24.1.19

BOLSONARO É UM DEFUNTO POLÍTICO

JEFERSON MIOLA -


A avalanche de denúncias gravíssimas que atingem o filho Flávio, retira de Bolsonaro a condição de preservar o mandato presidencial.

Bolsonaro virou um defunto político. A essas alturas, a saída mais honrosa e digna para ele seria a renúncia, se é que já não lhe reservaram alguma “coincidência” no procedimento cirúrgico a que se submeterá nos próximos dias.

A imagem do presidente da oitava economia planetária almoçando sozinho em Davos, sem compromissos de trabalho com autoridades e líderes mundiais, dimensiona o desprestígio e a insignificância do mandatário brasileiro na arena internacional.

A descoberta de crimes de lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio, associação criminosa, enriquecimento ilícito e, para assombro geral, envolvimento com a milícia Escritório do Crime, confirmam suspeitas antigas acerca da atuação dos Bolsonaro nos porões da criminalidade.

O escândalo é não menos que chocante. Abre uma crise profunda que pode levar ao impeachment do presidente recém-empossado.

Em sociedades civilizadas e não dominadas pela bandidagem, o simples fato de haver denúncias dessa natureza – que inclusive não são desmentidas pela família – causaria uma hecatombe.

A constatação, entretanto, de que tais fatos têm materialidade comprovada, torna a situação do chefe do clã insustentável.

Os militares continuam observando e monitorando, em silêncio, as encrencas da família Bolsonaro. Os militares, que colonizaram todas as áreas estratégicas e controlam os setores prioritários do governo, mantêm as rédeas do jogo nas mãos.

Do ponto de vista das FFAA, a presença de Bolsonaro à frente do governo, mesmo como mero fantoche, passou a ser extremamente inconveniente, e sua continuidade, por isso, passou a ser indesejável.

Com o impeachment do Bolsonaro, assume a Presidência o general Mourão, vice-presidente eleito no contexto conhecido, de uma eleição “anormal”, para dizer diplomaticamente.

A destituição do Bolsonaro em razão desses fatos aterradores coloca em dúvida a legitimidade não só do governo eleito de maneira atípica em outubro passado com a cumplicidade do TSE e do STF, mas sobretudo questiona a legitimidade do regime de exceção, que pariu esta aberração dantesca [ler aqui].

A substituição do Bolsonaro por Mourão, portanto, ainda que seja o remédio previsto na Constituição, não solucionaria a profunda crise de legitimidade do regime.

A solução estável e legítima que, todavia, demandaria um amplo acordo democrático e que poderia criar as condições para o Brasil restaurar a democracia e encontrar o caminho do desenvolvimento, da geração de empregos e da reconstrução econômica e social, é a realização de eleição livre, limpa e soberana.

Fora disso, haverá a instalação de um governo militar num ambiente de instabilidade, conflito social crescente e ilegitimidade do regime.

VETO SAUDITA A FRIGORÍFICOS DO BRASIL COLOCA EM RISCO 240 MIL EMPREGOS

REDAÇÃO -

A Arábia Saudita informou nesta terça (22) que suspendeu a importação de carne de frango de 33 frigoríficos brasileiros, entre eles os gigantes JBS e BRF. Dos 58 frigoríficos habilitados pelo Ministério da Agricultura para exportar para o país, restaram apenas 25 na lista dos árabes.


A medida atinge em cheio e coloca em risco 80 mil empregos diretos e 160 mil indiretos, segundo levantamento da Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac-CUT).

“Cada planta tem entre 1.500 a 2.000 mil trabalhadores, contando os granjeiros, os produtores de milho para ração, pequenos agricultores, motoristas de caminhão, além do comércio de 35 cidades brasileiras que dependem economicamente desses frigoríficos, o estrago será muito grande”, explica Célio Elias, secretário de Saúde da entidade.

A medida tomada pelos árabes sinaliza uma retaliação diante da decisão de Jair Bolsonaro em transferir a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém.

CNTA - A Agência Sindical ouviu o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins), Artur Bueno de Camargo.

Para o sindicalista, o impacto econômico será desastroso para o setor. “Uma medida como essa, com certeza causará desemprego. O presidente Bolsonaro vai a Davos para abrir o comércio para o mundo. Porém, na contramão toma decisões como essa que justamente tem efeito contrário. O que é que o Brasil ganha com isso”, questiona Artur.

Uma das grandes preocupações do setor de avicultura é com as recentes posições diplomáticas do governo de Jair Bolsonaro. O receio é que se alastre uma reação contrária ao governo brasileiro pelos países árabes.

