disponíveis no Portal da Transparência (clique na imagem para ampliar):



***
O discurso de Raduan Nassar contra o golpe no Prêmio Camões

O BOM E OS MAUS LADRÕES

SEBASTIÃO NERY -


Rio de Janeiro – Do alto do púlpito da Igreja da Misericórdia, em Lisboa, em 1655, desafiando a Inquisição, o Padre Antonio Vieira, o mais valente dos pregadores, desafiou o poderoso Império Português e seus maus ladrões:

– “Navegava Alexandre Magno em sua poderosa armada pelo Mar Eritreu a conquistar a Índia, e como fosse trazido à sua presença um pirata que por ali andava roubando os pescadores, repreendeu-o muito Alexandre de andar em tão mau ofício...

Leia mais na COLUNA

TODOS DERAM VEXAME NO CASO VELLOSO

CARLOS CHAGAS -


O primeiro foi o ministro Carlos Velloso, se não tiver um argumento fundamental para explicar. Afinal, no encontro ao vivo com  Michel Temer, alimentou a hipótese de aceitação do ministério da Justiça, ficando apenas de confirmar o gesto em alguns dias. Permitiu as manchetes de jornal, sem desmenti-las, e conversou com o presidente a respeito dos grandes problemas que envolvem a pasta, da violência urbana à crise no sistema prisional. Sua desistência, feita pelo telefone, não teve a consistência da aceitação anterior, tornando-se constrangedora a conversa da rejeição, que durou poucos minutos.

Erro mais profundo, cheio de malícia, coube a Michel Temer. Por que sondar o jurista com a certeza dele ser o escolhido, caso aceitasse, se no fundo o convite poderia estar encobrindo manobra política de péssimo conteúdo, para enganar os partidos e o Congresso Nacional? Acresce o constrangimento com que recebeu a negativa telefônica. Se a convocação do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal era de mentirinha, como não deixar claro desde o início?

Vexame também deu a imprensa, tomando como verdadeira a montagem e não adotando a cautela sempre obrigatória nesses episódios? Outros também incursos nesse festival de enganações foram os conhecidos e os ocultos porta-vozes e auxiliares do palácio do Planalto, que induziram os repórteres em erro ao confirmar a indicação de Carlos Velloso.

Em suma, se não foi uma trapalhada, pior ainda. Teria sido uma armadilha de aprendiz de feiticeiro para brincar com seus interesses menores, de não indicar logo o preferido, que conheceremos nos próximos dias.  O Brasil é assim mesmo…

FORO PRIVILEGIADO – O Congresso, o Supremo Tribunal Federal e a torcida do Flamengo são contra o foro privilegiado para julgamento de parlamentares, governadores e outros cidadãos de primeira classe. Por que não agem de imediato, ou melhor, por que não agiram há tanto tempo? Agora, derramam-se em opiniões confusas e prolongadas, apenas para embaralhar as cartas. Ignoram que a vida é muito simples?

NA AMÉRICA LATINA VIRA-LATAS USAM COLEIRAS

Por SOLANGE RODRIGUES -

Nicolás Maduro, Rafael Correa, Liliana Ayald e Dilma Rousseff.
CNN e a orquestração do golpe na Venezuela.

Até Donald Trump, presidente da potência militar que os vira-latas reverenciam diz a plenos pulmões que a imprensa do seu País, é mentirosa.

Como acreditar que os empregados da CNN, entocados na Venezuela e com ganas para se livrarem do seu presidente Nicolás Maduro, dizem a verdade para o povo venezuelano?

No governo de Obama, em 2016, foi dito que se não conseguissem derrubar Maduro através da imprensa o País seria tomado pelas forças armadas. Como a decisão vazou por jornalistas não domesticados, as armas foram baixadas, mas a propaganda da mídia golpista prosseguia e prossegue a passos largos.

