EMANUEL CANCELLA




LAVA JATO PERSEGUE O PT E PROTEGE LADRÕES: ESTADUNIDENSES, INGLESES E OS TUCANOS [VÍDEO]

A lava Jato, de símbolo do combate à corrupção, esta virando referência nacional e internacional de corrupção e cobrança de propina!


Quando a sociedade brasileira imaginava que a Lava Jato fosse fazer uma devassa em torno da denúncia de que a Inglaterra mudou regra do pré-sal, em que o golpista Mishell Temer cedeu ao lobby da Shell isentando as multis em hum trilhão de reais (1), para disfarçar, a Operação volta a perseguir petistas:

“Lava Jato prende ex-gerente da Transpetro suspeito de cobrar propina para o PT” (2).

A Lava Jato fez o dever de casa, quando prendeu diretores e gerentes da Petrobrás, claro que só na gestão do PT. Na ocasião, a Globo surfava com os vazamentos midiáticos e criminosos, com isso destruía a imagem da Petrobrás, minava o governo Dilma e ainda alcançava altos picos de audiência. Dilma foi cassada e grande parte do desgaste se deve a Lava Jato que agora quer impedir Lula de participar do pleito de 2018.

Na verdade a Lava Jato e a Globo estavam só preparando o terreno para a rapinagem tucana. Conseguiram a queda da Dilma e enfraquecimento da Petrobrás e agora os tucanos fazem a alegria dos gringos, principalmente ingleses, americanos e chineses.

A sociedade já percebe que a Lava Jato, além de não investigar, ainda acoberta  os maiores bandidos da Petrobrás, como FHC, que se envolveu em corrupção na Petrobrás,  sendo várias vezes denunciado e, em muitas, junto com o próprio filho. FHC chegou a reconhecer em seu livro Diários da Presidência que havia corrupção na Petrobrás em seu governo. (11, 12,13).

Além de FHC, a Lava Jato faz também a blindagem do tucano, presidente da Petrobrás, Pedro lalau Parente. Chamo de Pedro Lalau porque este senhor é réu, desde 2001, em ação movida por petroleiro, em que Pedro Lalau já dava rombo de R$ 5 BI, na Petrobrás (6).

Pedro Lalau, agora indicado pelo golpista, Mishell Temer, e com total cumplicidade da Lava Jato, volta à Petrobrás para chafurdar ainda mais. Pedro Lalau continua vender ativos valiosos e estratégicos da Petrobrás, sem licitação, para quem quer e pelo preço que ele mesmo determina, como por exemplo.

- Vendeu o campo gigante do pré-sal, de Carcará, a preço de um refrigerante o barril de petróleo;

- entregou o braço mais lucrativo do setor petróleo, a petroquímica de Suape, ao valor de 5 dias de faturamento (7,9).

Para mostrar de que lado a Lava Jato está, foi essa Operação que se diz brasileira que chamou os procuradores americanos para investigar a Petrobrás (5), sabendo que as concorrentes americanas estavam querendo abocanhar a empresa brasileira. Se quisesse apurar alguma coisa, por que a Lava Jato não tentou mandar nossos procuradores investigarem a Chevron estadunidense?  Na campanha à presidência de 2009, a Chevron foi pega pelo Wikleaks, na troca de correspondência com o então candidato tucano, José Serra, este prometendo favores em prejuízo da Petrobrás (3).

A lava Jato fez mais para favorecer os americanos, pois também mandou os maiores corruptos da Petrobrás testemunharem contra a Petrobrás e o Brasil, em tribunais ianques (4).

Além de proteger bandidos, a Lava Jato está sendo denunciada por cobrar propinas nos trâmites para facilitar delação premiada. Dia 30/11 o advogado da Odebrechet, Rodrigo Tacla Duran, vai depor na CPI da JBS (8):

Duran, em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, da Folha, disse que foi procurado pelo advogado Carlos Zucoloto Filho que, falando em nome da Lava Jato, lhe cobrou propina para facilitar acordo de delação premiada que, entre outras vantagens, lhe daria a prisão doméstica.

A partir daí a sociedade começa a entender por que grande parte dos bandidos pegos pela Lava Jato cumpre pena em suas casas, verdadeiros clubes de lazer, construídos com dinheiro da corrupção (10).

O mais grave é que Zucoloto é compadre de Moro e ex-sócio de sua esposa, Rosangela Moro. E, para não restar dúvida da falcatrua, a revista Veja publicou reportagem onde, com base em informação da Receita Federal, mostrava que Duran fez depósito na conta da mulher de Moro, Rosângela Moro (14,15).

A lava Jato, de símbolo do combate à corrupção, esta virando  referência nacional e internacional de corrupção e cobrança de propina!
Fonte:
15https://www.brasil247.com/pt/247/parana247/315291/Tacla-Dur%C3%A1n-pagou-esposa-de-Moro-diz-Nassif.htm



***


EM NOME DA JUSTIÇA! [VÍDEO]

O deputado Paulo Ramos foi um dos elaboradores de nossa Constituição de 1988, inclusive na ocasião recebendo nota 10 do DIAP, votou agora contra a prisão ilegal dos parlamentares.


Em nome da justiça, deram impeachment na Dilma e ainda querem prender Lula ou torná-lo inelegível em 2018, nos dois casos, sem qualquer comprovação de crime.

