23.7.17

DÓRIA/PSDB, PREFEITO DE SP, APLICA AOS MORADORES DE RUA: PROIBIÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE SOPA, DE COBERTOR, E USA MANGUEIRA DE ÁGUA FRIA NO CORPO DOS POBRES

EMANUEL CANCELLA -

Todas as religiões, Cristã, Muçulmana, Judia, budista, Umbandista, e os ateus também, etc; Instituições como a Maçonaria, Rotary, Lyons, Roza Cruz, etc, que defendem a fraternidade tem obrigação de se manifestar contra essa violência.


O PSDB golpista apresenta suas propostas de governo caso o tucano Aécio Neves fosse eleito. Aliás, seu programa já esta sendo executado no governo do golpista Temer que tem apoio integral e irrestrito do PSDB.

No social: Moradores de rua - ficam  proibidos a distribuição de sopas, via Ongs, particulares, etc; decreto manda confiscar cobertor, mangueira de água dirigida ao corpo para expulsar o sem teto do local (11,12,13).

Todas as religiões, Cristã, Muçulmana, Judia, budista, Umbandista, e os ateus também, etc; Instituições como a Maçonaria, Rotary, Lyons, Roza Cruz, etc, que defendem a fraternidade tem obrigação de se manifestar contra essa violência.

Na economia:

Abertura total e irrestrita do mercado aos gringos, a volta da Privataria Tucana:

- A pleno vapor no governo Temer/PSDB o fim da engenharia nacional; e da construção naval, navios e plataformas como no governo de FHC volta a ser construídos no estrangeiro gerando emprego e renda lá fora;

Substituição das construtoras brasileiras consideradas corruptas, pelas estrangeiras, o Globo fez lobby em editorial e colocada em pratica pelo governo Temer/PSDB. Na Petrobrás o tucano Pedro lalau Parente convocou para área de exploração e produção a Total francesa, considerada a mais corrupta entre as empresas de petróleo (9). Lembrando que nessa área a Petrobrás já ganhou por três vezes o premio OTC considerado o “Oscar” da indústria do petróleo(14).

O governo golpista, Temer/PSDB na Petrobrás, via seu presidente, Pedro lalau Parente, aplica a seguinte receita. É proibido falar em privatização da companhia. Isso por que os tucanos no governo de FHC até tentaram, mas deram com os burros n’água: enfrentaram a maior greve da historia da categoria, de 32 dias, que teve apoio de amplos setores da sociedade como sindicatos, universidades, movimentos sociais cuja palavra de ordem era “Somos todos Petroleiros”. 

Pedro lalau Parente dá continuidade ao programa de FHC na companhia que depois da derrota da privatização dividiu a companhia em “Unidades de Negócios” para vende-la fatiada. FHC só consegui vender 30% da refinaria do sul, Refap. Um dos primeiros atos do governo Lula, foi recomprar a fração vendida da Refap.

Pedro lalau Parente retoma de forma vigorosa a entrega da Petrobrás, e faz isso com aval da Lava Jato. Entre outros ativos da companhia, já “vendeu” áreas do pre-sal, o campo de Carcará a preço de um refrigerante o barril de petróleo, quando o preço hoje, 22/07/17, é de US$ 50 (1). Vendeu a petroquímica de Suape pelo valor de 5 dias de faturamento (7,8).

Vendeu o duto mais estratégico e lucrativo da companhia o do sudeste – NTS, agora vamos ter que pagar e aguardar os concorrentes na fila para usar esses dutos para distribuição de derivados de petróleo na região mais desenvolvida do país.

E Pedro lalau Parente que já é réu em ação movida por petroleiros quando ministro de FHC e membro do Conselho de Administração da Petrobrás (10). E Lalau vende tudo sem licitação, ao arrepio da lei, para quem quer e pelo preço que ele mesmo determina, com total omissão da Lava Jato.

Lula em seu governo retomou o programa do pré-sal, desenvolvendo tecnologia inédita no mundo que permitiu a descoberta do pré-sal.

A Globo que participou junto com FHC, da tentativa frustrada da privatização da Petrobrás, em sua sanha entreguista, lançou em dezembro de 2015 em editorial: “O pré-sal pode ser patrimônio inútil” (2). E Pedro Lalau Parente para não deixar duvidas de seu papel entreguista, em agosto de 2016: ...afirmou que a estatal é vitima do que considera ser um “endeusamento do pré-sal”(3).

Em resposta aos golpistas, lalau, a Globo e ao PSDB: ...”o Brasil graças ao pré-sal se consolida como o 10º maior produtor de petróleo do mundo e o maior da América Latina, ao atingir 2,6 milhões de barris por dia, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), "entre os países que não fazem parte da Opep”...(3).

Pedro lalau Parente em, 09/07/17, através de editorial de o Globo se exalta: O avanço da Petrobras na recuperação (4). Veja o “avanço” da empresa via o golpista Temer e Lalau: ...Gasolina pode ter maior alta em 13 anos com aumento de tributação...(5).

Precisamos unir toda a sociedade, com na década de 40/50 na campanha “O petróleo é nosso!”; civis e militares, comunistas e conservadores, estudantes e as ligas camponesas,  para barrar os golpistas, entreguistas e nazistas!