Davos - Matéria publicada nesta terça (22) pelo jornal “O Estado de S. Paulo” informa que o ex-secretário-geral da Liga Árabe (organização que reúne 22 países árabes), Amr Moussa, confirmou que a decisão da Arábia Saudita é uma retaliação ao governo Bolsonaro. “O mundo árabe está enfurecido (com o Brasil)”, declarou o diplomata em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial.

Fonte: Agência Sindical

BOLSONARO, ASSIM COMO O TEMER, VAI CAIR NO DIA QUE O SARGENTO GARCIA PRENDER O ZORRO. NUNCA!

EMANUEL CANCELLA -

Entrega do 3º lote de cestas básicas aos demitidos.


Enquanto a gente discute se Bolsonaro cai ou não, ele está entregando a Embraer, a Petrobrás e a Eletrobrás. Também já liberou as armas e freou a reforma agrária.

Está destruindo o SUS, com a PEC do Fim do Mundo do Temer, a que congela investimentos em salários, saúde e educação, infraestrutura, etc. Bolsonaro, quando deputado,  votou a favor dessa PEC(1).

Bolsonaro e o laranja Queiroz têm grana e vão para o hospital Albert Einstein,  o hospital mais caro. E o pobre morre na porta do hospital público, sucateado, ou por falta de remédios, que antes eram distribuídos aos doentes terminais.

Nós brasileiros temos memória curta e também nossos inimigos são muito inteligentes. A Justiça e a mídia, principalmente a Globo, caçaram o mandato do golpista Michel Temer, três vezes denunciado por corrupção? Lógico que não!

Sabe por quê? A pauta de Temer, assim como a de Bolsonaro, é mesma, já que comtempla os bancos e o mercado, tais como:

- Com a futura e breve reforma da Previdência, acabando com aposentadoria dos trabalhadores;

- A Reforma Trabalhista destruindo os direitos contidos na CLT, Bolsonaro também votou com Temer (1).

- Entregar a Petrobrás e nosso petróleo, as hidrelétricas, doar uma das maiores empresas de aviação do mundo, a Embraer, a seu principal concorrente, a Boeing.

A Dilma caiu porque a Globo convocou  a população para o Fora Dilma! Até na transmissão do campeonato brasileiro eles interrompiam para convocar para a passeata contra Dilma.

Não fizeram isso contra Temer, muito menos vão fazer contra Bolsonaro! E contra Dilma nunca houve sequer uma denúncia de corrupção e Dilma nunca usou laranja para favorecer a família.

Para entregar o Brasil e acabar com os direitos dos trabalhadores, eles precisavam primeiro retirar Dilma do caminho e colocar Temer. Tiveram também que afastar Lula da eleição, com uma denúncia sem fundamento, para assim assumir Bolsonaro e terminar o trabalho de Temer.

A briga de Bolsonaro com a Globo é por grana, não é por dignidade ou honestidade. Basta Bolsonaro abrir os cofres para a Globo o que Michel Temer fez e estarão acertados.

Vamos parar de bater palma para maluco dançar!

---
Em tempo: O meu livro A outra face de Sergio Moro está a venda no Mercado Livre, cuja a renda é integralmente para os demitidos da indústria naval: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1163280532-livro-a-outra-face-de-sergio-moro-_JM?quantity=1.

Fonte:

TAUBATÉ (SP): TRABALHADORES NA FORD ENTRAM EM GREVE CONTRA DEMISSÕES

REDAÇÃO -


O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté está na luta pelo emprego na Ford. A greve foi iniciada após a demissão arbitrária de 12 funcionários na segunda-feira (21). Dirigentes sindicais e trabalhadores se mobilizaram na porta da montadora nesta terça-feira (22).


Apenas funcionários de setores essenciais foram liberados para entrar na fábrica. A produção está paralisada e a greve segue por tempo indeterminado. As negociações pela manutenção dos empregos começaram em setembro do ano passado, quando a Ford alegou ter um excedente de 350 trabalhadores em Taubaté.

Um PDV (Programa de Demissão Voluntária) foi aberto em novembro, com adesão de 128 trabalhadores. Os integrantes do CSE (Comitê Sindical de Empresa) negociavam outras medidas para administrar o excedente, quando foram surpreendidos pela demissão de 12 trabalhadores no início desta semana.

“Não restava outra alternativa para nós trabalhadores. Foi deliberado em assembleia a paralisação por conta da demissão de qualquer pessoa que não fosse através do PDV”, explica o coordenador do CSE da Ford, Sinvaldo Cruz.