Em nome da justiça e no combate à corrupção, fizeram o mensalão que prendeu parlamentares, a maioria petistas, mas nem sequer julgaram o mensalão tucano, mesmo que anterior ao do PT, e que está prescrevendo sem julgamento (2).

Em nome da justiça e no combate à corrupção, prenderam diretores e gerentes da Petrobrás, mas só na gestão do PT. E as gestões tucanas impunimente estão destruindo a Petrobrás:

- primeiro foi FHC, envolvido em corrupção na Petrobrás, e em muitas, até com seu filho. FHC reconheceu em seu livro, Diários da Presidência, que havia corrupção na Petrobrás em seu governo, nem assim sequer foi investigado (1,3,4).

- o tucano Pedro Lalau Parente está liquidando a Petrobrás em nome da justiça ou da Lava Jato. Chamo de Pedro Lalau porque este senhor é réu, desde 2001, na venda ilegal de ativos, quando deu um rombo de R$ 5 BI na Petrobrás (6).

Agora, Lalau foi indicado pelo golpista Michel Temer e, sob os auspícios da Lava Jato, ou em nome da justiça, vende ativos valiosos e estratégicos sem licitação, para quem quer e pelo preço que ele mesmo estipula. Foi assim com o campo gigante do pré-sal, de Carcará, a preço de um refrigerante o barril de petróleo. Vendeu também a petroquímica de Suape ao valor de 5 dias de faturamento e muito mais (7,8).

Em nome da justiça, Lalau e a Lava Jato tiraram a Petrobrás dos setores mais lucrativos da indústria do petróleo: petroquímico, gás, fertilizantes e biocombustíveis (9).

E foi também, em nome da justiça, que Pedro lalau e a Lava Jato destruíram a Engenharia Nacional e acabaram com a Indústria Naval (12,13).

Fizeram mais, retomaram do governo de FHC, que tentou privatizar a Petrobrás, um dispositivo aduaneiro, chamado Repetro, que isenta de impostos as importações de máquinas e equipamentos do setor petróleo, matando assim a indústria nacional (16).

E em nome da justiça deram o golpe no país e querem dar o golpe dentro do golpe, implantando o parlamentarismo ou trocando Temer por outro golpista, através de um colégio eleitoral, formado, em sua maioria, de deputados e senadores corruptos e golpistas.

E em nome da justiça queriam prender os parlamentares fluminenses, Jorge Picciane, Paulo Melo e Edson Albertassi, rasgando a nossa Constituição Federal, que diz que parlamentar só pode ser preso em flagrante delito ou por condenação em processo legal transitado em julgado. A prisão desses incautos tem que se dar dentro do processo legal com o julgamento transitado em julgado.

Mesmo sendo bandidos incontestes, como no caso, a lei precisa prevalecer!

Lembrando que a Lava Jato está por trás da prisão dos deputados fluminenses, através da Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Operação Lava Jato (17).

Paulo Ramos, deputado do PSOL, que foi um dos elaboradores de nossa Constituição de 1988, inclusive na ocasião recebendo nota 10 do DIAP, votou agora contra a prisão ilegal dos parlamentares.  Erro imperdoável cometeria Paulo Ramos, como autor da nossa Carta Magna, se votasse contrariando seu preceito.

Eles prendem para, depois, achacar...

Ninguém comenta mais acerca de juiz e procurador da Lava Jato que, através de negociação de delação premiada, colocam os maiores corruptos do país  para pagar sua penas em casa, verdadeiros clubes de lazer, construídos com dinheiro da corrupção (5).

Mesmo com o advogado da Odebrechet, Tacla Duran, dizendo que foi procurado pelo advogado Zucoloto, compadre de Moro e ex-sócio de sua esposa, Rosangela Moro, pedindo propina, pois falava em nome da Lava Jato, para negociar  delação premiada, que, outras benesses, daria a Tacla a prisão domiciliar.  E o pior foi que a revista Veja, com base em informação da Receita Federal, publicou que Duran fez depósito na conta da mulher de Moro, Rosangela Moro (10,11).

E, enquanto mandam prender governadores, deputados, e senadores, ao arrepio da lei, nossos juízes e procuradores fazem lobby no Congresso Nacional para que juízes e procuradores fiquem de fora do crime de responsabilidade (14,15).

Tudo em nome da justiça!

Fonte:
17http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/trf-vota-a-favor-da-prisao-de-picciani-paulo-melo-e-albertassi-e-decisao-vai-pra-alerj/


***

EM DEFESA DO DEPUTADO PAULO RAMOS, DO PSOL! [VÍDEO]

Paulo Ramos faz parte da reserva moral do nosso Legislativo!


Quem conhece Paulo Ramos, principalmente sindicalistas e militantes dos movimentos sociais, sabem de seu comprometimento com as lutas e bandeiras legítimas dos trabalhadores. Paulo Ramos foi deputado Constituinte em 1988, que resultou na “Constituição Cidadã”!

Paulo Ramos agora preside a CPI da Petrobrás enfrentando os inimigos da Petrobrás:  Temer e o PSDB principalmente.

Eu sou um crítico do STF, mas a Suprema Corte acertou quando decidiu que cabia ao Senado a decisão final do destino do senador Aécio Neves, isto porque, pela Constituição Federal, os poderes são independentes. E o mesmo se aplica à Alerj, cabendo aos deputados do Rio decidir se acatariam a prisão decretada pela Justiça.