Fonte:

* Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese, sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro” que pode ser adquirido em: http://emanuelcancella.blogspot.com.br/2017/07/a-outra-face-de-sergio-moro-pontos-de.html

OFENSIVA DA MÍDIA COMERCIAL CONTRA A VENEZUELA É UMA ESCALADA GOLPISTA

MÁRIO AUGUSTO JAKOBSKIND -



A ofensiva da mídia comercial conservador contra o governo de Nicolas Maduro se intensifica a cada dia. Jornais como O Globo, o mais vendido do Rio de Janeiro, e outros da mesma linha agrupados no grupo Diário das Américas dedicam diariamente pelo menos uma página para acusar o governo bolivariano e apoiar a oposição, que não esconde o objetivo de tomar o poder a qualquer custo.

El Jefe del Comando Sur de EEUU
Kurt w. Tidd presento
un informe contra Venezuela



Seguindo a mesma trilha, o governo golpista chefiado por Michel Temer segue os passos do governo Donald Trump e outros do continente latino-americano como o da Argentina. Os argumentos são sempre os mesmos, mas a mídia comercial conservadora não divulga os argumentos contrários aos que pregam os que querem derrubar o governo Maduro. Fica valendo apenas o que dizem os oposicionistas. E tudo isso acontece diariamente nos jornalões e telejornalões.

Chegaram ao ponto de divulgar que o povo venezuelano se manifestou em um plebiscito contra o governo do Presidente Maduro e também contra a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, o que Trump é contra e ameaçou com represálias econômicas caso se realize como está marcado no próximo dia 30 de julho.

No plebiscito badalado pela mídia comercial conservadora foram apresentadas imagens de manifestações em favor da Constituinte, que se realizava no mesmo domingo, com se fossem da escalada golpista proporcionada pela oposição coordenada com forças retrógradas do continente latino-americano.

Para se ter uma ideia do grau de comprometimento do governo usurpador brasileiro, uma das primeiras ações que o preso político Leopoldo Lopez fez ao lhe ser concedida prisão domiciliar foi telefonar para o putrefato político Michel Temer para agradecer o seu empenho para com ele.

Lopez, condenado por incitar a violência, foi cumprir a pena em casa, mas não reconheceu o que fez o governo venezuelano com o objetivo de distensionar o país. Preferiu agradecer o ilegítimo que ocupa o governo brasileiro que em várias oportunidades tem se manifestado contra o governo Maduro seguindo os passos do Departamento de Estado norte-americano.

Jorge Rodríguez denunció
irregularidades en
consulta opositora este 16 de julio


No tal plebiscito ultra badalado pelos meios de comunicação conservadores da América Latina aconteceram fatos superdimensionados para demonstrar ter ocorrido um grande número de votantes. No Rio de Janeiro, por exemplo, um grupo de venezuelanos foi votar numa urna localizada na Lagoa e a informação divulgada é que cem por cento votaram contra o governo Maduro.

Assim que tocou a banda, sem comprovação de que o total de votantes teria sido o divulgado pelos que realizaram o que denominaram de plebiscito, mas na verdade mais estratégia visando a derrubada de um presidente constitucional.

Na verdade, mais do que um plebiscito o que aconteceu mesmo foi de fato uma escalada golpista orquestrada por alguns países liderados pelos Estados Unidos. Mas isso jamais seria divulgado pela mídia comercial conservadora, porque se o fosse o acontecimento perderia a credibilidade e não cumpriria objetivo de enganar os incautos.

E para reforçar o esquema golpista, os meios de comunicação conservadores superdimensionaram o lockout de alguns empresários contra o governo Maduro. O movimento golpista de alguns empresários foi divulgado como se fosse uma greve e não um lockout. O referido movimento não passa da mesma escalada golpista.

Vale então assinalar que greve é um movimento de trabalhadores, enquanto lockout é uma ação de empresários, fato acontecido em outros movimentos golpistas, como, por exemplo, no Chile quando do golpe chefiado pelo assassino Augusto Pinochet contra o presidente constitucional Salvador Allende, também com o apoio incondicional do então governo estadunidense sob o controle de Richard Nixon e do Secretário de Estado, Henry Kissinger.

Em tempo: o Ministro golpista do governo putrefato de Michel Temer, Aloysio Nunes Ferreira, na maior cara de pau convocou a oposição venezuelana e o governo para se reunirem em Brasília. Uma pergunta que não quer calar: qual a moral que tem o Ministro para fazer essa convocação? O governo brasileiro está visivelmente ao lado da oposição golpista venezuelana e não tem a mínima credibilidade para convocar o que quer que seja. É um governo oriundo de um golpe parlamentar, que jamais foi contestado por governos apoiadores incondicionais dos oposicionistas venezuelanos. Está mais do que na cara que o "apelo" de Nunes Ferreira não passou de mais uma jogada para tentar enganar incautos.

* Mário Augusto Jakobskind, é Professor, Jornalista, Escritor e Coordenador de História do IDEA, Programa de TV., transmitido pela Unitevê, Canal Universitário de Niterói, Universidade Federal Fluminense (UFF). Fonte: blog Jornal da ABI

A CONSTITUINTE DE 2017 E OS INTERESSES ESPÚRIOS DOS QUE SE DIZEM DEMOCRATAS

Por ANDRÉ MOREAU -


O Presidente Nicolás Maduro, resumiu os ataques contra seu País de forma objetiva, lembrando que para o Governo espanhol, o referendo contra a Constituinte da República Bolivariana da Venezuela, é legal, já o referendo da Catalunha que pretende tornar a região independente da Espanha, segundo o Primeiro Ministro Mariano Rajoy Brey, é ilegal.