O coordenador lembra que o Sindicato apresentou outras alternativas para equilibrar o excedente de mão de obra alegado pela empresa. Entre elas, a adoção de um novo PDV, a redução da jornada e a LR (licença remunerada). “São alternativas viáveis no sentido de buscar a preservação dos postos de trabalho”, afirma Sinvaldo.

Alessandro Lopes da Silva, também integrante do CSE da Ford, lembra que as demissões na Ford podem provocar reflexos na cidade. “É um negócio que dá um baque na economia da cidade. Você acaba gerando demissões em outros setores que dependem das pessoas que trabalham na indústria”, aponta.

O coordenador do CSE explica que o Sindicato segue aberto à negociação com a empresa. “Estamos disponíveis para dialogar com a empresa e buscar uma alternativa que não passe por um conflito maior. O Sindicato está aberto ao diálogo, para que a gente possa rever essas demissões que ocorreram na segunda-feira”, afirma Sinvaldo.
A Ford conta com cerca de 1300 funcionários na fábrica de Taubaté.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté

SERÁ QUE ESTE PAÍS NÃO TEM SAÍDA?

WILSON DE CARVALHO -

Fiquei estarrecido com esta matéria de ontem (23) no UOL: - “Maracanã prevê demolir Estádio Célio de Barros para construir shopping e hotel. Elaborado pela concessionária, o projeto está na mesa do governador Wilson Witzel”. Antes de mais nada, o UOL não dá o nome da concessionária, a Odebrecht, que deveria sair do Maracanã e da Supervia, também pessimamente administrada. Em segundo lugar, aprovar este projeto que é do governador Sérgio Cabral, o qual prevê também as demolições do Museu do Índio, do ótimo Parque Júlio Delamare, de esportes aquáticos e de uma realização de Copa do Mundo, e um colégio, modelo consagrado. Ou seja, projeto para acabar com um complexo esportivo e prejudicar mais ainda a falida educação no país. Hotéis e shoppings, temos em excesso. Surgirá ,inclusive, mais um, próximo ao Maracanã, em dois anos, ocupando a área da então majestosa sede do América, destruída por maus dirigentes.

Estádio Célio de Barros poderá dar lugar a um shopping e um hotel no Maracanã (Reprodução/UOL)
Na época do governo anterior, a pressão da sociedade foi tão grande que a turma do Cabral desistiu do projeto que só iria favorecê-lo, juntamente com a Odebrecht, a quem sugeriu, posteriormente, que devolvesse o estádio. Cabral tentou tudo para justificar o diabólico projeto, até mesmo destruindo, na madrugada, a pista de atletismo do Célio de Barros. O que impede até hoje, a prática também de outros esportes como bocha, por exemplo.

Ora, “meu xará”, será que o senhor irá entrar nessa? Ao contrário, o senhor deveria voltar o Maracanã para o comando do Estado e revitalizar o complexo esportivo, uma raridade neste país, neste caso com a vantagem também de contar com todas as modalidades de transportes e excelente localização, no meio da cidade do Rio e próximo à Baixada Fluminense.

O senhor irá beneficiar milhares de jovens com a prática de esportes, base para recuperar uma sociedade. Quem sabe, até, contribuir muito para nos tirar da vergonha nas Olimpíadas, entre outras competições internacionais. Formar campeões. Potencial não nos falta. Os torcedores também precisam se livrar de ingressos proibitivos, por força da privatização. Tudo, aliás, está errado, pois o Estádio Municipal do Maracanã e o Teatro Municipal passaram, por ordem do Governo Militar, para o comando do Governo Estadual. Em São Paulo, o Pacaembu é muito bem administrado pela Prefeitura. Recupere o Complexo, Sr. Wilson, o senhor estará ajudando para tirar milhares de jovens do crime e da ociosidade.

MP-RJ JÁ TEM NOMES DE DEZ MATADORES DO ESCRITÓRIO DO CRIME

REDAÇÃO -


O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio de Janeiro, já identificou os nomes de dez matadores que atuam para o Escritório do Crime, a organização de pistoleiros que comete assassinatos sob encomenda, de acordo com informação de Época. Promotores afirmam que o grupo está por trás do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSol).

O organização atua na exploração imobiliária de forma ilegal, cobrando serviços clandestinos de TV a cabo, transporte alternativo e taxas de proteção. Também é suspeita de uma série de homicídios no estado do Rio de Janeiro.

A Polícia do Rio suspeita que o crime contra Marielle Franco foi encomendado. Os criminosos escolheram um lugar sem câmeras para a execução do crime. As imagens de uma câmera de segurança acessados pela Globo mostraram que, após ela entrar no carro, outro automóvel sai logo depois.