Ninguém tem dúvida de que os parlamentares Aécio Neves, Jorge Picciane, Paulo Melo e edson Albertassi são bandidos de carteirinha, mas não podemos estuprar nossa Constituição, usando um artifício que, daqui a pouco, será usado contra nós mesmos, digo, nossos poucos aliados no Parlamento. Que Picianni, Melo e sua turma sejam presos ao final do processo, mas, que lhes sejam dado o amplo direito de defesa garantido pela lei e se condenados, sejam presos.

Deputados da maior dignidade como Gilberto Palmares que votaram pela prisão ouviram a voz das ruas, Paulo Ramos seguiu a Constituição Federal. Não temos duvidas que a ampla maioria do deputados que votou pela liberdade foi por interesses escusos o que com certeza não é o caso de Paulo Ramos.

Se a justiça pode prender quem quiser por que não prendem o Temer,  “O chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”?  Muito pelo contrário, o juiz da Lava Jato, Sergio Moro, cancelou 21 das 41 perguntas de Eduardo Cunha, num claro intuito de proteger Temer (2). O senador tucano, Aécio Neves é recordista em denuncias na Lava Jato e nunca foi preso pela Operação (3).

Digo isso porque a Lava Jato está por trás da prisão dos deputados fluminenses, através da Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Operação Lava Jato (1).

A lava Jato que não prendeu nenhum tucano agora investe contra o PMDB. A sociedade exige que todos os corruptos independente do partido que pertença, se julgado com amplo direto de defesa se for condenado, vá para a cadeia. A lava Jato e o Banestado apesar das inúmeras denuncias nunca prendeu um tucano. Vale lembrar que o juiz Moro chefiou a investigação do Banestado e agora chefia a lava Jato.

E agora Sérgio Moro quer tornar inelegível ou prender Lula, mesmo sem provas.

Creio que o PSOL se precipitou em anunciar a expulsão do parlamentar. Quem não se lembra da crucificação de Brizola, o grande aliado de Paulo Ramos, quando disse que “Por mim a CPI não saía!”. Ele se referia à CPI que resultou no impeachment de Collor . Brizola achava um absurdo uma CPI sem o criador de Collor, a Globo, fazer autocrítica.

Brizola também determinou ao seu secretário de Segurança do Estado do Rio que usasse as mesmas prerrogativas de ação, tanto no morro como em Ipanema.  Não podia entrar na favela arrasando os pobres. Brizola assim foi tachado de aliado dos traficantes. Essas atitudes corajosas de Brizola lhe causaram um grande desgaste. Mas a história mostrou que ele tinha razão, pois a Globo, depois disso, deu um golpe contra Dilma e agora quer dar o golpe dentro do golpe.   E os golpistas colocam a força Nacional na Rocinha, a maior favela do Rio, como se os pobres fossem os culpados pelo golpe dos ricos.

Creio que já foi causado um grande prejuízo à imagem do deputado Paulo Ramos, mas nunca é tarde para rever nossas posições!
Fonte:
3https://www.brasil247.com/pt/247/minas247/255474/Recordista-em-dela%C3%A7%C3%B5es-A%C3%A9cio-Neves-cobra-arrependimento-de-Lula.htm


***

MPF DENUNCIA LULA SÓ PARA ENCOBRIR A CORRUPÇÃO DA GLOBO NA FIFA! [VÍDEO]


Agora assistimos à Globo ser denunciada pela justiça de Nova York, inclusive mostram até o caminho da propina (1). E, como o nosso MPF continua calado, a Globo se investiga, ela mesmo rejeita a denúncia e ela mesmo se julga inocente, substituindo o MPF e a justiça:

“Sobre depoimento ocorrido em Nova York, no julgamento do caso Fifa pela Justiça dos Estados Unidos, o Grupo Globo afirma veementemente que não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina (2)”.

Essa é a mesma Globo que sonegou o Imposto de Renda da Copa do Mundo de 2002 e que está envolvida no escândalo de lavagem de dinheiro do Swissleakse no Panamá Papers (3,4,5). Ninguém apura nada, apesar das denúncias!

O MPF para desviar atenção da sociedade, diante do escândalo envolvendo a GLOBO bloqueia os bens de Lula, mais uma vez. Detalhe: bens, que Lula não os possui (6).

E o MPF se cala! Mas a distorção se aplica ao STF, guardião da Constituição, como também à Receita Federal,  que atua no combate à elisão e evasão fiscal (sonegação), contrabando, descaminho, pirataria e tráfico de drogas e animais. Vale, da mesma forma, para o TST, cuja função precípua consistiria em uniformizar a jurisprudência trabalhista brasileira.

Nesses órgãos, seus expoentes recebem além dos supersalários, vantagens jamais obtidas pelo trabalhador, como auxílio educação, moradia e paletó. Ainda recebem diárias que, na verdade, constituem-se em mais um salário. E ainda contam com recesso e férias, devidamente remuneradas.

Quem paga o salário dessa turma é o contribuinte! Entretanto eles atuam, com suprema eficácia, no interesse espúrios das grandes empresas e dos bancos, nacionais e internacionais.