Leia mais em INTERNACIONAIS

* André Moreau, é Coordenador-Geral da Pastoral IDEA, Professor, Jornalista, Diretor do IDEA, Canal Universitário de Niterói, Unitevê, Universidade Federal Fluminense (UFF). **Esse texto foi enviado por e-mail pelo autor.

TEMER FAZ DISCURSO PARA BOI DORMIR

MIRSON MURAD -


O mafioso Michel MiShell Pau Mandado Carandiru Lava Jato Odebrecht Belo Recatado Do Lar Ministros Fichas Borradas Convenhamos Porque Não Dizer Digamos Assim Dois Milhões Mensais da Friboi Por 30 Anos Audiência Secreta No Palácio do Planalto Altas Horas Mala de 500 Mil Reais Compro Apoio Político Temer, AINDA SENTADO NAQUELA CADEIRA, sempre faz rebuscados discursos. Essa semana, o AINDA MiShell, discursando na reunião do Mercosul, foi muito vibrante, empolgante. Como sempre acontece em seus discursos ramalhudos, foi uma ótima oportunidade para as pessoas presentes tirarem um cochilo. Henrique Meirelles, sentado ao seu lado, está como prova e não me deixa mentir.

---
Leia também:

A AFRONTOSA INDIGNIDADE DO PEZÃO

UMA ANTA SEM-VERGONHA; TARADO CANTOU A MULHER DO DOLEIRO; CAIXA 2 NÃO É SUFICIENTE PARA PAGAR A MANSÃO DE MANGARATIBA

22.7.17

DEPRESSÃO ECONÔMICA COMO INSTRUMENTO DE POLÍTICA

JOSÉ CARLOS DE ASSIS -


Muitos parlamentares e analistas alegam diante dos resultados negativos inequívocos da economia ao longo dos dois últimos anos que a política econômica deste Governo fracassou. Isso se constataria pelo comportamento depressivo do PIB, do desemprego, da receita pública, da deterioração das finanças estaduais. Entretanto, não é verdade que a política econômica de Temer e de outros ladrões tenha fracassado. Ela está dando resultados espetaculares, tendo em vista os objetivos que a camarilha econômica se propôs.

O programa econômico que a banca fez para o grupo que assaltou o poder depois do impeachment, denominado Ponte para o Futuro, está sendo cumprido à risca, e a profunda depressão facilita esse processo. Sumariamente, seu objetivo consiste, de um lado, em restringir o espaço do setor público na economia para ampliar o do setor privado e, de outro, em reduzir o custo do trabalho. A radicalização da privatização, incluindo a privatização fatiada da Petrobrás e a prometida privatização da Previdência, vai junto com a precarização do trabalho, conquistada pela recente destruição de parte da histórica legislação trabalhista.

O resultado da economia, nesse contexto, é um detalhe. O projeto global consiste na consolidação do Brasil como celeiro do mundo, através do agronegócio, colocando em segundo plano todos os demais objetivos de desenvolvimento, especialmente a industrialização e seu corolário natural, os investimentos em ciência e tecnologia. É uma estratégia suicida que se nutre de uma tese de Fernando Henrique Cardoso desenvolvida no início dos anos 70, que sustenta que seremos eternamente dependentes do primeiro mundo.

No plano internacional, estão sendo reforçados os vínculos de toda a ordem com os Estados Unidos - inclusive, através da Laja Jato, os jurídicos, investigativos e penais, e fora desse sistema, Alcântara. Em uma palavra, trata-se de um processo de liquidação de nossa soberania, comandado inacreditavelmente por uma quadrilha de assaltantes dos postos de mando do Governo, sem qualquer mandato popular para isso. Mais impressionante é a velocidade com que a destruição dos alicerces da Nação vai sendo feita, ancorada num Congresso comprado.

Discuti ontem com um grupo de professores da UERJ, universidade que vem sendo estrangulada no contexto do esmagamento das finanças estaduais do Rio e de vários outros Estados, as alternativas para saída da crise. Na realidade, não há saída convencional. Tenho sustentado a tese de que o caminho é a exacerbação em nível absoluto do conflito federativo. O Governo federal não tem nenhuma intenção de ajudar os Estados a superar a crise financeira em que se debatem. Na realidade, a crise é uma oportunidade para forçar o projeto de privatização e de redução do setor público também em nível estadual.

Se tivéssemos líderes estaduais menos pusilânimes, a crise financeira dos Estados, oriunda de uma dívida que considero nula, já teria explodido com a denúncia da ruptura do pacto federativo pela União. Desde os anos 80 a federação vem sendo violada no âmbito fiscal, financeiro, tributário, com o objetivo exclusivo de atender aos requisitos financeiros impostos no passado pelo FMI e, no presente, pelas agências de risco, sentinelas da banca privada. Diante disso, tanto quanto retomar a soberania sobre a economia, é fundamental buscar mecanismos de poder para que os Estados recuperem suas prerrogativas federativas.

1- CURSO GRÁTIS DE FORMAÇÃO POLÍTICA E ECONÔMICA NO SINDIPETRO-RJ; 2- AUDIÊNCIA PÚBLICA EM DEFESA DA PETROBRÁS, ATO CONTRA O DESMONTE

Via SINDIPETRO-RJ -

O Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro em parceria com a Pró Reitoria de Extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ lançam Curso Grátis de Formação Política e Econômica. "Como Funciona a Sociedade I" será ministrado pela professora de Economia Política e Pró Reitora de Extensão da UERJ, Maria Malta. Inscrições e informações pelo telefone: (21) 3034-7305 ou e-mail. A prioridade é para sindicalizados e por ordem de inscrição. Confira a programação:


***
Audiência Pública em Defesa Petrobrás, Ato Contra o Desmonte

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ)  realiza na quarta-feira, dia 3 agosto,  uma Audiência Pública  sobre o desmonte da Petrobrás. O evento é promovido pela CPI da Petrobrás que investiga  o desmonte e venda de ativos da empresa.