Fonte: 247

A CAVALGADA CINZA

MARCELO MÁRIO DE MELO -


A Mula sem Cabeça
e a Cabra Cega
reinam
desferindo patadas
e soltando zurros
que intelectuários falsários
traduzem
consultando
orelhas de livros truncadas.

Abundam à boca
mensagens enfezadas
fezes verbadas
inscritas em bandeiras
de papel higiênico reutilizado.
para jumentos de carga
e atoleimados divulgarem
nos templos e nas ruas

Com apoio sobrenatural
viram a história ao avesso.
O Marxismo Cultural Globalista
ressuscita Marx e o conduz
à Primeira Guerra Mundial
fazendo-o ainda prenascer
e influenciar
a Revolução Francesa.

Avoengas ameaças e maldições
sobem aos ares mares e Damares
em pregação que não acaba
com Jesus de galho em galho
a comer goiaba.

Quando a Mula e a Cabra Cega
entram em surto
ocupam a cena
os guardiães fardados
fiéis da balança
e avalistas
da cavalgada desvairada.

Da alcova em coito grupal
um quarteto observa:
o Senhor $ifrão
a Senhora Mídia
o Senhor Fuzil
e Dona Justiça cega
do olho esquerdo.

E segue o povo
na geral
na arquibancada
uns entrando na rinha
outros na vida comezinha.

Componho a ciranda contrária
com disparos de poesia
e raios de riso
pois em tempo
de treva e tédio
verso e humor
são sempre um bom remédio.

DIAP: A MP 871/19 IMPÕE REGRAS MAIS DURAS PARA ACESSO A BENEFÍCIOS

REDAÇÃO -

O governo Jair Bolsonaro (PSL) enviou 2ª Medida Provisória (MP) que busca fazer reavaliação de benefícios de natureza previdenciária, assistencial, trabalhista ou tributária que deve ser apreciado em fevereiro pelo Congresso Nacional.



O tema tratado na MP 871/19, publicada no Diário Oficial da União, em edição extra de sexta (18), vai além do “pente-fino” nos direitos. A MP muda regras para concessão de benefícios. O programa tem previsão de duração até 31 de dezembro de 2020 e poderá ser prorrogado até 31 de dezembro de 2022.

A pensão por morte agora exige prova documental de união estável e de dependência econômica. Para o recebimento desde a data da morte do segurado, filhos menores de 16 anos precisarão requerer o benefício em até 180 dias após o falecimento.

Por meio da MP promoveu-se mudanças no auxílio reclusão, que estabelece carência de contribuição de pelo menos 24 meses para concessão do benefício. Somente presos do regime fechado terão o direito; aqueles em regime semiaberto não terão o benefício.

A aposentadoria rural também tem regras novas. Foi criado cadastro de segurados especiais para abastecer o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS). A partir de 2020, o CNIS será a única forma de comprovar o tempo de contribuição para o trabalhador rural. A declaração fundamentada de sindicato que represente o trabalhador rural emitida por sindicatos não serão mais aceitos.

Antes de 2020, o trabalhador rural comprovará período de contribuição por meio de auto declaração. Nos próximos 60 dias, bastará entregar a auto declaração. A partir de março, a auto declaração terá de ser homologada por entidades do Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pronater).

Fraudes e irregularidades

A MP trouxe como novidade, a possibilidade de suspensão cautelar do pagamento de benefícios em casos de suspeita de irregularidades com provas pré-constituída, até que o beneficiário apresente defesa. Atualmente, o benefício é pago até que o trabalhador seja localizado.

O combate à fraudes será feito no âmbito dos programas especiais para análise de benefícios com indícios de irregularidade e de revisão de benefícios por Incapacidade.

Serão revisados os benefícios por incapacidade mantidos sem perícia pelo INSS, por período superior a 6 meses, e que não possuam data de cessação estipulada ou indicação de reabilitação profissional.

Para compreender melhor as mudanças, o DIAP elaborou quadro comparativo com os 34 artigos e os principais pontos da MP.

Fonte: CTB

23.1.19

BOLSONARO QUER TRANSFORMAR AS NOSSAS FORÇAS ARMADAS EM MILÍCIA PARA TUNGAR O PETRÓLEO VENEZUELANO PARA OS EUA

EMANUEL CANCELLA -


Maduro se reelegeu sob fiscalização de 200 observadores internacionais (1).

“O candidato Nicolás Maduro foi reeleito com 67,7% dos votos válidos, em um pleito que transcorreram sem incidentes, segundo avaliação relatada e confirmada pelos observadores internacionais que acompanharam a jornada” (2).