Os golpes contra governos nacionalistas que descem do norte, para derrubar governos em Países da América Latina, encastelam-se sempre no estado independente de suas embaixadas.

Em Honduras, no Paraguai e no Brasil, a escalada para negociar com os golpistas vira-latas foi feita pela Sra embaixadora Liliana Ayald. Pulava como uma cabrita nova de país para país e aonde chegava o golpe era dado. Assim foi no Brasil. O golpe parlamentar, jurídico e midiático se acirrou e triunfou com a cabrita instalada na embaixada em Brasília, pulando e oferecendo benesses como se picada por uma cobra. E realmente a cobra picou o calcanhar da cabrita, com o dinheiro da CIA distribuído fartamente.

Depois do golpe consumado O Globo deu meia página, para a cabrita saltitante pela mordida (em dólares), da cobra dizer como o Brasil é maravilhoso com uma escola de samba homenageando os colonizadores e como foi bom estar no Brasil ouvindo todos falarem inglês e a sonoridade de uma orquestra tocando jaz, quase com a mesma perfeição dos músicos do seu País.

O Presidente do equador Rafael Correa, em 2016, disse não ver nada de mais nos EUA quererem instalar bases em seu País, desde que o Ecuador tivesse a contrapartida, para instalar bases em Miami.

Segundo o Presidente Rafael Correa, nos EUA não tem golpe de estado, porque lá não existe uma embaixada dos EUA.

Agora, com o acordo firmado entre Cuba e os EUA, Cuba já tem em seu território, além de Guantanamo, uma embaixada dos EUA.

Agüenta Isla!

*Solange Rodrigues, Escritora e Jornalista, Coordenadora de Filosofia do IDEA – Programa de TV Canal Universitário de Niterói – Unitevê – Universidade Federal Fluminense – UFF/Fonte: blog Jornal da ABI.

---
[NocauteTV] A política externa brasileira não pode ser feita pela ideologia do complexo de vira-lata

POLÍTICA E POLITICALHA

MIRSON MURAD -


Para Michel Temer:
"Política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam uma com a outra, Antes se negam, se excluem, se repulsam mutuamente. A política é a arte de gerir o Estado, segundo princípios definidos, regras morais, leis escritas, com tradições respeitáveis. A politicalha é a indústria de explorar a benefício de interesses pessoais..."(Rui Barbosa)

Para Sérgio Cabral, Cunha e um montão de políticos:
"O seu mal é gastar mais do que rouba". (dito popular).

Para Eike Baptista:
"Um homem não é infeliz porque tem ambições, mas porque elas o devoram". (Montesquieu). "Unde malum "(De onde vem o mal). (Santo Agostinho). "Sinto muito. Você é realmente machista, racista, misógino, homofóbico, ignorante, canalha, egoísta, cruel e idiota. Porém, não roubou o suficiente para ser indicado ao governo". (André Dahmer).

Há um provérbio russo que diz:
"O homem sábio tem ouvidos compridos, olhos grandes e língua curta". Esse recado é para uns "ministros notáveis" que falam um montão de besteiras.

---
Leia também:

- CRIVELLA É UM SANTO HOMEM, É PURO, SEM MALDADES; BIBLIOTECA CELSO KELLY

CRISE E PARANOIA ESTIMULAM O CRESCIMENTO DO NEONAZISMO NO BRASIL, DIZ PESQUISADORA DA UNICAMP

Por KAROL PINHEIRO - Via DCM -


“Mais coragem para o nosso sangue vienense, estrangeiros demais não fazem bem a ninguém”. O slogan do FPÖ (Partido da Liberdade da Áustria) para a corrida eleitoral à presidência da Áustria, em 2016, flagrantemente flertava com o vocabulário nazista, que enfatiza a pureza da raça.