A Comissão Parlamentar de Inquérito presidida pelo deputado Paulo Ramos (PSOL) começou sua atividades em 22 de junho com objetivo de  verificar se a venda de ativos da estatal preenche as normas legais e atende aos interesses econômicos do estado, num prazo de 90 dias para concluir seus trabalhos, prorrogáveis por mais 60.

Por isso, nós trabalhadores do Sistema Petrobrás, precisamos marcar presença nesse dia. Todos os atingidos por essa política de desmonte: trabalhadores da Petrobrás, BR Distribuidora, Liquigás, Transpetro, refinarias, desempregados não podem se furtar a esse debate.

Vamos comparecer em peso, pressionar os parlamentares e mostrar pra sociedade o que eles estão fazendo com a maior empresa do Brasil!

HÁ 50 ANOS: A MORTE DO SR. HUMBERTO DE CASTELO BRANCO

HELIO FERNANDES -

Matéria publicada na edição nº 5.321 do jornal Tribuna da Imprensa em 19/07/1967.


Nunca pude entender o fato de chorarem e lamentarem TODAS as mortes indistintamente. Se todos têm que morrer um dia, se a morte é finalização natural e inevitável da vida, sempre escapou à minha compreensão o fato de todos se nivelarem todos na mesma dor, moços e velhos, heróis e covardes, talentos e medíocres, gente que contribuiu para o progresso e a dignificação da humanidade e gente que não fez outra coisa senão explorá-la.

A vida é que classifica os homens e a morte, sendo inevitável, não pode ser mais do que um julgamento, um encontro de deve e haver. Se os canalhas também morrem, porque consagrá-los com as mesmas lágrimas que destinam e que não tiveram medo da vida, e deram a ela todo o seu desprendimento e toda sua grandeza?

Leia mais na COLUNA

VENEZUELA: A CONSTITUINTE AVANÇA, A DIREITA FRAUDA PLEBISCITO E O IMPERIALISMO SE DESESPERA

Por ROBERTO SANTANA SANTOS - Via Brasil em 5 -


A Venezuela permanece nas manchetes dos jornais. Dessa vez os grandes meios de comunicação vêm destacando um certo “plebiscito” realizado pela direita venezuelana no último domingo, 16 de julho. Reproduzindo acriticamente a informação dada pelos próprios opositores, nos é apresentado o número de 7 milhões de participantes que teriam dito não à Constituinte convocada pelo presidente legítimo do país, o chavista Nicolás Maduro. Obviamente, como tudo que sai sobre a Venezuela na grande mídia, tudo não passa de uma grande fraude. Vejamos o porquê.

O Conselho Nacional Eleitoral – CNE (Justiça eleitoral daquele país) é, pela Constituição venezolana, um Poder da República. Naquele país existem 5 poderes, e não 3, como estamos acostumados no Brasil. Além do Executivo, Legislativo e Judiciário, existe o Poder Eleitoral representado pelo CNE e o Poder Moral (junção da Controladoria da República, Procuradoria Geral da República e Defensoria Pública). Todos têm autonomia e igualdade. O CNE é a autoridade máxima em matéria de eleições, referendos e qualquer consulta pública à população. A direita venezuelana nunca reconheceu a autoridade do CNE, a não ser, claro, nas poucas vezes onde obteve vitória eleitoral. Uma posição desrespeitosa com a democracia, com a vontade do povo e com a Constituição. E cá entre nós, um infantil choro de perdedor em reconhecer uma eleição somente quando se vence.

Leia mais em INTERNACIONAIS

FORÇAS ARMADAS VÃO OCUPAR O RIO DE JANEIRO PARA COMBATER A VIOLÊNCIA

ALCYR CAVALCANTI -


Com o aumento dos índices de violência em proporções jamais vistas, o Ministro Raul Jungman, da Defesa, resolve atender aos apelos da população do Estado do Rio de Janeiro que não suporta mais sofrer assaltos, estupros, sequestros e ter de conviver com a criminalidade sem nada poder fazer. Uma comitiva saiu do Rio composta pelos governador, vice-governador, presidente da Câmara e outros menos votados para pedir pela centésima vez uma ajuda do governo federal para mais um combate ao crime. Na prática foi um atestado da falência total da segurança pública, que já não funcionava plenamente em toda a cidade, mas que conseguiu manter uma aparência fugaz durante algum tempo, com a única finalidade de atrair turistas em função dos megaeventos.

Com a prova da ineficácia das Unidades Pacificadoras-UPP que só vieram trazer um cinturão cirúrgico de segurança ao tentar isolar do resto da população determinadas favelas denominadas "Zonas Vermelhas" que deram uma efêmera sensação de segurança, mas durante muito pouco tempo. Aos poucos a pacificação prometida, foi ficando cada vez mais distante, com a não realização da segunda fase das unidades, a implantação da chamada UPP Social, que nunca saiu do papel, embora o prefeito Eduardo Paes e secretários tenham recebido em Medellin um prêmio pelo êxito do programa. Na prática um grande engodo. Cansado de na prática enxugar gelo, pois a política de segurança tem sido voltada somente pelo combate ao narcotráfico, conceito que vem desde a "Guerra Contra as Drogas" implantado pelo presidente Reagan, há algumas décadas, mas que tem sido um retumbante fracasso, onde o número de mortes na "guerra" e o aumento do consumo de drogas não conseguiram em nenhum lugar reduzir os índices de violência.