E não está sozinha, já que a Rússia e China não aceitam interferência externa na Venezuela. Para quem não sabe, a Venezuela possui a maior reserva de petróleo do planeta, passando a Arábia Saudita e é só nisso que os EUA estão de olho (4).

“Enquanto os governos brasileiro e dos EUA declararam apoio a Juan Guaidó, líder da oposição a Venezuela, como presidente interino, o presidente russo, Vladimir Putin, apoia Nicolás Maduro como presidente legítimo” (3)

Os EUA protestam que a eleição na Venezuela foi fraldada. Interessante que o mesmo dizem da eleição do Donald Trump e de Jair Bolsonaro, mas eles governam tranquilamente.

Considerando que Rússia e China apoiam Nicholas Maduro, uma guerra contra a Venezuela seria uma aventura suicida para o Brasil, onde jovens brasileiros perderão a vida por uma causa espúria.

Entretanto não seria a primeira vez que governantes, em profundo desgaste, entram em guerra para melhorar sua imagem deteriorada diante do povo!

Fonte:

IMPEACHMENT DO PRESIDENTE É TEMA DO “CHOPPINHO COM O CAPITÃO”

REDAÇÃO -


Nesta terça-feria (22) o coordenador do Movimento Tradição & Juventude do Flamengo - com passagem pela vice-presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (FERJ) e presidência do Conselho Fiscal do Clube de Regatas do Flamengo colaborador desta Tribuna da Imprensa Sindicaladvogado Leonardo Ribeiro (nosso Capitão Leo) recebeu para mais um "FlaChoppinho com o Capitão" - bate papo vespertino gravado diariamente para seu canal no Youtube - o jornalista Daniel Mazola. Fórum Econômico Mundial, Jair, Fávio Bolsonaro, soberania nacional e impeachment foi a pauta.

Confira o vídeo:

MÃE É FODA

DARLAN DE HOLANDA -



Depois de uma sessão de julgamentos sofrida uma vez que julgar humanos, como somos todos, é uma tarefa acima de nossas possibilidades. Embora haja o compromisso com a tecnicidade, a interpretação das leis e sua aplicação aos casos concretos exige muito bom senso e compromisso com a justiça. O juramento de posse exige fidelidade às normas constitucionais e legais. Contudo sua aplicação nos casos concretos sempre surpreende.

Assisti, sem participar da turma julgadora, a confirmação de uma condenação de um adolescente faminto que havia furtado três caixas de bananas, avaliadas em 200 reais. Ato infracional famélico praticado sem qualquer violência e com a recuperação do objeto do furto, exceto três bananas que o jovem já havia comido. Muito doloroso esse julgamento, sobretudo quando se sabe que em vários outros casos se aplica o princípio da bagatela para absolver diante da atipicidade do furto. Esse tema é motivo de vasta literatura desde que Victor Hugo contou a história de Os Miseráveis, onde o personagem Jean Valjean foi condenado a cinco anos por haver furtado um pão.

No mesmo dia fui açoitado ao assistir à negação do direito, previsto para as crianças no Estatuto da Primeira Infância, da mãe cumprir a pena em prisão domiciliar, quando existir filhos necessitando de sua presença afetiva física para um desenvolvimento saudável. A lei não faz qualquer exigência, mas os julgadores entenderam que a mãe não havia comprovado essa necessidade. Como assim? Isso não está escrito na natureza? Nenhum filhote se desenvolve sem a presença de sua mãe?

Assistindo o maravilhoso filme “Relatos do front” que documenta a violência da malsinada “Guerra às drogas” no Rio de Janeiro, onde são ceifadas vidas humanas de todos os lados e todos sofrem com a destruição dessa Cidade Maravilhosa transformada em um campo de guerra, ouvi o depoimento de um ex traficante que narrou seu primeiro encontro com a mãe, após aderir à guerra. Contou que estava armado de fuzil guarnecendo a boca de fumo quando viu sua mãe se aproximar. Valente com a arma na mão, estava acostumado a enfrentar a polícia e os rivais, mas ao ver sua mãe se aproximar, tremeu e teve medo. Sua mãe chegou e serenamente se dirigiu ao filho e disse: “Eu te amo”. Nesse instante todos os que ali estavam fortemente armados choraram, inclusive ele, que acrescentou: “Mãe é foda”!

D.W. Winnicot realça a necessidade do reconhecimento da importância do do papel materno e reforça que não é gratidão nem louvor. Quando as pessoas não reconhecem essa importância o fazem por uma sensação de medo. Quando uma pessoa não reconhece essa dependência do bebê na fase inicial do desenvolvimento, que causa um obstáculo ao conforto e à saúde completa, ocorre um obstáculo que resulta de um medo. Não havendo um verdadeiro reconhecimento do papel da mãe, então permanecerá em nós um vago medo de dependência. Esse medo adquire por vezes a forma de um medo à mulher, em geral, ou a uma determinada mulher; e, noutras ocasiões, assumirá formas menos facilmente reconhecíveis, mas incluindo sempre o medo de ser dominado.