O discurso do partido fundado por ex-nazistas conquistou os eleitores austríacos e por muito pouco (exatos 31.026 votos), o candidato Nobert Hofer não venceu a corrida presidencial. Ainda que no segundo turno o FPÖ tenha perdido a eleição, a ascensão de um partido que desde sua criação vivia nas sombras foi um incentivo a mais para outras formações que se movem no mesmo espectro e que têm crescido no mundo inteiro.

Leia mais em POLÍTICA

18.2.17

A LIÇÃO PARA LULA E DILMA

EMANUEL CANCELLA -


Na Venezuela, o golpe não acontece! Será por quê? O saudoso presidente Hugo Chávez indicou, para as forças armadas e para os tribunais superiores, pessoas comprometidas com o Bolivarismo.

O Congresso venezuelano bem que tentou afastar Chaves e seu  o sucessor, Nicholas Maduro (2), mas esbarrou na corte superior e nas forças armadas.

Maduro também se aproximou da Rússia, que vai atualizar as forças armadas venezuelanas, recebendo petróleo como pagamento. Assim, sem prejudicar suas reservas, as maiores do mundo, Maduro ainda angariou apoio de uma superpotência.

Isso tudo para barrar os sonhos dos americanos em se apoderar de seu petróleo e acabar com a soberania venezuelana. Tentaram agora em 2016 derrubar Maduro, como também em 2002, com o golpe de 47 horas dos EUA, contra Chavez (1).

Se Chavez e Maduro praticam essa política de Estado para proteger seu país, o golpista Michel Shell Temer, sem nenhum pudor, faz o mesmo para salvar sua própria pele e a de seus comparsas, como aparelhar o STF ao indicar Alexandre Moraes, o que é um escárnio.

E se Chaves controla as forças armadas e os tribunais para defender seu petróleo e a soberania de seu país, o golpista Temer faz o contrário, entrega nosso petróleo aos EUA e seus aliados; retoma a base de Alcântara sob o controle dos EUA; destrói os direitos trabalhistas e previdenciários e acaba com a previdência pública, para favorecer banqueiros e os grandes empresários.

Os golpistas, para barrar qualquer possível reação, prendem o almirante responsável pelo desenvolvimento do submarino atômico, como também destrói a Odebrechet, responsável pela construção do submarino e o desenvolvimento de mísseis de curto e longo alcance.

Fica o exemplo para o sucessor de Lula e Dilma: colocar em posições estratégicas, principalmente, na vice-presidência, nos ministérios, no STF e nas Forças Armadas pessoas sem nenhum compromisso com suas propostas de governo é alimentar o golpe!

Fonte:

*Emanuel Cancella que é da coordenação do Sindipetro-RJ e da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e autor do livro “A outra face de Sérgio Moro”

ACORDO DO JANOT AMEAÇA A SOBERANIA E OS INTERESSES DO BRASIL

JEFERSON MIOLA -


O encontro promovido pelo ministério público com procuradores de 10 países onde a Odebrecht atua, indica um ativismo internacional questionável da força-tarefa da Lava Jato – fato verificável também na cooperação descabida com o Departamento de Justiça dos EUA.

Na “Declaração de Brasília sobre a cooperação jurídica internacional contra a corrupção” [16/02/2017], os procuradores assumiram o compromisso “com a mais ampla, célere e eficaz cooperação jurídica internacional no caso Odebrecht e no caso Lava Jato, em geral”.

Leia mais em POLÍTICA

SEMINÁRIO DA UGT MINAS DEBATE REFORMAS PREVIDENCIÁRIA E TRABALHISTA

Via UGT -


Com a presença de lideranças sindicais de várias regiões de Minas e de outros estados e de alunos e profissionais de Direito, foi realizada nessa quinta-feira, 16 de fevereiro, em Belo Horizonte, o seminário “Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista e suas implicações na vida do trabalhador”.

Promovido pela UGT-MG, em parceria com o Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça (PRUNART/UFMG), teve lugar no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, no centro da capital mineira.

