26.11.15

COMO A LAVA JATO ALTEROU A DATA DO EMPRÉSTIMO DO BNDES A BUMLAI PARA PEGAR LULA

Por KIKO NOGUEIRA - Via DCM -


A cruzada da Lava Jato para apanhar Lula ganhou mais um capítulo. O pedido do Ministério Público Federal na operação que resultou na prisão do pecuarista José Carlos Bumlai declara, textualmente, o seguinte:
“Em 3/02/2005, pouco tempo depois de BUMLAI auxiliar na obtenção de empréstimo em favor do Partido dos Trabalhadores, quando ainda estava inativa, a SÃO FERNANDO AÇUCAR E ALCOOL LTDA (CNPJ Nº 05.894.060/0001-19) recebeu R$ 64.664.000,00 de crédito do BNDES . A empresa voltaria a obter créditos do BNDES em 12/12/2008, quando recebeu investimentos de aproximadamente R$ 388.079.767.”
Trocando em miúdos, fala-se de um empréstimo em 2005, pouco tempo depois de Bumlai dar dinheiro ao PT.
Acontece que não houve nada naquele ano. Os 64 milhões são de 2009. Por que 2005? Para fazer caber na narrativa de que o “Barba”, o “Brahma”, sabia de tudo no auge do mensalão.
“Os personagens são basicamente os mesmos do mensalão, José Dirceu e Pedro Correa. E agora temos essa tipologia de concessão de empréstimos que jamais são quitados”, disse o procurador Diogo Castor de Mattos na coletiva.
Os dados estão disponíveis no site do BNDES, neste link. Por que ninguém checou?
Na sanha de estabelecer conexão de qualquer coisa com qualquer coisa, a realidade vai sendo atropelada. “A Receita constatou que a empresa estava inativa na época, não tinha empregado, nem receita operacional quando ocorreu o primeiro empréstimo”, disse Mattos, baseado numa data fantasma.
Uma nota do BNDES esclarecendo a questão está sendo completamente ignorada em nome da histeria coletiva. “Com relação ao contrato de R$101,5 milhões, celebrado em 23/07/2012 com os agentes financeiros Banco do Brasil e BTG, para repasse de recursos a São Fernando Energia, trata-se da implantação do segundo sistema de cogeração, também acoplado aos demais processos produtivos da unidade São Fernando Açúcar e Álcool”, afirma o comunicado. “Portanto, não faz sentido a afirmação de que o financiamento teria sido direcionado a uma empresa que possuía menos de uma dezena de funcionários.”
Como ninguém apura nada quando o assunto são os eternos suspeitos, Eliane Cantanhêde já fala, em sua coluna no Estadão, na “prisão do amigão do Lula que recebeu milhões do BNDES para uma empresa inativa”. Não haverá correção porque, em casos assim, o erro é permitido e estimulado.
Depois de decretar a prisão de Bumlai, Moro enviou um ofício à CPI do BNDES pedindo desculpas por inviabilizar o depoimento dele aos parlamentares. O banco entrou de carona na Lava Jato. Qual a justificativa para um juiz do Paraná colocar o BNDES nessa história?
A resposta está na caçada a Lula.