No Estado do Rio de Janeiro, em especial na bela cidade de São Sebastião, a bandidagem anda à solta e faz o que bem entende. Se o crime altamente desorganizado de nossa cidade era quase incontrolável, agora com a entrada em massa do Primeiro Comando da Capital-PCC em aliança com a rede criminal Amigos dos Amigos-ADA veio trazer uma escalada de situações de conflito de sangue entre as redes criminais que combatem entre si dia e noite pela posse de território. Essa situação de intensos combates diários tem como resultado mortes em série de moradores, de crianças dentro e próximo à escolas, de narcotraficantes e de um número jamais visto de policias assassinados, estando ou não a serviço. Até o momento em que escrevo essas linhas já são noventa. O tráfico imita o Estado, até porque faz em nosso sistema parte do Estado, infelizmente. Da mesma foram que cartazes exibem recompensa pela captura de delinquentes, o crime também distribui prêmios pela morte de policiais. O lema "Traga-me a cabeça de um PM" está a ser usado pelo crime desorganizado, situação inimaginável, mas estamos como naquela selva urbana do magistral filme de Sam Peckinpah "Traga-me a Cabeça de Alfredo Garcia".

Para tentar resolver o caos urbano desembarcam na cidade centenas de homens das Forças Armadas e da Força Nacional para tentar retirar da antiga "Cidade Maravilhosa" o título de "Rio de Janeiro Terra sem Lei". Infelizmente, como em outras ocasiões a paz e harmonia vão ser momentâneas. Nós já vimos este filme. A "Guerra Contra as Drogas" vai continuar, assim como a violência urbana.

TRIBUTO A MARCO AURÉLIO DE ALMEIDA GARCIA

Por ROBERTO AMARAL -


Éramos amigos desde 1961, quando, mal saídos da adolescência, fomos eleitos para a diretoria da União Nacional dos Estudantes, e onde atuamos juntos por mais de um ano.

Desde o primeiro momento se revelaram suas qualidades políticas e intelectuais. Nos debates, nos conflitos ideológicos, admirava sua capacidade de promover encontros e formular sínteses.  Um orador seguro, expositor de primeiríssima qualidade. Simpático, afável, mas duro quando necessário; cultivava a ironia fina como estilo.

Na UNE, logo se tornou um dos ideólogos do Centro Popular de Cultura, onde encontraria Oduvaldo Vianna Filho (grande ator, autor e animador)  e Carlos Estevão (nosso formulador).   Com Clemente Rosas, como nós, também vice-presidente da UNE,   integramos a Seção Juvenil do PCB, onde brigávamos com a burocratizada direção partidária.

Leia mais em POLÍTICA
* Via e-mail. Roberto Amaral é escritor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia

DE JESUS CRISTO A LUIZ INÁCIO

EMANUEL CANCELLA -

Desgraçadamente, os algozes de Lula, os que dizem que combatem a corrupção, não respeitam nem crianças com necessidades  especiais. Moro e Dallgnol estão envolvidos no escândalo da APAE.


Lula está longe de ser um Deus e é perseguido simplesmente porque fez opção pelos pobres.

Na história da humanidade, todos que lutam pelos mais fracos são perseguidos, independente de condição social ou religião. E os exemplos começam por Jesus Cristo, Getúlio Vargas, João Goulart, Mahatma Gandhi, Martin Luther King Jr, e muitos outros, até heróis anônimos.

Jesus Cristo já pregava a igualdade entre os homens, para ele o que valia era o espírito, defendia os pobres e os doentes. Acabou sendo crucificado!

Não podemos nos esquecer de  Tiradentes, Joaquim José da Silva Xavier, nosso herói da independência, cantado em música, verso e prosa, de que foi sacrificado, traído e não traiu jamais, na luta por nossa independência.

E Brizola, que criou os CIEPS, onde as crianças podiam estudar e fazer refeições e ir para casa banhado, estudado e alimentado. Brizola, governador, exigiu igualdade de tratamento da justiça para com o morador da favela. Por conta dessa sua opção pelos pobres, principalmente as crianças, foi perseguido pela mídia, principalmente a Globo, e seu sonho de governar o Brasil foi barrado por esses impostores de sempre.

E Lula que não é nenhum Deus, mas passou pelos testes mais rigorosos de que a justiça já impôs a um homem público no Brasil: foram mais de três anos de intensa investigação, usando toda a máquina pública possível e dinheiro a rodo para, ao final, o procurador da Lava Jato, Dallagnol, declarar ao vivo, na Globo, para todo o Brasil, que não tinha provas contra Lula.

Essa burguesia, golpista e fedorenta, como dizia Cazuza, costuma denominar todo libertário como comunista, que come criancinha etc. A revolução francesa, que é um marco na história da humanidade, levantou a bandeira da liberdade, igualdade e fraternidade, aliás, os Maçons de todo mundo são fiéis a estes valores que eles chamam de landmark.

Precisou de uma revolução sangrenta para incutir na cabeça dos homens e mulheres a importância de Liberté, égalité, fraternité. Uma das principais vítimas da revolução francesa foi a própria rainha Maria Antonieta, que morreu guilhotinada, em 1793. Foi dela a frase dirigida aos pobres famélicos: “Se não tem pão, que comam brioches”.