Leia mais: TRIBUNA SINDICAL

1 - “SOMOS UM PAÍS À DERIVA”, DIZ O COMANDANTE DO EXÉRCITO, GENERAL EDUARDO DIAS DA COSTA VILLAS BÔAS; 2 - VELLOSO HUMILHA TEMER E DIZ QUE NÃO ENTRA NO GOVERNO POR ÉTICA

REDAÇÃO -

Amazonas, Roraima, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Desde as primeiras horas de 2017, o país passa por uma das mais graves crises na segurança pública nos últimos anos. Do desgoverno no sistema prisional, onde detentos em Manaus, Boa Vista e Natal foram trucidados em brigas de facções, ao caos em Vitória, que resultou da paralisação da Polícia Militar, passando pela crescente instabilidade no Rio, a situação está tão crítica que homens das Forças Armadas têm sido necessários para manter o controle.

“Esgarçamo-nos tanto, nivelamos tanto por baixo os parâmetros do ponto de vista ético e moral, que somos um país sem um mínimo de disciplina social”, afirma o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas. “Somos um país que está à deriva, que não sabe o que pretende ser, o que quer ser e o que deve ser.”

O general acompanha o cenário com preocupação. Nascido em Cruz Alta (RS) há 66 anos, 50 deles no Exército, Villas Bôas pondera que há entendimentos incorretos de que as Forças Armadas possam substituir a polícia. O Exército também está apreensivo com a reforma da Previdência, e Villas Bôas tem defendido a noção de que os militares não podem ser submetidos às mesmas regras do regime geral.

Na semana em que diversas entidades, entre elas o Ministério Público, manifestam o temor das investidas contra a Lava-Jato, o comandante defende a operação. “É a grande esperança de que se produza no país alguma mudança nesse aspecto ético que está atingindo nosso cerne, que relativiza e deteriora nossos valores.”

Para o general, a segurança pública no Brasil é uma calamidade. Com dados, elenca os motivos de sua angústia: hoje morrem cerca de 60 mil pessoas por ano assassinadas, cerca de 20 mil pessoas desaparecem no país por ano, 100 mulheres são estupradas por dia. A Polícia Federal estima que cerca de 80% da criminalidade seja ligada direta ou indiretamente às drogas: dos massacres aos ajustes de contas e até o pequeno roubo do celular. “O que está acontecendo? A segurança pública é de responsabilidade dos Estados, e eles estão extremamente carentes”, afirma. (via Valor)

***
VELLOSO HUMILHA TEMER E DIZ QUE NÃO ENTRA NO GOVERNO POR ÉTICA

"Comuniquei, hoje, ao Sr. Presidente da República, a impossibilidade de aceitar o seu convite para ocupar o honroso cargo de Ministro de Estado da Justiça. Não obstante meu desejo pessoal de contribuir com o país, neste momento tão delicado, compromissos de natureza profissional e, sobretudo, éticos, levam-me a adotar esta decisão", disse o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Velloso, em nota publicada nesta tarde.

Nunca antes na história deste País um governo recebeu um não tão vexatório.

Com praticamente todo o governo delatado pela Odebrecht, Temer, que foi citado 43 vezes apenas numa das delações, foi também ameaçado pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-MG), que ameaçou envolvê-lo no esquema de propinas da Caixa Econômica Federal (leia mais aqui).

Em meio a uma das maiores crises penitenciárias e de Segurança Pública do País, o Brasil não tem ministro da Justiça, uma vez que Alexandre de Moraes se licenciou para tentar conquistar votos de senadores – também delatados pela Odebrecht – que irão sabatiná-lo na próxima semana. (via Brasil 247)

PRESERVAR O FUTURO OU REPARAR O PASSADO?

CARLOS CHAGAS -


Para corrigir o horror que tem sido o sistema prisional brasileiro, com as penitenciárias abrigando milhares de presos mil vezes mais do que sua capacidade, saiu-se o Supremo Tribunal Federal com proposta inusitada: dar aos infelizes detidos uma indenização proporcional às agruras que vem enfrentando.