E fazem isso de forma descarada! Como nas denúncias abaixo:

-  “Em três meses, Temer perdoa quase R$ 30 bi dos bancos”. R$ 25 BI para o Itaú (equivalente a 490 malas do Geddel) e o restante para Santander e Bradesco (7). Essa benesse com dinheiro público tem o aval do MP e da Receita Federal;

- “Sonegação de impostos chega a R$ 420 bilhões no Brasil em 2015 (8)”.

-  “Operação Zelotes: Valor sonegado ultrapassa Lava Jato (9)”. A sonegação e a operação Zelotes envolvem as grandes empresas brasileiras e a Receita
Federal finge que não vê e prioriza pegar o contribuinte comum na malha fina.

- O presidente do TST, Ives Gandra,  disse que a retirada de direitos dos trabalhadores é bom para geração de empregos (9). Gandra poderia dar o exemplo reduzidos seus privilégios.

- O STF, guardião da Constituição Federal, apoiou todos os golpes no Brasil, inclusive o de 2016,  em total desprezo à Constituição Federal (10).

Além do STF, do MPF e da Receita Federal defenderem interesses espúrios e privados e de serem muito bem remunerados pelo contribuinte, pasmem: a nossa presença não é bem quista. Seus locais de trabalho são verdadeiras fortalezas, com seguranças das mais requintadas em todos os níveis. Tudo pago com nosso dinheiro!

A presença do cidadão nesses órgãos, quando permitida, é em numero reduzidíssimo. Com certeza considerando os serviços prestados que os representantes dos interesses privados nesses órgãos não têm nenhuma dificuldade de contato.

Não podemos continuar a remunerar esses órgãos públicos com supersalários e com todo tipo de privilégio para eles defenderem o interesse privado e espúrio.

Vamos começar com uma salva de vaias onde eles estiveram. E, quem sabe, estender a todos eles o tratamento dado aos golpistas: o prefeito de São Paulo, João  Dória, com a ovação, em Salvador – BA;  e o ministro, Gilmar Mendes  com chuva de tomates (11,12)!
Fonte:
12https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/10/28/manifestantes-jogam-tomates-em-carro.htm




***



GOLPE: SE CORRER O BICHO PEGA, SE FICAR O BICHO COME, SE UNIR O BICHO FOGE! [VÍDEO]

Faremos essa Frente unindo todos os brasileiros que estejam dispostos a lutar para reverter tudo de ruim que o golpista Michel Temer fez contra o Brasil e os brasileiros:


Vamos convocar civis e militares, comunistas e conservadores, partidos políticos, centrais sindicais, movimentos sociais, católicos, evangélicos, os afro religiosos, judeus, ateus.  Vamos convocar os que defendem o voto nulo também, pois está em jogo o destino do Brasil!

Se Juscelino Kubitschek tinha seu plano de metas de realizar 50 anos em 5, os golpistas levaram, em alguns meses, o Brasil a retornar ao período da escravatura, abolida em 1888.

Em pouco mais de um ano e seis meses, o golpista Michel Temer aliado ao Congresso Nacional, a mídia a justiça fez o Brasil retroceder 128 anos.

Se Temer tem 3% de apoio popular mas o golpe que ele pilota tem força igual ou maior que o golpe empresarial militar de 1964. Eles até cogitam de tirar Temer, mas para dar o “golpe dentro do golpe” mantendo tudo que foi feito pelo temeroso.

Para barrar o golpe precisamos dos coxinha, dos que bateram panela, dos empresários, partidos e parlamentares que apoiaram o golpe mas se arrependeram. Todos esses são bem vindos a  essa Frente, que não pode ser só de esquerda, tem que ser ampla e geral.

Vamos revisar nossa própria história e constatar  que muitos civis e militares, que apoiaram a ditadura militar, logo em seguida fizeram autocrítica. Muitos coloridos também se arrependeram e, em desobediência civil, ao invés da bandeira verde-amarelo colocaram o luto na janela. Foi o fim de Collor!

É bom esclarecer que os EUA, que patrocinaram o golpe militar em 1964, agora promoveram o golpe civil de 2016, e que mais uma vez contaram com a mídia principalmente a Globo para isso.

Essa mesma Globo que apoiou todos os golpes no país; que não só apoiou como cresceu, e muito, à sombra da ditadura militar. Depois disse que fez “autocrítica”.

Lembrar também que a Globo foi quem colocou Collor tão somente para barrar Lula, líder dos trabalhadores, e depois foi peça importante na sua derrubada. Esse tipo de postura não podemos aceitar!

A Globo foi também a principal articuladora da conspiração  que tirou Dilma e colocou o golpista Michel Temer no poder. E, como escorpião, agora articula o “golpe dentro do golpe”: que é tirar Temer e colocar outro golpista.

A Globo defende, para substituir Temer, o também golpista, presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que seria eleito através de um Colégio Eleitoral, formado por deputados e senadores, em sua maioria golpistas e corruptos.

Não vamos esperar a eleição de 2018! Se as eleições de 2018 ocorrerem sem golpe, é claro que ela não deixa de ser uma trincheira democrática, para elegermos um presidente e um Congresso que revoguem todas as medidas do golpe!

Mas até a eleição esta ameaçada, mas também não podemos transformar o Brasil num laboratório de experiências sonhadoras e revolucionárias, esquerdistas, socialistas e comunistas, enquanto nosso povo padece.