No Brasil, há muitas Marias Antonietas. Veja do que é capaz um golpista:
Um pretenso candidato à presidência da República, João Dória, prefeito de São Paulo, manda jogar água fria no morador de rua, na praça da Sé; proíbe a distribuição de sopa aos famintos e  assina decreto que permite retirar cobertor de morador de rua. (3,4, 5).

Desgraçadamente, os algozes de Lula, os que dizem que combatem a corrupção, não respeitam nem crianças com necessidades  especiais. Moro e Dallgnol estão envolvidos no escândalo da APAE.

Dallagnol transformou o Ministério Público em balcão particular de negócios, realizando palestras principalmente para APAE, cujo valor cobrado é de R$ 40 mil.

Moro absolveu a mulher de Eduardo Cunha, a jornalista da Globo, Claudia Cruz, com medo de seu advogado, Marlus Arns, sócio de sua esposa, Rosângela Moro, nos escândalos milionários, na APAE no Paraná.

Como se não bastasse, de forma suspeitíssima, Rosangela Moro trabalha para empresas multinacionais de petróleo, concorrentes diretas da Petrobrás que é investigada pelo marido. Trabalha também para o PSDB. Ambos são os mais interessados na entrega da Petrobrás (1,2).

Moro engana o povo dizendo que combate a corrupção, mas deixa de fora os piores corruptos do Brasil:
A Lava Jato, que não  investigou e muito menos prendeu os tucanos FHC e Pedro lalau Parente,  saqueadores da Petrobrás, também finge que não vê o senador tucano  Aécio Neves, sete vezes delatado na operação.

Entretanto Moro já condenou uma pessoa que sabe ser inocente, o ex- presidente Lula, sequestrou seus bens e só falta prendê-lo.  O que ele quer é tirar Lula da eleição de 2018.

O sonho da maioria do povo é, mais uma vez, eleger Lula presidente. Será que Moro vai ter o poder de transformar esse sonho em pesadelo?

Fonte:

* Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese, sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro” que pode ser adquirido em: http://emanuelcancella.blogspot.com.br/2017/07/a-outra-face-de-sergio-moro-pontos-de.html

21.7.17

A DESTRUIÇÃO DAS GARANTIAS TRABALHISTAS NO 'ADMIRÁVEL MUNDO NOVO' TEM NOME: UBERIZAÇÃO

DANIEL MAZOLA -

João Cláudio Pitillo, Pesquisador e Professor de História da UERJ e Antonio Jorge Couto,  membro do Fórum Nacional dos Taxistas e sindicalista.
O fenômeno conhecido como uberização vem se multiplicando cada vez mais nesse país de crises permanentes e do vale tudo econômico e político. Para compreendermos a uberização nossa reportagem conversou com dois especialistas no tema: o pesquisador e professor de História da UERJ, João Cláudio Pitillo e com o membro do Fórum Nacional dos Taxistas e dirigente sindical, Antonio Jorge Couto, o Lampião.

Primeiro é necessários entendermos que Uberização é um conceito usado para designar um novo tipo de economia, perversa, no qual você tem pares oferecendo um serviço ou um produto, uma relação de troca, mas, no meio, você tem um intermediário extraindo valor dessas partes e não estabelecendo uma relação de trabalho formal com elas. Segundo o Professor João Cláudio Pitillo, “os donos das plataformas ou APPs detêm, em média, 25% a 30% do valor dos serviços prestados, sem um contrato que assegure direitos trabalhistas. Através de um marketing engenhoso, companhias bilionárias do Silicon Valley (EUA) apresentam para seus consumidores uma imagem positiva e utópica que é extremamente tentadora nestes tempos econômicos tenebrosos”.

O Uber diz que faz parte de um novo fenômeno, o da “economia compartilhada”— termo que conjura a imagem de pessoas alegres e bem-dispostas ajudando umas às outras, todas ganhando uma parcela justa no processo. Mas a ideia de que o Uber se enquadra nesse conceito de “economia compartilhada” é desonesta, pois o aplicativo nada mais é do que uma empresa extremamente agressiva tentando de tudo para maximizar seus lucros. “No Rio de Janeiro o Uber começou a operar fortemente a partir da Copa do Mundo em 2014. A ideia do negócio surgiu via uma empresa de alta tecnologia e acredita-se que exista participação da NSA (Agência de Segurança dos EUA). O Uber alega ser apenas uma empresa de TI que facilita a vida das pessoas, ligando um ponto a outro, mas na verdade operam um meganegócio na área de transportes. O Tribunal europeu recentemente reconheceu que eles exercem uma atividade de transporte. É importante destacar o que está por trás disso: o interesse de mapear os hábitos econômicos e comportamento das pessoas, assim depois eles podem vender pacotes de informações para projetos comerciais de fidelização dos clientes. O Uber tem acesso aos dados dos cartões de créditos”, explica o pesquisador João Cláudio Pitillo.

A economia digital hoje é o novo campo da flexibilização do trabalho, leia-se precarização. Olhando apenas para o Brasil: motoristas, motofretistas, caminhoneiros, esteticistas, operários da construção civil, trabalhadores do setor de limpeza, babás, assim como advogados, médicos, professores, entre outros, contam com aplicativos que possibilitam a uberização de seu trabalho. O mercado de trabalho em geral agora é permeado por um espaço virtual de compra e venda de trabalho, conhecido como marketplace. Trata-se de um universo virtual extremamente propício para a transformação de trabalhadores em microemprendedores, assim como de trabalhadores em trabalhadores amadores.