Leia mais na COLUNA

CRIANÇA E A INFLUÊNCIA SUBJETIVA DA TELEVISÃO

ISA COLLI -


Segundo dados do IBOPE, a televisão continua sendo o meio de comunicação mais utilizado pelos brasileiros, inclusive pelas crianças. Todos os dias, a cena se repete: ao voltar da escola, os pequenos largam a mochila no chão e, em seguida, ligam a TV. Em média, passam 5 horas ininterruptas assistindo desenhos animados, novelas e muitas propagandas.

Certamente, em contato direto com esse mundo manipulado pela mídia, a criança é naturalmente apresentada ao consumismo compulsivo.

Desenvolver a capacidade de distinguir o real do concreto, o certo do errado, e o bom do ruim, faz parte da educação infantil. A televisão não exige nenhum esforço mental, nenhum trabalho criativo. As pessoas, principalmente os pequenos, não precisam nem pensar. A publicidade coloca um monte de coisas na cabeça dos telespectadores.

Diante da facilidade vendida pelo marketing estamos diante de uma geração tendenciosa, com problema de coordenação motoradificuldade para escrever e desatenta.

Toda criança em fase de crescimento tem necessidade de desenvolver as suas próprias habilidades, e interagir com as pessoas faz parte do amadurecimento e da evolução infantil. A TV não pode ocupar o espaço dos coleguinhas, das brincadeiras inocentes, das fantasias fabulosas, do contato com a natureza. Receber tudo pronto e não criar nada é nocivo.

Segundo Darcy Ribeiro, um dos maiores educadores do Brasil, a primeira infância é marcada pela fragilidade de suas estruturas de personalidade ainda em formação. Até os 4 anos, a criança não consegue diferenciar propagandas de programas, e, conforme as pesquisas, bastam 30 segundos para uma marca influenciá-la.

Os pais devem avaliar muito bem o tipo de influência subjetiva a que o seu filho está exposto, porque quando os seus projetos e desejos são frustrados, o sistema metabólico sofre, e pode causar graves danos ao organismo em formação.

Enquanto assistem a programas infantis veiculados pelas emissoras de TV, nos intervalos comerciais, a educação para o consumismo vai se instalando de forma poderosa. Ele dizia ainda que: “Enquanto num turno a escola educa, no contraturno a TV deseduca“.

Seguem algumas das suas orientações:
  • Em ambientes onde encontram-se crianças menores de 4 anos brincando, mantenha os aparelhos de TV desligados.
  • Lembre-se que a atenção periférica nas crianças pequenas é bastante apurada, mais até que a dos adultos. Enquanto brincam no canto da sala, vão assimilando e absorvendo como uma esponja o que acontece ao seu redor.
  • Os olhos e os ouvidos dos pequenos são muito sensíveis, portanto, não é conveniente assistir dramas, coberturas sensacionalistas de tragédias humanas e até propagandas.
  • É recomendável que a criança tenha acesso a TV somente após completar 4 anos e com a presença de um adulto para orientá-la.
  • Recorra a vídeos e DVDs para distrair as crianças pequenas. Nesta fase, sentem prazer na repetição e é importante para a sua aprendizagem. Desenhos lúdicos, vistos moderadamente, estimulam a criatividade e a fantasia.
  • É fundamental organizar os horários para assistir e fazer da TV uma forma de lazer. É importante que os pais estejam atentos para o que os seus filhos estão vendo na TV ou na Internet e quanto tempo demoram nessas atividades.
  • Proibir os filhos de assistir TV não é conveniente. O que se pode fazer é participar comentando sobre os programas com seus temas, enfim, estimular uma atitude crítica.