Contudo o medo de ser dominado não faz com que grupos de pessoas evitem ser dominados; pelo contrário, são atraídos para uma dominação específica ou escolhida. É comprovado que se estudarmos a psicologia do ditador, é de esperar que se encontre, entre outras coisas, que em sua luta pessoal está tentando esforçadamente controlar a mulher cujo domínio ele inconscientemente ainda teme, procurando controlá-la servindo-a, atuando para ela e, por seu turno, exigindo total sujeição e “amor”, afirma Winnicott.

E, conclui afirmando para que os bebês se convertam, finalmente, em adultos saudáveis, em indivíduos independentes, mas socialmente preocupados, dependem totalmente de que lhes seja dado um bom princípio, o qual está assegurado, na natureza, pela existência de um vínculo entre a mãe e o seu bebê: amor é o nome desse vínculo.

---
Darlan de Holanda, juiz e membro da Associação Juízes para a democracia.

MANIFESTANTES FAZEM PASSEATA CONTRA VENDA DA EMBRAER

REDAÇÃO -


Um ato contra a venda da Embraer para a Boeing reuniu cerca de 120 manifestantes no centro de São José dos Campos, na manhã desta quarta-feira (23). Organizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos, a mobilização mostrou para a população os inevitáveis riscos da transação.


Participaram do protesto diversas categorias, como petroleiros, professores, aposentados, metroviários de São Paulo e metalúrgicos de Itajubá (MG). Também participaram representantes da CSP-Conlutas, do movimento por moradia Quilombo Coração Valente, PSTU e PSOL.

Após concentração em frente à Praça Afonso Pena, os manifestantes saíram em passeata pelas ruas do centro de São José. Durante o trajeto, as lideranças sindicais explicavam os diversos problemas que a venda da Embraer para a Boeing poderia gerar a todo Vale do Paraíba.

“Se a Boeing comprar a Embraer, ficando com 80% do controle desta nova empresa, corremos o risco de assistir ao fechamento da fábrica aqui em nossa região. A Boeing não tem nenhum compromisso social com nossa cidade”, explicou o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves.

O encerramento do ato ocorreu em frente à Prefeitura, onde os manifestantes cobraram um posicionamento do prefeito Felício Ramuth (PSDB) em defesa dos empregos na cidade. Também foi realizada uma votação simbólica que se decidiu por barrar a venda da Embraer.

“Este foi um ato para dialogar com a população. Precisamos incluir a sociedade neste debate”, concluiu Weller.

Fonte: Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos

BOLSONARO REDUZIU A INTERINIDADE DO VICE MOURÃO

HELIO FERNANDES -


Surpresa total. Estava assentado e acertado: ele voltaria de Davos dia 27, a cirurgia estava marcada para o dia 28. Iria direto para o hospital. Mourão continuaria como vice, no cargo de presidente interino. A cirurgia e a recuperação, estavam previstas para 10 dias.

Seria uma interinidade longa. Mas ontem o presidente modificou todo o roteiro, e comunicou ao vice.

Chegará no dia 27 mesmo, quer que o vice espere no aeroporto, para passar o cargo imediatamente, ele já estará no Brasil. Será operado como presidente em exercício. Os médicos calculam que em 10 dias poderá voltar para casa e para o Planalto. Durante os 2 ou 3 primeiros dias despachará do hospital. Só receberá o porta-voz. E excepcionalmente, autorizado pelos médicos, o general Augusto Heleno, indispensável.

Será montado ao lado do hospital, uma replica do Planalto, (mínima, claro) sempre com médicos do lado, sem assistir reuniões e despachos do presidente. Isso é inédito. Mas rigorosamente constitucional.

Mourão voltará a ser interino em março, Bolsonaro vai aos EUA. E em fevereiro para Israel. Só para mostrar a diferença com os EUA. Lá o vice só assume definitivamente.

PS- Em 1896 o presidente foi assassinado 6 meses depois da posse. Assumiu o vice Theodore Roosevelt  foi reeleito em 2000 e 2004.

PS2- Em 2008 não quis mais. Em 2012, voltou a querer. Os 2 granes partidos já tinham candidato, fundou o PP e disputou.

PS3- Não se elegeu mas tirou segundo, derrotando o  candidato Republicano.