Vamos organizar uma Frente Ampla e já!

“A Frente Ampla foi um grupo político reunindo o conservador Carlos Lacerda e seus antigos adversários de centro à esquerda Juscelino Kubitschek e João Goulart contra o Regime Militar de 1964 criado a partir de 1966 (1)”.

Lacerda foi articulador do golpe e um dos primeiros a desembarcar, dizem que por oportunismo.

Ninguém sabe exatamente a fórmula para derrubar o golpe, mas não tenho dúvida de que só a união de todas as forças democráticas e soberanas vai nos salvar!

Ter Lula um oposicionista ao golpe a frente de todas as pesquisas de intenção de votos é muito importante, mas isolado se torna uma presa fácil. Eles já falam abertamente na mídia em torna-lo inelegível, preso e até em mata-lo.

Leia o livro “Assassino econômico” de John Perkins.  A expressão define as manobras odiosas e imorais executadas por Perkins a partir dos anos 70 - com o auxílio de uma numerosa quadrilha espalhada por todos os continentes - para enriquecer grandes corporações econômico-financeiras norte-americanas, bem como um privilegiado grupo de eminências pardas” (2).

Vamos transformar a “Caravana de Lula” Em Caravana contra o golpe em defesa da democracia. Uma representação de todos os brasileiros no mesmo palanque. O Brasil não merece mais 21 anos de golpe.

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, se unir o bicho foge!

Fonte:
2https://www.cartacapital.com.br/internacional/os-assassinos-economicos-estao-a-solta


***


COMO NO GOVERNO DE FHC, TEMER ESTÁ SUCATEANDO TODAS AS POLÍCIAS, NEM MESMO A LAVA JATO ESCAPOU

Polícia Federal diz que não tem dinheiro para passaporte (2); Polícia  Rodoviária  Federal  anuncia suspensão de vários serviços por falta de dinheiro (2).  Moradores e motoristas criticam a falta de policiamento nas ruas do Rio (3). A Lava Jato perde força- tarefa exclusiva cancelada.


Fiz essa chamada para lembrar que no governo de FHC também faltava dinheiro na PF para abastecer os carros, e os telefones eram cortados por falta de pagamento (4). E não podemos esquecer que o PSDB é a principal base de apoio do governo golpista de Michel Temer.

No governo do PT, a PF realizou 50 vezes mais operações do que com FHC (5).

A Polícia Federal que vimos recentemente nas operações, de helicóptero, armas de última geração e delegados e agentes jovens, isso é herança dos governos do PT. Agora estamos voltando à era do sucateamento, como foi no governo de FHC, com polícias sucateadas por falta de verba e sem renovação de quadros por falta de concurso público.

Tanto no governo de FHC como agora no governo de Temer esse esvaziamento das polícias não é por acaso, é uma política deliberada. No governo de FHC, além da PF sucateada, o procurador era conhecido como Engavetador Geral da República.

Na Petrobrás, todas as gestões do PT foram investigadas, diretores e gerentes foram presos, ótimo. Mas na gestão do PT, na Petrobrás, foi desenvolvido tecnologia inédita que permitiu a descoberta do pré-sal, garantindo, no mínimo, nossa autossuficiência na produção de petróleo, nos próximos 50 anos. Isso se o Temer e Parente não entregarem tudo!

Como também, com Lula e Dilma, foi retomada a indústria naval, gerando milhares de empregos e demanda para a indústria, e bilhões em impostos para municípios, estados e União.

Agora tudo mudou, pois nesta gestão do tucano Pedro lalau Parente está ocorrendo a liquidação total da Petrobrás: venda sem licitação de áreas do pré-sal, petroquímica, das malhas do sudeste NTS - os dutos mais importante da Petrobrás (9,10) e muito mais. E a entrega da área de exploração e produção para a empresa de petróleo considerada a mais corrupta do planeta (11).

Sem falar na indústria naval que Pedro lalau Parente, assim como FHC, está destruindo e entregando esse potencial aos gringos. Navios e plataformas agora vão ser construídos lá fora. E tudo isso com aval da Lava Jato que, na maior cara de pau, diz para o brasil e o mundo que não investiga o PSDB (12,13) e permite essa gestão altamente criminosa, mesmo incumbida de investigar a Petrobrás.

E não adianta denunciar a omissão da Lava Jato ao MPF como fiz, enquanto petroleiro e sindicalista, pois ao invés de o MPF mandar investigar a gestão de Pedro Lalau Parente, o MPF, a pedido do juiz Moro, ainda me intimou sob a acusação de possíveis ofensas à honra do juiz (14,15). A Lava Jato perde força- tarefa exclusiva. Será desculpa para não investigar a gestão do Pedro Lalau na Petrobrás (16)?

Agora com a declaração do dono da JBS: “Que Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do país” (6), não é mais Lula como queria a Lava Jato; e com as recentes pesquisas que apontam o PT com 18% da preferência popular e o PMDB/ PSDB com 5%, sendo Lula líder em todas as pesquisas, parece que os golpistas deram um tiro no pé (8)!