"Não é uma tarefa fácil controlar o uso indiscriminado da televisão, mas, faz-se necessário.  O ideal, é reservar um tempo de qualidade para o seu filho. O bom relacionamento familiar é fundamental para a saúde mental e física, intelectual e ética, espiritual e emocional pueril. A primeira infância passa rapidamente e o tempo, a atenção e o carinho, doados nestes anos iniciais, irão acompanhá-los por toda a vida".

A ABI NA COLEIRA DA UNIVERSAL

ANDRÉ MOREAU e MÁRIO A. JAKOBSKIND -


"Contrato", este é o título da nota de cinco linhas, publicada na coluna da jornalista Patrícia Kougut (16), em O Globo, através da qual informa aos seus leitores que o presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Domingos Meirelles, teve o contrato, que havia sido rescindido em julho de 2016, renovado junto a Record, por mais três anos.


O que agrava o fato, é saber que se trata de um contrato de exclusividade, o que impede a partir de agora que Domingos emita opiniões através de outras emissoras de televisão, o que coloca a representação da ABI, presa ao que pensa a editoria da Record.

O tamanho da nota impede quaisquer outras informações ou, análises como, por exemplo, o fato de Domingos ter usado o site da ABI, para propor a mencionada renovação de contrato, mas pelo destaque, pode sugerir que a fidelidade do presidente da ABI, poderá prever que o cidadão continuará malhando na defesa incondicional do patronato, até quem sabe, um dia, ser novamente convidado a compor a equipe das organizações Globo, onde lucrará muito mais.

Aprofundando mais um pouco os fatos, não poderíamos deixar de lembrar da atuação do grupo que integra a Chapa Vladimir Herzog que elegeu Domingos Meirelles, marcada inicialmente através de ações na justiça, passagem anterior a traição ao Confrade, jornalista e presidente Maurício Azêdo e por acordo escuso que o conduziu ao cargo, firmado após a morte de Azêdo.


Isso sem falar das eleições de abril de 2016, quando Domingos impediu arbitrariamente a Chapa Villa-Lobos, encabeçada pelo jornalista e escritor José Louzeiro, de concorrer, o que foi registrado em Ata manuscrita pelo então Presidente da Comissão Eleitoral, o Conselheiro Carlos Newton e amplamente divulgado, através de duas cartas do mesmo, anexadas a seguir.

Assim como o ilegítimo Michel Temer, Meirelles se inspira na narrativa das organizações Globo, Temer colocou junto a ele, para assessorá-lo, o General Sergio Etchegoyen, Ministro Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, um militar egresso da ditadura, cuja família prestou serviços aos generais de plantão, enquanto Domingos trabalha com Confrades que apoiaram a colocação de câmeras na ABI, para vigiar e intimidar opositores.


Resta lutarmos para que a ABI, um dia, volte a seguir sua trajetória de lutas por Direitos Humanos e liberdade de expressão, isso é claro, caso Domingos e sua equipe não queiram reverter o esvaziamento da Casa dos Jornalistas, provocado nessas últimas gestões, substituindo a inscrição Associação Brasileira de Imprensa (ABI), pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

Em suma, a ABI atual tendo na presidência Domingos Meireles, pode-se dizer em alto e bom som, é a antítese do que representou a Casa dos Jornalistas durante várias gestões capitaneadas por jornalistas dignos que nunca se aproveitarem da entidade para conseguir benesses pessoais ou contratos exclusivos, o que envergonha setores da categoria de jornalista que pensam e não compactuam passivamente com o que acontece agora no país ocupado por um governo golpista, que o atual presidente da ABI já teceu elogios no site, quando considerou o golpe empresarial de abril de 1964, como um "movimento político militar". Daí a instalar câmeras eletrônicas para vigiar funcionários e associados que discordem da atual diretoria, não chega a surpreender.

Mensagens do confrade Carlos Newton
Primeiro e-mail: "para Ivan, paulojeronimo, Sergio, mim.