O VICE EM EXERCÍCIO, A ÉTICA E A ESTÉTICA

O general Mourão fez uma carreira atribulada e atormentada. E principalmente surpreendente. Ignorado, comandava um batalhão armado no interior do RGS. Foi fazer conferencia num clube de elite, afirmou: "O Brasil precisa de uma intervenção militar". Repercutiu muito mal. O comandante do Exercito, general Villasboas mandou demiti-lo. E logo depois passou-o para a reserva. Parecia liquidado.

Jair Bolsonaro insistia com o senador evangélico delirante, Magno Malta que fosse seu vice. Achando que tinha a reeleição garantida, recusou. Bolsonaro, que teve todos os convites recusados, apelou para o general Mourão. Este que sem explicação, convicção ou duvidas, tinha sido feito presidente do Clube Militar, aceitou na hora.

Sem respeito à Bolsonaro conviveu com ele, ás "caneladas", palavra cunhada por Bolsonaro.

Sem ÉTICA, eleito, antes da posse, deu entrevista coletiva, explicando, todos lembram: "Quem vai assumir sou eu, Bolsonaro não tem condições físicas de assumir".

Agora, na primeira viagem o presidente teve que passar o cargo ao vice, para uma interinidade longa, por causa da cirurgia. Só que ontem, como revelei com exclusividade e com detalhes, Bolsonaro devolveu-o ao segundo lugar a partir de sexta feira. Mourão sentiu o golpe, mas tem que esperar as próximas viagens, em fevereiro e março.

PS- Assim como Bolsonaro não podia ser presidente, Mourão não podia ser vice presidente. Não tem nem compostura para se vestir, essa é uma ESTÉTICA importantíssima de preocupação.

PS2- Diariamente exibe sapato preto com meia marrom, ou sapato marrom com meia preta. Não sabe de nada, mesmo as mais simples.

MARINHO DEFENDE RETIRAR TUTELA DO ESTADO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS

REDAÇÃO -

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse hoje (23), em Brasília, que é preciso retirar a tutela do Estado na relação entre empregadores e trabalhadores, ampliando a reforma trabalhista. Marinho apresentou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em 2018, quando houve saldo positivo de 529,5 mil empregos formais.


Esta administração vai acentuar as conquistas estabelecidas com a reforma trabalhista. Acreditamos que há uma necessidade de retirarmos ainda mais a tutela do estado na relação entre o público e o privado, entre os empregadores e empregados, facilitar a vida daqueles que querem empreender no Brasil, desburocratizar, permitir que um número maior trabalhador saia da informalidade”, disse Marinho.

Ele citou que os trabalhadores com contratos intermitentes, temporários e aqueles que trabalham com aplicativos precisam “ser apoiados” com mudanças nas regras trabalhistas. “O modelo tradicional de carteira assinada é importante, mas temos que apoiar esse grande segmento de trabalhadores que estão em novas modalidades, inclusive na questão dos aplicativos”.

Fonte: Força Sindical

JÁ NÃO SE FAZEM MAIS PETROLEIROS, METALÚRGICOS, ELETRICITÁRIOS E NEM GENERAIS COMO ANTIGAMENTE!

EMANUEL CANCELLA -

O pioneiro Centro de Defesa do Petróleo (5)



Paulo Guedes, ministro da Economia, declarou que vai privatizar 100% das estatais. Guedes também é autor da proposta da Reforma da Previdência aos moldes do Chile, a mesma que levou o país andino ao recorde de suicídio de aposentados (1).

Guedes vai introduzir a capitalização na Previdência, o que quer dizer dar dinheiro para os banqueiros.  Você acredita que os bancos privados vão garantir aposentadoria de trabalhador? O negócio é tão bom que os militares já declararam: “Me inclui fora disso!”

Paulo Guedes é homem do mercado e aliado aos banqueiros. E tem mais, Guedes deu rombo de um BI de reais nos fundos de pensão das estatais, entre eles o da Petros (2).

Por esse rombo dos gestores e de Guedes, os petroleiros estão pagando 13% de seus salários, por 18 anos, de um rombo total de R$ 27 BI. E a Petrobrás e a Petros dizem que poderão ocorrer outros rombos  e que também serão pagos pelos petroleiros.

Os petroleiros do estado do Rio de Janeiro ganharam uma liminar na justiça que manda sustar os descontos, entretanto a direção da Petros não cumpre.

Quando o ex-presidente, FHC, na década de 90, tentava entregar a Petrobrás, bateu de frente com os petroleiros, numa greve de 32 dias, a maior de nossa história, derrotando a privatização.

Na campanha O petróleo é Nosso, na década de 40/50, os generais que eram os carros-chefes da campanha.