Fonte:

* Emanuel Cancella, OAB/RJ 75.300, ex-presidente do Sindipetro-RJ, fundador e ex diretor do Comando Nacional dos Petroleiros, da FUP e fundador e coordenador da FNP , ex-diretor Sindical e Nacional do Dieese,  sendo também autor do livro “A Outra Face de Sérgio Moro”




***




CARLOS CHAGAS (arquivo)

SÓ DECLARANDO GUERRA A DONALD TRUMP


O presidente Michel Temer reúne amanhã os governadores estaduais. Prevê-se que nenhum falte, dada a miséria em se encontram seus Estados. Todos vem atrás de dinheiro, imaginando rolar suas dívidas com a União, obter mais empréstimos e poder ao menos assegurar o pagamento do próprio funcionalismo.

Impossível que tragam sugestões capazes de ajudar o governo federal a sair do sufoco. Saber quem está pior, se os governadores ou o presidente da República, dá no mesmo. Andam todos à espera de um milagre.

Fez sucesso, muitos anos atrás, um filme intitulado de “O Rato que Ruge”, com o inigualável e saudoso Peter Sellers, acumulando três papéis: a rainha de um pequeno país europeu, o primeiro-ministro e um capitão da guarda. Reunidos, eles concluíram haver uma só saída para o país: declarar guerra aos Estados Unidos, iniciá-la e logo depois perder. Ou todos os países que haviam perdido guerras para os americanos, como o Japão e a Alemanha, não se encontravam no melhor dos mundos, ricos e prósperos?

Assim fizeram, embarcando seu limitado exército num cargueiro de quinta categoria, com arcos, flechas e escudos. Invadiram Nova York, cuja população nem se deu conta da invasão. Aconteceu, porém, um inusitado: os invasores entram na residência de um cientista nuclear que acabara de descobrir a fórmula de uma bomba atômica de bolso. O resto da trama fica por conta do leitor encontrar uma cópia do filme e deliciar-se com o espetáculo.

Porque se conta essa história que seria cômica se não fosse trágica? Afinal, sexta-feira assume um novo presidente dos Estados Unidos. Que tal Michel Temer e os governadores declararem guerra ao governo Donald Trump? O triste seria se nós ganhássemos...



***


“Acordei de madrugada, com o coração cheio de boas lembranças de meu pai”



Por HELENA CHAGAS -




O que dizer de tanto carinho, homenagens, elogios? Seu Carlos Chagas, o jornalista, lá do céu deve estar dizendo: uai, gente, não precisava tanto... Modéstia de quem, mineiramente, não gostava de mostrar a própria grandeza. Mas tenho certeza de que adorou. Principalmente porque tudo isso fez com que eu, mamãe, Claudia, netos e bisnetos nos sentíssemos abraçados e confortados. Porque eu tenho certeza de que, até nessa hora, ele está pensando na gente. E eu acordei de madrugada com o coração cheio de boas lembranças do meu pai.

Quando eu era bebê, meu pai me enrolava no lençol, como uma mumiazinha, e me prendia no berço com clipes de papel para eu não me descobrir à noite – o que, obviamente, não adiantava nada. Ele me levou à praia aos seis meses de idade, e de lá saiu com um pacote à milanesa debaixo do braço, deixando menos areia em Copacabana porque eu havia engolido um bocado. Ele me obrigou, literalmente, a gostar de jujuba. Aí eu já devia ter mais ou menos um ano e meio, era supergeniosa e berrava enquanto ele colocava as balas na minha boca e eu tentava cuspir. Até que comecei a sentir o açúcar. Amo jujuba até hoje.

Meu pai foi o ídolo de crianças das mais diversas gerações, das filhas, afilhados, sobrinhos, filhos dos amigos, amigos das filhas, dos netos e dos bisnetos. Conversava e brincava como um igual, se encarapitava no alto das árvores, subia no telhado, levava aqueles bandos de meninos para praias desertas, ainda no Rio, e ao Zoológico de Brasília, onde ele deveria ter recebido um título de sócio, de tanto que ia. O vovô é uma criança velha, definiu um dia o neto Cacá, quando tinha lá seus sete anos. Ele contava histórias muito bem. Do universo, do mundo, do Brasil. Às vezes eu chegava na escola e achava que a professora estava repetindo o que meu pai tinha inventado.

Ele me deu todos os livros que eu pude ler, e os que eu não pude também. Acho que nunca vi meu pai sem um livro por perto, e ele cercou-se deles de tal forma que as estantes foram se estendendo pela casa toda, transbordando da biblioteca para quartos, corredores, qualquer espaço possível. Como contou minha irmã de coração, Carol Brígido, em seu lindo texto sobre o padrinho, papai tinha estantes com filas duplas de livros. Olho em volta, aqui em casa, e, entre pilhas de livros, vejo que quem sai aos seus não degenera.

Meu pai passou a primeira noite da primeira neta em casa andando com ela, aos berros, pelo corredor. E ele não ligou a mínima para o fato de, cronologicamente, a neta ter chegado antes do casamento. Quando, sem graça, aos dezenove, contei a ele que estava grávida, a reação foi uma sonora gargalhada de quem tinha desde sempre o sonho de ser avô – e que avô. Quando finalmente resolvi casar, e estávamos só nós dois em casa, antes de sair para a igreja já lotada de parentes e amigos, papai virou para mim e perguntou: “Tem certeza de que você quer mesmo ir? Não tem nenhum problema desistir. Você fica aqui, eu vou lá na igreja agora e aviso a todo mundo que você mudou de ideia...”. É claro que casei, e ele ganhou um genro que acabou por amar como a um filho.