Prezado presidente Ivan C. Proença,
Lamento muito lhe informar que, depois de desrespeitar minha palavra dada aos responsáveis pelas chapas de oposição, fui informado de que vão desrespeitar a sua, apesar de ter sido empenhada na condição de presidente do Conselho Deliberativo, instância superior da ABI, fato que representa uma atitude de desrespeito e desobediência estatutária, ética e moral. Portanto, sem legitimidade. 
Minha palavra de presidente da Comissão Eleitoral será desrespeitada na próxima segunda-feira e a sua palavra na condição de presidente do Conselho Deliberativo também o será, porque a ABI não fornecerá a listagem dos associados às chapas oposicionistas, desrespeitando o prazo que lhes foi concedido com concordância do próprio presidente da instituição, Domingos Meirelles, que parece ser como a Rainha da Inglaterra,que reina, mas não governa. A palavra dele, esta, realmente não vale nada, ninguém pode nela confiar. Dirá que não concordou, que foi um engano, e os áulicos de sempre hão de concordar com ele...
É triste assistir à decadência, da ABI, que caminha para a extinção, manobrada por um presidente que tenta dela se utilizar, pois não aparece na sede com a frequência que seria de se esperar, e utiliza o cargo para efeito de mera valorização profissional.
Na situação atual da ABI, é praticamente impossível formar uma chapa de oposição, porque a listagem somente é liberada a posteriori, às vésperas da eleição, e não se fornecem os e-mails dos eleitores.
Tenho vergonha de compactuar e ser conivente numa situação como esta. A ABI, templo da democracia brasileira, transformada num reduto de um grupelho, de uma patota, com se diz popularmente, a promover eleições fraudadas na origem, porque sem transparência e sem oportunidades iguais a todas as chapas.
Diante dessa situação leviana, ilegal e ditatorial. perpetrada mediante um Regulamento Eleitoral anacrônico e inconstitucional, que nem prevê eleição em voto eletrônica, mas será realizada assim mesmo, estou me afastando da presidência da Comissão Eleitoral, nesta data, e envio cópia desta mensagem aos representantes das chapas de oposição e ao vice-presidente, o ilustre e digno jornalista Paulo Jerônimo de Souza, que me indicou para fazer parte do outrora lendário Conselho Deliberativo da ABI.
Devo ressalvar, por derradeiro, que o Sr. se transformou num baluarte da ABI, tenho orgulho de contar com seu respeito e sua consideração, por saber que jamais concordaria com este estado de coisas a que chegou a mais tradicional instituição da sociedade civil brasileira.
Atenciosamente".

Segundo e-mail:
"para Ivan, paulojeronimo, Sergio, mim.
Sr. Presidente Ivan C. Proença,
Desculpe, mais uma vez, incomodá-lo no final de semana, mas não poderia deixar de assinalar que considero abjeta, aética e inaceitável a situação existente na ABI, em que o presidente e diretores eleitos no pleito principal depois se candidatam novamente na eleição de um terço do Conselho Deliberativo, conquistando assim direito de voto no órgão superior, que está acima da Presidência e da Diretoria da entidade. É mais ou menos como se membros no Executivo tivessem assento no Supremo Tribunal Federal.
Isso significa uma contrafação, uma fraude, que se aproveita das brechas existentes no Regulamento Eleitoral. E o mais ridículo nisso tudo é que eu, na mais recente reunião da Comissão Eleitoral, me comprometi a encaminhar ao Conselho Deliberativo uma proposta de reforma do Regulamento, para tornar democrática e transparente a eleição na ABI.
Infelizmente, essa proposta não constou da Ata, por falha minha, que esqueci de registrar esse importante detalhe, que teve aprovação de todos os participantes.
Respeitosamente,

Carlos Newton

*Mário Augusto Jakobskind, Jornalista e Escritor, Coordenador de História do IDEA, Universidade Federal Fluminense. **André Moreau, Jornalista e Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, UFF/Fonte:  blog Jornal da ABI.