Nem todos da família de FHC são entreguistas. O pai, Leônidas Cardoso, e o tio, Felicíssimo Cardoso, ambos generais, eram defensores ferrenhos da Petrobrás. O tio general Felicíssimo era conhecido como “General do Petróleo”.

Um governo corrupto, já que grande parte dos ministros está envolvida em corrupção e agora sabemos que o assessor laranja do deputado Flavio Bolsonaro, o Queiroz, alimentava a conta bancária da família (3).

E, como se não bastasse:
“O gabinete do senador eleito e ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) empregou até novembro do ano passado a mãe e a mulher do capitão Adriano Magalhães da Nóbrega, tido pelo Ministério Público do Rio como o homem forte do Escritório do Crime, organização suspeita do assassinato de Marielle Franco” (4).
Um governo corrupto, golpista que já entregou a Embraer e querem entregar Petrobrás e Eletrobrás, e contam com apoio dos militares (3)!

Em tempo: O meu livro A outra face de Sergio Moro está a venda no Mercado Livre, cuja a renda é integralmente para os demitidos da indústria naval: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1163280532-livro-a-outra-face-de-sergio-moro-_JM?quantity=1.

Fonte:
1https://horadopovo.org.br/sem-previdencia-publica-chile-tem-suicidio-recorde-entre-idosos-com-mais-de-80-anos/

O QUE FALTA PARA O DELTAN DALLAGNOL DESENHAR O POWER POINT DO BOLSONARO?

JEFERSON MIOLA -


Sempre é útil lembrar que Flávio Bolsonaro e o laranja dos Bolsonaro, Fabrício Queiroz, foram poupados pela Operação Furna da Onça, o braço da Lava Jato do RJ que levou à prisão 10 deputados estaduais e assessores parlamentares.

As ilicitudes cometidas por Flávio e Queiroz, idênticas às praticadas pelos parlamentares e assessores presos, foram abafadas pela Lava Jato para proteger a candidatura presidencial do Jair e a candidatura ao Senado do Flávio.

O esquema do Queiroz e do Flávio somente foi descoberto depois do segundo turno da eleição, e por meio de vazamento do COAF que escapou ao controle do Moro e do Dallagnol.

Desde então, a cada dia surgem novos detalhes sobre as falcatruas e abundam novas provas dos ilícitos [ler aqui]. A despeito disso, Deltan Dallagnol, Moro e a horda da Lava Jato incrivelmente fazem de conta que o assunto não é com eles.

Para facilitar o trabalho do Deltan e a turma da Lava Jato, segue adiante um roteiro com os fatos conhecidos, para que finalmente deixem de prevaricar e preparem o power point do Flávio e do Queiroz:

1. as suspeitas são de práticas de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, formação de quadrilha, negócios obscuros, enriquecimento ilícito e, cereja do bolo, de envolvimento com o alto-comando do Escritório do Crime.

O Escritório do Crime, organização especializada em matar sob encomenda, é considerada a mais letal e secreta milícia do Rio. A milícia controla “da primeira à última rua” da segunda maior favela do Rio, a Rio das Pedras, e é suspeita de relação com o assassinato da Marielle Franco e do Anderson Gomes;

2. são muito fortes os indícios de relação da família Bolsonaro com milícias do Rio;

3.em dezembro passado, Fabrício Queiroz se escondeu e buscou refúgio na favela Rio das Pedras para fugir da justiça [ler aqui];

4. a mãe e a esposa do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, ex-capitão do BOPE e um dos chefes do Escritório do Crime, trabalharam no gabinete de Flávio Bolsonaro até novembro passado, e repassavam para o esquema da família Bolsonaro parte do salário que recebiam no gabinete do Flávio;

5. na ALERJ, Flávio Bolsonaro apresentou Moção de Louvor e Congratulações ao miliciano Adriano “pelos inúmeros serviços prestados à sociedade” [2003], bem como a outro chefe da milícia, o ex-capitão Paulo Alves Pereira [em 2004];

6. Bolsonaro pai fez carreira política enaltecendo a prática de extermínio e defendendo a atuação das milícias, e na ALERJ o filho Flávio defendeu a legalização das milícias; e, finalmente,

7. Flávio Bolsonaro, que já homenageou os chefes do Escritório do Crime suspeitos de envolvimento no assassinato da Marielle, foi o único deputado da ALERJ que votou contra a concessão da medalha Tiradentes em homenagem à vereadora.

Diante desse roteiro, pergunta-se ao DD, Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato: isso tudo basta para fazer o power point do Queiroz ou ainda é preciso desenhar?