Quando resolvi ser jornalista, tinha muito medo de ser apontada como “peixinho”, filhinha de papai que não conquistara seu espaço por merecimento. Então, resolvi que nunca trabalharia com ele, nunca aceitaria qualquer notícia que ele me passasse ou que obtivesse por fontes que encontrava na casa dele e nem falaria com ele sobre o meu trabalho. Ele entrou no meu jogo e, nas conversas em família, não falávamos de trabalho. Ignorávamos o assunto. Comecei, com certa mágoa – olha a loucura - a achar que ele não estava nem aí mesmo para meu destino jornalístico. Até que um dia entrei em seu escritório e achei um texto meu, publicado no Jornal de Brasília uns dias antes, todo rabiscado - “copidescado”, como se dizia antigamente - com erros e palavras mal empregadas sublinhados. Não sei o que ele ia fazer com aquilo se eu não tivesse achado.

Brigamos e discutimos muitas vezes, em família, por causa de política. Na minha casa, todo mundo dizia o que queria e professava o credo que lhe aprouvesse. Geralmente ficávamos eu e Claudia contra ele. Mamãe, a psicóloga, mediando e botando panos quentes. Mas aprendi com ele que essas divergências não têm, ao fim e ao cabo, a menor importância na ordem geral das coisas e da vida. Entendemos - e acho que não só nós, mas também suas legiões de alunos – a importância do respeito e da tolerância a posições contrárias.

Aprendi com meu pai a nunca perder um amigo por discordar ou pensar diferente. Lembro um domingo em que o Zé Aparecido, então governador do DF e grande amigo dos meus pais, chegou lá em casa esbaforido depois de ser vaiado por uma manifestação de estudantes. Na qual, quando olhou bem, reconheceu minha irmã Claudia. Papai achou a maior graça.

Seu Carlos Chagas, o jornalista, fazia e escrevia o que queria, fiel a seus princípios. Não hesitava em fazer artigos ácidos e críticas duras a personagens de A a Z do espectro político quando achava que devia. Nem mesmo quando no alvo estavam governos em que trabalhavam amigos ou suas próprias filhas. Tive que resolver isso na minha cabeça: o pai era muito mais importante que o emprego, então dane-se. Quando ministra da Secom de Dilma, botava para correr os chatos que vinham me mostrar artigos críticos do meu pai ao governo de cuja comunicação eu cuidava. Democracia começa em casa, e meu amor pelo meu pai é maior do que tudo isso, respondia eu. Minha então chefe sempre entendeu e nunca reclamou.

Num momento difícil nessa profissão às vezes maldita, às vezes bendita, resolvi que não ia mais ser jornalista. Estava me sentindo injustiçada, sofrendo muito, tinha errado na escolha, melhor seria ter feito Direito e ser advogada, ia parar de trabalhar, largar tudo... Ele me olhou com aquela cara de quem não estava levando a sério aquelas bobagens: “Isso é a sua vida...”. Às vezes, meu pai sabia mais de mim do que eu mesma.

Ontem, minha neta Heloísa, de quatro anos, virou para a mãe e disse que nunca mais vai desenhar. É o luto dela, que passava horas sentada no colo do Vovô Carlos (bisavô), na escrivaninha de trabalho dele, os dois desenhando juntos. Sábado passado foi a última vez.

É claro que a Heloísa vai voltar a desenhar, porque a vida continua. E essa foi mais uma das lições do Carlos Chagas: boa ou ruim, a vida continua, temos que resistir e seguir em frente. Tudo tem seu jeito, dizia ele, porque a única coisa que não tem remédio mesmo é a morte. Pois é, né, pai...
* Enviado para o e-mail da Redação






_____________CARLOS CHAGAS
O último artigo!

NEM TODOS VOLTARÃO


Dos 28 ministros do presidente Temer, 18 são parlamentares. Estão todos demitidos, obrigados a reassumir seus mandatos de deputado ou senador. A obrigação deles não é apenas votar as reformas previdenciária e trabalhista, de acordo com os projetos do governo: devem garantir os votos de suas bancadas, comportando-se como líderes. Ainda não há data fixa para as votações, coisa que prenuncia tempo razoável para voltarem a ser ministros. Por enquanto a pergunta não diz respeito a quando voltarão a seus ministérios, mas se todos voltarão. Porque muita gente sustenta não existir melhor oportunidade para o presidente reformular sua equipe. Aprovadas as reformas, por que não buscar na sociedade civil as melhores expressões de cada setor? Senão desfeita, a base parlamentar do governo terá cumprido seus compromissos.

Duvida-se de que até Michel Temer vacilará se lhe pedirem para referir de bate-pronto o nome de todos os seus ministros, bem como os partidos a que pertencem e as metas de cada ministério.

Abre-se agora, para o governo, a etapa da eficiência administrativa, capaz de estender-se até o fim do ano. Depois, num terceiro tempo, será hora de cuidar da sucessão presidencial. Temer não será candidato, ainda que disponha da prerrogativa de disputar um novo mandato. A premissa será de que o PMDB está no páreo, mesmo carente de candidatos. Poderá ser Henrique Meirelles, se a retomada do crescimento econômico obtiver sucesso. Por que não Roberto Requião, mais do que uma rima?