---
Leia também:

- GOLPISTAS PREOCUPADOS COM A CIRCULAÇÃO DE JORNALISTAS CREDENCIADOS NO PALÁCIO DO PLANALTO E COM AS ATAS DA ABI 

O LIVRO "É SEXTA DE CARNAVAL" REVELA A FACE OCULTA DE UMA ESCOLA DE SAMBA

ALCYR CAVALCANTI -


O Carnaval já começou, a folia enlouquece os ensaios nas quadras das escolas de samba e o  livro "É Sexta de Carnaval, o ensaio é geral" revela os acordos e desacordos feitos entre os diversos atores do mundo do Samba. As transações são feitas algumas vezes na quadra, e muitas vezes nas centenas de vielas e becos das favelas do Rio de Janeiro.

O autor Alcyr Cavalcanti partiu de sua experiência em pesquisas, ora como repórter, ora como pesquisador em Antropologia para elaborar uma obra densa, baseada em fatos reais mas situada em uma favela fictícia com personagens fictícios, a Favela da Esperança. A obra acompanha a trajetória de Lorenzo, um sociólogo italiano que faz pesquisas sobre os preparativos de uma escola de samba, através dos inúmeros becos e vielas da Favela da Esperança culminando com o ensaio geral na quadra, onde tudo caminha para um final surpreendente.

Para o jornalista e escritor Julio Ludemir que pesquisa as favelas cariocas "É uma obra necessária para quem quiser se aprofundar em conhecer os preparativos para a grande festa do Carnaval".

---
SERVIÇO: "É Sexta de Carnaval, o ensaio é geral" 209 páginas Vendas pelo e-mail: alcyrcavalc@gmail.com, ou pelo telefone (21) 97550-9747.

COMERCIÁRIOS APOSENTADOS CAEM NA FOLIA

Via SINDICATO DOS COMERCIÁRIOS-SP -


A Diretoria de Educação, Formação Profissional, Cultura e Esportes do Sindicato dos Comerciários de São Paulo promoveu mais um baile de carnaval para a turma da melhor idade do Sindicato. Os  aposentados comerciários caíram na folia, na tarde desta sexta-feira (17), na Associação Hokkaido, na Vila Mariana.

“É mais uma festa que promovemos para alegra esse público, fiel e exigente. Foram eles que começaram a história desta entidade. E agora é hora de retribuir os anos que eles dedicaram ao comércio”, conta o diretor responsável pela diretoria, Evanildo Cabral.

Para aposentada Zilda Alves é um orgulho participar do Carnaval. "Trabalhei anos no comércio e sempre divulguei a importância de fazer parte de uma entidade que briga por seus direitos como trabalhadora. Por isso que hoje me divirto e faço questão de participar desses momentos”, declara a comerciária aposentada, que estava na companhia das amigas.

Comerciária aposentada Zilda Alves (à direita)

Maria Aparecida Ribeiro diz não perder uma festa. “Todo ano venho. Eu adoro. Participo de todas”.

Já o casal, Maria Celia e Nelson Abisy, adora as festas e afirmam que só param quando o som termina. “É um momento que temos para fazer o que mais gostamos, dançar”.


Além de muito sertanejo universitário e axé , a melhor idade também curtiu, dançou e cantou as tradicionais marchinhas de Carnaval.

A Diretoria de Educação, Formação Profissional, Cultura e Esportes do Sindicato também proporciona aos aposentados associados outros momentos, como: festa junina, bailes, festas na Colônia de Férias da Praia Grande, além de cursos e um espaço de entretenimento no Sindicato.

Os convidados do baile contribuíram com alimentos não perecíveis que serão doados para entidades carentes.

---
Leia também:

COMERCIÁRIOS PÕEM O ‘BLOCO NA RUA’ CONTRA A AIDS