“No Brasil o Uber foi favorecido pelo ambiente de golpe de estado em 2014, chegaram desrespeitando nossas leis. Nesse contexto, o que de mais grave conseguimos identificar é a questão da precarização da mão de obra. As empresas de aplicativos piratas como Uber não tem ativos nenhum no mercado formal, não contratam mínguem, e numa economia fragilizada como a nossa eles estão aproveitando e ampliando os lucros. Existem várias leis que proíbem isso aqui no Brasil, mas nosso judiciário ao invés de aplicar a lei passou a interpreta-la, fazendo com que os taxistas fiquem desamparados. Agora qualquer um que precise complementar sua renda, ou esteja desempregado, está liberado para usar um automóvel e atuar na área de transportes. Esse indivíduo que precisa sobreviver via Uber na selva do capitalismo, está no centro de uma tragédia chamada ‘mão de obra precarizada’. Além disso, esse modelo só trás mais atrasos e transtornos, levando mais automóveis e engarrafamentos para as vias, aumenta a poluição, diminui a mobilidade urbana, e aumentando o número de acidentes. É obvio que transporte público não pode ser feito em carro particular”, frisa João Cláudio Pitillo.

Didaticamente, Antonio Jorge, taxista profissional há 33 anos, sindicalista e membro do Fórum Nacional dos Taxistas, explicou: “não tem outra forma de garantir a sobrevivência, o trabalhador é obrigado a trabalhar para empresários (capitalistas), ou por conta própria. As empresas que organizam a produção e põem seus produtos no mercado são propriedades privadas no sistema capitalista. Existem 110 mil carros particulares rodando na cidade do Rio de Janeiro através de aplicativos tipo Uber, estão todos ilegais. Essas pessoas não são monitoradas, treinadas e não pagam impostos. Por isso, temos tantos casos de acidentes e até estupros envolvendo esses motoristas. Muitos desses carros estão com busca e apreensão, sem passar pela vistoria obrigatória. As milícias têm migrado em grande número para mais essa categoria ilegal de transportes. O rendimento dos taxistas caiu em média 50%. Muitos taxistas não vão mais trocar seus carros, e a frota vai envelhecer, isso é péssimo para os usuários, vai cair em qualidade e segurança”.

Entre as muitas ilegalidades do Uber, vale destacar que a legislação não autoriza a iniciativa privada a taxar preços ou tarifas, isso é de exclusividade do setor público. Antonio Jorge também afirmou que, “Igrejas estão incentivando fieis desempregados a trabalhar com Uber como alternativa, assim podem sobreviver e levar o dízimo. Diversos países do mundo, principalmente europeus, estão banindo esse modelo Uber. Aqui no Rio de Janeiro o processo de Uberização veio na esteira do PMDB em 2014, o deputado e filho do ex-governador Sergio Cabral, quando veio de uma de suas viagens a Nova York falou que o Uber era uma maravilha e que deveria ser implantado por aqui. Tristeza e tragédia!”.

O fato é que em meio a tantas mudanças sucessivas e permanentes crises do capitalismo, que ocorrem em ritmo cada vez mais acelerado, o trabalhador, como não poderia deixar de ser, vem pagando o pato. E com as novas mudanças anti-trabalhador, denominada "reforma trabalhista", passaremos a viver um capitalismo sem direito do trabalho, com mais terceirizações e uberização.

Precisamos enfrentar isso, ou seremos todos escravizados novamente. Aceitar ou rebelar-se, simples assim!

SINDICATOS DOS FRENTISTAS DE SÃO PAULO MONTAM FORÇA-TAREFA PARA RESISTIR AOS ATAQUES DA REFORMA TRABALHISTA

Via FENEPOSPETRO -

Para o presidente da Federação dos Frentistas do Estado de São Paulo (FEPOSPETRO), Luiz Arraes (foto), a Lei da Reforma Trabalhista não vai matar o movimento sindical, nem acabar com a luta da classe operária. Segundo ele, a lei arbitrária e inconstitucional do governo veio para destruir o movimento sindical, mas acabou tendo efeito contrário, dando mais força, resistência e disposição de luta para os sindicalistas.


A Lei da Reforma Trabalhista não decretou o fim do movimento sindical. A afirmação é do presidente da Federação dos Frentistas de São Paulo (FEPOSPETRO), Luiz Arraes, que se reuniu, na quarta-feira (19), com os dirigentes dos 16 sindicatos da categoria no estado para traçar as estratégias de luta diante do quadro de retrocesso imposto pelo governo. Ele disse que as Confederações e Federações de diversas categorias no país estão se unindo e se organizando para questionar na justiça a constitucionalidade da nova lei. Arraes afirmou que a própria Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho (MPT), já se posicionaram contra a lei.

Segundo Luiz Arraes, não é a Lei da Reforma Trabalhista que vai dar jeito num país com mais de 15 milhões de desempregados, mercado desaquecido e um Congresso e um Executivo moralmente abalados por escândalos de corrupção. Arraes frisa que nenhuma empresa estrangeira vai investir no Brasil simplesmente porque o governo afrouxou as leis trabalhistas. O presidente da FEPOSPETRO afirma que o país está sem credibilidade e não será tirando o sangue e os direitos do trabalhador que o governo vai reverter esse quadro de recessão.