Em suma, a prioridade são as reformas, mas depois delas garantidas, como parece, o governo cuidará de suas estruturas. Sendo ano que vem um ano eleitoral, nem todos os ministros ficarão aborrecidos se não retornarem.





***




SÉRGIO MORO: APENAS UM DETALHE



“Onde foi que eu errei?” - deve estar se perguntando o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, agora que foi condenado a quinze anos e quatro meses de prisão. Receber propinas da Petrobras e muitas empreiteiras não terá sido motivo, tais e tamanhos tem sido os assaltos aos cofres públicos por ele e sua quadrilha, praticados ao longo das últimas décadas. Distribuição de percentuais aos deputados que votaram nele para presidente da Câmara, também não. Afinal, não precisou oferecer: a maioria agiu como quem cobrava dívidas antigas. Aceitar um de múltiplos pedidos de impeachment contra Dilma Rousseff? Já estava tudo acertado para a defenestração da então presidente da República.

Sobra, então, um tiro que acabou saindo pela culatra: Eduardo Cunha foi para as profundezas por ter tentado dar um passo maior do que suas pernas. Sua estratégia era conhecida de todos e ele não percebeu onde sua ambição poderia levá-lo. No caso, perdeu tudo porque pretendia subir mais um degrau na escada que o levaria de imediato ao poder maior. Precipitou-se. Como presidente da Câmara, ocupava posição privilegiada para chegar ao palácio do Planalto. Não escondia de ninguém que se Dilma fosse cassada, havendo ou não motivos para isso, Michel Temer não assumiria. Faltavam votos para o vice-presidente tornar-se presidente, enquanto Eduardo Cunha tinha tudo arrumadinho: Michel Temer também seria garfado. Ou não estava garantida a eleição indireta do presidente da Câmara, tendo em vista os favores e as benesses por ele concedidos à quadrilha que acabava de compor?

Esqueceu-se Eduardo Cunha de que Michel Temer também tinha suas malandragens. Era o primeiro da fila, na hipótese de Dilma ser posta para fora, ainda que lhe faltasse apoio para assumir. Na mesma hora começaram as defecções na maioria que o presidente da Câmara tinha certeza de possuir. Logo armou-se a teia de aranha para capturar o grupo dos amigos do Cunha e entregar a Temer a cadeira presidencial. Isso porque ele ofereceu mais, ainda que trabalhando na moita. Cunha logo perdeu a metade mais um dos deputados, ou seja, estava garantida a eleição do vice, na base do “quem dá mais”, muito acima da Constituição.

A posse de Temer serviu para comprovar a loteria que o favoreceu. Bastou verificar o loteamento do ministério e do governo, que permanecem até hoje. Cunha tinha sua ascensão garantida. Perdeu na jogada final. Para completá-la, a Câmara foi reunindo acusações e armando o sacrifício, para que não surgissem duvidas. Em suma, o grande estrategista foi mergulhando cada vez mais fundo, perdeu a presidência da República, a cadeira de deputado e a própria liberdade, por açodamento. Sérgio Moro tem sido apenas um detalhe, na degola de Eduardo Cunha...




***





MATANÇA ATÉ QUANDO?




Impossível mudar os costumes, que vem da pré-história, acoplados à necessidade sempre justificada pela sobrevivência do ser humano. Tem sido assim e assim continuará, espera-se que não até o fim do mundo.

No entanto… No entanto, não haverá um único cidadão que deixe de horrorizar-se quando vê despedaçadas e dependuradas carcaças e partes de animais,  expostas ao consumo geral, mesmo sabendo que pouco depois irão para a mesa na forma de bifes suculentos ou de costelas apetitosas. Menos ainda se livrará do horror quem  assiste a degola desses milhões de seres ditos inferiores, mas quem sabe plenos de consciência quando deles se aproxima o golpe  final? Basta atentar para como se comportam na fila do abate: os berros são lamentos impossíveis de ser esquecidos.

Choca a imagem das peças de boi nos ganchos dos frigoríficos, sangrando e logo esfaqueadas à espera de novos capítulos da ronda dessa matança permanente. São vidas abatidas em nome da vida dos que irão degluti-los.

Poderia ser diferente? Por enquanto, nem pensar. Raramente fazemos questão de assistir esse festival macabro, exceção dos encarregados dele. A ninguém será dado imaginar a humanidade sem comer carne de animais. Ainda bem que só de animais, pois em tempos imemoriais comia-se também o ser humano. É claro que o sacrifício serve para minorar as agruras dos homens famintos, a começar pelas crianças, mas nem por isso deixa de se constituir em indiscriminada matança.

A crise que assola nossa produção de carne, pelo jeito a maior do planeta, desperta a atenção de quantos são agredidos pelas imagens dos últimos dias. Haveria alternativa, além de desligar a televisão? Ou de cobrir as vitrinas dos açougues? Por enquanto, não. Mas um dia, quem sabe, a Humanidade encontrará sucedâneos para dispensar essa degola, ainda hoje capaz de chocar o ser humano.

Além de tudo, acresce que se ganha muito dinheiro com tal atividade. E até dinheiro podre, da corrupção. Que tal condenar os culpados ao trabalho social da prestação de serviços nos frigoríficos?