FORÇA-TAREFA - Os 16 Sindicatos dos Frentistas de São Paulo, que representam mais de 100 mil trabalhadores, montaram uma força-tarefa para intensificar o trabalho de base nos 645 municípios do estado. Segundo Luiz Arraes, os dirigentes da FEPOSPETRO vão fazer corpo a corpo e usar ferramentas de comunicação para informar aos trabalhadores as mudanças na Consolidação das Leis Trabalhista (CLT) e as consequências para a categoria. “Esse é um momento crucial para a classe trabalhadora que precisa despertar para a importância de se sindicalizar e fortalecer a categoria”, completou.

NEGOCIAÇÃO - Segundo Luiz Arraes, o movimento sindical tem pela frente uma grande incógnita, já que muitos pontos da lei ainda estão obscuros. Ele diz que vai ser preciso paciência e sabedoria dos dirigentes para desenrolar esse novelo. Arraes acrescenta que em São Paulo os trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência estão resguardados pela Convenção Coletiva até 28 de fevereiro de 2018, no entanto, hoje paira uma grande incerteza com relação a próxima negociação. O presidente da FEPOSPETRO destaca que assim como os sindicatos laborais, as entidades patronais também sofrerão as consequências da nova lei. “Já que o negociado vai sobrepor ao legislado, nós vamos lutar para fazer constar na Convenção o direito de representar todos os trabalhadores de postos de combustíveis”.

JUSTIÇA - O presidente da FEPOSPETRO vai participar da reunião dos dirigentes e do corpo jurídico da Federação Nacional dos Frentistas (FENEPOSPETRO), na próxima terça-feira (25), no Rio de Janeiro. Nesse encontro, serão avaliados os pontos da Lei da Reforma Trabalhista e as medidas jurídicas que serão adotadas para fazer valer os artigos da Constituição Federal e da Consolidação das Leis Trabalhista (CLT).

* Estefania de Castro, assessoria de imprensa Fenepospetro

A JUSTIÇA, DESCONTROLADA, DESORIENTADA, DESACERTADA

HELIO FERNANDES -

Jamais em tempo algum, houve um judiciário tão em evidencia, que não sai das manchetes, tão abertamente criticado, das primeiras instancias até o Supremo. Ou invertendo a ordem natural das coisas , o disparate e a injustiça, começando e terminando no Supremo mesmo.

Comentarei as questões mais relevantes ou descabida, sem prioridade no tempo, levando em consideração a contradição. Da segunda decisão ou  do segundo ou terceiro surpreendente recurso.

1- Ha 3 meses, Eduardo Cunha entrou com 2 HC. Um no STJ outro no STF. Escrevi:perderá os dois, não têm a menor base.No primeiro queria a anulação da sua cassação pela Câmara.unanimidade contra. No segundo, pedia a libertação. "Unanimidade" do ministro Fachin, relator da Lava-Jato que já recusou outros  pedidos iguais.

2- O juiz Sergio Moro condenou o executivo da empreiteira Mendes JR, a 19 anos de prisão. Ele recorreu para a instância superior, Desembargadoria Regional Federal de Porto Alegre. Lá é tanto trabalho que vem de Curitiba, que 3 desembargadores julgam exclusivamente.

Anteontem, os 19 anos de Moro, foram aumentados para 47. (O resultado só não foi anunciado oficialmente, porque um dos desembargadores pediu vista. Mesmo que vote contra os outros 2, os 47 anos serão mantidos. A não ser que os dois que já votaram, mudem de convicção).

Se o resultado for confirmado, 19 anos vai parecer magnânimo, 47, exagero.

3- Eike Batista, é o maior corrupto e corruptor do Brasil. Sozinho, deu mais prejuízos ao país e aos investidores do que todas  as empreiteiras juntas. Com o dinheiro da roubalheira, propagava e apregoava: "Sou o homem mais rico do Brasil, não demora, serei o mais rico do mundo".

Logo, logo se viu que tudo ea falso e farsante. Mas ganhou bilhões, a CVM não percebeu nada .Preso, foi quase imediatamente solto pelo generoso Gilmar Mendes , que mantém a palavra, ele vai continuar em liberdade.

4- Marcos Valerio, o maior condenado do Mensalão. Pegou 37 anos, foi o coordenador de toda. a operação. Preso em 2007, quando se falou que faria delação, Brasília e Belo Horizonte ficaram apavorados, mas recusou a proposta. Agora, preso ha 10 anos, dizem, "ninguém no país. nem mesmo as empreiteiras do Petrolão, pode denunciar mais gente poderosa da Republica".

Agora fez um acordo de delação com a Polícia Federal. Estava se preparando para denunciar a alta cúpula tucana (tudo começou com o PSDB no governo de Minas ), quando começou a circular noticia estranha. Esse acordo teria que ser submetido ao Supremo, que recusaria. O rumor é verdadeiro, mas o Supremo está na obrigação de desmenti-lo e autorizar o acordo.

SENADOR CUNHA LIMA

Ex-líder do PSDB, vice presidente do Senado, exatamente ha 15 dias, afirmava na televisão: "Temer já caiu, dentro  de 15 dias o Brasil terá outro presidente". No momento em que acaba o prazo fixado por ele, "o presidente que já caiu", anuncia aumento de impostos.

E o mais grave, é que Temer vem sendo mantido por alguns partidos, principalmente o PSDB. Quando o Senado se satisfazia com a maioria para o impeachment de Dona Dilma, o senador falava todo dia, sempre lembrando: "Não podemos viver num país com 13 milhões de desempregados".

Agora, com 14 milhões, nenhum protesto da sua parte. Eu gostava do pai dele, excelente governador da Paraíba, e ótimo poeta. Muito provocado, não resistiu, reagiu, lamentei.